A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TI VERDE Prof. Dra. Marianina Impagliazzo O DESPERDÍCIO EM NÚMEROS Terminada a vida útil nos EUA, Europa e Japão, aparelhos eletroeletrônicos são enviados.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TI VERDE Prof. Dra. Marianina Impagliazzo O DESPERDÍCIO EM NÚMEROS Terminada a vida útil nos EUA, Europa e Japão, aparelhos eletroeletrônicos são enviados."— Transcrição da apresentação:

1

2 TI VERDE Prof. Dra. Marianina Impagliazzo

3 O DESPERDÍCIO EM NÚMEROS Terminada a vida útil nos EUA, Europa e Japão, aparelhos eletroeletrônicos são enviados para países periféricos – inclusive Brasil – e formam pilhas de lixo que enriquecem poucos e intoxicam milhões. No mundo, a cada ano 1,5 bilhão de celulares são substituídos. Resultado: a montanha de lixo eletrônico aumenta em 50 milhões de toneladas.

4 POBRES X RICOS EUA, Europa e Japão reciclam só 30% do seu lixo eletrônico. O restante é exportado para nações pobres. A justificativa: o refugo estimularia a inclusão digital. A estratégia evita gastos com reciclagem e dribla a Convenção de Basiléia que proíbe países industrializados de exportar lixos eletrônicos para as nações periféricas.

5 DESTINO DO LIXO ELETRÔNICO BRASIL China Países da África Índia Paquistão Chile Argentina

6 SOLUÇÃO A reciclagem é uma das soluções mais inteligentes Há mais ouro em 1 tonelada de PCs do que em 17 toneladas de minério. Mas, para extraí-lo muita gente se intoxica e morre no processo.

7 Portanto, como as práticas de TI Verde podem amenizar os impactos do lixo eletrônico ?

8 O que é TI Verde? É a tecnologia da informação voltada para o uso de modelos sustentáveis que visam o uso dos recursos eficientemente. Está presente na criação, fabricação, uso e descarte. Tem como meta reduzir o uso de materiais nocivos, maximizar o uso da energia, promover a reciclagem.

9 TI verde é um conjunto de práticas que torna mais sustentável e menos prejudicial o uso da computação. O TI verde esta ligado aos processos de fabricação dos componentes, administração, utilização dos equipamentos e descarte do lixo eletrônico.

10 Durante a fabricação dos componentes, um dos principais objetivos é produzir produtos que consumam menos energia e evitar a utilização de metais pesados, altamente nocivos ao meio ambiente. Além disso, deve-se evitar o uso de componentes químicos e aumentar a quantidade de materiais recicláveis na fabricação dos produtos.

11 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS Várias práticas de TI Verde podem ser implementadas nas empresas. Desde soluções simples como a economia no consumo de energia à reciclagem e descarte devido de resíduos eletroeletrônicos. Estas ações significam proteger o planeta e simultaneamente reduzir custos.

12 Aumento da geração de lixo; Criação de mercado informal de reciclagem Ricos à saúde devido à falta de tecnologia adequada para a reciclagem; Risco à Saúde Pública pela contaminação do solo e da água por metais tóxicos Poluição do ar devido a queima em céu aberto; Contaminação do solo e do lençol freático. Consequências da disposição incorreta

13 Hoje em dia ¹ ReCellular - Muitos governos criaram ou assimilaram programas para diminuir o impacto do uso dos recursos naturais. As empresas também estão entrando de vez nessas iniciativas, pois, além de ajudar a conservar o nosso planeta, é uma iniciativa economicamente viável. 1T de circuitos usados tem cerca de 300 gramas de ouro enquanto 1T do mineral bruto tem cerca de 5 gramas.¹ Existem inúmeros projetos e, a cada dia, aparecem mais.

14 As práticas de TI Verde podem ser divididas em três níveis: TI Verde de incrementação tática TI Verde estratégico Deep IT (TI Verde "a fundo")

15 TI Verde de incrementação tática: Não modifica a infra-estrutura de TI nem as políticas internas, apenas incorpora medidas de contenção de gastos elétricos excessivos. São exemplos, o uso de monitoramento automático de energia disponível nos equipamentos, o desligamento dos mesmos nos momentos de não-uso, a utilização de lâmpadas fluorescentes e a otimização da temperatura das salas. Estas medidas são simples de serem implementadas e não geram custos adicionais às empresas.

16 Sendo simples a implementação do TI Verde Tático (com vantagens significativas, porém limitadas), podemos observar a redução do consumo energético com o desligamento dos monitores em desuso - que representam 50% do total dos gastos elétricos quando o mesmo é de CRT e 30% ou menos quando são de LCD

17 TI Verde estratégico: Exige a convocação de uma auditoria sobre a infra-estrutura de TI e seu uso relacionado ao meio-ambiente, desenvolvendo e implementando novos meios viáveis de produção de bens ou serviços de forma ecológica. São exemplos, a criação de uma nova infra-estrutura na rede elétrica visando à sua maior eficiência e sistemas computacionais de menor consumo elétrico (incluindo novas políticas internas e medidas de controle de seus descartes). Além da preocupação com a retenção de gastos elétricos, o marketing gerado pelas medidas adotadas pela marca é também levado em consideração.

18 Um exemplo efetivo de práticas de TI Verde Estratégico foi implementado pelo Banco Real no o ProjetoBlade PC, aplicado em 2007: o Banco substituiu 180 computadores convencionais por 160 Blade PCs, equipamentos que possibilitam ficar na mesa do usuário apenas o teclado, o mouse, o monitor e uma pequena caixa responsável pela conexão destes periféricos com o Blade PC. Como resultado, houve redução estimada de 62% da energia elétrica consumida pelos computadores e 50% da energia consumida pelo ar condicionado utilizado na Mesa de Operações; a economia estimada foi de US$ 355 mil em 4 anos pela redução do número de micros; a manutenção mais barata dos mesmos, o gerenciamento centralizado e a facilidade de mudança de layout representam uma estimativa de economia de US$ 300 mil em 4 anos.

19 Deep IT (TI Verde "a fundo"): Mais amplo que os dois primeiros, incorpora o projeto e implementação estrutural de um parque tecnológico visando a maximização do desempenho com o mínimo gasto elétrico; isto inclui projetos de sistemas de refrigeração, iluminação e disposição de equipamentos no local com base nas duas primeiras estruturas anteriores (o que demanda um custo muito maior que as duas primeiras).

20 Google: pratica ações que incluem desde o planejamento de seu datacenter à locomoção dos funcionários com veículos híbridos e o consumo de energia alternativa como a solar; Yahoo: com plano ambiental agressivo que inclui desde a construção de datacenters com produção de acordo com as normas e exigências ambientais, o uso da virtualização de servidores, a gestão do consumo elétrico gerado pelo resfriamento de seus equipamentos até a extensão de medidas para o cotidiano dos funcionários.

21 TI Verde e as Empresas 5 dicas para tornar sua empresa sustentável

22 Os técnicos de TI devem entender as métricas e os sistemas de monitoramento que estão por trás dos edifícios sustentáveis e entender, com clareza, que eles possuem requisitos diferentes de outros sistemas relacionados aos computadores. Você não pode resetar um ar condicionado da mesma forma que faz com um servidor. Há questões de segurança e de saúde ligadas ao uso do equipamento. Se o profissional olhar somente para o console de sistema, pode levar em consideração todas essas variáveis. 1. Crie ambientes que tornem viável projetos com foco em sustentabilidade Os profissionais de TI vão ter que pensar em como suas decisões causam impacto no projeto de sustentabilidade e, consequentemente, na forma em que as instalações da empresa afetam a infraestrutura tecnológica.

23 2. Mantenha regras que controlem as emissões de carbono A área de TI terá de colaborar com outras unidades de negócios para calcular, capturar e reportar todas as atividades de compra e saídas feitas por diversos departamentos. Ou seja, dentro do próprio departamento de tecnologia, por exemplo, pode-se avaliar quanto o desenvolvimento de uma aplicação vai emitir de carbono com a energia gasta com hardware em testes. Todas as unidades possuem suas próprias questões do gênero. Assim, o profissional de TI precisará entender a economia e as implicações do gerenciamento de carbono: o que é monitorado hoje, o que deveria ser monitorado e quais serão as demandas do futuro que também precisarão ser observadas. Não dá para gerenciar o que não se consegue medir.

24 3. Procure se adequar às regulamentações ligadas ao meio-ambiente Os líderes de tecnologia estão se deparando com leis e regulações que impactam tudo o que a TI produz, compra, descarta e emite de carbono. No Brasil, as iniciativas existem, mas ainda são incipientes. A regulamentação que existe no mundo é um excelente parâmetro, sobretudo pelo seu rigor, embora sejam realistas quando à possibilidade de se adotar uma postura mais verde e sustentável, sem impacto nos negócios.

25 4. Adote políticas de gerenciamento de energia Os profissionais da área de TI devem desenvolver um melhor entendimento sobre a necessidade de energia de toda a organização e como as pessoas se relacionam com os dispositivos elétricos. Além de desenvolver sistemas de monitoramento, criar data centers eficientes, pensar na tendência das redes inteligentes de energia elétrica e em seus requisitos, os profissionais também devem lidar com uma situação em que a alimentação não é suficiente para atender às necessidades da empresa em determinados locais. A menor disponibilidade de energia também é algo que exigirá grandes esforços dos profissionais.

26 5. Reconstrua as habilidades já existentes Gerenciamento de mudanças: mudar significa deixar o que já está definido para ações como, desligar monitores ao deixar o posto de trabalho, abandonar o scanner que fica sob a mesa, entre outras questões. É necessário entender como influenciar as pessoas para comprar a ideia da sustentabilidade. Gerenciamento de ativos: as empresas começaram a analisar produtos com critérios verdes. Com isso, os líderes de TI precisam considerar novos fatores ao calcular o custo total de propriedade de seus ativos. Eles terão de considerar a quantidade de gases tóxicos que o ativo produz, além da eletricidade que consomem e o custo para realizar um descarte ecologicamente correto no final do ciclo de vida.

27 TI VERDE – Marketing Verde de Fachada A lei obriga que o gerador do resíduo a dar a destinação final adequada, com critérios ambientalmente corretos, muitas empresas que se dizem verdes, terão que aplicar na prática e não só no marketing verde de fachada. Muitas empresas vendem a ideia de sustentabilidade, mas não aplicam os processos corretos. A Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pela lei nº de 2 agosto de 2010, responsabiliza as empresas pelo recolhimento de produtos descartáveis, estabelece a integração de municípios na gestão dos resíduos e responsabiliza toda a sociedade pela geração de lixo.

28 1- Criação de site para cadastro do lixo eletrônico. 2- Aumento os pontos de coletas coletivas. 3- Implementação de programas de inclusão digital. 4- Lançamento de campanhas de conscientização. 5- Apoio para desenvolvimento de pesquisa.

29 Repensar Recusar Reduzir Reparar Reutilizar Reciclar Reintegrar Consumo sustentável


Carregar ppt "TI VERDE Prof. Dra. Marianina Impagliazzo O DESPERDÍCIO EM NÚMEROS Terminada a vida útil nos EUA, Europa e Japão, aparelhos eletroeletrônicos são enviados."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google