A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Para ter os slides acesse: www.professor.ivalrabelo.com.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Para ter os slides acesse: www.professor.ivalrabelo.com."— Transcrição da apresentação:

1

2 Para ter os slides acesse:

3

4

5 Originale.1 euvoupassar

6 Contexto da educação amazônica A região é uma fronteira de recursos naturais; A população amazônica é caracterizada por uma sociodiversidade. É neste contexto de interesses de ocupação e investidas internacionais sobre a região que se deve compreender a situação educacional de suas populações.

7 Os modelos de desenvolvimento e modernização da Amazônia não têm se pautado por princípios adequados à sua sociodiversidade e biodiversidade, na medida em que alguns índices apontam: Aumento da emigração rural compulsória e inchaço dos núcleos urbanos; Crescimento de pobreza; Aumento de prostituição e de crianças desassistidas nos centros urbanos; Aumento de destruição do meio ambiente. O Caos da fronteira

8 Desafios para gestores e educadores O primeiro diz respeito à extensão da escola para cada criança e jovem, extinguindo a exclusão educacional. O segundo, à produção de uma educação competente, capaz de elaborar um discurso, uma ética e um conjunto de conhecimentos e atitudes, direcionados ao respeito à sociodiversidade e à prática da conservação ambiental na nossa região.

9 O financiamento da educação Não se pode pensar a questão educacional amazônica desarticulada da gestão da educação brasileira. A seletividade, por exemplo, é estimulada no nível superior de ensino. Quanto a este mecanismo, Gadotti destaca que nos últimos anos, verdadeiros impérios instrucionais foram construídos através de empréstimos do governo e de altas taxas de anuidade cobradas dos alunos (2000, p. 29).

10 Será que, do ponto de vista do Estado, as medidas de financiamento da educação, adotadas a partir da promulgação da Lei 9394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, têm-se configurado como significativa forma de mediar ruptura com o centralismo administrativo, distribuição de poder e democratização da educação?

11

12 Para Dürkheim educação é : A ação exercida pelas gerações adultas sobre as gerações que não se encontram ainda preparadas para a vida social; tem como objeto suscitar e desenvolver na criança, certo número de estados físicos, intelectuais e morais, reclamados pela sociedade política em seu conjunto e pelo meio especial a que a criança particularmente se destine. A ação exercida pelas gerações adultas sobre as gerações que não se encontram ainda preparadas para a vida social; tem como objeto suscitar e desenvolver na criança, certo número de estados físicos, intelectuais e morais, reclamados pela sociedade política em seu conjunto e pelo meio especial a que a criança particularmente se destine.

13 A educação é um fenômeno social A educação é, por sua origem, seus objetivos e funções, um fenômeno social, estando relacionada ao contexto político, econômico, científico e cultural de uma sociedade historicamente determinada. A educação é, por sua origem, seus objetivos e funções, um fenômeno social, estando relacionada ao contexto político, econômico, científico e cultural de uma sociedade historicamente determinada.

14 A educação é processo A educação é, portanto, um processo social que se enquadra numa concepção determinada de mundo, a qual determina os fins a serem atingidos pelo ato educativo, em consonância com as idéias dominantes numa dada sociedade.

15 Educação é/e mercado As políticas de inserção da educação à lógica do capital são legitimadas por um discurso baseado na ênfase à modernização educativa, à competitividade, à produtividade, ao desempenho, à eficiência e à qualidade, que expressam o ideário neoliberal. As políticas de inserção da educação à lógica do capital são legitimadas por um discurso baseado na ênfase à modernização educativa, à competitividade, à produtividade, ao desempenho, à eficiência e à qualidade, que expressam o ideário neoliberal.

16 Repensar é preciso! As transformações científicas, políticas, econômicas, culturais e sociais, que ocorrem em nível mundial, estão a exigir o repensar da educação e das escolas, pois os paradigmas que têm dado sustentação às práticas educacionais não têm sido capazes de propiciar um desenvolvimento individual e social equânime. As transformações científicas, políticas, econômicas, culturais e sociais, que ocorrem em nível mundial, estão a exigir o repensar da educação e das escolas, pois os paradigmas que têm dado sustentação às práticas educacionais não têm sido capazes de propiciar um desenvolvimento individual e social equânime.

17 LOCALIZAÇÃO PARADIGMÁTICA PRESSUPOSTOS PRINCÍPIO FILOSÓFICO CONTEÚDO CONHECIMENTO PARADIGMA MODERNO Direito de ensinar Um fim em si mesmo Fragmentado Ensino de fatos, definições, acúmulo de informações desvinculada da vida dos alunos; Caráter mais enciclopédico; Privilegia a memória e a padronização. PARADIGMA PÓS-MODERNO Direito de aprender Um meio para desenvolver as competências Integrado Privilegia a construção de conceitos e o entendimento; Teoria e prática aplicadas ao cotidiano do aluno; Ênfase na produção e sistematização

18 Sala de aula Atividades Avaliação Espaço de transmissão e recepção do conhecimento Rotineiras que favorecem a padronização da resolução Pesquisa = cópia Classificatória e excludente Espaço privilegiado de reflexão, de situações de aprendizagens vivas e enriquecedoras Centrada em projetos de trabalho e na resolução de problemas para desenvolver competências Envolver o aluno na pesquisa e na elaboração de sínteses significativas, buscando a construção contínua e processual de sua própria autonomia Formativa e diagnóstica do processo de ensinagem. Aponta dificuldades e possibilita a intervenção pedagógica

19 Professor Aluno Mero transmissor do conhecimento (o seu objetivo é dar aulas) Passivo, receptáculo do conhecimento descontextualizado; Não sabe porquê e para quê estuda determinados conteúdos Mediador da aprendizagem do aluno (objetiva fazer aulas) Facilitador da construção de sentidos Reflexivo Avalia e ressignifica sua prática pedagógica Ativo e participativo na construção das aulas, do conhecimento

20 Construção Foco PLANO DE ENSINO Individual, contendo dados de identificação, ementa, objetivos (gerais e específicos), tópicos de conteúdos, metodologia, avaliação e bibliografia. Busca da melhor forma de ensinar o conteúdo PROGRAMA DE APRENDIZAGEM Coletiva, discutindo a importância do programa na formação do aluno; objetivos gerais e específicos; identificação da lógica própria do programa; metodologias e estratégias mais adequadas, formas de acompanhamento do processo pretendido e dos produtos obtidos. Aprendizagem do aluno PLANOS DE ENSINO E PROGRAMAS DE APRENDIZAGEM

21 Bases pedagógicas do processo de ensinagem: DESAFIOS E CAMINHOS 1 - ARTICULAÇÃO DA RELAÇÃO TEORIA-PRÁTICA 2 - PERCEPÇÃO DO ENSINO COMO ATIVIDADE RELACIONAL E DE MEDIAÇÃO 3 - CRIAÇÃO E DESENVOLIMENTO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM 4 - PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES EFETIVAS 5 - TRABALHO INTERATIVO E COLETIVO

22 6 - ARTICULAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES COGNITIVA, SOCIAL E AFETIVA 7 – A GESTÃO DA SALA DE AULA 8 - AUTONOMIA, REFLEXIVIDADE E SOLIDARIEDADE SOCIAL 9 - INCORPORAÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Bases pedagógicas do processo de ensinagem: DESAFIOS E CAMINHOS 10 - GESTÃO DA HETEROGENEIDADE BASEADA NA PEDAGOGIA DAS DIFERENÇAS

23 O aluno precisa mudar Com as exigências do mundo moderno, o aluno também precisa alterar profundamente o seu papel. O jovem que vem freqüentando o ensino em todos os níveis como espectador, como copiador de receitas, como repetidor de informações. Com as exigências do mundo moderno, o aluno também precisa alterar profundamente o seu papel. O jovem que vem freqüentando o ensino em todos os níveis como espectador, como copiador de receitas, como repetidor de informações.

24 O que é ser professor hoje? Ser professor hoje é viver intensamente o seu tempo com consciência e sensibilidade. Não se pode imaginar um futuro para a humanidade sem educadores...

25 O que é ser professor hoje?... porque constroem sentido para a vida das pessoas e para a humanidade. O professor é, também, um profissional do encantamento.

26 O educador é um verdadeiro construtor de sentido Para o educador não basta ser reflexivo. É preciso que ele dê sentido à reflexão. A reflexão é meio, é instrumento para a melhoria do que é específico de sua profissão...

27 O educador é um verdadeiro construtor de sentido... que é construir sentido, impregnar de sentido cada ato da vida cotidiana, como a própria palavra latina insignare (marcar com um sinal), significa.

28 Competência técnica Conhecimentos e práticas atualizadas; Conhecimentos e práticas atualizadas; Para Cunha (1988) a competência técnica do professor passa também por sua capacidade de manter relações positivas (p. 66), isto é, a capacidade de relacionar-se afetivamente com os alunos. Para Cunha (1988) a competência técnica do professor passa também por sua capacidade de manter relações positivas (p. 66), isto é, a capacidade de relacionar-se afetivamente com os alunos.

29 Competência política Está aberto ao que se passa na profissão; Está aberto ao que se passa na profissão; compreender o alcance, o fim de seu saber e poder contextualizá-lo em um momento sócio-histórico. compreender o alcance, o fim de seu saber e poder contextualizá-lo em um momento sócio-histórico. compromisso com a cidadania profissional. compromisso com a cidadania profissional.

30 Competência pedagógica Docência voltada para o processo de ensinagem; Docência voltada para o processo de ensinagem; Preocupação com as estratégias de ensino de ensino. Preocupação com as estratégias de ensino de ensino.

31 Resistir é preciso! Para existir, nas sociedades multiculturais, sem precisar incorporar as características e os contornos das culturas hegemônicas, é preciso participar como narrador na política cultural da representação. Para existir, nas sociedades multiculturais, sem precisar incorporar as características e os contornos das culturas hegemônicas, é preciso participar como narrador na política cultural da representação.

32 Resistir é preciso! ´É preciso encher o mundo de histórias que falem sobre as diferenças, que descrevam infinitas posições espaço- temporais de seres no mundo (Costa, 2001) ´É preciso encher o mundo de histórias que falem sobre as diferenças, que descrevam infinitas posições espaço- temporais de seres no mundo (Costa, 2001)

33 Melhorar é preciso! Também acreditamos que a construção de um novo paradigma em educação demanda uma formação reflexiva contínua do professor e da professora, a ser desenvolvida individual e coletivamente...

34 Melhorar é preciso!... incidindo diretamente não só na melhoria da qualidade de ensino, mas também na melhoria da vida pessoal e profissional dos professores nela engajados.

35 As dimensões do profissional A concepção de ensino, enquanto profissão, ressalta três dimensões: a obrigação moral, o compromisso com a comunidade e a competência profissional.

36 As dimensões do profissional Tais aspectos não correspondem às características identificadas com o que deve ser uma profissão, mas a defesa das qualidades necessárias ao próprio trabalho de ensinar, ou seja, a profissionalidade.

37 Auto-avaliação O processo para tornar o educador reflexivo sobre sua própria prática pedagógica demanda projetos que envolvam os docentes em encontros contínuos. O processo para tornar o educador reflexivo sobre sua própria prática pedagógica demanda projetos que envolvam os docentes em encontros contínuos.

38 Auto-avaliação É aproximar os professores de metodologias inovadoras, que tenham possibilidade de discutir sobre elas, possam aplica-las e ter com seus pares momentos de avaliação sobre as novas experiências realizadas. É aproximar os professores de metodologias inovadoras, que tenham possibilidade de discutir sobre elas, possam aplica-las e ter com seus pares momentos de avaliação sobre as novas experiências realizadas.

39 A avaliação da prática A avaliação leva a descobrir falhas e possibilidades de melhoria. Quem não reflete sobre o que faz acomoda-se, repete erros e não se mostra profissional. A avaliação leva a descobrir falhas e possibilidades de melhoria. Quem não reflete sobre o que faz acomoda-se, repete erros e não se mostra profissional.

40 O papel da educação A educação tem um papel social a cumprir e as escolas necessitam refletir sobre a sua finalidade, repensar sua função, adequando-se às demandas do atual momento histórico... A educação tem um papel social a cumprir e as escolas necessitam refletir sobre a sua finalidade, repensar sua função, adequando-se às demandas do atual momento histórico...

41 O papel da educação... tendo em vista preparar sujeitos que, embora convivendo com os valores econômicos dominantes, tenham condições de percebê-los e redimensioná-los segundo as reais proporções e repercussões.... tendo em vista preparar sujeitos que, embora convivendo com os valores econômicos dominantes, tenham condições de percebê-los e redimensioná-los segundo as reais proporções e repercussões.

42 O foco da educação Na educação o foco, além de ensinar, é ajudar a integrar ensino e vida, conhecimento e ética, reflexão e ação, a ter uma visão de totalidade. Na educação o foco, além de ensinar, é ajudar a integrar ensino e vida, conhecimento e ética, reflexão e ação, a ter uma visão de totalidade.

43 O foco da educação Educar é ajudar a integrar todas as dimensões da vida, a encontrar nosso caminho intelectual, emocional e profissional que nos realize e que contribua para modificar a sociedade que temos. Educar é ajudar a integrar todas as dimensões da vida, a encontrar nosso caminho intelectual, emocional e profissional que nos realize e que contribua para modificar a sociedade que temos.


Carregar ppt "Para ter os slides acesse: www.professor.ivalrabelo.com."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google