A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Renascimento das cidades. A crise do feudalismo – séc. XIV Crise agrária: má utilização da terra; Crise agrária: má utilização da terra; Crise demográfica:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Renascimento das cidades. A crise do feudalismo – séc. XIV Crise agrária: má utilização da terra; Crise agrária: má utilização da terra; Crise demográfica:"— Transcrição da apresentação:

1 Renascimento das cidades

2 A crise do feudalismo – séc. XIV Crise agrária: má utilização da terra; Crise agrária: má utilização da terra; Crise demográfica: peste negra, revoltas camponesas (jacqueries); Crise demográfica: peste negra, revoltas camponesas (jacqueries); Crise monetária: falta de metais para comércio com o Oriente; Crise monetária: falta de metais para comércio com o Oriente; Crise política: Guerra dos Cem anos (Inglaterra X França). Crise política: Guerra dos Cem anos (Inglaterra X França). * Todas essas crises geraram a necessidade de se reorganizar o poder na Europa. Nascendo a idéia de Estado nacional.

3

4 O renascimento cultural Contestação ao destino humano: toda aquela tragédia devia-se à vontade de Deus? Contestação ao destino humano: toda aquela tragédia devia-se à vontade de Deus? Não negam a fé cristão; Não negam a fé cristão; Fusão cultural com valores greco- romanos e árabes: Fusão cultural com valores greco- romanos e árabes: Otimismo; Otimismo; Racionalismo; Racionalismo; Humanismo; Humanismo; Antropocentrismo; Antropocentrismo; Individualismo. Individualismo.

5 Por que a Itália: Por que a Itália: Berço do Império Romano; Berço do Império Romano; Grande centro comercial; Grande centro comercial; Existência de grande quantidade de mecenas; Existência de grande quantidade de mecenas; Apoio da Igreja Católica; Apoio da Igreja Católica; Fuga de cérebros de Constantinopla para Roma. Fuga de cérebros de Constantinopla para Roma.

6

7

8

9

10

11

12 Artistas, cientistas e filósofos do renascimento

13 Sandro Botticelli – Foi notável desenhista retratando com domínio técnico apurado naturalismo. Obras: A Primavera, O Nascimento de Vênus (pintura). Leonardo da Vinci – Além de pintor foi escultor, engenheiro, arquiteto e inventor. Introduziu na pintura o contraste entre as sombras e as partes claras. Obras: Santa Ceia, A virgem e Santa Ana, Monalisa (pintura). Miguel Ângelo – Pintor e escultor. Também como escultor e urbanista revela um perfeccionista. Foi uma personalidade aberta aos ideais do Renascimento e fiel à tradição cristã. Obras: Teto da Capela Sistina, Moisés, Davi, Pietá (escultura), Cúpula da Catedral de São Pedro (arquitetura). Rafael Sânzio – Glorificou a forma e a cor. Desprezou o intelectualismo. Obras: Madona do Grão Duque, Retrato de Leão X (pintura).

14

15 Giotto – São Francisco e os Pássaros, A Deposição de Cristo. Donatello – Davi (escultura). Bocaccio – Destaca-se pelo tom licencioso, intenso realismo, crítica à Igreja e justificativa dos prazeres terrestres. Obra: Decameron. Dante Alighieri – É considerado um dos fundadores da língua italiana. Obra: A Divina Comédia. Maquiavel – Suas idéias contribuíram para fundamentar o regime absolutista, no qual o rei tinha todo poder. Obra: O Príncipe. Dürer – Além de pintor paciente, que conseguia copiar a natureza fielmente, foi também gravador. Obras: A Adoração dos Magos, Ervas e série de xilogravuras ilustrando o Apocalipse. Bosch – Apresenta em suas obras figuras fantásticas. Foi um artista que conseguiu dar forma concreta dos medos que obcecavam os homens da Idade Média. Obras: O Juízo Final, A Tentação de Santo Antonio, A Subida ao Calvário, Paraíso e Inverno.

16

17 Van Eyck – Retratos. Brueghel – A volta dos Caçadores, A Queda de Ícaro, Os Lenhadores. Erasmo de Roterdã – Denominado o O Príncipe dos Humanistas. Acreditava na bondade do homem. Era liberal e contrário a violência. Obra: Elogio da Loucura. William Shakespeare – Sua obra mostra as virtudes e os defeitos do humanismo renascentista. Personifica o intenso amor pelas coisas humanas e terrenas. Obras: Romeu e Julieta, Hamlet, Otelo, Rei Lear, Sonho de uma Noite de Verão, As alegres Comadres de Windsor, Antonio e Cleópatra, Ricardo III. Thomas Morus – Descreve uma sociedade ideal, sem abuso, sem pobreza. Obra: Utopia.

18

19 François Rabelais – Satirizou as práticas da Igreja, ridicularizou a filosofia cristã escolástica e zombou das supertições. Obras: Gargântua, Pantagruel. Michel de Montaigne – Segundo ele, os homens devem ser encorajados a desprezar a morte e a viver nobre e humanamente esta vida. Parecia-lhe que a religião e a moral eram produtos de costume como a moda. El Greco – Consegue pela primeira vez, na pintura o efeito de transparência. Obras: Enterro do Conde de Orgaz, A Purificação do Templo. Velásquez – As Meninas, O Infante Baltazar Carlos, Auto- Retrato. Miguel de Cervantes – Obra: D. Quixote de la Mancha. D. Quixote representava a impossibilidade de se resolverem os problemas de um mundo moderno a partir das concepções medievais. Luís Vaz de Camões – Poema épico no qual procurava retratar e enaltecer os feitos dos navegantes. Obra: Os Lusíadas

20 Leonardo da Vinci (Itália) – Foi também um cientista brilhante e dotado de um cérebro privilegiado. Tudo investigava e tudo lhe chamava a atenção. Estudou Anatomia, Mecânica, Matemática. Nicolau Copérnico (Polônia) – Chegou a conclusão de que os planetas giram em torno do Sol (Heliocentrismo). Galileu Galilei (Itália) – Astrônomo, físico e matemático. Fundou a ciência experimental na Itália. Partidário do Heliocentrismo. Fez diversas descobertas no campo da astronomia, tais como: satélites de Júpiter, o anel de Saturno, graças a construção de uma luneta astronômica. Ficou famoso pela Lei da Queda dos Corpos. Negou suas descobertas científicas perante um tribunal de Inquisição. É considerado o Pai da Física. Kepler (Alemanha) – Aperfeiçoou o sistema de Copérnico. Vessálio (Países Baixos) – É considerado o pai da Anatomia. São célebres seus estudos sobre o corpo humano. Servet (Espanha) – Em Medicina lhe é atribuída a descoberta da circulação sangüínea intrapulmonar.

21

22 Absolutismo Centralização político-administrativa do poder nas mãos do monarca; Centralização político-administrativa do poder nas mãos do monarca; Unificação de pesos, medidas e impostos; Unificação de pesos, medidas e impostos; Criação de exército; Criação de exército; Criação da justiça real, centralizada; Criação da justiça real, centralizada; Primeiros Estados Nacionais: Primeiros Estados Nacionais: Portugal; Portugal; Espanha; Espanha; Inglaterra; Inglaterra; França. França.

23 Teóricos do Absolutismo Thomas Hobbes: Em O Leviatã defende que o homem é o lobo do homem. Thomas Hobbes: Em O Leviatã defende que o homem é o lobo do homem. Jacques Bossuet: Rebelar-se contra o rei é rebelar-se contra o próprio Deus. Jacques Bossuet: Rebelar-se contra o rei é rebelar-se contra o próprio Deus. Nicolau Maquiavel: os fins justificam os meios. Obra máxima: O Príncipe. Nicolau Maquiavel: os fins justificam os meios. Obra máxima: O Príncipe.

24

25

26

27


Carregar ppt "Renascimento das cidades. A crise do feudalismo – séc. XIV Crise agrária: má utilização da terra; Crise agrária: má utilização da terra; Crise demográfica:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google