A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Casa da Agricultura de Ribeirão Preto Engº Agrº Luís Fernando F. Zorzenon Tel. (16) 3610.8228

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Casa da Agricultura de Ribeirão Preto Engº Agrº Luís Fernando F. Zorzenon Tel. (16) 3610.8228"— Transcrição da apresentação:

1 Casa da Agricultura de Ribeirão Preto Engº Agrº Luís Fernando F. Zorzenon Tel. (16)

2 FORUM PERMANENTE DE DEBATES RIBEIRÃO PRETO DO FUTURO Planejamento Rural no contexto do Plano Diretor Participativo.

3 Experimentamos momentos absolutamente livres de preocupação.

4 Experimentamos momentos absolutamente livres de preocupação. Essas breves pausas chamam-se pânico Cullen Hightower

5 FONTES DE DADOS:

6 Informação = $$ Informação = $$

7 FONTES DE DADOS: Informação = $$ Informação = $$ Coleta de dados + Qualidade = $$ Coleta de dados + Qualidade = $$

8 FONTES DE DADOS: Informação = $$ Informação = $$ Coleta de dados + Qualidade = $$ Coleta de dados + Qualidade = $$ Coleta no Campo Coleta no Campo

9 FONTES DE DADOS: Informação = $$ Informação = $$ Coleta de dados + Qualidade = $$ Coleta de dados + Qualidade = $$ Coleta no Campo Coleta no Campo Auto Declaratório Auto Declaratório

10 Município de RIBEIRÃO PRETO:

11 ANO ÁREA URBANA ÁREA RURAL ha26% ha74% ha42% ha58% TOTAIS: ha100% ha100% IBGE ÁREA MUNICÍPIO:

12 ESTRATIFICAÇÃO das PROPRIEDADES: Lupa 95/96

13 ESTRATIFICAÇÃOPROPRIEDADESÁREA DAS PROPRIEDADESNº%ha% ATÉ 10 ha30448,3%1.076,22,2% ,0%3.723,57,8% ,9%3.633,47,6% ,5%6.698,714,0% ,3%14.994,6031,3% ,4%10.945,322,8% > ,6%6.829,114,3%

14 EXPLORAÇÃO AGROPECUÁRIA: Lupa 95/96 EXPLORAÇÃO AGROPECUÁRIA: Lupa 95/96

15 EXPLORAÇÃO AGROPECUÁRIA ÁREA ( ha ) % ÁREA TOTAL NÍVEL DE USO DE AGROTÓXICO ALTOMÉDIOBAIXO Cana de Açúcar32.200,085,9X Soja2.000,05,3X Pastagem1.000,02,7X Milho900,02,4X Amendoim500,01,3X Eucalipto350,00,9X Café102,70,3X Cítricas60,00,2X Mandioca50,00,1X Frutíferas – Não cítricas40,00,1X Hortaliças – Folhosas150,00,4X Hortaliças – Legumes e Frutos 130,00,3X

16 EXPLORAÇÃO AGROPECUÁRIA ÁREA ( ha ) % ÁREA TOTAL NÍVEL DE USO DE AGROTÓXICO ALTOMÉDIOBAIXO Cana de Açúcar32.200,085,9X Soja2.000,05,3X Pastagem1.000,02,7X Milho900,02,4X Amendoim500,01,3X Eucalipto350,00,9X Café102,70,3X Cítricas60,00,2X Mandioca50,00,1X Frutíferas – Não cítricas40,00,1X Hortaliças – Folhosas150,00,4X Hortaliças – Legumes e Frutos 130,00,3X

17 RENDIMENTO FINANCEIRO Atividade rural tem risco. Baixo rendimento $.

18 RENDIMENTO FINANCEIRO Atividade rural tem risco. Baixo rendimento $. Comparadas com atividades de comércio / prestação serviços.

19 Paradígma Rural = Atraso e Ignorância.

20 Rural = Atraso e Ignorância. Migração para as cidades. Necessidade de recursos.

21 Rural = Atraso e Ignorância. Migração para as cidades. Cota participação do ICMS. Necessidade de recursos. Beneficia número de habitantes na zona urbana.

22 Rural = Atraso e Ignorância. Migração para as cidades. Cota participação do ICMS. Redução do custo de vida. Necessidade de recursos. Beneficia número de habitantes na zona urbana. Redução preço alimentos.

23 Rural Atraso e Ignorância.

24 DIVERSIFICAÇÃO e AGREGAÇÃO VALOR Hortaliças (Folhas, Legumes e Frutos) Hortaliças (Folhas, Legumes e Frutos) Pequenos produtores. Pequenos produtores. Agricultura familiar. Agricultura familiar. Entorno da cidade. Entorno da cidade. Baixo investimento. Baixo investimento. Baixo nível de renda. Baixo nível de renda. Pouco valor agregado. Pouco valor agregado.

25 DIVERSIFICAÇÃO e AGREGAÇÃO VALOR Cana de Açúcar: Cana de Açúcar: Áreas extensas. Áreas extensas. Agricultura de parcerias. Agricultura de parcerias. Alto investimento. Alto investimento. Melhor nível de renda. Melhor nível de renda. Migração dos filhos para outras atividades. Migração dos filhos para outras atividades. Indústria c/ alto valor agregado. Indústria c/ alto valor agregado.

26 Atividades Rurais no entorno da cidade de RIBEIRÃO PRETO:

27 Basicamente: Hortas

28 Empregos não qualificados. Família participam da atividade. Segurança Alimentar.

29 Produtores de Ribeirão Preto Abastecem mercado de hortaliças: 30%

30 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO

31 Necessidade de políticas agrícolas. Necessidade de políticas agrícolas.

32 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Necessidade de políticas agrícolas. Necessidade de políticas agrícolas. Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento.

33 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Necessidade de políticas agrícolas. Necessidade de políticas agrícolas. Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. Entendimento das atividades agrícolas em conjunto com crescimento da cidade. Entendimento das atividades agrícolas em conjunto com crescimento da cidade.

34 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Necessidade de políticas agrícolas. Necessidade de políticas agrícolas. Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. Entendimento das atividades agrícolas em conjunto com crescimento da cidade. Entendimento das atividades agrícolas em conjunto com crescimento da cidade. Abastecimento local e regional. Abastecimento local e regional.

35 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Área Cultivada: Área Cultivada: Área Urbanizada: Área Urbanizada:

36 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Área Cultivada: Área Cultivada: Emprego Emprego Área Urbanizada: Área Urbanizada: Investimentos Investimentos

37 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Área Cultivada: Área Cultivada: Emprego Emprego Alimentos Alimentos Renda Renda Área Urbanizada: Área Urbanizada: Investimentos Investimentos Habitação Habitação

38 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Área Cultivada: Área Cultivada: Emprego Emprego Alimentos Alimentos Renda Renda Permeabilidade terreno (> Infiltração) Permeabilidade terreno (> Infiltração) Área Urbanizada: Área Urbanizada: Investimentos Investimentos Habitação Habitação IMPERMEABILIZAÇÃO (< Infiltração) IMPERMEABILIZAÇÃO (< Infiltração)

39 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Área Cultivada: Área Cultivada: Emprego Emprego Alimentos Alimentos Renda Renda Permeabilidade terreno (> Infiltração) Permeabilidade terreno (> Infiltração) Menos água no fundo dos vales. Menos água no fundo dos vales. Área Urbanizada: Área Urbanizada: Investimentos Investimentos Habitação Habitação IMPERMEABILIZAÇÃO (< Infiltração) IMPERMEABILIZAÇÃO (< Infiltração) Mais água no fundo dos vales. Mais água no fundo dos vales.

40 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO IPTU e ITR Municipalizado. IPTU e ITR Municipalizado.

41 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO IPTU e ITR Municipalizado. IPTU e ITR Municipalizado. Vazio urbano ou Área geradora de renda e alimentos? Vazio urbano ou Área geradora de renda e alimentos?

42 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO IPTU e ITR Municipalizado. IPTU e ITR Municipalizado. Vazio urbano ou Área geradora de renda e alimentos? Vazio urbano ou Área geradora de renda e alimentos? IPTU – Progressivo: não pode ser aplicado. IPTU – Progressivo: não pode ser aplicado.

43 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO ITR – Municipalizado: ITR – Municipalizado: Levantamentos dados auto- declaratórios (< custo) Levantamentos dados auto- declaratórios (< custo) Beneficiar áreas produtivas. Beneficiar áreas produtivas. Meio ambiente conservado. Meio ambiente conservado. Custo imposto tem de ser compatível. Custo imposto tem de ser compatível.

44 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO MEIO AMBIENTE: A forma mais rápida de se degradar um meio (ambiente ou não) é criar restrições exageradas sobre ele. (Exemplo: Represa Billings)

45 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Como recompor APPs na área urbana? Participação da sociedade organizada de cada bairro e/ou região.

46 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Como recompor APPs na área urbana? Participação da sociedade organizada de cada bairro e/ou região. Estamos recompondo certo? Áreas que foram recuperadas e que estão se degradando. (Criação de novos paradígmas: Recomposição não dá certo!)

47 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO MEIO AMBIENTE: Segurança pública em áreas recuperadas? Manutenção das áreas recuperadas? Novos habitantes e consequências destes animais na área urbana?

48 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Estradas Rurais: São meios de erosão, degradação ambiental e enchentes;

49 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Estradas Rurais: São meios de erosão, degradação ambiental e enchentes; Se mal conservadas e manejadas.

50 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Estradas Pavimentadas: Duplicação das rodovias do Anel Viário de Rib. Preto; foi importante contribuidor para aumento de água no vale do ribeirão Preto.

51 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO Alternativas agrícolas: Floricultura. Turismo Rural. Agregação valor. (Embalagem, Apresentação, Orgânicos, etc)

52 PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO GRANDE EXEMPLO: Programa Estadual de MicroBacias Hidrográficas. Desenvolvimento Agrícola Auto- Sustentável.

53 MBH do Ribeirão PRETO

54 Eu temo pela minha espécie quando penso que DEUS é justo. Thomas Jefferson.


Carregar ppt "Casa da Agricultura de Ribeirão Preto Engº Agrº Luís Fernando F. Zorzenon Tel. (16) 3610.8228"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google