A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 1 Carlos Gothe Gerente de Desenvolvimento de Negócios Parcerias e Investimentos na Geração a Biomassa Workshop Siamig / Cogen & Rodada de Negócios em.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 1 Carlos Gothe Gerente de Desenvolvimento de Negócios Parcerias e Investimentos na Geração a Biomassa Workshop Siamig / Cogen & Rodada de Negócios em."— Transcrição da apresentação:

1 1 1 Carlos Gothe Gerente de Desenvolvimento de Negócios Parcerias e Investimentos na Geração a Biomassa Workshop Siamig / Cogen & Rodada de Negócios em Bioeletricidade Belo Horizonte, Agosto de 2009

2 2 2 Portfólio balanceado (80% hidrelétricas, 18% termelétricas e 2% complementares), com localização estratégica e capacidade instalada de MW em 19 usinas operadas pela Companhia. Termelétrica Hidrelétrica Legenda Complementar Notas: 1 Valores segundo legislação específica. 2 Parte da Tractebel Energia. 3 Complexo composto por 3 usinas. 4 Projeto a ser transferido pela GDF SUEZ em Usinas em Construção Capacidade Instalada (MW) Energia Assegurada/ Gar. Física (MWm) 1 Total Estreito (Hidro) Andrade (Biomassa) Areia Branca (PCH) 2010 Usinas Termelétricas Capacidade Instalada (MW) Garantia Física (MWm) 1 Complexo Jorge Lacerda William Arjona Charqueadas72 46 Alegrete 6621 Total Usinas Complementares Capacidade Instalada (MW) Energia Assegurada/ Gar. Física (MWm) 1 Lages (Biomassa)2825 Beberibe (Eólica) 2610 Total José Gelazio da Rocha (PCH) 2411 Rondonópolis (PCH)2714 Usinas Hidrelétricas Capacidade Instalada (MW) Energia Assegurada (MWm) 1 Salto Santiago Itá Salto Osório Cana Brava Machadinho Passo Fundo Total Ponte de Pedra São Salvador Pedra do Sal (Eólica) 188 Em Construção A Tractebel Energia

3 3 3 Biomassa para geração elétrica Bagaço e palha de cana Resíduos agrícolas Combustíveis com disponibilidade dependente de processo agro- industrial Lixo urbano e industrial Resíduos florestais e madeireiros Gramíneas (capim elefante,...) Reflorestamento (pinus, eucalipto,...) Combustíveis com produção dedicada à planta de geração de energia Pellets

4 4 4 Santa Catarina possui 17 % das florestas de Pinus do Brasil. A região de Lages, maior pólo madeireiro de Santa Catarina, conta com 20% de toda a área reflorestada do Estado. Em um raio de 120 km de Lages operam aproximadamente 300 empresas madeireiras. A geração de resíduos de madeira vinha causando problemas ambientais pela deposição inadequada nas barrancas e talvegues, tanto locais, como assoreamento dos rios e córregos, como globais pela emissão de metano decorrente da sua decomposição. Projetos de Biomassa: Lages Bioenergética

5 5 5 Configuração do Negócio

6 6 6 Projeto Lages – Números Principais Investimento Total : R$ 80 milhões; Financiamento BRDE/BNDES : 49 milhões; Consumo de combustível: 420 mil Prazo de implantação: 15 meses; Venda de energia: 22MW para a CELESC, 3MW para clientes livres; início de operação em 23/12/2003; Venda de vapor: toneladas por ano para as indústrias madeireiras Batistella e Sofia, início de operação em 01/04/2004. Redução das emissões de metano, com certificação no MDL e comercialização de CERs (créditos de carbono).

7 7 7 Fotos do Projeto LAGES(1)

8 8 8 Fotos do Projeto LAGES(2)

9 9 9 Potencial de Geração Elétrica com Biomassa de Cana Madeira (Santo Antônio) (2.000 MWm) Itaipú (9.699 MWm) Angra 3 (1.200 MWm) Pressupostos: a) safra 2006/2007: realizado; b) safra 2012/13 estimativa baseada nos seguintes valores: 695 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, 1 tonelada de cana-de-açúcar produz 250 kg de bagaço e 204 kg de palha/ponta, 1 tonelada de cana (só bagaço) gera 85,6 KWh para exportação, 1 tonelada de cana (bagaço + palha/ponta) gera 199,9 KWh para exportação, PCI da palha = 1,7 PCI do bagaço, fator de capacidade = 0,5; c) demais anos: valores estimados a partir de uma tendência de crescimento. Fonte: Cogen, Unica

10 10 Competitividade da Biomassa Os novos projetos de geração elétrica são direcionados para o ACR – ambiente de contratação regulada: o modelo do Setor Elétrico brasileiro promove leilões de energia nova a preços mais atrativos e prazos mais longos que o ACL – ambiente de contratação livre; o BNDES, como os demais agentes financeiros, exige recebíveis de longo prazo (PPA) como garantia do financiamento; os investidores preferem investir em projetos com menores riscos: receita garantida no longo prazo. O desenvolvimento da geração a biomassa depende em grande parte das políticas do Governo: programa de leilões periódicos, conexão, incentivos. financiamentos. A geração elétrica com biomassa residual requer criterioso gerenciamento dos riscos de indisponibilidade do combustível.

11 11 Resultado do leilão Potência Ofertada Potência Contratada Preço Médio PROINFA 973,5 MW445 MWR$ 93,77 LFA MW511,9 MWR$ 138,85 LER2.921 MW2.380 MWR$ 154,84 Competitividade da Biomassa Preços mais atrativos e a evolução das regras determinaram o sucesso do LER de sazonalização - contratação e entrega conforme a safra; - ICGs - Instalações de transmissão compartilhadas; - Energia de Reserva – substituição de térmicas mais caras. O setor sucroalcooleiro oferta os maiores montantes de biomassa atualmente viável para a geração elétrica no Brasil.

12 12 Em parceria com Açúcar Guarani, a Tractebel Energia está construindo uma usina termelétrica movida a biomassa (bagaço de cana-de-açúcar) de 33 MW. Descrição do Projeto A energia a ser gerada pela UTE Andrade foi vendida no 1º Leilão de Energia de Reserva, específico para biomassa, ocorrido em agosto de 2008, para um período de 15 anos, a partir de Capacidade Instalada: 33 MW Garantia Física: 20 MW Participação: 55% Investimento (R$mm) 1 : 95 Início da construção: 2008 Início da operação: 2010 UTE Destilaria Andrade - SP Projetos de Biomassa: Andrade

13 13 Modelo de Parceria da Tractebel O modelo de parceria é baseado em um Consórcio, integrado pela Usina de Cana e a Geradora Elétrica, para cogerar eletricidade e vapor para o processo industrial e excedente de eletricidade para venda no mercado. A estrutura de Consórcio permite que os parceiros contribuam com seus recursos para o objetivo do Consórcio, e recebam em troca sua respectiva parcela nos resultados, minimizando a carga tributária.

14 14 Modelo de Parceria OBRIGAÇÕES DA GERADORA: Investimento na cogeração, aquisição dos equipamentos e negociação com fornecedores, aporte de equity, obtenção de financiamento, contratação de seguros durante a construção e comercialização da energia DIREITOS DA GERADORA : Energia elétrica para venda no mercado, créditos de carbono (sobre a energia vendida). OBRIGAÇÕES DA USINA DE CANA: Cessão do terreno, fornecimento de combustível (bagaço de cana), fornecimento de água, fornecimento de O&M de rotina, licenças ambientais; DIREITOS DA USINA DE CANA: Energia elétrica e vapor para o processo produtivo;

15 15 RESPONSABILIDADES PROPORCIONAIS: Contratação de O&M avançado (serviços especializados), contratação de seguros durante a operação, Autorizações junto à ANEEL; PRAZO DA PARCERIA: Prazo de construção (2 anos); mais o PPA (15 anos). Ao final do contrato, os ativos são transferidos para o grupo sucroalcooleiro. Este modelo de negócios libera o grupo sucroalcooleiro para focar na expansão e crescimento de seu negócio enquanto a geradora realiza os investimentos relacionados ao fornecimento de energia requerido. O modelo também permite a participação do grupo sucroalcooleiro nos investimentos e resultados do negócio de geração de eletricidade, caso entenda adequado. Modelo de Parceria

16 16 Contatos: Carlos Gothe Gerente de Desenvolvimento de Negócios Fone Visite nosso site: www. tractebelenergia.com.br


Carregar ppt "1 1 Carlos Gothe Gerente de Desenvolvimento de Negócios Parcerias e Investimentos na Geração a Biomassa Workshop Siamig / Cogen & Rodada de Negócios em."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google