A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Thaís Mota de Mendonça, Bruno José de Lavôr Araújo Lima, Elza Ferreira Firmo, Glícia Maria Torres Calazans Universidade Federal de Pernambuco – Departamento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Thaís Mota de Mendonça, Bruno José de Lavôr Araújo Lima, Elza Ferreira Firmo, Glícia Maria Torres Calazans Universidade Federal de Pernambuco – Departamento."— Transcrição da apresentação:

1 Thaís Mota de Mendonça, Bruno José de Lavôr Araújo Lima, Elza Ferreira Firmo, Glícia Maria Torres Calazans Universidade Federal de Pernambuco – Departamento de Antibióticos Recife – PE – Introdução Nas últimas décadas, tem aumentado progressivamente a pesquisa de microrganismos produtores de celulase para uso na decomposição enzimática da celulose em glicose, constituindo-se como uma importante alternativa para os métodos convencionais empregados na indústria para obtenção desse açúcar. As celulases são enzimas hidrolíticas utilizadas nas indústrias de alimentos, de fármacos, de cosméticos, de detergentes e de tecidos. O objetivo deste estudo foi avaliar o potencial de actinobactérias isoladas de solo da região do semi-árido do Nordeste-PE, Sertão do Pajeú, quanto a produção de celulases, em resposta à presença de celulose como única fonte de carbono, no meio. Material e Métodos As actinobactérias isoladas foram provenientes de três amostras de solo da região do semi-árido Pernambucano. Para determinação da atividade celulolítica foi usado meio de celulose na presença de um indutor, o carboximetilcelulose como fonte de carbono. Cada actinobactéria foi inoculada em spot de 3mm (em duplicata). As placas foram incubados a 30ºC por tempo suficiente para crescimento das colônias. Após o crescimento os microrganismo foram submetidas a choque térmico a 45ºC por 16 horas para seleção de enzimas termoestáveis. A revelação foi realizada adicionando-se a cada placa 10mL da solução vermelho congo a 0,025% em tampão TRIS-HCl 0,1M pH 8,0 durante 30 minutos. Após este período o corante foi descartado e o excesso foi retirado pela adição de 1mL de NaCl 0,5M em tampão TRIS-HCl 0,1M pH 8,0 durante 5 minutos. Resultados As actinobactérias capazes de hidrolisar a celulose foram identificadas a partir da formação de zonas claras ao redor das colônias, indicando a degradação de substratos celulolíticos (figura 1). Para aquelas linhagens que apresentaram halo visível, a atividade celulolítica foi estimada mediante um índice enzimático (IE), que expressa à relação do diâmetro médio do halo de hidrólise e o diâmetro médio da colônia. Para a quantificação da área total de degradação foi utilizada a seguinte equação: S = π(d h /2) 2 – π (d c /2) 2 S = área de degradação; d h = diâmetro do halo; d c = diâmetro da colônia π = 3,14 Conclusões A ocorrência da enzima celulase com potencial biotecnológico foi evidenciada neste grupo de microrganismo, cuja porcentagem de isolados positivos para esta enzima foi de cerca de 64%. O grupo de actinobactérias testadas mostrou-se promissor para produção de celulases com áreas de degradação variando entre 219,0mm 2 a 1551,1mm 2, enquanto que a linhagem padrão Streptomyces celulosae apresentou halo de degradação de 250,5mm 2 (Silva, 2007). Os testes demonstraram portanto que as actinobactérias são capazes de produzir metabólitos bioativos de interesse biotecnológico. Referências Bibliográficas 1.Bergeys Manual of Sistematic Bacteriology, Williams, S. T.; Holt J. G. v. 4, Araújo, J.M., Estratégias para isolamento seletivo de actinomicetos. In: Melo, I. S.; Azevedo, J. L. Ecologia microbiana. Jaguariúna: Embrapa, p Bhat, M. K.; Cellulases and related enzymes in biotechnology. Biotechnology advances, v.18, p , Silva, T. R. Seleção e identificação preliminar de linhagens de actinobactérias produtoras de celulase, AGRADECIMENTOS A Universidade Federal de Pernambuco e ao Departamento de Antibióticos/UFPE.. Dentre as quatorze actinobactérias testadas, cinco não apresentaram capacidade para hidrolisar celulose sendo visível nas outras nove linhagens, a formação de zonas claras ao redor das colônias, indicando degradação de substratos celulolíticos. Na tabela 1 tem-se as medidas dos halos representativos da atividade enzimática de cada linhagem testada e da linhagem padrão (Streptomyces celulosae). Tabela 1: Áreas de degradação ao redor das colônias expressas em mm 2 expressando a atividade celulolítica de actinobactérias isoladas do semi-árido e da linhagem padrão. Figura 1: Halo de degradação da celulose. REPRESENTAÇÃO DA ATIVIDADE ENZIMÁTICA Actinobactéria Halos de degradação da celulose 01___ , , ,1 05___ 06___ 07219, , ,9 10___ 11___ , , ,7 Streptomyces celulosae250,5


Carregar ppt "Thaís Mota de Mendonça, Bruno José de Lavôr Araújo Lima, Elza Ferreira Firmo, Glícia Maria Torres Calazans Universidade Federal de Pernambuco – Departamento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google