A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IX Encontro dos Assessores de Comunicação das Universidades Comunitárias 31/agosto/2005 a 02/setembro/2005 São Paulo / SP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IX Encontro dos Assessores de Comunicação das Universidades Comunitárias 31/agosto/2005 a 02/setembro/2005 São Paulo / SP."— Transcrição da apresentação:

1 IX Encontro dos Assessores de Comunicação das Universidades Comunitárias 31/agosto/2005 a 02/setembro/2005 São Paulo / SP

2 A utilização da TV Universitária como instrumento de comunicação das IES Prof. Carlos Alberto Carvalho Coordenador da Assessoria de Comunicação Social / PUCRS Presidente do Conselho Gestor / UNITV

3 1. Considerações preliminares Comunicação: atividade de fundamental importância para uma instituição pública ou privada. Compreensão dos objetivos organizacionais: marco inicial da motivação da equipe, facilitando o trabalho de relacionamento com a sociedade. Comunicação interna: incluindo não apenas as informações de caráter institucional, mas também as comunicações administrativas.

4 1. Considerações preliminares Comunicação externa: é essencial assegurar um fluxo constante de informações à coletividade, buscando o entendimento e a aceitação das ações da Instituição. É fundamental, também, avaliar as justas aspirações comunitárias, estimulando o estabelecimento e a manutenção de um clima de confiança recíproca. Importância das ações integradas de comunicação: envolvimento de diversas atividades e instrumentos da área. –Eficácia do trabalho realizado. –Projeção da real imagem da Universidade (interna e externamente), procurando consolidar seu conceito institucional e mercadológico. –Racionalização de tarefas, evitando superposições e diminuindo custos.

5 2. Canais Universitários Canais assegurados por lei e gratuitos. Criados pela Lei de TV a Cabo (Lei nº 8.977, de 6 de janeiro de 1995 ). Canais disponibilizados pelas operadoras de TV a cabo, na sua área de prestação de serviço. Canais reservados para o uso compartilhado entre as universidades localizadas no município ou municípios da área de prestação de serviço das operadoras. Acordo entre as universidades que participam do canal deverá definir a distribuição do tempo e as condições de utilização. Segmento que vem crescendo.

6 3. Conceito de TV Universitária Visão limitada –Televisão laboratorial, visando à estrita finalidade da capacitação discente. –Identificação exclusiva com o público estudantil, considerado apenas como receptor e não como produtor de conteúdos. –Dirigida apenas à comunidade universitária. –Missão especificamente educativa.

7 3. Conceito de TV Universitária Visão abrangente –Desenvolvimento de projetos de produção de TV com finalização profissional, com a participação integrada de alunos, professores e funcionários. –Valorização da competência, assegurando trabalhos de alta qualidade editorial e técnica. –Programação dirigida à comunidade, buscando atender o interesse público. –Compromisso social de promover a aproximação entre a produção acadêmica e os anseios comunitários.

8 4. Programação Pensar os programas de fora para dentro das Universidades (analisar o perfil dos públicos, seus anseios e necessidades, procurando atendê-los). Programas criteriosamente definidos em função do público-alvo. Produções com simplicidade e inovação. (Grande parte das emissoras dispõe de poucos recursos e limitada capacitação técnica). Programas enfatizando a informação, a cultura, a ciência, a educação e o entretenimento. Contribuição de integrantes da comunidade universitária para a pesquisa e experimentação de novas linguagens e formatos em televisão.

9 5. Financiamento O grande desafio : quem paga a produção dos programas? As próprias Universidades (com seus recursos orçamentários ). Apoiadores culturais ( é permitida a menção aos apoiadores, mas é vedada a publicidade comercial). Incentivo cultural (Lei Rouanet, Lei do Audiovisual e leis estaduais). Financiamento público mas somente com vinculação a projetos. É importante : reduzir despesas fixas, optando por custos variáveis cobertos por parcerias. HÁ NECESSIDADE DE PROFISSIONALIZAR A ÁREA DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS

10 6. Integração dos Canais A ABTU – entidade que congrega IES que têm canais ou realizam produções de TV, foi criada em outubro de Entidade debate problemas comuns, promove a troca de experiências e o intercâmbio de programação. Mais de 30 IES estão associadas à ABTU. Entidade trabalha para implantar a RITU – Rede de Intercâmbio de Televisão Universitária, uma central nacional de distribuição de programas.

11 7. UNITV – TV Universidade Início das transmissões: 3 de setembro de Integrada por IES de Porto Alegre (atualmente, seis instituições participam do Canal). Transmissões pelo Canal 15 – NET (Porto Alegre). Acesso também pelo site Dirigida por um Conselho Gestor, eleito pela Assembléia Geral das entidades participantes da emissora. Sede, estúdios e central geradora localizados no Campus da PUCRS. Programação elaborada pelas IES participantes e por entidades especializadas, mediante convênios.

12

13

14

15 8. Considerações Finais As TVs UNIVERSITÁRIAS prestam serviços de caráter eminentemente público. São importantes instrumentos de expressão das Instituições de Ensino Superior. Contribuem valiosamente para o diálogo das IES com seus públicos. Desempenham admirável papel social na formação de cidadãos críticos e conscientes. Trabalham para a integração entre as IES e a comunidade. Representam uma opção consistente no panorama audiovisual brasileiro.

16 A utilização da TV Universitária como instrumento de comunicação das IES Prof. Carlos Alberto Carvalho Coordenador da Assessoria de Comunicação Social / PUCRS Presidente do Conselho Gestor / UNITV Fone : (51) –


Carregar ppt "IX Encontro dos Assessores de Comunicação das Universidades Comunitárias 31/agosto/2005 a 02/setembro/2005 São Paulo / SP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google