A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REGULARIZAÇÃO DE INTERESSE ESPECÍFICO Maria do Carmo de Rezende Campos Couto Oficial do Registro de Imóveis e Anexos de Atibaia-SP Legislação : (art. 61.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REGULARIZAÇÃO DE INTERESSE ESPECÍFICO Maria do Carmo de Rezende Campos Couto Oficial do Registro de Imóveis e Anexos de Atibaia-SP Legislação : (art. 61."— Transcrição da apresentação:

1 REGULARIZAÇÃO DE INTERESSE ESPECÍFICO Maria do Carmo de Rezende Campos Couto Oficial do Registro de Imóveis e Anexos de Atibaia-SP Legislação : (art. 61 a 62 da lei /09) Definição: (art. 47, VIII) aquela no qual não for caracterizado o interesse social H Há interesse social quando os assentamentos irregulares são ocupados, predominantemente, por população de baixa renda nos casos:

2 de área ocupada, de forma mansa e pacífica, há pelos menos 05 anos de área ocupada, de forma mansa e pacífica, há pelos menos 05 anos de imóveis situados em ZEIS ou de imóveis situados em ZEIS ou áreas públicas declaradas de interesse para implantação de projetos de regularização fundiária de interesse social áreas públicas declaradas de interesse para implantação de projetos de regularização fundiária de interesse social

3 Definição por exclusão áreas fora de ZEIS ocupadas por população que não é de baixa renda áreas fora de ZEIS ocupadas por população que não é de baixa renda parcelamentos urbanos posteriores á Lei 6.766/79 implantados e integrados à cidade parcelamentos urbanos posteriores á Lei 6.766/79 implantados e integrados à cidade parcelamento para fins urbanos posteriores á Lei 6.766/79 parcialmente implantados e mesmo que não integrados à cidade (zona de expansão urbana, loteamentos mais afastados ou até situado em zona rural mas com destinação urbana(Chácaras de Recreio) parcelamento para fins urbanos posteriores á Lei 6.766/79 parcialmente implantados e mesmo que não integrados à cidade (zona de expansão urbana, loteamentos mais afastados ou até situado em zona rural mas com destinação urbana(Chácaras de Recreio) área alienadas sob a forma de condomínio (venda de frações ideais) – art. 65,III da Lei /09 área alienadas sob a forma de condomínio (venda de frações ideais) – art. 65,III da Lei /09

4 Regras gerais que se aplicam a todos os tipos de regularização Regras gerais que se aplicam a todos os tipos de regularização podem ser implementadas por etapas podem ser implementadas por etapas nos assentamentos consolidados antes de 08/07/09 o Município poderá autorizar a redução do percentual de áreas públicas e da área mínima dos lotes definidos na lei 6.766/79 nos assentamentos consolidados antes de 08/07/09 o Município poderá autorizar a redução do percentual de áreas públicas e da área mínima dos lotes definidos na lei 6.766/79 O Município poderá dispor sobre o procedimento de regularização fundiária em seu território (art.49). O Município poderá dispor sobre o procedimento de regularização fundiária em seu território (art.49). A ausência de regulamentação não obsta a regularização fundiária. A ausência de regulamentação não obsta a regularização fundiária.

5 A regularização poderá ser promovida pela União, Estados, DF e Municípios e também por: A regularização poderá ser promovida pela União, Estados, DF e Municípios e também por: I - seus beneficiários, individual ou coletivamente; e I - seus beneficiários, individual ou coletivamente; e II - cooperativas habitacionais, associações de moradores, fundações, organizações sociais, organizações da sociedade civil de interesse público ou outras associações que tenham por finalidade atividades nas áreas de desenvolvimento urbano ou regularização fundiária (art. 50). II - cooperativas habitacionais, associações de moradores, fundações, organizações sociais, organizações da sociedade civil de interesse público ou outras associações que tenham por finalidade atividades nas áreas de desenvolvimento urbano ou regularização fundiária (art. 50).

6 Os legitimados poderão promover todos os atos necessários à regularização fundiária, inclusive os atos de registro. Os legitimados poderão promover todos os atos necessários à regularização fundiária, inclusive os atos de registro. O Município definirá os requisitos para elaboração do projeto no que se refere aos desenhos, ao memorial descritivo e ao cronograma físico de obras e serviços a serem realizados (§ 2º do art. 51) O Município definirá os requisitos para elaboração do projeto no que se refere aos desenhos, ao memorial descritivo e ao cronograma físico de obras e serviços a serem realizados (§ 2º do art. 51)

7 Observações Observações Não há previsão para utilização da demarcação urbanística, legitimação de posse e usucapião administrativo – extrajudicial Não há previsão para utilização da demarcação urbanística, legitimação de posse e usucapião administrativo – extrajudicial Não há previsão legitimando o próprio loteador a promover a regularização, mas pode-se admitir essa hipótese nos casos em que há ação civil pública ou Inquérito com TAC assinado com o Ministério Público Não há previsão legitimando o próprio loteador a promover a regularização, mas pode-se admitir essa hipótese nos casos em que há ação civil pública ou Inquérito com TAC assinado com o Ministério Público

8 Regras próprias Regras próprias Especialidade objetiva: terreno regularizado deve corresponder ao matriculado. Especialidade objetiva: terreno regularizado deve corresponder ao matriculado. Se não corresponder: retificação (art. 213 LRP) Se não corresponder: retificação (art. 213 LRP) A regularização depende da analise e aprovação de projeto pela autoridade licenciadora, bem como da emissão das respectivas licenças urbanística e ambiental. (art. 61 da Lei /09) A regularização depende da analise e aprovação de projeto pela autoridade licenciadora, bem como da emissão das respectivas licenças urbanística e ambiental. (art. 61 da Lei /09)

9 Regras próprias (cont) Regras próprias (cont) o projeto deverá observar as restrições à ocupação de Áreas de Preservação Permanente e demais disposições previstas na legislação ambiental. (§ 1º do art. 61 da Lei /09) o projeto deverá observar as restrições à ocupação de Áreas de Preservação Permanente e demais disposições previstas na legislação ambiental. (§ 1º do art. 61 da Lei /09) A autoridade licenciadora poderá exigir contrapartida bem como compensações urbanísticas e ambientais, na forma da legislação vigente. (§ 2º do art.61) A autoridade licenciadora poderá exigir contrapartida bem como compensações urbanísticas e ambientais, na forma da legislação vigente. (§ 2º do art.61)

10 Regras próprias (cont) Regras próprias (cont) a autoridade licenciadora deverá definir, nas licenças urbanística e ambiental as responsabilidades relativas à implantação (art. 62): a autoridade licenciadora deverá definir, nas licenças urbanística e ambiental as responsabilidades relativas à implantação (art. 62): do sistema viário; da infraestrutu- ra básica; dos equipamentos comunitários definidos no projeto de regularização fundiária; e das medidas de mitigação e de com- pensação urbanística e ambiental eventualmente exigidas.

11 Regras próprias (cont ) Regras próprias (cont ) as responsabilidades previstas no item anterior poderão ser com- partilhadas com os beneficiários da regularização fundiária de interesse específico, com base na análise de, pelo menos, 2 (dois) aspectos: I– os investimentos em infraestrutura e equipamentos comunitários já realizados pelos moradores; e II – o poder aquisi- itivo da população a ser beneficiada. as responsabilidades previstas no item anterior poderão ser com- partilhadas com os beneficiários da regularização fundiária de interesse específico, com base na análise de, pelo menos, 2 (dois) aspectos: I– os investimentos em infraestrutura e equipamentos comunitários já realizados pelos moradores; e II – o poder aquisi- itivo da população a ser beneficiada.

12 Regras próprias (cont.) Regras próprias (cont.) as medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental, eventualmente exigidas, deverão integrar termo de compromisso, firmado perante as autoridades responsáveis pela emissão das licenças urbanística e ambiental, ao qual se garantirá força de título executivo extrajudicial. (§ 2º do art.62) as medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental, eventualmente exigidas, deverão integrar termo de compromisso, firmado perante as autoridades responsáveis pela emissão das licenças urbanística e ambiental, ao qual se garantirá força de título executivo extrajudicial. (§ 2º do art.62)

13 Autoridade Licenciadora Autoridade Licenciadora Licença urbanística: compete à Prefeitura Municipal, mediante a aprovação do projeto de reg. regularização. Licença urbanística: compete à Prefeitura Municipal, mediante a aprovação do projeto de reg. regularização. Município tb define as responsabi- lidades quanto à implantação do sistema viário, infraestrutura bá- sica; equipamentos comunitários definidos no projeto; e de even- tuais medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental exigidas. Município tb define as responsabi- lidades quanto à implantação do sistema viário, infraestrutura bá- sica; equipamentos comunitários definidos no projeto; e de even- tuais medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental exigidas.

14 Autoridade Licenciadora Licença urbanística Autoridade Licenciadora Licença urbanística No Estado de SP, o Graprohab não atua nas regularizações fundiárias, sendo competente para licenciar somente novos parcelamentos, a serem implantados, conforme artigos 1º e 5º do Decreto /2007. No Estado de SP, o Graprohab não atua nas regularizações fundiárias, sendo competente para licenciar somente novos parcelamentos, a serem implantados, conforme artigos 1º e 5º do Decreto /2007. Portanto, quanto à licença urbanística, basta a aprovação municipal. Portanto, quanto à licença urbanística, basta a aprovação municipal.

15 Licença ambiental – qual é o órgão competente? há que se verificar a legislação federal e estadual a respeito há que se verificar a legislação federal e estadual a respeito Art. 24 da CF: estabelece competência concorrente da União, Estado e DF em matéria de proteção ao meio ambiente e controle de poluição Art. 24 da CF: estabelece competência concorrente da União, Estado e DF em matéria de proteção ao meio ambiente e controle de poluição Leis federais e estaduais devem ser respeitadas. Leis federais e estaduais devem ser respeitadas. Lei federal: normas gerais Lei federal: normas gerais Nenhuma pode excluir a outra Nenhuma pode excluir a outra

16 Licença ambiental Em SP: Dec /2007 instituiu o Programa Cidade Legal, inicialmente -todos os tipos de regularização fund. Em SP: Dec /2007 instituiu o Programa Cidade Legal, inicialmente -todos os tipos de regularização fund. Alterado pelo Dec de 05/04/ apenas os núcleos habitacionais de interesse social ou ocupados predominantemente por população de baixa renda Alterado pelo Dec de 05/04/ apenas os núcleos habitacionais de interesse social ou ocupados predominantemente por população de baixa renda Projetos analisados, aprovados, recebem a DECUA: Declaração de Conformidade Urbanística e Ambiental. Projetos analisados, aprovados, recebem a DECUA: Declaração de Conformidade Urbanística e Ambiental.

17 Licença ambiental A DECUA : criada pela Res.Conj. SH/ SMA-3 de 09/01/2009, que tb estabeleceu regras para o convênio entre os Municípios e o Comitê C.Legal. A DECUA : criada pela Res.Conj. SH/ SMA-3 de 09/01/2009, que tb estabeleceu regras para o convênio entre os Municípios e o Comitê C.Legal. Art.4º prevê que as regularizações de interesse social situadas fora de áreas ambientalmente protegidas ou desprovidas de qualquer restrição de ordem ambiental, não necessitam de prévia anuência ou manifestação do órgão estadual Ambiental, desde que os núcleos estejam incluídos no Programa Cidade Legal. Art.4º prevê que as regularizações de interesse social situadas fora de áreas ambientalmente protegidas ou desprovidas de qualquer restrição de ordem ambiental, não necessitam de prévia anuência ou manifestação do órgão estadual Ambiental, desde que os núcleos estejam incluídos no Programa Cidade Legal.

18 Licença ambiental Núcleos habitacionais para fins de regularização fundiária de interesse específico que já estavam inscritos no Programa Cidade Legal por ocasião da edição do Decreto em 05/04/2011, serão analisados e receberão a DECUA Núcleos habitacionais para fins de regularização fundiária de interesse específico que já estavam inscritos no Programa Cidade Legal por ocasião da edição do Decreto em 05/04/2011, serão analisados e receberão a DECUA

19 Resolução Conjunta SH/SMA-3 de 09/01/2009 Resolução Conjunta SH/SMA-3 de 09/01/2009 Dessa resolução, pode-se concluir: Os Municípios que não tem convênio com o Comitê do P.Cidade Legal devem solicitar a analise e aprovação dos projetos de regularização diretamente aos órgãos estaduais e federais competentes, entre eles o referido Comitê. Os Municípios que não tem convênio com o Comitê do P.Cidade Legal devem solicitar a analise e aprovação dos projetos de regularização diretamente aos órgãos estaduais e federais competentes, entre eles o referido Comitê. Os municípios que tem convênio, são considerados capacitados a expedirem tanto a licença urbanística quanto a ambiental. Os municípios que tem convênio, são considerados capacitados a expedirem tanto a licença urbanística quanto a ambiental.

20 Licença ambiental Os Municípios, que tem convenio com o Cidade Legal, e que aprovaram regularizações fundiárias de interesse específico até 05/04/2011, essa aprovação implica na licença urbanística e ambiental. Os Municípios, que tem convenio com o Cidade Legal, e que aprovaram regularizações fundiárias de interesse específico até 05/04/2011, essa aprovação implica na licença urbanística e ambiental. Mas as regularizações de interesse específico aprovadas 05/04/2011, ou que não se encontravam inscritas no Programa Cidade Legal. Obterão a licença ambiental de qual órgão? Mas as regularizações de interesse específico aprovadas após 05/04/2011, ou que não se encontravam inscritas no Programa Cidade Legal. Obterão a licença ambiental de qual órgão?

21 Licença ambiental Quem tem essa autorização? Quem tem essa autorização? A legislação estadual paulista prevê a competência do estado, através da CETESB, para licenças que envolvam atividades geradoras de poluição. A legislação estadual paulista prevê a competência do estado, através da CETESB, para licenças que envolvam atividades geradoras de poluição. Parcelamento do solo é considerada como fonte de poluição (Lei 997/76, reg. Dec de 08/09/76) Parcelamento do solo é considerada como fonte de poluição (Lei 997/76, reg. Dec de 08/09/76)

22 Licença ambiental Regularização pode ser conside- rado parcelamento do solo? É fonte de poluição? Regularização pode ser conside- rado parcelamento do solo? É fonte de poluição? Há uma lacuna na Lei quanto a essa licença ambiental Há uma lacuna na Lei quanto a essa licença ambiental Como há competência concorrente em matéria ambiental, há outra norma federal e estadual sobre o assunto? Como há competência concorrente em matéria ambiental, há outra norma federal e estadual sobre o assunto?

23 Licença ambiental O artigo 6º Resolução 237 de 19/12/97 do CONAMA dispõe que Compete ao órgão ambiental municipal, ouvidos os órgãos competentes da União, dos Estados e do DF, o licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades de impacto ambiental local e daquelas que lhe forem delegadas pelo Estado por instrumento legal ou convênio. O artigo 6º Resolução 237 de 19/12/97 do CONAMA dispõe que Compete ao órgão ambiental municipal, ouvidos os órgãos competentes da União, dos Estados e do DF, o licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades de impacto ambiental local e daquelas que lhe forem delegadas pelo Estado por instrumento legal ou convênio.

24 Licença ambiental E o artigo 20 dessa Resolução dispõe: Os, para exercerem suas competências licenciatórias, deverão ter implementados os Conselhos de Meio Ambiente, com caráter deliberativo e participação social e, ainda, possuir em seus quadros ou a sua disposição profissionais legalmente habilitados. E o artigo 20 dessa Resolução dispõe: Os entes federados, para exercerem suas competências licenciatórias, deverão ter implementados os Conselhos de Meio Ambiente, com caráter deliberativo e participação social e, ainda, possuir em seus quadros ou a sua disposição profissionais legalmente habilitados.

25 Licença ambiental Assim, o município, para ser autoridade licenciadora exigida pelo art. 61 da lei /09 deve preencher os requisitos do art. 20 da Res.237 do CONAMA: possuir Conselhos de Meio Ambiente, com caráter deliberativo e participação social e, ainda, ter em seus quadros ou a sua disposição profissionais legalmente habilitados, e Assim, o município, para ser autoridade licenciadora exigida pelo art. 61 da lei /09 deve preencher os requisitos do art. 20 da Res.237 do CONAMA: possuir Conselhos de Meio Ambiente, com caráter deliberativo e participação social e, ainda, ter em seus quadros ou a sua disposição profissionais legalmente habilitados, e Deve receber delegação do Estado por instrumento legal ou convênio. Deve receber delegação do Estado por instrumento legal ou convênio. (Em SP = CETESB) (Em SP = CETESB)

26 Licença ambiental NÚCLEOS situados em áreas Ambientais de interesse nacional ou regional, devem obter, ainda, licença do IBAMA ( artigo 4º da referida resolução 237) NÚCLEOS situados em áreas Ambientais de interesse nacional ou regional, devem obter, ainda, licença do IBAMA ( artigo 4º da referida resolução 237) Esse órgão pode delegar competência ao Estado. Esse órgão pode delegar competência ao Estado.

27 Licença ambiental - A rt. 5º da Resolução 237 de 19/12/97: Terreno em mais de um município, ou em área Unidade de Conservação estadual ou do DF, ( parque estadual, APA, RPPN, ou se localizados em área de vegetação natural, APP, e em áreas cujos impactos ambientais diretos ultrapassem os limites territoriais de um ou mais município, etc), é necessária a licença do órgão ambiental estadual. Em SP = CETESB

28 Licenças Especiais: Núcleo habitacional localizado em APA Licenças Especiais: Núcleo habitacional localizado em APA APA- Área de Preservação Ambiental – é uma Unidade de Conservação (lei9.985/2000)- criada por lei e deve ser regulamentada. APA- Área de Preservação Ambiental – é uma Unidade de Conservação (lei9.985/2000)- criada por lei e deve ser regulamentada. Deve ter um Conselho, presidido pelo órgão responsável por sua administração e gestão Deve ter um Conselho, presidido pelo órgão responsável por sua administração e gestão Em SP: há APAs criadas, mas regula- mentadas só as da Bacia Guarapiranga e Represa Billings. Em SP: há APAs criadas, mas regula- mentadas só as da Bacia Guarapiranga e Represa Billings. APA regulamentada: deve ser exigido o licenciamento do seu órgão gestor deliberativo. APA regulamentada: deve ser exigido o licenciamento do seu órgão gestor deliberativo.

29 Núcleo habitacional localizado em APP Núcleo habitacional localizado em APP APP-Área de Preservação Permanente – projeto de regularização deve observar as restrições quanto à ocupação de APP previstas na leg.ambiental APP-Área de Preservação Permanente – projeto de regularização deve observar as restrições quanto à ocupação de APP previstas na leg.ambiental Não incide a exceção do § 1º do art. 54 da Lei /09 (para reg interesse social) que permite que o Município, por decisão motivada, admitir regularização em APP. Não incide a exceção do § 1º do art. 54 da Lei /09 (para reg interesse social) que permite que o Município, por decisão motivada, admitir regularização em APP.

30 Núcleo habitacional localizado em APP Núcleo habitacional localizado em APP Possível a regularização que envolva APP não ocupada (ex: atinge parte de lotes) ou quando haja ínfimas intervenções de pouco ou nenhum impacto, situaççoes que merecem ser estudadas de forma diferenciada e, havendo aprovação do órgão ambiental estadual, a regularização poderá ser feita. Possível a regularização que envolva APP não ocupada (ex: atinge parte de lotes) ou quando haja ínfimas intervenções de pouco ou nenhum impacto, situaççoes que merecem ser estudadas de forma diferenciada e, havendo aprovação do órgão ambiental estadual, a regularização poderá ser feita. Possibilidade: poderá ser exigida contra-partida e compensações urbanísticas e ambientais, definindo as medidas de mitigação ambiental e de compensação eventualmente exigidas ( art. 62, IV) Possibilidade: poderá ser exigida contra-partida e compensações urbanísticas e ambientais, definindo as medidas de mitigação ambiental e de compensação eventualmente exigidas ( art. 62, IV)

31 Resumo dos licenciamento Resumo dos licenciamento 1.Nas regularizações de interesse especifico aprovadas até 05/04/2011, por Municípios que têm convênio com o Comitê Cidade Legal: o licenciamento implica nas licenças urbanísticas e ambiental. 1.Nas regularizações de interesse especifico aprovadas até 05/04/2011, por Municípios que têm convênio com o Comitê Cidade Legal: o licenciamento implica nas licenças urbanísticas e ambiental. 2. Nas demais casos: necessário o licenciamento estadual (em SP= CETESB), exceto se houver convenio (art. 6º da Res. 237) e desde que o Município possua Conselho de Meio Ambiente legalmente constituído e capacitado (art. 20) 2. Nas demais casos: necessário o licenciamento estadual (em SP= CETESB), exceto se houver convenio (art. 6º da Res. 237) e desde que o Município possua Conselho de Meio Ambiente legalmente constituído e capacitado (art. 20)

32 Resumo dos licenciamento Resumo dos licenciamento 3.Núcleo habitacional situado em APA devidamente regulamentada: é neces- sário, também, o licenciamento do seu órgão gestor deliberativo. 3.Núcleo habitacional situado em APA devidamente regulamentada: é neces- sário, também, o licenciamento do seu órgão gestor deliberativo. 4. Se houver interesses ambientais regionais ou nacionais envolvidos, deve haver licença do IBAMA 4. Se houver interesses ambientais regionais ou nacionais envolvidos, deve haver licença do IBAMA 5. As reg.de interesse específico não podem abranger áreas localizadas em APP. Admitem-se pequenas intervenções, desde que licenciadas pelo órgão estadual. 5. As reg.de interesse específico não podem abranger áreas localizadas em APP. Admitem-se pequenas intervenções, desde que licenciadas pelo órgão estadual.

33 Projeto da Regularização Projeto da Regularização Deve definir os elementos previstos no art. 51da lei /09 (áreas, lotes, vias de circulação, áreas de uso público Deve definir os elementos previstos no art. 51da lei /09 (áreas, lotes, vias de circulação, áreas de uso público Nos assentamentos consolidados anteriormente à publicação da lei /09 (em 08/07/2009), o Município poderá autorizar a redução do percentual de áreas destinadas ao uso público e da área mínima dos lotes definidos na legislação de parcelamento do solo urbano. Nos assentamentos consolidados anteriormente à publicação da lei /09 (em 08/07/2009), o Município poderá autorizar a redução do percentual de áreas destinadas ao uso público e da área mínima dos lotes definidos na legislação de parcelamento do solo urbano.

34 No Registro de Imóveis No Registro de Imóveis requerimento feito por um dos legitimados (art. 50): requerimento feito por um dos legitimados (art. 50): certidão atualizada da matricula, certidão atualizada da matricula, projeto de regularização aprovado, projeto de regularização aprovado, certidão atualizada dos atos constitutivos de PJ legitimada certidão atualizada dos atos constitutivos de PJ legitimada instituição e convenção de condomínio (quando se tratar de regularização de condomínios ou sejam, áreas alienadas em frações ideais) e a regularização for promovida nesta modalidade. instituição e convenção de condomínio (quando se tratar de regularização de condomínios ou sejam, áreas alienadas em frações ideais) e a regularização for promovida nesta modalidade.

35 No Registro de Imóveis No Registro de Imóveis O registro independe dos requisitos da lei 6.766/79 ou seja, não deve ser exigida a documentação prevista no artigo 18. O registro independe dos requisitos da lei 6.766/79 ou seja, não deve ser exigida a documentação prevista no artigo 18. Será aberta matricula para a área a ser regularizada, se ainda não houver, e registrado o parcelamento (art. 288-A, I e II da LRP) Será aberta matricula para a área a ser regularizada, se ainda não houver, e registrado o parcelamento (art. 288-A, I e II da LRP) Serão abertas matriculas para todas as parcelas que resultarem da regularização fundiária. (art. 288-A, III da LRP) Serão abertas matriculas para todas as parcelas que resultarem da regularização fundiária. (art. 288-A, III da LRP)

36 No Registro de Imóveis No Registro de Imóveis Abrir matrículas das áreas públicas: averbar as destinações e, se for o caso, as limitações administrativas e restrições convencionais ou legais. (§2º do art. 288-A) Abrir matrículas das áreas públicas: averbar as destinações e, se for o caso, as limitações administrativas e restrições convencionais ou legais. (§2º do art. 288-A) Na regularização implementada por etapas, deve ser apresentado planta e memorial descritivo referentes à totalidade da área objeto de regularização, que especifiquem as porções ainda não regularizadas (.Art. 288-B da LRP). Na regularização implementada por etapas, deve ser apresentado planta e memorial descritivo referentes à totalidade da área objeto de regularização, que especifiquem as porções ainda não regularizadas (.Art. 288-B da LRP).

37 No Registro de Imóveis No Registro de Imóveis A planta e o memorial descritivo deverão ser assinados por profissional legalmente habilitado, dispensada a apresentação de anotação de responsabilidade técnica no CREA, quando o responsável técnico for servidor ou empregado público. A planta e o memorial descritivo deverão ser assinados por profissional legalmente habilitado, dispensada a apresentação de anotação de responsabilidade técnica no CREA, quando o responsável técnico for servidor ou empregado público. (Art. 288-C. da LRP) (Art. 288-C. da LRP)

38 Regularização por etapas Regularização por etapas Caso seja esta a opção, pode se iniciar o processo com a regularização das áreas públicas do loteamento, conforme permite o artigo 195-A da Lei 6.015/73. Caso seja esta a opção, pode se iniciar o processo com a regularização das áreas públicas do loteamento, conforme permite o artigo 195-A da Lei 6.015/73. Será apresentado requerimento do município acompanhado dos documentos previstos no art. 288-C da LRP Será apresentado requerimento do município acompanhado dos documentos previstos no art. 288-C da LRP Após as aberturas das matriculas dos bens públicos, procede-se á regularização das parcelas alienadas a terceiros. (já em quadras) Após as aberturas das matriculas dos bens públicos, procede-se á regularização das parcelas alienadas a terceiros. (já em quadras)

39 Titulação dos ocupantes Titulação dos ocupantes A lei /2009 previu novos institutos (demarcação urbanística, legitimação de posse, usucapião extrajudicial, etc ) somente para a regularização de interesse social. A lei /2009 previu novos institutos (demarcação urbanística, legitimação de posse, usucapião extrajudicial, etc ) somente para a regularização de interesse social. Contudo, entende-se que subsiste a possibilidade de aplicação do artigo 41 da Lei 6.766/79. Contudo, entende-se que subsiste a possibilidade de aplicação do artigo 41 da Lei 6.766/79. Este artigo não foi revogado, e não é incompatível com a lei /09 Este artigo não foi revogado, e não é incompatível com a lei /09

40 Hipóteses de Titulação dos ocupantes Hipóteses de Titulação dos ocupantes 1)- Parcelamento todo alienado a terceiros, regularizado pelo Município, com participação dos beneficiários: a) possível utilizar-se do art. 41 da Lei 6.766/79, com averbação do compromisso quitado, transmitindo-se a propriedade. a) possível utilizar-se do art. 41 da Lei 6.766/79, com averbação do compromisso quitado, transmitindo-se a propriedade. b)- sendo impossível o registro do compromisso: ação de adjudicação com- pulsória ou outorga de escritura contra o parcelador, ou usucapião b)- sendo impossível o registro do compromisso: ação de adjudicação com- pulsória ou outorga de escritura contra o parcelador, ou usucapião

41 Hipóteses de Titulação dos ocupantes Hipóteses de Titulação dos ocupantes 2)- Se somente parte dos lotes foram alienados: regularização pode ser feita por etapas, em quadras isoladas, ou com referencia aos imóveis alienados. Município pode requerer a abertura de MT das áreas públicas, na forma do art. 195-A e após, promover a regularização das parcelas alienadas a terceiros Município pode requerer a abertura de MT das áreas públicas, na forma do art. 195-A e após, promover a regularização das parcelas alienadas a terceiros possível utilizar-se do art. 41 da Lei 6.766/79. Sendo impossível: adjudicação compulsória, outorga de escritura, ou usucapião possível utilizar-se do art. 41 da Lei 6.766/79. Sendo impossível: adjudicação compulsória, outorga de escritura, ou usucapião

42 Hipóteses de Titulação dos ocupantes Hipóteses de Titulação dos ocupantes 3)- se grande parte do empreendimento já tiver sido alienado- e o parcelador (ação civil pública ou TAC) se comprometeu a fazer a titulação, a regularização poderá envolver todo o loteamento. - Município poderá exigir contrapartida, com acréscimo de áreas públicas, etc - Possibilidade de utilização do art. 41 da Lei 6.766/79. - ocupantes com contrato que não dá registro: poderão, eventualmente, obter escritura direto do parcelador, após a regularização.

43 Hipóteses de Titulação dos ocupantes Hipóteses de Titulação dos ocupantes 4)- Na hipótese do município notificar o loteador e ele atender à notificação e promover a regularização do parcela- mento: Em SP existe regra específica nos itens 152 e seg.das NSCGJ determinando que este procedimento corre perante o JCP Como a lei /09 não legitima o loteador na promoção da regularização, se ocorrer esta hipótese, o caminho ainda é seguir as NSCGJ

44 Hipóteses de Titulação dos ocupantes Hipóteses de Titulação dos ocupantes 5)- Terreno alienado em frações ideais: 5.1. : 5.1. Regularização como loteamento: Parcelamento do terreno – escritura de divisão entre todos os condôminos, cada um recebendo como quinhão o seu lote, apresentando essa escritura concomitantemente com a regularização do parcelamento do solo. Parcelamento do terreno – escritura de divisão entre todos os condôminos, cada um recebendo como quinhão o seu lote, apresentando essa escritura concomitantemente com a regularização do parcelamento do solo.

45 Hipóteses de Titulação dos ocupantes Hipóteses de Titulação dos ocupantes Terreno alienado em frações ideais: 5.2 Regularização como condomínio: 5.2 Regularização como condomínio: Terreno todo vendido e as unidades todas edificadas: Procede- se conforme previsto no artigo 65 da lei /09, inclusive apresentando a instituição e convenção do condomínio. Terreno todo vendido e as unidades todas edificadas: Procede- se conforme previsto no artigo 65 da lei /09, inclusive apresentando a instituição e convenção do condomínio.

46 Hipóteses de Titulação dos ocupantes Hipóteses de Titulação dos ocupantes b)- se o terreno foi todo vendido mas as unidades autonomas (casas) não estiverem todas edificadas: tentar a regularização pelo Prov. 10/2004, perante o JCP b)- se o terreno foi todo vendido mas as unidades autonomas (casas) não estiverem todas edificadas: tentar a regularização pelo Prov. 10/2004, perante o JCP Nessa hipótese: frações ideais ainda não edificadas permanecem em estado embrionário, desde que se estabeleça um prazo para que elas sejam concluídas e regularizadas (habite-se). Nessa hipótese: frações ideais ainda não edificadas permanecem em estado embrionário, desde que se estabeleça um prazo para que elas sejam concluídas e regularizadas (habite-se). Deve-se apresentar a instituição do condomínio e a atribuição de unidades. Deve-se apresentar a instituição do condomínio e a atribuição de unidades.

47 FIM OBRIGADA! OBRIGADA!


Carregar ppt "REGULARIZAÇÃO DE INTERESSE ESPECÍFICO Maria do Carmo de Rezende Campos Couto Oficial do Registro de Imóveis e Anexos de Atibaia-SP Legislação : (art. 61."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google