A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Francisco Rezende 30º ENCONTRO REGIONAL IRIB - INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL 24 a 26 de Maio de 2012 São Luiz - Maranhão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Francisco Rezende 30º ENCONTRO REGIONAL IRIB - INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL 24 a 26 de Maio de 2012 São Luiz - Maranhão."— Transcrição da apresentação:

1 Francisco Rezende 30º ENCONTRO REGIONAL IRIB - INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL 24 a 26 de Maio de 2012 São Luiz - Maranhão

2 Francisco Rezende Valestan Milhomen da Costa Dec lei – 1946 – O Trata e discrimina os bens de Públicos dentre eles os terrenos de Marinha. Lei de 1973 – Registro de Imóveis e os bens da União. Dec de Certidões exigidas para a transm. de bens públicos Lei de Cadastro.Obriga o registro registro dos bens públicos Art 49 ADCT da Const. Federal – Terrenos de Marinha Natureza jurídica dos terrenos de Marinha – Bens públicos dominicais

3 Francisco Rezende A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA NO BRASIL Bens públicos Bens privados Aquisições originárias e derivadas Os bens públicos : imprescritibilidade, a impenhorabilidade, a alienabilidade condicionada Bens de uso comum do povo Bens de uso especial Bens dominicais Afetação ou desafetação. (Lei n.6.015/73)

4 Francisco Rezende Regularização de terras públicas Como a União, Estados promovem a regularização das suas terras ? Resposta : Por intermédio do chamado Procedimento discriminatório que pode ser por via administrativa ou judicial. O procedimento também é chamado de Arrecadação. A lei que rege o procedimento administrativo é a lei n , de 7 de dezembro de 1976, que somente prescreveu o processo discriminatório para a União (art. 1º) e Estado (art. 27). O município ficou de fora. O Município. Não havendo previsão legal para o procedimento administrativo por parte do município, este não poderá se utilizar desta forma de regularização de terras, lhe restando a via jurisdicional como única saída.

5 Francisco Rezende Regularização de terras públicas Lei n , de 7 de dezembro de 1976 : Art Encerrado o processo discriminatório, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA providenciará o registro, em nome da União, das terras devolutas discriminadas, definidas em lei, como bens da União. Parágrafo único. Caberá ao oficial do Registro de Imóveis proceder à matrícula e ao registro da área devoluta discriminada em nome da União. Art O processo discriminatório previsto nesta Lei aplicar-se-á, no que couber, às terras devolutas estaduais.....

6 Francisco Rezende Regularização Fundiária -Várias Leis abordam a questão. LEI Nº DE 31 DE MAIO DE Art. 6o O Decreto-Lei nº 9.760, de 5 de setembro de 1946 (bens imóveis da União), passa a vigorar acrescido dos seguintes dispositivos: Seção III-A trata da Demarcação de Terrenos para Regularização Fundiária de Interesse Social – a partir do art. 18-A Lei de 25 de junho de Regul. fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal, mediante alienação e concessão de direito real de uso de imóveis. Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº , de 2011

7 Francisco Rezende LEI Nº DE 31 DE MAIO DE 2007 Art. 6o O Decreto-Lei nº 9.760, de 5 de setembro de 1946 ( bens imóveis da União), passa a vigorar acrescido dos seguintes dispositivos: Seção III-A Da Demarcação de Terrenos para Regularização Fundiária de Interesse Social Art. 18-A. A União poderá lavrar auto de demarcação nos seus imóveis, nos casos de regularização fundiária de interesse social, com base no levantamento da situação da área a ser regularizada. § 1o Considera-se regularização fundiária de interesse social aquela destinada a atender a famílias com renda familiar mensal não superior a 5 (cinco) salários mínimos. § 2o O auto de demarcação assinado pelo Secretário do Patrimônio da União deve ser instruído com:

8 Francisco Rezende LEI Nº DE 31 DE MAIO DE 2007 § 2o O auto de demarcação assinado pelo Secretário do Patrimônio da União deve ser instruído com: I - planta e memorial descritivo da área a ser regularizada bem como seu número de matrícula ou transcrição e o nome do pretenso proprietário, quando houver; II - planta de sobreposição da área demarcada com a sua situação constante do registro de imóveis e, quando houver, transcrição ou matrícula respectiva; III - certidão da matrícula ou transcrição relativa à área a ser regularizada, emitida pelo registro de imóveis competente e das circunscrições imobiliárias anteriormente competentes, quando houver; IV - certidão da Secretaria do Patrimônio da União de que a área pertence ao patrimônio da União, indicando o Registro Imobiliário Patrimonial - RIP e o responsável pelo imóvel, quando for o caso; V - planta ; e VI - planta

9 Francisco Rezende LEI Nº DE 31 DE MAIO DE 2007 Art. 18-B. Prenotado e autuado o pedido de registro da demarcação no registro de imóveis, o oficial, no prazo de 30 (trinta) dias, procederá às buscas para identificação de matrículas ou transcrições correspondentes à área a ser regularizada e examinará os documentos apresentados, comunicando ao apresentante, de 1 (uma) única vez, a existência de eventuais exigências para a efetivação do registro. Art. 18-C. Inexistindo matrícula ou transcrição anterior e estando a documentação em ordem, ou atendidas as exigências feitas no art. 18-B desta Lei, o oficial do registro de imóveis deve abrir matrícula do imóvel em nome da União e registrar o auto de demarcação.

10 Francisco Rezende LEI Nº DE 31 DE MAIO DE 2007 Art. 18-D. Havendo registro anterior, o oficial do registro de imóveis deve notificar pessoalmente o titular de domínio, no imóvel, no endereço que constar do registro imobiliário ou no endereço fornecido pela União, e, por meio de edital, os confrontantes, ocupantes e terceiros interessados. § 1o Não sendo encontrado o titular de domínio, tal fato será certificado pelo oficial encarregado da diligência, que promoverá sua notificação mediante o edital referido no caput deste artigo. § 2o O edital conterá § 3o No prazo de 15 (quinze) dias § 4o Presumir-se-á a anuência dos notificados que deixarem § 5o A publicação dos editais de que trata este artigo será feita pela União, que encaminhará ao oficial do registro de imóveis os exemplares dos jornais que os tenham publicado.

11 Francisco Rezende LEI Nº DE 31 DE MAIO DE 2007 Art. 18-E. Decorrido o prazo previsto no § 3o do art. 18-D desta Lei sem impugnação, o oficial do registro de imóveis deve abrir matrícula do imóvel em nome da União e registrar o auto de demarcação, procedendo às averbações necessárias nas matrículas ou transcrições anteriores, quando for o caso. Parágrafo único. Havendo registro de direito real sobre a área demarcada ou parte dela, o oficial deverá proceder ao cancelamento de seu registro em decorrência da abertura da nova matrícula em nome da União.

12 Francisco Rezende LEI Nº DE 31 DE MAIO DE 2007 Art. 18-F. Havendo impugnação, o oficial do registro de imóveis dará ciência de seus termos à União. § 1o Não havendo acordo entre impugnante e a União, a questão deve ser encaminhada ao juízo competente § 2o Julgada improcedente a impugnação, os autos devem ser encaminhados ao registro de imóveis para que o oficial proceda na forma do art. 18-E desta Lei. § 3o Sendo julgada procedente a impugnação, os autos devem ser restituídos ao registro de imóveis para as anotações necessárias e posterior devolução ao poder público. § 4o A prenotação do requerimento de registro da demarcação ficará prorrogada até o cumprimento da decisão proferida pelo juiz

13 Francisco Rezende Lei de 25 de junho de Dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal, mediante alienação e concessão de direito real de uso de imóveis.

14 Francisco Rezende Lei de 25 de junho de Art. 3o São passíveis de regularização fundiária nos termos desta Lei as ocupações incidentes em terras: I - discriminadas, arrecadadas e registradas em nome da União com base no art. 1o do Decreto-Lei no 1.164, de 1o de abril de 1971;art. 1o do Decreto-Lei no 1.164, de 1o de abril de 1971 II - abrangidas pelas exceções dispostas no parágrafo único do art. 1o do Decreto-Lei no 2.375, de 24 de novembro de 1987;art. 1o do Decreto-Lei no 2.375, de 24 de novembro de 1987 III - remanescentes de núcleos de colonização ou de projetos de reforma agrária que tiverem perdido a vocação agrícola e se destinem à utilização urbana; IV - devolutas localizadas em faixa de fronteira; ou V - registradas em nome do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - Incra, ou por ele administradas.

15 Francisco Rezende Lei de 25 de junho de Art. 24. Quando necessária a prévia arrecadação ou a discriminação da área, o Incra ou, se for o caso, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão procederá à sua demarcação, com a cooperação do Município interessado e de outros órgãos públicos federais e estaduais, promovendo, em seguida, o registro imobiliário em nome da União.

16 Francisco Rezende Lei de 25 de junho de Art. 26. O Ministério do Desenvolvimento Agrário ou, se for o caso, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão formalizará a doação em favor do Município, com a expedição de título que será levado a registro, nos termos do art. 167, inciso I, da Lei no 6.015, de art. 167, inciso I, da Lei no 6.015, de 1973 § 1o A formalização da concessão de direito real de uso no caso previsto no § 2o do art. 21 desta Lei será efetivada pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. § 2o Na hipótese de estarem abrangidas as áreas referidas nos incisos I a IV do caput do art. 4o desta Lei, o registro do título será condicionado à sua exclusão, bem como à abertura de nova matrícula para as áreas destacadas objeto de doação ou concessão no registro imobiliário competente, nos termos do inciso I do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de inciso I do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973.

17 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 Trouxe no seu bojo importantes medidas de caráter social, como o Programa Minha Casa Minha Vida, que se destina a assentar famílias em mais de 2 milhões de propriedades imobiliárias a serem construídas com parte com recursos do governo e parte com financiamento, a este programa dotados. Trouxe ainda o Registro Eletrônico ser implantada no prazo máximo de 5 anos, a partir da lei em todos os Cartórios de Registros de Imóveis do Brasil, e também a regularização fundiária de assentamentos localizados em áreas urbanas.

18 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 A regularização fundiária consiste no conjunto de medidas jurídicas, urbanísticas, ambientais e sociais que visam à regularização de assentamentos irregulares e à titulação de seus ocupantes, de modo a garantir o direito social à moradia, o pleno desenvolvimento das funções sociais da propriedade urbana e o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado.

19 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 A regularização - Registro de Imóveis. Finaliza - conversão da legitimação de posse em propriedade diretamente perante o Registro de Imóveis, consagrando com isso o instituto da usucapião extrajudicial. A Regularização fundiária pode ser operacionalizada em imóveis tanto urbanos quanto rurais. Área urbana é a parcela do território, contínua ou não, incluída no perímetro urbano pelo Plano Diretor ou por lei municipal específica ( art. 47, I da Lei de 2009)

20 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 A demarcação urbanística e a legitimação de posse não implicam a alteração de domínio dos bens imóveis sobre os quais incidirem, o que somente se processará com a conversão da legitimação de posse em propriedade, nos termos do art. 60 da Lei /09. A regularização fundiária poderá ser promovida pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, seus beneficiários, individual ou coletivamente, cooperativas habitacionais, associações de moradores, fundações, organizações sociais, organizações da sociedade civil de interesse público ou outras associações civis Somente a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão promover os atos de demarcação e a legitimação

21 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 Existem dois tipos de regularização a Regularização Fundiária de Interesse Social e a Regularização Fundiária de Interesse Específico. Na Regularização Fundiária de Interesse Social são consideradas as características da ocupação e da área ocupada para definir parâmetros urbanísticos e ambientais específicos, além de identificar os lotes, as vias de circulação e as áreas destinadas a uso público. Nela cabe ao poder público a implantação do sistema viário e da infraestrutura básica, A regularização poderá ser feita em Áreas de Preservação Permanente, ocupadas até 31 de dezembro de 2007 e inseridas em área urbana consolidada.

22 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 Já a Regularização Fundiária de Interesse Específico deverá observar as restrições à ocupação de Áreas de Preservação Permanente e demais disposições previstas na legislação ambiental e a responsabilidade pela implantação do sistema viário, da infraestrutura básica dos equipamentos comunitários e ainda das medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental serão definidas pela autoridade municipal.

23 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 Também para o Registro de Imóveis os tipos de regularização são tratados de forma diferenciada. Na Regularização de interesse específico, ou seja, áreas que foram objeto de loteamentos mas não devidamente regularizadas a documentação a ser apresentada é a da lei 6.766/79, já quando da regularização para fins sociais, a documentação é reduzida.

24 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 O auto de demarcação urbanística poderá abranger parte ou a totalidade de um ou mais imóveis sejam públicos ou privados Encaminhado o auto de demarcação urbanística ao registro de imóveis, o oficial deverá proceder às buscas para identificação do proprietário da área a ser regularizada e de matrículas ou transcrições que a tenham por objeto a regularização A demarcação urbanística será averbada nas matrículas alcançadas pela planta. Averbada a demarcação, o poder público deverá levar o parcelamento a registro.

25 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 Na seqüência poderão ser concedidos os títulos de legitimação de posse aos ocupantes e estes títulos serão registrados na matrícula do imóvel. Poderá ser concedida e registrada o título de posse em regime condominial. Transcorridos 5 anos do registro do título de legitimação, o detentor poderá requerer ao Oficial do Registro a sua conversão em propriedade, afigurando-se neste ato a usucapião administrativa Constitucional.

26 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 A averbação do auto de demarcação urbanística, não se altera a situação dominial do(s) imóvel(eis) sobre o(s) qual(is) incide(m) tal demarcação. Contudo, nas matrículas/transcrições dos imóveis atingidos deverá ser feita a averbação-notícia dessa circunstância apenas para fins de publicidade, e caso o imóvel de origem já esteja matriculado, esta não deverá ser encerrada. Observe-se que essa averbação não impedirá que os imóveis atingidos pela demarcação sejam alienados ou onerados a terceiros, desde que do título conste expressa ciência e anuência do adquirente/credor sobre a existência da demarcação e seus efeitos.

27 Francisco Rezende A Lei de 07 de julho de 2009 – alterada pela Lei nº de 2011 O registro do parcelamento resultante do projeto de regularização fundiária é efetuado da seguinte forma: Abertura de matrícula para a área objeto da regularização. (observar os procedimentos registrais próprios). I – abertura de matrícula para toda a área objeto de regularização, se esta já não existir; ou II – abertura de matrícula para cada uma das parcelas resultantes do projeto de regularização fundiária. Todas as matrículas das áreas destinadas a uso público deverão ser abertas de ofício, com averbação das respectivas destinações (afetação).


Carregar ppt "Francisco Rezende 30º ENCONTRO REGIONAL IRIB - INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL 24 a 26 de Maio de 2012 São Luiz - Maranhão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google