A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INFECÇÕES E INFESTAÇÕES PROFESSORA: MERCÊS MOTA. Como visto anteriormente, infecções são tipos de relações desarmônicas, em que o parasito se instala.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INFECÇÕES E INFESTAÇÕES PROFESSORA: MERCÊS MOTA. Como visto anteriormente, infecções são tipos de relações desarmônicas, em que o parasito se instala."— Transcrição da apresentação:

1 INFECÇÕES E INFESTAÇÕES PROFESSORA: MERCÊS MOTA

2 Como visto anteriormente, infecções são tipos de relações desarmônicas, em que o parasito se instala no interior do corpo, enquanto na infestação o parasito se instala fora do corpo. A característica mais marcante das infecções e das infestações é a possibilidade de serem transmitidas, ou seja, elas podem ir de um ponto a outro, de um organismo a outro.

3 A educação da população em relação à manutenção da saúde, através do conhecimento de medidas de higiene individual e coletiva, assim como de preservação do equilíbrio ecológico, constitui fator básico na profilaxia das infecções e infestações. Sangue, secreções e placenta podem funcionar como vias de transmissão de várias infecções também passíveis de serem adquiridas por outras vias.

4 Infecções transmitidas pelo ar As infecções que se transmitem pelo ar são aquelas que ocorrem pela entrada do microrganismo no aparelho respiratório, resultado do contato direto com gotículas contaminadas. A hanseníase é considerada por alguns autores como de possível transmissão respiratória. No entanto, considerando a forma mais conhecida de transmissão, essa doença está descrita no tópico pele.

5 CAXUMBA Conceito Doença contagiosa aguda caracterizada por doloroso aumento de volume das glândulas salivares(parótidas). Por atingir as parótidas, também é conhecida como parotidite. Agente causador Vírus

6 Sinais e sintomas Os principais são: Edema(inchaço) da parótida (geralmente é a primeira indicação da doença); Mal-estar; Falta de apetite; Calafrio; Febre baixa; Faringite; Hipersensibilidade no ângulo da mandíbula.

7 Contágio O vírus é transmitido nas secreções salivares contaminadas, sendo as vias respiratórias o meio de penetração. Profilaxia e controle O principal recurso é a vacinação na infância.( MMR, 12 meses, reforço-4 a 6 anos). Complicações Em alguns casos graves pode atingir testículos, meninges, pâncreas e outros órgãos.

8 COQUELUCHE Conceito Infecção bacteriana aguda da parte superior das vias respiratórias caracterizadas por crises de tosse intensa. Agente causador Bactéria Bordetella pertussis.

9 Sinais e sintomas De modo geral, a doença passa por três fases, com as seguintes características: Primeira fase-muita secreção catarral na garganta, sem distinção de outras doenças respiratórias agudas; febre pouco intensa,mal-estar geral, coriza, tosse. Segunda fase- crises fortes e frequentes de tosse, que podem até mesmo dificultar a respiração do doente. Terceira fase- a fase de convalescença, quando as crises de tosse continuam, embora diminuam de frequência até o desaparecimento total.

10 Contágio Ocorre através de gotículas de saliva ou escarro contaminadas com a bactéria, expelidas pelo doente durante as crises de tosse; essas gotículas podem transmitir o microrganismo para outras pessoas através de inalação pelas vias respiratórias. Também pode ocorrer transmissão por meio de objetos recentemente contaminados com secreções de pessoas doentes.

11 2,4 e 6 meses - 1º R-12 meses 2º R-4-6 anos Profilaxia e controle O principal recurso para evitar a doença é a imunização com vacina tríplice(contra difteria, coqueluche e tétano), com doses administradas a partir de dois meses de idade. O tratamento e o isolamento temporário dos doentes também são um método que permite o controle de doença. Deve-se fazer o controle dos comunicantes(pessoas, parentes ou não, que habitam a mesma casa do doente).

12 Complicações Podem ocorrer distúrbios neurológicos(convulsão, coma, surdez, etc) e respiratórios (pneumonia, otite média,etc).

13 DIFTERIA Conceito Doença transmissível aguda causada pela toxina de uma bactéria que se localiza na garganta. Caracteriza-se por uma lesão inflamatória nas vias respiratórias, onde pode formar placas de membrana esbranquiçada ou acinzentada. Também é conhecida como crupe. Agente causador Bactéria Corynebacterium diphtheriae.

14 Sinais e sintomas Febre de 37,5º a 38,5º C; Palidez; Fraqueza; Desânimo; Dor de garganta; Sufocação, quando a membrana diftérica envolve a faringe, a traquéia ou os brônquios.

15 Contágio O microrganismo é transmitido através de secreções orais e nasais de pessoas doentes ou objetos recentemente contaminados por suas secreções. Pessoas que possuem a bactéria mas não apresentam o sintoma da infecção, também podem transmitir a doença. A porta de entrada mais comum para o organismo humano é a parte superior das vias respiratórias.

16 Profilaxia e controle A medida profilática mais eficaz na difteria é a imunização com vacina específica ou tríplice (contra difteria, coqueluche e tétano). O isolamento e o tratamento de pessoas com a doença são um método importante de controle; o controle dos comunicantes também deve ser feito. 2,4 e 6 meses - 1º R-12 meses 2º R-4-6 anos

17 Comunicantes: pessoas com quem o enfermo convive, não só passíveis de serem contaminados mas também capazes de disseminar a infecção. Complicações Lesões cardíacas, neurológicas e renais podem ocorrer, caso o paciente não seja tratado.

18 GRIPE Conceito Infecção viral respiratória aguda. Agente causador São vários tipos de vírus, sendo o mais frequente o vírus influenza.

19 Sinais e sintomas Dor de cabeça; Febre; Calafrios; Espirros; Secreção nasal(coriza); Nariz entupido; Ardência nos olhos; Dores musculares; Dor de garganta.

20 Contágio Normalmente a transmissão da gripe ocorre pela inalação de gotículas contaminadas com o vírus que são expelidas através de espirros e tosse de pessoas que estejam gripadas. A doença causada por um dos tipos de vírus não protege contra uma nova gripe, porque esta pode se originar de um outro tipo de vírus.

21 Profilaxia e controle Existe uma vacina que evita a gripe produzida por alguns tipos de vírus; ela normalmente é indicada para pessoas idosas, que em geral têm maiores tendências a apresentar complicações. No entanto, para a população em geral a disseminação da doença pode ser controlada através de algumas medidas preventivas como não escarrar, espirrar ou tossir próximo de outras pessoas; não permanecer muito próximo daqueles que estão doentes; e, na medida do possível, não usar copos e talheres usados por outras pessoas.

22 Complicações A principal é a pneumonia, que atinge principalmente pessoas debilitadas(enfraquecidas) e idosos.

23 HISTOPLASMOSE Conceito É uma infecção causada por um fungo (micose), que geralmente começa pelos pulmões. Agente causador Fungo Histoplasma capsulatum.

24 Sinais e sintomas A histoplasmose pode variar desde uma infecção respiratória de pouca gravidade ou despercebida até uma doença fatal, que se espalha por todo o organismo, com as seguintes características: Febre Anemia Aumento do volume do fígado Aumento do volume do baço(esplenomegalia) Diminuição dos glóbulos brancos(leucopenia) Falta de ar e dor torácica Ulcerações (lesões) no tubo digestivo Perda de peso

25 Contágio Através da inalação de esporos presentes na poeira e no solo contaminados, no interior de grutas, celeiros e em casas velhas abandonadas. Na maioria dos casos, o microrganismo penetra pelo pulmão, mas pode também se instalar no organismo através de lesões localizadas na boca, na faringe e na pelo, quando então a doença é mais grave.

26 Profilaxia e controle Não existe vacina para essa micose, que é de difícil controle, considerando-se que muitos casos são assintomáticos(não apresentam sintomas). Deve-se evitar a exposição a ambientes potencialmente contaminados. Complicações Decorrem de distúrbios hematológicos(sangue), respiratórios e em outros órgãos.

27 MENINGITE Conceito Doença bacteriana aguda, caracterizada por inflamação das meninges (membranas que envolvem o cérebro e a medula). Pode ser provocada por vários microrganismos: vírus, bactérias e fungos. A forma mais grave e contagiosa é a meningite meningocócica, sobre a qual nos deteremos. Agente causador Bactéria Neisseria meningitidis (meningococo).

28 Sinais e sintomas Os principais são: Febre Dor de cabeça intensa Rigidez de nuca Vômitos em jato Abaulamento da fontanela( aumento da moleira nos bebês) Convulsão Em crianças, irritabilidade ou agitação

29 Contágio A meningite meningocócica é transmitida pelas pessoas infectadas através de gotículas e secreções do nariz e da garganta durante a fala, a tosse, espirros e beijos. Inicialmente os microrganismos localizam-se na garganta e só depois atingem a meninges.

30 Profilaxia e controle É essencial tratar os doentes com isolamento em hospital, vacinar a população e garantir higiene e alimentação adequada.(2,4,6 meses- HIB). Complicações Surdez, deficiência mental, hidrocefalia e choque tóxico.

31 PNEUMONIA Conceito Doença infecciosa aguda de início súbito e progressivo, que ocorre mais comumente em climas frios e no inverno. O pulmão pode ser comprometido total ou parcialmente, e em geral são observadas febre e expectoração abundante.

32 Agente causador A bactéria Streptococcus pneumoniae, conhecida também como pneumococo, tem sido a mais comum, embora tenda a ser menos prevalente graças aos medicamento mais modernos. A infecção também pode ser provocada por outros microrganismos como por exemplo Staphylococcus aureus, Hemophilus influenzae, Chlamydia pneumoniae e Klebsiela pneumoniae.

33 Os principais agentes da infecção nos lactentes e crianças são vírus. A bactéria denominada Legionella pneumophila, tem sido responsabilizada por uma forma de pneumonia grave que costuma atacar principalmente fumantes, idosos e imunodeprimidos. Sua transmissão está associada a aerossóis produzidos por sistemas de refrigeração em prédios.

34 Sinais e sintomas A pneumonia é frequentemente precedida por alguns dias de coriza ou outros sintomas de doença respiratória comum. Os sinais e sintomas mais significativos são: Calafrios Temperatura elevada(38,8ºC a 41,1ºC) Dor nas costas, no lado afetado, que é agravada pela respiração e pela tosse Respiração acelerada Sudorese Tosse com escarro mucoso, algumas vezes purulento, geralmente de cor rósea ou feruginosa.

35 Contágio Os microrganismos geralmente são transmitidos pela inalação de gotículas expelidas pelo doente no ar e pelo contato na boca com objetos contaminados por suas secreções respiratórias.

36 Profilaxia e controle Atualmente, uma vacina muito empregada nos EUA e nos países europeus tem demonstrado boa eficácia para evitar a pneumonia pneumocócica, tanto em indivíduos jovens como em idosos e pacientes diabéticos. Em relação aos idosos, pode ser recomendada vacinação contra o Hemophilus influenzae, de forma a evitar a complicação de gripes. No entanto, alguns cuidados básicos também são importantes na sua profilaxia e controle: Lavagem das mãos, principalmente após o contato com doente e seus pertence Alimentação saudável Tratamento adequado das doenças respiratórias comuns (gripes, por exemplo). 2,4,6 meses-HIB).

37 Um empiema é uma coleção de pús dentro de uma cavidade natural. Deve ser diferenciada de abcesso, que é uma colecção de pús numa cavidade que um processo inflamatório origine. Na medicina humana, os empiemas ocorrem mais frequentemente no espaço pleural. Outro local comum para empiemas é o útero e o apêndice (apendicite).púsabcessoapendicite Complicações Empiema, meningite, pericardite e endocardite.

38 RUBÉOLA Conceito Também conhecida como sarampo alemão ou sarampo de três dias, uma doença infecciosa febril, porém menos contagiosa que o sarampo. Agente causador Vírus da rubéola

39 Sinais e sintomas O período de incubação, que é o tempo decorrido desde a exposição ao vírus até o aparecimento de erupções cutâneas, é de 14 a 21 dias. Os seguintes sintomas podem ocorrer: Mal-estar Dor de cabeça Febre baixa Conjuntivite branda Exantema(pequenas manchas elevadas, em áreas circunscritas na pele) Dores generalizadas Coriza tosse

40 Contágio Secreções do nariz e da faringe de indivíduos infectados. Profilaxia e controle- 12 meses e R-4 a 6 anos MMR A vacina é um método eficaz para evitar a doença. No entanto, gestantes ou mulheres que possam engravidar no período de seis meses pós- vacinação não devem ser vacinadas. Gestantes, principalmente no primeiro trimestre, não devem entrar em contato com pessoas que apresentem a doença.

41 Complicações Normalmente a rubéola é uma doença benigna para crianças e adultos, mas quando acomete gestantes, principalmente no primeiro trimestre da gravidez, pode levar à síndrome da rubéola congênita, com infecção crônica e malformação do feto.

42 SARAMPO Conceito Doença infecciosa aguda, viral, grave, transmissível, muito contagiosa, comum na infância, mas que pode ocorrer em qualquer idade. Agente causador Vírus do sarampo

43 Sinais e sintomas coriza mal-estar febre acima de 3ºC tosse seca irritabilidade pálpebras inchadas secreção nasal

44 pequenas lesões avermelhadas e irregulares, com centro branco- azulado na mucosa da boca(manchas de Koplik) erupções vermelhas, que surgem primeiro na testa e depois atingem a face, o pescoço e o tronco, aparecendo nos pés por volta do 3ºdia conjuntivite com lacrimejamento abundante.

45 Contágio O vírus do sarampo é transmitido pelas secreções do nariz e da boca, ao serem expelidas pelo doente para as vias respiratórias da pessoa através de: Contato direto(beijo) Inalação de gotículas de muco e saliva( tosse e espirro) Levar à boca objetos que tenham sido recentemente contaminados, como talheres, chupetas, etc.

46 Profilaxia e controle 12 meses MMR 4 a 6 anos A doença pode ser evitada por meio de vacinação, mas o isolamento temporário da pessoa doente também é medida eficaz na controle da infecção. Complicações As mais comuns são as infecções bacterianas no ouvido (otite), pulmões(pneumonia) e no encéfalo(encefalite).

47 TUBERCULOSE Conceito Infecção bacteriana cujas principais lesões localizam-se nos pulmões, mas podem localizar- se também nos ossos, rins e outros órgãos. Agente causador Bactéria Mycobacterium tuberculosis (bacilo de Koch)

48 Sinais e sintomas Perda de peso Falta de apetite Febre Transpiração noturna Tosse com escarro e sangue Contágio A transmissão do bacilo ocorre normalmente pela inalação de gotículas expelidas por portadores da bactéria através da fala, tosse ou espirro.

49 Profilaxia e controle- Ao nascer As principais medidas para evitar a tuberculose são a imunização através da vacina BCG e condições satisfatórias de alimentação, habitação e higiene. Deve-se diagnosticar e tratar o doente e fazer o controle dos comunicantes. Educação em saúde.

50 Complicações Quando não tratada adequadamente, a infecção pode evoluir para insuficiência respiratória, lesões tuberculosas nas meninges, coração, rins, fígado, ossos e articulações.

51 VARICELA Conceito Também chamada de catapora, é uma doença frequente na infância, caracterizada por febre e uma erupção cutânea vesicular que se espalha por todo o corpo. Agente causador Vírus

52 Sinais e sintomas A manifestação cutânea é a principal característica da virose: Pequenas manchas evoluem em poucas horas para vesículas contendo líquido claro. No dia seguinte, a vermelhidão diminui e as vesículas sofrem afundamento no centro, formando lesões em forma de crateras que, depois, ressecam formando crostas que caem em alguns dias sem deixar cicatriz. Ao contrário do sarampo, as erupções são mais concentradas no tronco. O doente também apresenta febre e mal-estar durante a virose.

53 Contágio É um doença altamente contagiosa, e o vírus é transmitido, provavelmente, pela via respiratória. O período de contágio estende-se de um ou dois dias antes da erupção, até seis dias após o aparecimento de novas lesões cutâneas, ou até que todas as vesículas tenham se transformado em crostas.

54 Profilaxia e controle O isolamento temporário (na fase de risco de contágio) do doente é o principal recurso para evitar a disseminação da doença. Não existe vacina para essas viroses. Complicações De um modo geral, a doença evolui para cura total. No entanto, podem ocorrer complicações- encefalite, infecção bacteriana das lesões e, em pessoas debilitadas, pneumonia e hepatite.

55 ATÉ A PRÓXIMA AULA...


Carregar ppt "INFECÇÕES E INFESTAÇÕES PROFESSORA: MERCÊS MOTA. Como visto anteriormente, infecções são tipos de relações desarmônicas, em que o parasito se instala."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google