A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DISFUNÇÕES SEXUAISPARAFILIASTRANTORNO DE IDENTIDADE DE GÊNERO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DISFUNÇÕES SEXUAISPARAFILIASTRANTORNO DE IDENTIDADE DE GÊNERO."— Transcrição da apresentação:

1

2 DISFUNÇÕES SEXUAISPARAFILIASTRANTORNO DE IDENTIDADE DE GÊNERO

3

4 Vênus e Cupido com Organista. Tiziano. Museu do Prado, Madrid, 1548.

5

6 A Criação do Homem, Michelangelo.Capela Sistina.

7 Adão e Eva Tintoretto. Galeria dellAccademia, Veneza.

8 Pecado Original Hugo van der Góes Kunsthistorisches Museum, Viena.

9 Ser Puro é Viver em Absoluta Castidade, de Ações e Pensamentos Santo Agostinho Confissões, 400 d.C Relato Autobiográfico.

10 Três tradições que influenciaram o início do Cristianismo: MANIQUEUS CORPO COMO FONTE DE CORRUPÇÃO HEBREUS ASSOCIAVAM A MULHER E O SEXO COM IMPUREZA ESTÓICOS DEFENDIAM VIRGINDADE E CASTIDADE

11 PILARES DO COMPORTAMENTO SEXUAL NA SOCIEDADE JUDAICO-CRISTÃ ATUAL

12 Nudez na mídia Conhecimento dos mecanismos da sexualidade feminina Métodos contraceptivos Discussão sobre o orgasmo PILARES DO COMPORTAMENTO SEXUAL NA SOCIEDADE JUDAICO- CRISTÃ ATUAL SUPERADOD Prevenção das doenças sexualmente transmissíveis

13

14 OS REGISTROS DA VIDA SEXUAL HUMANA PRÉ-HISTÓRIA – ANOS Primeiras imagens que mostram as formas femininas. Europa – desde o sul da França até a Sibéria. Ressaltam os seios fartos e abdômen aumentado, perfil clássico da gravidez e símbolo de fertilidade.

15 Lepcha - Himalaia, Não há beijos, carícias, envolvimento emocional ou romance nas relações sexuais. A nudez não é considerada estimulante e o coito é visto como um ato tão comum como beber e comer, durante o qual a mulher mantém total passividade.

16 O BEIJO RODIN MUSEU RODIN

17 SEXUALIDADE HUMANA TIPOS DE BEIJO ESQUIMÓBORBOLETA

18 A sexualidade humana forma parte integral da personalidade de cada um. É uma necessidade básica e um aspecto do ser humano que não pode ser separado de outros aspectos da vida. A sexualidade não é sinônimo de coito e não se limita à presença ou não do orgasmo. Organização Mundial da Saúde

19 A sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, ações e integrações, portanto, a saúde física e mental. Se saúde é um direito humano fundamental, a saúde sexual também deve ser considerada como direito humano básico. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE

20 Abdo, 2004

21

22 CICLO RESPOSTA SEXUAL HUMANA

23 FASES DESEJOEXCITAÇÃOORGASMORESOLUÇÃO

24

25 Abdo, 2004

26

27 FASE DESEJO FANTASIAS SEXUAIS INTERESSE EM PRATICAR A ATIVIDADE

28 FASE EXCITAÇÃO ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS SENTIMENTO DE PRAZER

29 FASE ORGASMO CLÍMAX DO PRAZER CONTRAÇÕES INEVITABILIDADE EJACULATÓRIA

30 FASE RESOLUÇÃO RELAXAMENTO FISIOLOGICAMENTE REFRATÁRIO

31 DISFUNÇÕES SEXUAS

32 JOVEM VIRGEM AUTOSODOMIZADA POR SUA PRÓPRIA CASTIDADE DALI, 1954

33 Abdo, 2004

34 TRANSTORNO DESEJO SEXUALTRANSTORNO EXCITAÇÃO SEXUALTRANSTORNO DE ORGASMOTRANSTORNO SEXUAIS DOLOROSOS

35 TRS. DESEJO SEXUAL HIPOATIVO TRS. DE AVERSÃO SEXUAL

36 TRS. DESEJO SEXUAL HIPOATIVO DÉFICIT OU AUSÊNCIA PERSISTENTE OU RECORRENTE DE FANTASIA OU DESEJO SEXUAL 20%

37 Abdo, 2004 DESEJO SEXUAL HIPOATIVO

38 Abdo, 2004

39 TRS. DE AVERSÃO SEXUAL EXTREMA AVERSÃO OU ESQUIVA ATIVA PERSISTENTE OU RECORRENTE DE QUASE TODO CONTATO GENITAL COM UM PARCEIRO

40 TRS. DE AVERSÃO SEXUAL EXTREMA AVERSÃO OU ESQUIVA ATIVA PERSISTENTE OU RECORRENTE DE QUASE TODO CONTATO GENITAL COM UM PARCEIRO

41 Abdo, 2004 AVERSÃO SEXUAL

42 TRS. EXCITAÇÃO SEXUAL FEMININA TRS. ERÉTIL MASCULINO

43 TRS. EXCITAÇÃO SX. FEMININA INCAPACIDADE, PERSISTENTE OU RECORRENTE DE ADQUIRIR OU MANTER UMA RESPOSTA DE EXCITAÇÃO SEXUAL ATÉ A CONCLUSÃO DO ATO SEXUAL

44 Abdo, 2004

45 TRS. ERÉTIL MASCULINO INCAPACIDADE, PERSISTENTE OU RECORRENTE DE OBTER OU MANTER UMA EREÇÃO ADEQUADA ATÉ A CONCLUSÃO DO ATO SEXUAL 8%

46 Abdo, 2004 DISFUNÇÃO ERÉTIL

47 Abdo, 2004

48 Lutero aconselha que em caso de impotência " com o consentimento do marido que a esposa se una a outro ou ao irmão do marido ". Prática disseminada nas regiões camponesas da Europa no século XVI. LUTERO E A IMPOTÊNCIA MASCULINA LUTERO, M. Do Cativeiro Babilônico da Igreja. Leopoldo: Editora Sinodal, 1989.

49 POVO Mam Guatemala Uma mulher casada que no período de três anos não engravidasse, era acusada de adultério. Acreditava-se que manter relações sexuais com mais de um homem impedia a concepção.

50 Pablo Picasso, Museu de Arte, Cambridge Maternidade

51 Abdo, 2004

52 VENDA MUNDO = 1,9 BI US$ x BRASIL = 68 MI US$ MUNDO = 12 COMPR. CADA SEGUNDO BRASIL = 1 COMPR. CADA 3 SEGUNDOS HOMENS TRATADOS MUNDO = 21,7 MI x BRASIL = 280 MIL 5° MERCADO EM FATURAMENTO 2° MERCADO EM N° DE COMPR.

53 BRASIL MEDICA/ MAIS CONSUMIDO MIL COMPR. / MÊS JUNTO CIALIS = 1.18 MILHÃO COMPR. / MÊS 36% TOTAL VENDAS MEDICA/ PAÍS RANKING EUA INGLATERRA BRASIL Gazeta do Povo, 15/02/2006

54 TRS. ORGASMO FEMININO TRS. ORGASMO MASCULINO EJACULAÇÃO PRECOCE

55 TRS. ORGASMO / ATRASO OU AUSÊNCIA, PERSISTENTE OU RECORRENTE DE ORGASMO APÓS EXCITAÇÃO NORMAL TRS. ORGASMO 30%

56 Abdo, 2004

57 EJACULAÇÃO PRECOCE EJACULAÇÃO, PERSISTENTE OU RECORRENTE COM ESTIMULAÇÃO SX. MÍNIMA ANTES, DURANTE OU LOGO APÓS A PENETRAÇÃO E ANTES QUE O INDIVIDUO DESEJE 30%

58 Abdo, 2004

59

60 DISPAREUNIA VAGINISMO

61 DISPAREUNIA DOR GENITAL, PERSISTENTE OU RECORRENTE ASSOCIADA AO ATO SEXUAL

62 Abdo, 2004 DISPAREUNIA

63 Abdo, 2004 DISPAREUNIA

64 Abdo, 2004

65 VAGINISMO CONTRAÇÃO OU ESPASMO INVOLUNTÁRIO, PERSISTENTE OU RECORRENTE DA MUSCULATURA DO 1/3 EXTERNO DA VAGINA QUE INTERFERE COM ATO SEXUAL

66 Considera o ato sexual tão vergonhoso que a maioria das mulheres sofre de disfunção sexual, como vaginismo e dispareunia. As mulheres sentem que as relações são dolorosas e humilhantes, submetendo-se a elas apenas para a reprodução. Antropólogos não encontraram entre os Manus qualquer manifestação artística na memória cultural que se refira a amor, carinho e afeto.

67 SUB-TIPOS INÍCIO AO LONGO DA VIDA ADQUIRIDA CONTEXTO GENERALIZADA SITUACIONAL FATORES ETIOLÓGICOS FATOR PSICOLÓGICO FATORES COMBINADOS

68 TRANSTORNOS SEXUAIS E DA IDENTIDADE DE GÊNERO

69 DISFUNÇÕES SEXUAISPARAFILIASTRANTORNO DE IDENTIDADE DE GÊNERO TRANTORNOS SEXUAIS

70 PARAFILIAS – DSM-IV-TR TRANSTORNO DE PREFERÊNCIA SEXUAL – CID 10

71 Parafilias

72 Fantasias, anseios sexuais ou comportamentos recorrentes, intensos e sexualmente excitantes. PARAFILIAS

73 Crianças ou pessoas sem consentimento. Objetos Inanimados. Humilhação em si ou ao outro.

74 TEMPO: MAIS DE 6 MESES DE FANTASIAS OU COMPORTAMENTOS. SEXUALIDADE: ATO SEXUAL EM SI PERDE A IMPORTÂNCIA. Parafilias

75 Os Chukchee (Sibéria), os esquimós Copper e Netsilik (Groenlândia), os Massai (África). Oferecimento da esposa ou da filha a um homem que visitasse sua moradia.Espera-se que o homem coloque a esposa à disposição de um convidado. Entre os Akhvakh, no sul da Rússia, um convidado pode fazer todos os jogos sexuais com uma adolescente que lhe seja oferecida, desde que o hímen permaneça intacto. Hospitalidade Sexual

76 Uso, ou fantasias de uso, de objetos inanimados com a finalidade de estímulo para a realização sexual; muitas vezes os objetos são extensões do corpo humano, como por exemplo, meias ou luvas. Fetichismo

77

78 Exposição da genitália a estranhos, com o intuito de chocar. Geralmente é um homem heterossexual, muitas vezes casado e com uma vida sexual ativa. Exibicionismo

79 Alguns autores dividem em quadro separados, sadismo e masoquismo, outros não. Envolve submissão e/ou inflição de dor, humilhação ou sofrimento. O sufocamento como forma de aumentar o prazer pode ser incluído como um comportamento sadomasoquista. Sadomasoquismo

80

81 Uso de roupas do sexo oposto para a obtenção de prazer sexual. Geralmente é um homem heterossexual, que após a masturbação ou o ato sexual desvencilha- se das roupas. Não deve ser confundido com o que popularmente chamamos de travesti, que é um homossexual que se veste de mulher com o intuito de atrair outros homens. Nem deve ser confundido, também, com transexual

82

83 VOYEURISMO

84 Ato de observar, sem a anuência ou consentimento, uma pessoa despir-se, ou em atividade sexual. Geralmente é acompanhada de masturbação. Atitudes esparsas de voyeurismo na adolescência é comum e não deve ser considerada anormal. O uso de filmes ou revistas pornográficas para a excitação sexual, também não deve ser considerado patológico ou voyeur, tendo em vista que são confeccionados para esta finalidade

85 zoofilia atração por animais. necrofilia atração por cadáveres. frotteurismo tocar ou esfregar-se em uma pessoa sem o seu consentimento. OUTRAS PARAFILIAS

86 Entre os Ijo (África) havia um rito de iniciação na vida adulta, no qual um adolescente copulava com um carneiro na frente dos homens adultos. Pesquisa de Alfred Kinsey, em 1948, indicou que pelo menos 17% dos homens que viviam em áreas rurais nos Estados Unidos tinham obtido orgasmo em contato com animais. zoofilia

87

88 Preferência sexual por crianças pré-puberes ou no início da puberdade. Alguns autores estabelecem uma idade máxima de treze anos para a caracterização de pedofilia. Se o comportamento é estabelecido por outra criança, ou um adolescente, deve-se tomar muito cuidado para estabelecer este diagnóstico, pois pode se tratar de um acontecimento isolado. As vezes este quadro também pode ser caracterizado como incestuoso. Pedofilia

89 A PEDOFILIA É A PERVERSÃO DOS FRACOS E IMPOTENTES S. FREUD

90 Professores, profissionais de saúde e responsáveis por creches a notificar aos conselhos tutelares qualquer suspeita de maus- tratos contra crianças que observarem. Notificados, esses conselhos enviam um profissional para checar a denúncia no local. Caso o conselheiro constate o crime ou avalie que a suspeita possa ter procedência, o passo seguinte é avisar a polícia – com ou sem a concordância dos parentes da vítima.

91 2004: 0% 2008: 22% Psic. A. Serafim

92 Quando o pai ou o padrasto é o agressor, a mulher resiste em denunciá-lo não por cumplicidade ou por temer as conseqüências, mas por ter dificuldade em aceitar a idéia de que não protegeu adequadamente o filho e de que ama alguém capaz de cometer um crime como esse. "Ela resiste a acreditar que aquilo pode ser verdade. É uma situação muito dolorosa para a mulher", afirma o psiquiatra. Psiquiatra Daniel Martins de Barros

93

94 Para ser considerado pedófilo, o indivíduo deve ter no mínimo 16 anos de idade e ter uma diferença de pelo menos cinco anos em relação à vítima. Pedofilia (APA)

95 Alguns limitam sua atividade a despir-se ou observar a criança, podendo exibir seus genitais, masturbar-se na sua presença, tocá-la ou afagá-la. O abuso envolvendo meninas é mais freqüente do que os que envolvem meninos e há pedófilos que possuem preferência por meninas, meninos ou por ambos. PEDOFILIA

96 Tipo exclusivo: preferência só por crianças. Tipo não exclusivo: atração por adultos também. PEDOFILIA - TIPOS

97 Incesto Na ilha de Bali o casamento entre professor e aluno é um tabu, por ser encarado como uma forma de incesto. Nas tribos Kubeo e Tucano (Amazônia) o início da vida sexual do menino é marcado pela relação sexual com a própria mãe, sob supervisão do pai. Entre os Watusi, (Ruanda e Burundi), há a crença de que um noivo impotente possa se recuperar se mantiver relações sexuais com a própria mãe. Pedofilia -

98

99 Detalhe da capa do livro Second Skins: The Body Narratives of Transsexuality. Jay Prosser - New York Columbia University Press, 1998.

100 A. Forte e persistente identificação com o gênero oposto. Em Crianças exige-se 4 quesitos: 1. Declara ou deseja repetidamente ser do sexo oposto. 2. Meninos simulam trajes femininos e as meninas usam roupas masculinas. 3. Papéis, brincadeiras e fantasias de ser do sexo oposto. 4. Intenso desejo por jogos e passatempos do outro sexo. 5. Forte preferência por colegas do sexo oposto.

101 B. Desconforto persistente com o seu sexo. Crianças manifestam: Crença que o pênis desaparecerá. Que é melhor não ter um pênis. Aversão a brincadeiras rudes. Crença que desenvolverá um pênis., Rejeição a urinar sentada. Afirmação de não querer que os seio cresçam. Aversão a roupas femininas.

102

103 A. Em Adolescentes e Adultos: 1. Desejo declarado de ser do outro sexo. 2. Fazer-se passar por alguém do sexo oposto. 3. Desejo de ser tratado como do outro sexo. 4. Convicção de ter sentimentos e reações típicos do outro sexo.

104 B. Disforia quanto ao seu sexo ou sentimento de inadequação no papel de gênero deste sexo. Adolescentes e Adultos: Preocupação em ver-se livre de características sexuais primárias ou secundárias. (solicitação de hormônios e cirurgias) Crença de ter nascido com o sexo errado.

105 Características e Transtornos Associados: Isolamento e ostracismo. Baixa auto-estima. Aversão e evasão escolar. exibem maneirismos femininos – zombaria e rejeição. Homens : automedicação com hormônios, castração, prostituição. Tentativas suicídio e uso drogas.

106 Os transexuais representam um personagem. No processo de socialização que se inicia na relação com os pais e segue na escola, trabalho, amigos, cultura e parceiros sexuais, os transexuais têm que se adaptar para sobreviver no papel de homem ou de mulher, enquanto o que desejam é poder viver como membros do sexo oposto. Por conta de sua aparência física, utilizam palavras e atitudes que estejam de acordo com a visão que os outros têm da sua " natureza externa ".

107 Curso – chegam às clínicas entre 2 e 4 anos de idade. Final da adolescência: 3\4 orientação homo ou bissexual, mas sem TIG. 1\4 cirurgia ou curso crônico de confusão e disforia quanto ao gênero. Prevalência - países pequenos da Europa sugerem que: 1 em homens adultos e 1 em mulheres adultas buscam cirurgia de mudança de sexo.

108 Redesignação de Sexo ou Transgenitalização. A maioria dos transexuais sabe que é diferente desde a infância, mas também sente uma grande pressão para se adequar àquilo que a sociedade espera, a partir do que está escrito em sua certidão de nascimento. Por essa razão, não é raro que o próprio transexual negue que é realmente diferente.

109

110

111 Gente Filha da cantora Cher agora é homem oficialmente 6 de maio de 2010 Chaz Bono e a namorada (Foto: Reprodução) VEJA TAMBÉM A namorada de Chaz Bono tem agora um homem para chamar de seu, como diz a letra da música de Erasmo Carlos. A ex-filha de Cher, que passou por uma cirurgia de mudança de sexo em junho de 2009, acaba de ser reconhecida oficialmente como homem. O reconhecimento veio com a alteração do nome de Chaz, que, de Chastity Bono, nome recebido em 1969, passa a se chamar Chaz Salvatore. A alteração foi feita em um tribunal da Califórnia, nesta quinta-feira. Fruto do casamento de Cher com o cantor e produtor Sonny, Chastity saiu do armário em 1995, mas só em março de 2009 começou a tomar hormônios e a viver como homem. Hoje, Chaz é frequentemente visto na companhia

112 Especificadores: 1. Atração sexual pelo sexo masculino. 2. Atração sexual pelo sexo feminino. 3. Atração sexual por ambos os sexos. 4. Ausência de atração sexual por ambos.

113

114 Símbolo internacional adotado por entidades de apoio terapêutico e jurídico aos transexuais e suas famílias.

115

116 Thomas durante ultra-sonografia em abril-2008 Foto: Reprodução/The Oprah Winfrey Show

117 Sexo é o conjunto de características estruturais e funcionais pelas quais um ser vivo é definido como macho ou fêmea e desempenha o papel determinado de uma dessas condições na reprodução da espécie. Vários fatores determinam o sexo de um indivíduo, tais como a conformação cromossômica, a evolução das gônadas, o desenvolvimento dos órgãos sexuais e a ação hormonal; e outros fatores influem em sua percepção como pertencente a um determinado sexo.

118 A identidade sexual é o fenômeno que permite a um indivíduo identificar-se com um determinado grupo. É, portanto, a totalidade de atitudes que o indivíduo tem com relação a si próprio e seus sentimentos de pertencer a um ou outro sexo, podendo coincidir ou não com seu sexo genético. Esta percepção tem início, geralmente, nos primeiros 24 meses de vida

119 Respect … Diana Rakipi, who took the oath to protect her nine sisters. Photo: The New York Times

120 TRS. DESEJO SEXUAL Na zona rural da Irlanda há uma comunidade em Inis Beag que preserva tradições ortodoxas católicas. Desde cedo meninos e meninas são separados para evitar qualquer intimidade sexual. A masturbação e carícias íntimas são proibidas. Entre os casais a nudez não é permitida durante a relação sexual, que tem finalidade apenas reprodutiva. Não existe namoro, relações pré- conjugais ou manifestações de afeto.

121 Há quinze anos, o Hospital Pérola Byington, em São Paulo, criou um serviço de atendimento a vítimas de violência sexual destinado a mulheres adultas. Com o tempo, cada vez mais crianças passaram a ser atendidas. Em 2008, 47% das pacientes tinham menos de 12 anos de idade. É um quadro chocante, mas também alentador. Prova de que está mais difícil esconder essa prática ignominiosa que desgraça existências em seu começo.

122 O aumento da disseminação de informações sobre a pedofilia não atingiu apenas adultos. Na rede social Orkut, acessada principalmente por crianças e adolescentes, já existem diversas comunidades formadas por vítimas de abuso sexual. A SOS Abuso Sexual, por exemplo, reúne membros que trocam mensagens como a assinada por Letícia, de 11 anos, moradora de São Luís do Maranhão. Dirigindo-se à comunidade em geral, ela pergunta sobre o suposto agressor: "E se eu denunciasse e ele saísse da cadeia? Ele iria me machucar. Gostaria de saber se há alguma possibilidade de ele sair, pois tenho medo dele. Alguém poderia me responder?". No conselho tutelar que abrange, em São Paulo, os bairros de Pinheiros, Itaim Bibi e Jardins, todos de classe média alta, atendentes já chegaram a receber a ligação de uma criança perguntando o que deveria fazer para denunciar um caso de abuso sexual. Para o psicólogo Serafim, o aumento do acesso das crianças ao tema ajuda também a fazer com que elas entendam que se trata de um crime: "Muitas, por desconhecimento, consideravam naturais certas condutas abusivas", afirma.


Carregar ppt "DISFUNÇÕES SEXUAISPARAFILIASTRANTORNO DE IDENTIDADE DE GÊNERO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google