A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MOLDAGEM PRELIMINAR MOLDAGEM PRELIMINAR. É o ritual clínico em que o cirurgião dentista, empregando seus conhecimentos científicos, instrumentos, materiais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MOLDAGEM PRELIMINAR MOLDAGEM PRELIMINAR. É o ritual clínico em que o cirurgião dentista, empregando seus conhecimentos científicos, instrumentos, materiais."— Transcrição da apresentação:

1 MOLDAGEM PRELIMINAR MOLDAGEM PRELIMINAR

2 É o ritual clínico em que o cirurgião dentista, empregando seus conhecimentos científicos, instrumentos, materiais e técnicas adequadas, consegue obter um molde. Russi, Lombardo, Compagnoni

3 É a reprodução negativa dos tecidos da área chapeável em uma dada posição, registrada no momento da reação final do material moldador. Nagle & Sears, 1962 É a reprodução positiva obtida a partir de um molde

4 PRELIMINAR OU ANATÔMICA É utilizada para a reprodução estática tanto da área chapeável quanto das estruturas vizinhas interessadas. SECUNDÁRIA OU FUNCIONAL É utilizada para a reprodução da área chapeável e estruturas vizinhas interessadas em posição dinâmica

5 REPRODUÇÃO INTEGRAL DA ÁREA CHAPEÁVEL; REPRODUÇÃO MINUNCIOSA DE DETALHES; ALÍVIO DE MÚSCULOS E INSERÇÃO; AUSÊNCIA DE DESLOCAMENTO DE TECIDOS; AUSÊNCIA DE BOLHAS E IRREGULARIDADES;

6 Obter uma reprodução da anatomia da área chapeável Afastar a mucosa móvel ao máximo, recebendo, ao mesmo tempo, as suas impressões no estado de tensão

7 dispositivo que serve para conter o material de moldagem, colocando-o em íntimo contato com a região a ser moldada e que possibilita a remoção do molde sem distorções.

8 Encontradas no mercado, já prontas para o uso, constituídas de metal (geralmente alumínio) ou plástico, com tamanhos padronizados. Estoque Individuais São confeccionadas especialmente para o paciente, geralmente em resina acrílica, a partir do modelo preliminar obtido na primeira moldagem. Turano, 2000

9 Tempo de trabalho adequado; Grau de plasticidade adequado; Promover mínima alteração morfoçógia possível; Resistência à fratura adequada; Inocuidade aos tecidos bucais. REQUISITOS : Mínima alteração dimensional;

10 TURANO, 2000 GODIVAS E PASTA ZINCO- ENÓLICA. ANELÁSTICOS ELÁSTICOS HIDROCOLÓIDES E ELASTÔMEROS

11 rebordos e mucosas normais. GODIVA DE ALTA FUSÃO HIDROCOLÓIDE IRREVERSÍVEL Rebordos irregulares e retentivos e fibromucosa flácida.

12 -Ótimo afastamento dos tecidos moles; -Possibilita correções; -Possibilita remoções a todo instante; -Baixo custo; -Compressão desigual; -rigidez; VANTAGENS DESVANTAGENS

13 VANTAGENSDESVANTAGENS -Promove menor compressão dos tecidos; -Boa fidelidade; -Facilidade de técnica; -Promove menor compressão dos tecidos; -Boa fidelidade; -Facilidade de técnica; -Afastamento deficiente dos tecidos moles; -Escoamento incontrolado; -Possibilidade de rupturas; -Vazamento imediato; -Afastamento deficiente dos tecidos moles; -Escoamento incontrolado; -Possibilidade de rupturas; -Vazamento imediato;

14 Modelo preliminar ou anatômico Modelo funcional

15 Utilizado para a confecção de moldeiras individuais; Planejamento de prótese total imediata; Análise do tamanho, forma, inclinação, espessura e altura do rebordo; Análise do grau de interferência das inserções musculares Análise do grau de interferência das inserções musculares; Visualização da extensão da área chapeável; Arquivo do profissional; FINALIDADES :

16 TÉCNICA DE MOLDAGEM TÉCNICA DE MOLDAGEM

17 3 – SELEÇÃO DAS MOLDEIRAS; 5 – MOLDAGEM PROPRIAMENTE DITA; 2 – POSICIONAMENTO DO PACIENTE; 1 – INSTRUMENTOS E MATERIAIS 1 – INSTRUMENTOS E MATERIAIS; 4 - SELEÇÃO E PREPARO DO MATERIAL MOLDADOR introdução da moldeira; centralização;

18 5.3 - aprofundamento ou compressão; ativação da musculatura; remoção e análise do molde; teste de suporte, retenção, estabilidade,, travamento posterior; 6 – REMOÇÃO DAS EXCESSOS; 7 – DESINFECÇÃO DOS MOLDES; 8 – VAZAMENTO DO GESSO;

19 MOLDEIRAS ADEQUADAS MATERIAL MOLDADOR ; PLASTIFICADOR DE GODIVA ; LECRON ; GRAL DE BORRACHA E ESPÁTULA; LÂMPADA DE CHAMA HORIZONYAL ;

20 Cabeça do paciente inclinada ligeiramente para trás, devidamente apoiada no encosto da cadeira; Comissura labial do paciente na altura do antebraço do operador ; Plano de camper paralelo ao solo ;

21 NÃO ULTRAPASSAR A LINHA VIBRATÓRIA; NÃO PRESSIONAR DEMASIADAMENTE O FUNDO DE SULCO; DEVERÁ ABRANGER TODA A ÁREA CHAPEÁVEL; ESPAÇO INTERNO DE 3 A 5 mm; REQUISITOS :

22 TIPOS DE MOLDEIRAS PARA DESDENTADOS : MOLDEIRAS PARA ALGINATO MOLDEIRAS PARA GODIVA

23 A SELEÇÃO DA MOLDEIRA PODE SER REALIZADA COM O AUXÍLIO DA PRÓTESE ANTIGA.

24 VERICAR SE A MOLDEIRA PREENCHE TODOS OS REQUISITOS.

25 REBORDOS E MUCOSAS NORMAIS. GODIVAS ALGINATO REBORDOS IRREGULARES E RETENTIVOS, FIBROMUCOSA FLÁCIDA OU ADERIDA.

26 GODIVAS UTILIZAR QUANTIDADE DE MATERIAL MOLDADOR SUFIENTE. UTILIZAR TEMPERATURA DE PLASTIFICAÇÃO DA GODIVA ADEQUADA (ENTRE 55º E 65ºC).

27 GODIVAS MANIPULAR A GODIVA ATÉ SE OBTER UMA MASSA HOMOGÊNEA.

28 GODIVAS INSERÇÃO E DISTRIBUIÇÃO ADEQUADA DA GODIVA NA MOLDEIRA.

29 ALGINATO UTILIZAR QUANTIDADE E PROPORCIONAMENTO ADEQUADO DE MATERIAL MOLDADOR.

30 ALGINATO ADEQUAÇÃO DAS BORDAS DA MOLDEIRA COM CERA.

31 ALGINATO ESPATULAÇÃO ADEQUADA. ACOMODAR O MATERIAL NA MOLDEIRA.

32 5.1 - INTRODUÇÃO DA MOLDEIRA

33 5.2 - CENTRALIZAÇÃO DA MOLDEIRA

34 5.3 - APROFUNDAMENTO OU COMPRESSÃO

35 5.4 – ATIVAÇÃO DA MUSCULATURA

36

37 5.5- REMOÇÃO E ANÁLISE DO MOLDE

38

39

40

41 convexidade na região de fundo de sulco; centralização do molde. Superfície fosca e distribuída uniformemente; Análise do molde : 5.5- REMOÇÃO E ANÁLISE DO MOLDE

42 DEFEITOS DO MOLDE QUE PODEM SER CORRIGIDOS Presença de pequenas rugosidades superficiais; Falta de godiva nas regiões de selado periférico e extensão posterior; 5.5- REMOÇÃO E ANÁLISE DO MOLDE

43 MOLDE COM INSTABILIDADE (BÁSCULA); MOLDE DESCENTRALIZADO ; FALTA DE MATERIAL NO SULCO OU NO PALATO; MOLDE COM EXCESSO DE COMPRESSÃO; MOLDE COM FALTA DE COMPRESSÃO; 5.5- REMOÇÃO E ANÁLISE DO MOLDE DEFEITOS DO MOLDE QUE NÃO PODEM SER CORRIGIDOS

44 5.5- TESTES DE SUPORTE (BÁSCULA)

45 5.5- TESTES DE RETENÇÃO

46 5.5- TESTES DE ESTABILIDADE Movimentação lateral

47 5.5- TESTES DE SELAMENTO POSTERIOR

48

49 SOLUÇÕES RECOMENDADAS HIPOCLORITO DE SÓDIO À 1% ; GLUTARALDEÍDO À 2% ;

50 TEMPO RECOMENDADO IMERSÃO OU SPRAY POR 10 MINUTOS.

51

52

53 Ótimo fim de semana para vocês... Profa.: Aleska Vanderlei


Carregar ppt "MOLDAGEM PRELIMINAR MOLDAGEM PRELIMINAR. É o ritual clínico em que o cirurgião dentista, empregando seus conhecimentos científicos, instrumentos, materiais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google