A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A relação do Governo do Estado com as diferentes formas de Gestão em Saúde Beto Grill Vice-governador eleito do RS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A relação do Governo do Estado com as diferentes formas de Gestão em Saúde Beto Grill Vice-governador eleito do RS."— Transcrição da apresentação:

1 A relação do Governo do Estado com as diferentes formas de Gestão em Saúde Beto Grill Vice-governador eleito do RS

2 CONJUNTURA ATUAL Queremos que o SUS seja universal de qualidade para todos. Para isso não tem jeito, tem que colocar mais dinheiro, e não é pouco. Algo como R$ 50 ou R$ 60 milhões ou mais. José Gomes Temporão – Min. da Saúde

3 ORÇAMENTO BRASIL 52,62% DOS GASTOS SÃO COM: DÍVIDAS, JUROS E ENCARGOS E DEMAIS DESPESAS FINANCEIRAS

4 VISÃO GERAL ORÇAMENTO - BRASIL 2009

5 DESPESA DISCRICIONÁRIA

6 BRASIL GASTOS PER CAPITA/ANO SUS R$ 650,00 Setor privado R$ 1.470,00

7 FINANCIAMENTO DA SAÚDE (OMS/2005 ) % PÚBL. e PRIV. $ PERCAPTA P Ú BLICO % POP. PL. PRIVADO CANADÁ 70,3 - 29, ALEMANHA 76,9 – 23, FRANÇA 79,9 – 20, SUÉCIA 81,7 – 18, JAPÃO 82,2 - 17, – 15% ITÁLIA 76,6 – 23, ESPANHA 71,4 – 28, PORTUGAL 72,3 – 23, AUSTRÁLIA 67,0 – 33, NOVA ZELÂNDIA 77,4 – 22, BRASIL 44,1 – 55, % USA 45,1 – 54, % Fonte: Prof. Nelson Rodrigues dos Santos –curso de Gestão Hospitalar (ENSP-GHC))

8

9 Aplicações valor (R$ 1,00) 1- Aplicações na Secretaria de Saúde Aplicações Entidades Vinculadas Contribuição ao IPE Saúde Demais Aplicações em Saúde TOTAL EC 29: R$ 889,62 milhões - 5,4% da RLIT LEI ORÇAMENTÁRIA RS

10 TRANSFORMAÇÕES RECENTES Revolução demográfica Revolução demográfica Envelhecimento da população Envelhecimento da população Queda da mortalidade infantil Queda da mortalidade infantil Saneamento Saneamento Queda da taxa de fecundidade: +/- 1,7/1000 nascidos vivos (abaixo da taxa de reposição) Queda da taxa de fecundidade: +/- 1,7/1000 nascidos vivos (abaixo da taxa de reposição) Processo de urbanização Processo de urbanização 80 a 85% urbanos. 80 a 85% urbanos. Cidadanização Cidadanização Aumento da cidadania, informação. Constituinte de 88 coroa a transformação da cidadania. Aumento da cidadania, informação. Constituinte de 88 coroa a transformação da cidadania.

11 Revolução epidemiológica Revolução epidemiológica D.A.N.T. D.A.N.T. de doenças infecciosas de doenças infecciosas Retorno de endemias das doenças negligenciadas (OMS) Retorno de endemias das doenças negligenciadas (OMS) Obesidade e sedentarismo Obesidade e sedentarismo Impacto epidemiológico no uso do NaCl (sal de cozinha) Impacto epidemiológico no uso do NaCl (sal de cozinha) Tratar HAS com medicações mais adequadas = 15% mortalidade por AVE Tratar HAS com medicações mais adequadas = 15% mortalidade por AVE 1/3 uso do sal = 22% mortalidade por AVE. 1/3 uso do sal = 22% mortalidade por AVE. Neoplasias (câncer): alta prevalência e evolução Neoplasias (câncer): alta prevalência e evolução

12 DANT: DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS As doenças e agravos não transmissíveis (DANT) vêm se tornando o principal problema de saúde a ser enfrentado pelos gestores

13 CICLO DA POBREZA

14

15 ESF no RS

16

17

18

19 DIÁLOGO RS Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Rio Grande do Sul – CDES RS Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Rio Grande do Sul – CDES RS Participação Popular e Redes Sociais Participação Popular e Redes Sociais Participação Digital Participação Digital Orçamento Participativo e o Sistema de Participação Popular Orçamento Participativo e o Sistema de Participação Popular Conferências estaduais, plenárias públicas temáticas, plebiscito e referendos Conferências estaduais, plenárias públicas temáticas, plebiscito e referendos Fórum de Entidades de âmbito estadual Fórum de Entidades de âmbito estadual

20 Conselhos Estaduais – controle social Conselhos Estaduais – controle social Integrar os sistemas de participação e redes sociais aos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (COREDES), Conselhos Municipais de Desenvolvimento (COMUDES) e conselhos temáticos e setoriais (saúde, educação, cultura, e outros). Integrar os sistemas de participação e redes sociais aos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (COREDES), Conselhos Municipais de Desenvolvimento (COMUDES) e conselhos temáticos e setoriais (saúde, educação, cultura, e outros).

21 Gabinete dos Municípios Gabinete dos Municípios Espaço administrativo ligado ao gabinete do governador para recepcionar e consultar, de forma permanente, os prefeitos municipais, assim como, as entidades e lideranças políticas de representação municipal visando ao desenvolvimento e ao estímulo dos consórcios públicos e do municipalismo como elemento de vitalização do Estado. Espaço administrativo ligado ao gabinete do governador para recepcionar e consultar, de forma permanente, os prefeitos municipais, assim como, as entidades e lideranças políticas de representação municipal visando ao desenvolvimento e ao estímulo dos consórcios públicos e do municipalismo como elemento de vitalização do Estado. Através deste Gabinete será possível fortalecer a regionalização e a descentralização da gestão de políticas públicas do Estado. Através deste Gabinete será possível fortalecer a regionalização e a descentralização da gestão de políticas públicas do Estado.

22 PROREDES RS Redes Atenção à Saúde Redes Atenção à Saúde Financiamento – buscar o cumprimento do que estabelece a Constituição Federal 12% do Orçamento do Estado para a Saúde Financiamento – buscar o cumprimento do que estabelece a Constituição Federal 12% do Orçamento do Estado para a Saúde Gestão Democrática – com efetivo fortalecimento do Controle Social, a partir da atuação do Conselho Estadual de Saúde e das instâncias do Controle Social do RS Gestão Democrática – com efetivo fortalecimento do Controle Social, a partir da atuação do Conselho Estadual de Saúde e das instâncias do Controle Social do RS Rede Estadual de Serviços de Saúde – Enfrentamento dos vazios assistenciais do Estado a partir da Atenção Básica resolutiva e de fácil acesso, estruturando os serviços de saúde especializados, de forma regionalizada, com infraestrutura e capacitação técnico/gerencial para a gestão integrada de todas as áreas da saúde e estas, integradas às demais redes de serviços do Estado (saúde, educação, segurança, meio ambiente, assistência social, entre outras), e a serviço dos municípios. Rede Estadual de Serviços de Saúde – Enfrentamento dos vazios assistenciais do Estado a partir da Atenção Básica resolutiva e de fácil acesso, estruturando os serviços de saúde especializados, de forma regionalizada, com infraestrutura e capacitação técnico/gerencial para a gestão integrada de todas as áreas da saúde e estas, integradas às demais redes de serviços do Estado (saúde, educação, segurança, meio ambiente, assistência social, entre outras), e a serviço dos municípios.

23 Pacto Gaúcho pela Saúde Pacto Gaúcho pela Saúde Entre municípios, gestores, trabalhadores e usuários da saúde para promover ações de parcerias, repasse e contrapartida de recursos e financiamento do sistema, buscando o cumprimento dos 12% constitucionais destinados à saúde. Entre municípios, gestores, trabalhadores e usuários da saúde para promover ações de parcerias, repasse e contrapartida de recursos e financiamento do sistema, buscando o cumprimento dos 12% constitucionais destinados à saúde.

24 TREZE PONTOS PARA A SAÚDE 1. Ênfase na Atenção Primária à Saúde 2. Política de Vigilância em Saúde 3. Enfrentamento aos principais problemas de saúde da população e as filas de espera 4. Saúde da Mulher e da Criança 5. Saúde Mental 6. Medicamentos e assistência farmacêutica

25 7. Regionalização da saúde 8. Gestão democrática, participativa, regionalizada e com controle social 9. Política de Saúde do Trabalhador 10. Gestão do Trabalho e Educação em Saúde 11. Raça, etnia, gênero, acessibilidade e mobilidade 12. A Rede de Saúde e suas transversalidades 13. Financiamento da saúde

26 REDES INTEGRADAS Redes Segurança Pública Redes Segurança Pública Redes Desenvolvimento Urbano e Habitação Redes Desenvolvimento Urbano e Habitação Redes Infraestrutura e Logística Redes Infraestrutura e Logística Redes Porto Alegre e Região Metropolitana Redes Porto Alegre e Região Metropolitana Redes Meio Ambiente Redes Meio Ambiente Redes Saneamento Redes Saneamento Redes Pesquisa e Inovação Tecnológica Redes Pesquisa e Inovação Tecnológica Redes Tecnologia da Informação e Inclusão Digital Redes Tecnologia da Informação e Inclusão Digital Redes Cultura Redes Cultura Redes Assistência Social e Combate à Pobreza Redes Assistência Social e Combate à Pobreza Redes Inclusão Social, Justiça e Dignidade Redes Inclusão Social, Justiça e Dignidade Redes Esporte e Lazer Redes Esporte e Lazer

27 MEGATENDÊNCIA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE COMO ORIENTADORA DE SISTEMAS DE SAÚDE - Europa (Inglaterra, Itália, Portugal, Espanha, países nórdicos) - Canadá - Oceania (Austrália, Nova Zelândia) - América Latina (Brasil, Chile, Cuba) - (Rubinstein, 2001; MS, 2007)

28 SISTEMAS DE SAÚDE ORIENTADOS PELOS PRINCÍPIOS DA APS Melhores resultados em saúde Melhores resultados em saúde Maior satisfação dos usuários Maior satisfação dos usuários Maior eqüidade em saúde Maior eqüidade em saúde Menores custos Menores custos

29 SISTEMAS DE SAÚDE ORIENTADOS PELOS PRINCÍPIOS DA APS Menos crianças com baixo peso ao nascer Menos crianças com baixo peso ao nascer Menor mortalidade infantil, especialmente pós-neonatal Menor mortalidade infantil, especialmente pós-neonatal Menor perda de anos de vida devido a suicídio Menor perda de anos de vida devido a suicídio Menor perda de anos de vida devido a todas as causas, exceto as externas Menor perda de anos de vida devido a todas as causas, exceto as externas Maior expectativa de vida em todas as idades, exceto aos 80 anos Maior expectativa de vida em todas as idades, exceto aos 80 anos

30 ALTERNATIVAS

31 Mercado Administração Pública Setor social Iniciativa Privada Empresa DependenteEmpresa PúblicaSoc. Economia Mista Fundação Dir. Público Direito PúblicoDireito Privado Organização SocialServiço Social Autôn.OSCIPFundação de Apoio fundação privada associação Emp. Prop. EspecíficoConcessionária Empresa Privada Fundação Estatal AutarquiaConsórcio Dir. PúblicoConsórcio Dir.PrivadoAdministração direta FORMATOS JURÍDICO-INSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

32 NECESSIDADES DA ATENÇÃO HOSPITALAR E AMBULATORIAL NO RS CENSO QUANTITATIVO E QUALITATIVO CENSO QUANTITATIVO E QUALITATIVO Quais nossas necessidades reais? Quais nossas necessidades reais? Qual a demanda reprimida? Qual a demanda reprimida? Qual a demanda oculta? Qual a demanda oculta? Nº e tipo de leitos necessários no RS Nº e tipo de leitos necessários no RS Consultas ambulatoriais e especialidades necessárias Consultas ambulatoriais e especialidades necessárias Hospitais/dia Hospitais/dia Rede ambulatorial especializada Rede ambulatorial especializada Serviços de Apoio ao Diagnóstico e Tratamento Serviços de Apoio ao Diagnóstico e Tratamento Atenção domiciliar Atenção domiciliar Instituições para abrigo de idosos Instituições para abrigo de idosos Rede de atendimento à saúde mental Rede de atendimento à saúde mental Estruturas para tratamento da dependência química Estruturas para tratamento da dependência química

33 GESTÃO DOS SERVIÇOS ESF – SAMU - ESPECIALIDADES REALIDADE HOJE REALIDADE HOJE Precarização nas relações de trabalho terceirizações, Precarização nas relações de trabalho terceirizações, Equipes instáveis, formação deficiente Equipes instáveis, formação deficiente ALTERNATIVAS ALTERNATIVAS Estrutura pública: pactuada estado + municípios Estrutura pública: pactuada estado + municípios Financiamento tripartite Financiamento tripartite Gestão hierarquizada Gestão hierarquizada Contratação das equipes de ESF e SAMU: plano de carreira, salários adequados, capacitação e educação continuada. Contratação das equipes de ESF e SAMU: plano de carreira, salários adequados, capacitação e educação continuada. Exemplos: Consórcio regional, fundação estatal, etc. Exemplos: Consórcio regional, fundação estatal, etc.

34 SITUAÇÃOPROPOSTAS Baixa cobertura da ESF Relações de trabalho precárias Equipes não especializadas ou capacitadas em SF Ampliar a cobertura, em busca da universalização Residência Médica e RIS descentralizadas Capacitação com modelo misto(presencial, EAD, telesaúde) ESF - ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE

35 Ampliar média e alta complexidade Implementar 50 novas UPAs em cidades com mais de 50 mil habitantes ou regiões Implementar 50 novas UPAs em cidades com mais de 50 mil habitantes ou regiões Policlínicas de especialidades nas regionais Policlínicas de especialidades nas regionais Hospitais em todas macrorregionais com resolutividade Hospitais em todas macrorregionais com resolutividade Trabalho integrado com as universidades na formação e capacitação para o SUS, incentivar os hospitais escola Trabalho integrado com as universidades na formação e capacitação para o SUS, incentivar os hospitais escola

36 RESUMO Financiamento tripartite adequado: o RS rumo aos 12%! Financiamento tripartite adequado: o RS rumo aos 12%! Estado planejador e regulador do SUS: função estratégica! Estado planejador e regulador do SUS: função estratégica! Gestão hierarquizada do SUS: responsabilidades diferentes em níveis diferentes, tanto horizontal quanto vertical! Gestão hierarquizada do SUS: responsabilidades diferentes em níveis diferentes, tanto horizontal quanto vertical! Formato jurídico-institucional para a gestão da saúde: será aquele fruto do diálogo, da negociação e do consenso, de acordo com os princípios da administração pública, a realidade e as necessidades de cada região! Formato jurídico-institucional para a gestão da saúde: será aquele fruto do diálogo, da negociação e do consenso, de acordo com os princípios da administração pública, a realidade e as necessidades de cada região!

37 OBRIGADO! A relação do Governo do Estado com as diferentes formas de Gestão em Saúde Apresentação: Dr. Beto Grill – Vice-governador eleito do RS Assessoria Técnica: Dr. Neio Lúcio Fraga Pereira – Diretor Superintendente Superintendente do GHC Dr. Sami A. R. J. El Jundi – Assessor Técnico da diretoria do GHC


Carregar ppt "A relação do Governo do Estado com as diferentes formas de Gestão em Saúde Beto Grill Vice-governador eleito do RS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google