A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CURATIVOS Educação Continuada Enfermagem SCMP Grupo de Pele da SCMP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CURATIVOS Educação Continuada Enfermagem SCMP Grupo de Pele da SCMP."— Transcrição da apresentação:

1 CURATIVOS Educação Continuada Enfermagem SCMP Grupo de Pele da SCMP

2 Introdução Na história da humanidade observamos a preocupação dos seres humanos no cuidado de feridas. Suas práticas cotidianas provocam situações que põem em risco a integridade da pele.

3 Na Grécia Antiga Hipócrates, cria uma base científica para suas intervenções: orienta o uso de água morna, vinho, vinagre, para limpeza.

4 Fases do processo de cicatrização: Fase Inflamatória: Caracterizada pelos sinais típicos do processo inflamatório localizado como dor, rubor, calor, tumor(edema) e, freqüentemente, perda da função local, começa o momento em que ocorre a lesão tecidual e se estende por um período de 3 a 6 dias.

5 Rubor, edema, perda da função local

6 Fase Proliferativa: Assim denominada porque a atividade predominante neste período é a mitose celular, e se estende por aproximadamente 3 semanas. A característica básica desta fase é o desenvolvimento do tecido de granulação composto por capilares e a reconstituição da matriz extracelular, com a deposição de colágeno e outros componentes protéicos.

7 Tec. granulação

8 Fase Reparadora:Tem início por volta da terceira semana após a ocorrência da ferida e se estende por até dois anos, dependendo do grau, extensão e local da lesão. Ocorre a diminuição progressiva da vascularização, dos fibroblastos, o aumento da força tênsil e reorientação das fibras do colágeno

9

10 O Curativo Ideal Mantém a umidade Absorve a exsudação Permite a troca gasosa Fornece isolamento térmico Impermeável a bactérias Isento de partículas Removido sem trauma Custo acessível

11

12 LAVAGEM DAS MÃOS Após a realização de procedimentos que envolvem a presença de sangue, fluidos corpóreos, secreções e itens contaminados por estes, ou após retirada das luvas, antes e após contato com cada paciente.

13

14 Curativos em Estomas: A colostomia expõe a pessoa a conviver com situações sociais desagradáveis, a exemplo da falta de controle das fezes, dos gases e do muco, levando-a a ainda conviver com uma parte interna de seu corpo exteriorizada. * Dificuldade com o autocuidado, manuseio e adaptação dos dispositivos coletores ao estoma, ocasionada pelas complicações existentes tanto no estoma como na pele periestoma.

15 Hidrogel – Proporciona meio úmido e tem poder de desbridamento em áreas de necrose. Troca – diária Papaína – Enzima proveniente do látex das folhas e frutos do mamão verde. Age promovendo a limpeza das secreções, necroses tecidos desvitalizados. Troca – diária AGE – Possui grande capacidade de promover a regeneração dos tecidos, acelerando o processo de cicatrização. Troca – diária Carvão ativado – tem ação bactericida e de desbridamento. Troca – no mínimo 5 dias

16 Cavilon – Solução polimérica de secagem rápida que, aplicada à pele forma uma película protetora incolor e transparente. Não possui álcool, portanto não provoca ardor ao ser aplicado em regiões hiperemiadas e lesadas. Barreira que oferece total proteção contra irritações de pele decorrentes de incontinência urinária e anal, e danos caudados por adesivos de curativos repetitivos. Indicado também para ser aplicado ao redor de ostomias, fístulas e feridas drenantes. Aplicação –3/3 dias. Alginato – Derivado de algas marinhas, interage com a ferida sofrendo alteração estrutural: as fibras de alginato transformam-se em um gel suave e hidrófilo à medida que vai absorvendo o exsudato. È indicado para feridas com exsudação (pequena ou grande). Troca – no mínimo 3 dias.

17 Ferida fechada com alginato

18

19 Curativo em Ferida Cirúrgica: Tratar de pacientes portadores de feridas, independente da etiologia, requer conhecimento a respeito do perfil da clientela atendida, do processo de cicatrização e do tratamento tópico a ser implementado. Para feridas cirúrgicas com área extensa como o caso das áreas doadoras são indicados curativos oclusivos que, além de absorverem o excesso de exsudato, mantêm o leito da ferida úmido, não aderem a área lesada e muito menos provocam trauma no momento de ser retirado.

20 Apendicite, usado actisorb Tec. adiposo necrose Tec.de granulação

21 Tecido pronto para enxerto

22 Curativo: Pé Diabético O Diabetes mellitus acomete cerca de 7,6% da população brasileira, entre 30 e 69 anos de idade, aproximadamente 50% dos pacientes desconhecem o diagnóstico e 24% dos pacientes conhecidamente portadores de DM não fazem qualquer tipo de tratamento, sendo responsável pela quarta causa de morte no Brasil.

23 CUIDADOS Verificar os sapatos e meias quanto a cerzidos e furos. Examinar ambos os pés e pernas comparando a aparência da pele e alterações. Examinar a pele, verificar se está seca, rachada ou com cor alterada. Examinar os pulsos e presença de deformidades nos pés.

24 Avaliação das Feridas: Mensuração. Avaliar a região ao redor da ferida quanto a calosidades, eritema, edema. Avaliar o leito da ferida: granulação, esfacelo, necrose. Verificar presença de exsudato, odor.

25 Sinais de infecção: Endurecimento. Febre. Edema. Dor, sensibilidade. Ferida que não apresenta melhora. Trilhas internas. Níveis elevados de glicose.

26 Opções para desbridamento: Hidrogéis. Corte das feridas e calosidades. Enzimas # Em levantamento bibliográfico, referente a estudos publicados de 1999 a 2004, houve homogeneidade quanto ao tipo de desbridamento: Hidrogel.

27 hiperqueratose Under mines (cavidade)

28 Pé diabético,??????????? Retirado uma falange

29 Úlceras de pressão: As UP conceituem-se em uma problemática social e de saúde, caracterizando-se como lesões ocasionadas pela diminuição da circulação em determinada parte do corpo, resultante de uma pressão, que tem como conseqüência a necrose tecidual. Tratamento: Remover quaisquer impedimento a cicatrização Promover leito da ferida limpo: desbridamento mecânico/químico Manter o leito da ferida úmido

30 Fatores de risco: Pressão. Nutrição. Hidratação. Atrito. Umidade. Outro fatores: idade avançada, estado mental alterado, estado vascular, doenças crônicas...

31 Escara trocantérica, usando alginato e dermatite usando cavilon dermatite alginato

32 Escoriações usando cavilon

33 Tec. epitelizado

34 Pele sadia

35 Curativos: Úlcera de MMII Historicamente os indivíduos que sofreram com feridas foram banidos da sociedade e marcados pelo resto de suas vidas. Hoje estes vivem sob a marca do estigma de doenças mutilantes como a hanseníase. As lesões manifestam-se inicialmente no corpo biológico repercutindo nos planos psico-emocional e social das pessoas, observado com freqüência quando há retardo na cicatrização...

36 Dermatite Ocre Colonização Pouco tec.de granulação Tecido desvitalizado

37 Tecido de granulação

38 O significado da ferida para seu portador As pessoas feridas estão marcadas por sentimentos de culpa, tristeza, auto-desprezo, raiva, imperfeição, inutilidade, frustração e solidão. Estudo em feira de Santana Dor, vergonha e sofrimento. Dependência, nojo e estranheza. Isolamento e rejeição. Reflexões sobre a vida esperança.

39

40

41

42 Curativo especial – 46,97 - Cirurgias de alto risco; - Grandes incisões contaminadas; - Grandes queimados, especificar a área queimada e/ou o grau da queimadura; - Infecções do esternos - Cavidades abertas com lavagem contínua, grandes fistulas; - E outros com a mesma classificação.

43 OBRIGADO!!!!!!!


Carregar ppt "CURATIVOS Educação Continuada Enfermagem SCMP Grupo de Pele da SCMP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google