A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Na tentativa de montar uma carteira de ações, sintetizando as variações do Ibovespa, um investidor deve observar: a) o Beta b) o Índice de Sharpe c) A.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Na tentativa de montar uma carteira de ações, sintetizando as variações do Ibovespa, um investidor deve observar: a) o Beta b) o Índice de Sharpe c) A."— Transcrição da apresentação:

1 Na tentativa de montar uma carteira de ações, sintetizando as variações do Ibovespa, um investidor deve observar: a) o Beta b) o Índice de Sharpe c) A duration d) A moda Mensuração, Gestão de Performance e Risco

2 Na tentativa de montar uma carteira de ações, sintetizando as variações do Ibovespa, um investidor deve observar: a) o Beta b) o Índice de Sharpe - serve para medir risco e retorno c) A duration - serve para medir prazo médio de títulos, não aplicável para ações. d) A moda – não foi falado sobre moda. Deve tentar ações com Beta = 1. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

3 Ao analisarmos o erro quadrático médio, podemos concluir que: a) Fundos ativos tendem a ter erro quadrático médio maior em relação a fundos passivos. b) Fundos passivos tendem a ter erro quadrático médio maior em relação a fundos ativos c) Fundos referenciados tendem a ter maior erro quadrático médio em relação a fundos de ações. d) Fundos ativos tendem a ter o mesmo erro quadrático médio em relação aos fundos passivos Mensuração, Gestão de Performance e Risco

4 Ao analisarmos o erro quadrático médio, podemos concluir que: a) Fundos ativos tendem a ter erro quadrático médio maior em relação a fundos passivos. b) Fundos passivos tendem a ter erro quadrático médio maior em relação a fundos ativos - fundos passivos (mesmo de ações) são mais conservadores c) Fundos referenciados tendem a ter maior erro quadrático médio em relação a fundos de ações.- fundos referenciados são mais conservadores. d) Fundos ativos tendem a ter o mesmo erro quadrático médio em relação aos fundos passivos – fundos ativos tem mais risco que fundos passivos Maior erro quadrático significa maior risco. Fundos ativos de ações são os mais arriscados, portanto, com maior erro quadrático médio Mensuração, Gestão de Performance e Risco

5 Um título préfixado paga cupom semestral de 3% e o principal no seu vencimento. O prazo até o seu vencimento é de 3 anos. A duration de macaulay desse título é: a) Igual a 3 anos b) Inferior a 3 anos c) Igual a 3% d) Inferior a 3% Mensuração, Gestão de Performance e Risco

6 Um título préfixado paga cupom semestral de 3% e o principal no seu vencimento. O prazo até o seu vencimento é de 3 anos. A duration de macaulay desse título é: a) Igual a 3 anos - esse é o prazo final, não o médio b) Inferior a 3 anos c) Igual a 3% - duration de macaulay não tem a ver com rentabilidade d) Inferior a 3% - duration de macaulay não tem a ver com rentabilidade Trata-se do prazo médio de pagamento do título. Veja que como paga cupom semestral, não é igual a 3 anos, pois depois de 6 meses o investidor já recebe os juros. Na média, será menor que 3 anos Mensuração, Gestão de Performance e Risco

7 O procedimento de back testing para os modelos de VaR é um modo de: a) Calcular os parâmetros da distribuição de probabilidade utilizada b) Quantificar o risco em casos de grandes variações do Ibovespa c) Medir a perda média em situações de crise d) Aferir o modelo de risco que está sendo utilizado Mensuração, Gestão de Performance e Risco

8 O procedimento de back testing para os modelos de VaR é um modo de: a) Calcular os parâmetros da distribuição de probabilidade utilizada – isso é feito para calcular a VaR b) Quantificar o risco em casos de grandes variações do Ibovespa – isso é o teste de stress c) Medir a perda média em situações de crise – isso é o teste de stress d) Aferir o modelo de risco que está sendo utilizado O back testing serve para verificar se o risco da carteira de títulos está obedecendo o que foi definido no regulamento através da VaR. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

9 Um banco oferece aos seus clientes investimentos tanto em ações como em CDBs prefixados próprios. Os riscos incorridos nesse investimento são: a) Ações: mercado, apenas. CDB: crédito apenas b) Ações: Mercado e Liquidez. CDB: mercado, crédito e liquidez c) Ações: Mercado, crédito e liquidez. CDB: crédito apenas d) Ações: mercado, apenas. CDB: liquidez e crédito apenas Mensuração, Gestão de Performance e Risco

10 Um banco oferece aos seus clientes investimentos tanto em ações como em CDBs prefixados próprios. Os riscos incorridos nesse investimento são: a) Ações: mercado, apenas. CDB: crédito apenas – radical b) Ações: Mercado e Liquidez. CDB: mercado, crédito e liquidez c) Ações: Mercado, crédito e liquidez. CDB: crédito apenas – radical d) Ações: mercado, apenas. CDB: liquidez e crédito apenas - radical. Note que não foi falado qual banco é, pode ser um banco pequeno. Portanto, as ações podem ter risco de liquidez e o CDB terá risco de crédito. CDBs não tem garantia de recompra, portanto, tem risco de liquidez. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

11 Na avaliação de risco de crédito de uma empresa, prioriza-se: a) O cronograma de investimento b) A capacidade de pagamento c) A relação com credores d) A estrutura organizacional Mensuração, Gestão de Performance e Risco

12 Na avaliação de risco de crédito de uma empresa, prioriza-se: a) O cronograma de investimento b) A capacidade de pagamento c) A relação com credores d) A estrutura organizacional Mensuração, Gestão de Performance e Risco

13 Na avaliação de risco de contraparte de uma empresa, prioriza-se: a) O cronograma de investimento b) A capacidade de pagamento c) A relação com credores d) A estrutura organizacional Mensuração, Gestão de Performance e Risco

14 Na avaliação de risco de contraparte de uma empresa, prioriza-se: a) O cronograma de investimento b) A capacidade de pagamento - risco de crédito c) A relação com credores – risco de cross default d) A estrutura organizacional – risco de cross default Risco de contraparte é o risco de não cumprir o combinado. Risco de cross default é o risco da empresa, grupo econômico ou sócios estar inadimplentes com fornecedores e outros credores. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

15 Qual das medidas a seguir serve para determinar o grau de diversificação de uma carteira? a) Média b) desvio padrão c) Correlação d) VaR Mensuração, Gestão de Performance e Risco

16 Qual das medidas a seguir serve para determinar o grau de diversificação de uma carteira? a) Média - medida de retorno b) desvio padrão - medida de risco c) Correlação d) VaR - medida de risco Caso a correlação entre os ativos da carteira seja baixa (ou seja, próximo a 0, longe de 1 e -1), a carteira estará reduzindo o risco diversificável. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

17 Considerando dois ativos de mesmo emissor e a mesma característica, o de menor liquidez provavelmente será: a) Mais caro. b) Mais barato. c) De mesmo preço. d) Mais negociado. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

18 Considerando dois ativos de mesmo emissor e a mesma característica, o de menor liquidez provavelmente será: a) Mais caro. b) Mais barato. c) De mesmo preço. d) Mais negociado. Se o risco é menor, o ativo fica mais caro. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

19 A correlação entre um fundo indexado Ibovespa e o Ibovespa será: a) Próxima de 1 b) Próximo de -1 c) Próximo de 0 d) Maior que 1 Mensuração, Gestão de Performance e Risco

20 A correlação entre um fundo indexado Ibovespa e o Ibovespa será: a) Próxima de 1 b) Próximo de -1 – a correlação é inversa, ou seja, se o Ibovespa subir, o fundo cai. c) Próximo de 0 – Não existe correlação entre o fundo e o Ibovespa. d) Maior que 1 – impossível. Fundos passivos tem correlação próxima a 1. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

21 O tracking error é uma medida que dará a) O risco de uma carteira b) A rentabilidade esperada de uma carteira c) O deslocamento de uma carteira em relação a um benchmark d) A máxima perda esperada de uma carteira Mensuração, Gestão de Performance e Risco

22 O tracking error é uma medida que dará a) O risco de uma carteira - desvio padrão, volatilidade e VaR b) A rentabilidade esperada de uma carteira - média c) O deslocamento de uma carteira em relação a um benchmark d) A máxima perda esperada de uma carteira – stress test Mensuração, Gestão de Performance e Risco

23 Entre dois fundos que objetivam a mesma rentabilidade, um investidor deve escolher aquele que apresenta maior: a) Volatilidade b) Duration c) Beta d) Índice de Sharpe Mensuração, Gestão de Performance e Risco

24 Entre dois fundos que objetivam a mesma rentabilidade, um investidor deve escolher aquele que apresenta maior: a) Volatilidade – maior risco? b) Duration – maior prazo, maior risco c) Beta – o melhor beta é o beta igual a 1. d) Índice de Sharpe Índice de Sharpe realiza analise de risco e retorno, se o retorno é igual, o maior índice de sharpe significa menor risco. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

25 Sabendo que o beta de uma ação em relação ao Ibovespa é igual a 2, podemos afirmar que essa ação: a) É mais sensível a mudanças na taxa de juros do mercado que o Ibovespa b) É menos sensível a mudanças de taxa de juros no mercado que o Ibovespa c) Possui rentabilidades superiores ao Ibovespa d) Possui rentabilidades inferiores ao Ibovespa Mensuração, Gestão de Performance e Risco

26 Sabendo que o beta de uma ação em relação ao Ibovespa é igual a 2, podemos afirmar que essa ação: a) É mais sensível a mudanças na taxa de juros do mercado que o Ibovespa b) É menos sensível a mudanças de taxa de juros no mercado que o Ibovespa – isso é para Beta < 1. c) Possui rentabilidades superiores ao Ibovespa – ninguém disse que a Bolsa está subindo para falar de rentabilidades d) Possui rentabilidades inferiores ao Ibovespa – ninguém disse que a Bolsa está subindo. Se o Beta é maior que 1, a ação é mais agressiva que o Ibovespa, pode ter rentabilidade maior se o Ibovespa subir ou queda maior se o Ibovespa cair. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

27 A teoria de Harry Markowaitz considera que o desvio padrão de uma carteira: a) é a média simples dos desvios-padrões de cada ativo da carteira b) é a média ponderada dos desvios padrões de cada ativo da carteira. c) deve considerar, além do desvio padrão, o seu retorno. d) deve considerar, além do desvio padrão, a correlação entre as ações. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

28 A teoria de Harry Markowaitz considera que o desvio padrão de uma carteira: a) é a média simples dos desvios-padrões de cada ativo da carteira – com isso se concluirá que quando mais ações, mais risco, o que não é verdade b) é a média ponderada dos desvios padrões de cada ativo da carteira. – da mesma forma, quanto mais ações, mais risco, não é real. c) deve considerar, além do desvio padrão, o seu retorno. – retorno não serve para medir risco. d) deve considerar, além do desvio padrão, a correlação entre as ações. Correlação Zero reduz o risco diversificável de uma carteira. Além de somar os riscos (desvios padrões), deve-se calcular a redução do risco gerada pela diversificação de ativos, medido pela correlação. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

29 Uma das principais características do mercado à termo é: a) A existência de risco de contraparte b) A possibilidade de alongamentos de prazo c) A possibilidade de alavancagem de resultados d) A não padronização dos contratos Mensuração, Gestão de Performance e Risco

30 Uma das principais características do mercado à termo é: a) A existência de risco de contraparte b) A possibilidade de alongamentos de prazo c) A possibilidade de alavancagem de resultados d) A não padronização dos contratos Mensuração, Gestão de Performance e Risco

31 Em relação ao risco país, podemos afirmar que: a) Ao atingir uma classificação denominada grau de investimento, não há mais risco desse país deixar de honrar os compromissos de sua dívida. b) ele pode ser entendido como a probabilidade de um país cumprir as suas metas de inflação c) ele pode ser entendido como a probabilidade de um país deixar de pagar sua dívida, incluindo juros e principal d) ao atingir uma classificação denominada grau de investimento esse país deve aumentar suas metas de inflação Mensuração, Gestão de Performance e Risco

32 Em relação ao risco país, podemos afirmar que: a) Ao atingir uma classificação denominada grau de investimento, não há mais risco desse país deixar de honrar os compromissos de sua dívida. b) ele pode ser entendido como a probabilidade de um país cumprir as suas metas de inflação c) ele pode ser entendido como a probabilidade de um país deixar de pagar sua dívida, incluindo juros e principal d) ao atingir uma classificação denominada grau de investimento esse país deve aumentar suas metas de inflação Grau de investimento significa risco baixo de um país deixar de pagar, mas não risco 0. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

33 Em um diagrama risco x retorno, para um dado retorno, o risco de uma carteira formada por dois ativos: a) aumenta à medida que a correlação entre eles diminui b) independe da correlação entre eles c) diminui à medida que a correlação entre eles também diminui d) diminui à medida que a correlação entre eles aumenta Mensuração, Gestão de Performance e Risco

34 Em um diagrama risco x retorno, para um dado retorno, o risco de uma carteira formada por dois ativos: a) aumenta à medida que a correlação entre eles diminui b) independe da correlação entre eles c) diminui à medida que a correlação entre eles também diminui d) diminui à medida que a correlação entre eles aumenta Se a correlação entre dois ativos é pequena, o risco diversificável é reduzido. Se a correlação entre dois ativos é alta, o risco diversificável continua elevado. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

35 Quando há restrições quanto ao fluxo de capitais entre países, resultado de novas eleições, estamos diante de: a) Risco de crédito b) Risco operacional c) Risco de Liquidez d) Risco de Mercado Mensuração, Gestão de Performance e Risco

36 Quando há restrições quanto ao fluxo de capitais entre países, resultado de novas eleições, estamos diante de: a) Risco de crédito b) Risco operacional c) Risco de Liquidez d) Risco de Mercado Restrição de fluxo de capitais é a impossibilidade de converter uma moeda estrangeira em moeda nacional. Não conseguir vender um ativo ou vende- lo muito abaixo do seu valor é resultado do risco de liquidez. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

37 Julgue os itens que se seguem e assinale a alternativa correta: I.Risco de base está relacionado aos riscos que ocorrem quando falham ou mudam as relações entre os produtos usados para hedge II.Quanto o preço unitário de um título de renda fixa cai, podemos afirmar que a taxa de juros embutida nesta título sobe III.Risco operacional consiste na possibilidade de perdas causadas pelo impacto de flutuações de preços, índices ou taxas sobre instrumentos financeiros que compõem o patrimônio de uma empresa. IV.Risco de crédito está relacionado a possíveis perdas quando as contrapartes não desejam ou não são capazes de cumprir suas obrigações contratuais a) Estão corretas somente I e II b) Estão incorretas II e III c) Estão corretas I e III d) Estão corretas I, II e IV Mensuração, Gestão de Performance e Risco

38 Julgue os itens que se seguem e assinale a alternativa correta: I.Risco de contraparte está relacionado quando uma das partes envolvidas no contrato não honra suas obrigações II.Quanto o preço unitário de um título de renda fixa cai, podemos afirmar que a taxa de juros embutida nesta título sobe III.Risco operacional consiste na possibilidade de perdas causadas pelo impacto de flutuações de preços, índices ou taxas sobre instrumentos financeiros que compõem o patrimônio de uma empresa. IV.Risco de crédito está relacionado a possíveis perdas quando as contrapartes não desejam ou não são capazes de cumprir suas obrigações contratuais a) Estão corretas somente I e II b) Estão incorretas II e III c) Estão corretas I e III d) Estão corretas I, II e IV Mensuração, Gestão de Performance e Risco

39 O efeito da diversificação em uma carteira de dois ativos: a) é mais intenso quando sua correlação é positiva. b) é mais intenso quando sua correlação é negativa c) independe da correlação entre eles d) é inexistente quando sua correlação é positiva ou perfeita. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

40 O efeito da diversificação em uma carteira de dois ativos: a) é mais intenso quando sua correlação é positiva. b) é mais intenso quando sua correlação é negativa c) independe da correlação entre eles d) é inexistente quando sua correlação é positiva ou perfeita. – resposta radical, estaria correto se a Covariança fosse 1, não a correlação. Se a correlação é negativa, quando um ativo sobe o outro cai, reduzindo o risco diversificável. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

41 Sobre ativos de renda fixa, podemos afirmar que: a) a duration modificada mede a sensibilidade desse ativo a pequenas variações na taxa de juros do mercado acionário. b) seu risco poderáser bem mais avaliado pelo Beta em relação ao mercado de ações, dada a forte correlação entre esses ativos e o mercado acionário c) quanto maior a duration de Macaulay, menor será sua sensibilidade a alterações na taxa de juros d) a convexidade não é uma característica desejável para o investidor, pois aumenta as perdas nos movimentos ascendentes da taxa de juros Mensuração, Gestão de Performance e Risco

42 Sobre ativos de renda fixa, podemos afirmar que: a) a duration modificada mede a sensibilidade desse ativo a pequenas variações na taxa de juros do mercado acionário. – taxa de juros do mercado acionário? Ela mede alterações na taxa de juros b) seu risco poderá ser bem mais avaliado pelo Beta em relação ao mercado de ações, dada a forte correlação entre esses ativos e o mercado acionário – Beta serve para ações. c) quanto maior a duration de Macaulay, menor será sua sensibilidade a alterações na taxa de juros – ao contrário d) a convexidade não é uma característica desejável para o investidor, pois aumenta as perdas nos movimentos ascendentes da taxa de juros Mensuração, Gestão de Performance e Risco Maior convexidade Menor convexidade Mais risco Menor risco

43 A reta de regressão linear pode ser definida por sua declividade (tângente do ângulo de inclinação) e por seu intercepto (ponto no qual corta o eixo vertical). Sendo assim, no modelo CAPM, que tenta descrever os retornos de um ativo em relação ao mercado, pode-se afirmar que o coeficiente Beta representa: a) o valor do intercepto ou retorno mínimo para uma carteira sem risco b) a variância dos retornos do mercado, acima do ativo livre de risco c) o coeficiente de sensibilidade do ativo em relação ao retorno do mercado d) o percentual de retorno para cada unidade de risco assumida. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

44 A reta de regressão linear pode ser definida por sua declividade (tângente do ângulo de inclinação) e por seu intercepto (ponto no qual corta o eixo vertical). Sendo assim, no modelo CAPM, que tenta descrever os retornos de um ativo em relação ao mercado, pode-se afirmar que o coeficiente Beta representa: a) o valor do intercepto ou retorno mínimo para uma carteira sem risco b) a variância dos retornos do mercado, acima do ativo livre de risco c) o coeficiente de sensibilidade do ativo em relação ao retorno do mercado d) o percentual de retorno para cada unidade de risco assumida. Beta mede como o ativo se comporta em relação ao comportamento do mercado Mensuração, Gestão de Performance e Risco

45 Em um cenário de queda da taxa de juros, o investidor irá preferir: a) títulos de renda fixa com menor duration modificada, para compensar a queda no valor do ativo b) títulos com menor convexidade c) títulos de renda fixa com duration modificada maior d) papéis pós fixados, para evitar riscos de queda na taxa de juros Mensuração, Gestão de Performance e Risco

46 Em um cenário de queda da taxa de juros, o investidor irá preferir: a) títulos de renda fixa com menor duration modificada, para compensar a queda no valor do ativo – adequados para reduzir o risco de uma alta na taxa de juros. b) títulos com menor convexidade – menor duration modificada e menor covexidade demonstram a mesma coisa c) títulos de renda fixa com duration modificada maior d) papéis pós fixados, para evitar riscos de queda na taxa de juros. Títulos pós fixados são bons para alta na taxa de juros Maior duration modificada ou convexidade representa maior risco numa elevação na taxa de juros, mas maior retorno na queda da taxa de juros Mensuração, Gestão de Performance e Risco

47 Nick Leason, considerado o melhor operador do Banco Narings, perdeu o equivalente a US$ 1,3 bilhões no mercado de derivativos de Singapura, levando o banco a falência. Relacione as frases abaixo ao risco das alternativas: I.Como era visto como o melhor trader, seus pedidos eram aceitos pela matriz sem nenhum controle. II.Leason tinha o controle da mesa de operações e do back office. Não havia nenhuma área responsável pelo controle de sua posições. III.As perdas começaram a aparecer quando o índice Nikkei caiu IV.Com a quebra, o Barings não honrou o crédito com suas contrapartes. a) I – Risco operacional, II – Risco de Mercado, III – Risco Operacional, IV – Risco de Crédito b) I – Risco de Crédito, II – Risco Operacional, III – Risco de Mercado, IV – Risco Operacional c) I – Risco operacional, II – Risco de Câmbio, III – Risco de Mercado, IV – Risco de Crédito d) I – Risco operacional, II – Risco operacional, III – Risco de mercado, IV – Risco de Crédito Mensuração, Gestão de Performance e Risco

48 Nick Leason, considerado o melhor operador do Banco Narings, perdeu o equivalente a US$ 1,3 bilhões no mercado de derivativos de Singapura, levando o banco a falência. Relacione as frases abaixo ao risco das alternativas: I.Como era visto como o melhor trader, seus pedidos eram aceitos pela matriz sem nenhum controle. II.Leason tinha o controle da mesa de operações e do back office. Não havia nenhuma área responsável pelo controle de sua posições. III.As perdas começaram a aparecer quando o índice Nikkei caiu IV.Com a quebra, o Barings não honrou o crédito com suas contrapartes. a) I – Risco operacional, II – Risco de Mercado, III – Risco Operacional, IV – Risco de Crédito b) I – Risco de Crédito, II – Risco Operacional, III – Risco de Mercado, IV – Risco Operacional c) I – Risco operacional, II – Risco de Câmbio, III – Risco de Mercado, IV – Risco de Crédito d) I – Risco operacional, II – Risco operacional, III – Risco de mercado, IV – Risco de Crédito Mensuração, Gestão de Performance e Risco

49 Ao montar uma carteira de Beta igual a zero. Considerando a definição teórica do CAPM, o investidor espera obter: a) rentabilidade acima do mercado, pois não estará sujeito às oscilações da Bolsa de Valores b) rentabilidade igual dos ativos livres de risco c) rentabilidade zero, pois os ganhos obtidos pelo mercado não são capturados pela carteira d) rentabilidade igual a do mercado de ações Mensuração, Gestão de Performance e Risco

50 Ao montar uma carteira de Beta igual a zero. Considerando a definição teórica do CAPM, o investidor espera obter: a) rentabilidade acima do mercado, pois não estará sujeito às oscilações da Bolsa de Valores b) rentabilidade igual dos ativos livres de risco c) rentabilidade zero, pois os ganhos obtidos pelo mercado não são capturados pela carteira d) rentabilidade igual a do mercado de ações O beta mede o retorno acima do mercado (livre de risco). Se o Beta é 0, significa que o investidor terá rentabilidade igual ao ativo livre de risco ou ao benchmark Mensuração, Gestão de Performance e Risco

51 Assinalar a afirmativa falsa: a) o Tracking Error indica o erro máximo esperado quando comparado com o benchmark b) Na simulação histórica, a partir das séries de fatores de choque de cada ativo, é possível reconstruir uma série de variações hipotéticas no valor de uma determinada carteira c) O Stress Test tem por objetivo avaliar o comportamento de um portfólio sob o impacto de situações adversas de mercado através de simulações de potenciais ameaças que podem ser identificadas por meio de estudos macroeconômicos d) O VaR indica o risco máximo do ativo em qualquer situação do mercado Mensuração, Gestão de Performance e Risco

52 Assinalar a afirmativa falsa: a) o Tracking Error indica o erro máximo esperado quando comparado com o benchmark - correto. b) Na simulação histórica, a partir das séries de fatores de choque de cada ativo, é possível reconstruir uma série de variações hipotéticas no valor de uma determinada carteira – não foi falado sobre essa análise. c) O Stress Test tem por objetivo avaliar o comportamento de um portfólio sob o impacto de situações adversas de mercado através de simulações de potenciais ameaças que podem ser identificadas por meio de estudos macroeconômicos – correto, simulação mais pessimista d) O VaR indica o risco máximo do ativo em qualquer situação do mercado O VaR indica o risco de um ativo numa situação normal, não em qualquer situação, mas sim em 95% das situações. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

53 Se a tendência é de queda na taxa de juros, o gestor de um Fundo de Renda Fixa provavelmente terá maiores retornos enquanto durar a tendência de queda se ele comprar ativos que: a) Tenham um Beta menor que 1. b) Tenham um Sharpe menor que 1. c) Tenham Duration grande d) tenham Duration igual a zero Mensuração, Gestão de Performance e Risco

54 Se a tendência é de queda na taxa de juros, o gestor de um Fundo de Renda Fixa provavelmente terá maiores retornos enquanto durar a tendência de queda se ele comprar ativos que: a) Tenham um Beta menor que 1.- ao contrário, devem ter Beta maior que 1 b) Tenham um Sharpe menor que 1- medida de risco e retorno, não serve nesta análise que é apenas de retorno. c) Tenham Duration grande d) tenham Duration igual a zero.- ao contrário, devem ter Duration maior. Quanto maior a Duration de Macaulay, maior o risco, mas maior o retorno Mensuração, Gestão de Performance e Risco

55 A medida que indica o grau de diversificação de uma carteira, segundo a teoria moderna de investimentos é: a) A mediana dos retornos dos ativos b) O desvio padrão dos retornos dos ativos c) A média dos retornos dos ativos d) A correlação dos retornos dos ativos Mensuração, Gestão de Performance e Risco

56 A medida que indica o grau de diversificação de uma carteira, segundo a teoria moderna de investimentos é: a) A mediana dos retornos dos ativos – mede retorno b) O desvio padrão dos retornos dos ativos – mede risco c) A média dos retornos dos ativos - mede retorno d) A correlação dos retornos dos ativos Se a correlação for baixa, os ativos estão bem diversificados. Correlação positiva próxima a 1 gera alto risco diversificável. Correlação negativa perto de -1 reduz os riscos, mas também reduz os retornos. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

57 Um fundo de investimento em ações tem como objetivo replicar os retornos do Ibovespa. Para tanto, o gestor deve escolher ações que tenham: a) Menor volatilidade b) Beta próximo a 1 c) Maior retorno d) Índice de Sharpe igual a 0. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

58 Um fundo de investimento em ações tem como objetivo replicar os retornos do Ibovespa. Para tanto, o gestor deve escolher ações que tenham: a) Menor volatilidade b) Beta próximo a 1 c) Maior retorno d) Índice de Sharpe igual a 0. Se um ativo tem Beta igual a 1, significa que ele se comporta exatamente igual ao Ibovespa. Mensuração, Gestão de Performance e Risco

59 O erro quadrático médio dos retornos de um fundo de investimento: a) É sempre igual a zero b) Deve estar entre -1,65 e + 1,65 c) Deve estar entre -1 e +1 d) É sempre negativo Mensuração, Gestão de Performance e Risco

60 O erro quadrático médio dos retornos de um fundo de investimento: a) É sempre igual a zero b) Deve estar entre -1,65 e + 1,65 c) Deve estar entre -1 e +1 d) É sempre negativo Erro quadrático médio mede a distancia do fundo ao benchmark. Erro quadrático zero significa que o fundo sempre acompanha o Benchmark, ou seja, que tem Beta = 1. É uma medida de risco, quanto maior, mais risco em relação ao benchmark Mensuração, Gestão de Performance e Risco

61 O Stopp Loss é um do mecanismo utilizado em uma carteira de investimento para limitar: a) Sua volatilidade histórica b) Seu nível de concentração de um ativo c) Suas perdas d) Seu VaR Mensuração, Gestão de Performance e Risco

62 O Stopp Loss é um do mecanismo utilizado em uma carteira de investimento para limitar: a) Sua volatilidade histórica – a volatilidade história irá aparecer no VaR e pode acionar o Stopp Loss. b) Seu nível de concentração de um ativo – irá aparecer no VaR se uma concentração de um ativo ocorrer, pois aumentará o risco diversificavel. c) Suas perdas d) Seu VaR – o VaR é usado para acionar o Stopp Loss Stopp Loss é uma ferramente para alertar o gestor do fundo que ele está correndo riscos acima do definidos no VaR. Mensuração, Gestão de Performance e Risco


Carregar ppt "Na tentativa de montar uma carteira de ações, sintetizando as variações do Ibovespa, um investidor deve observar: a) o Beta b) o Índice de Sharpe c) A."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google