A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Política de Atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais no Sistema Municipal de Ensino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Política de Atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais no Sistema Municipal de Ensino."— Transcrição da apresentação:

1 Política de Atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais no Sistema Municipal de Ensino

2 Educação Especial Histórico da educação especial no município de São Paulo Histórico da educação especial no município de São Paulo Números da Rede Números da Rede A Política de Atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais A Política de Atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais Ações intersetoriais e intersecretariais Ações intersetoriais e intersecretariais TGD no Sistema Municipal de Ensino TGD no Sistema Municipal de Ensino

3 1940 – doação de terrenos para implantação de instituições 1951 – EMEE Helen Keller(EMEDA): deficientes auditivos 1993 – política: Programa de Atendimento aos Portadores de Necessidades Especiais SAPNE 26 SAPNE Decreto /04 - Política de Atendimento a Crianças, Adolescentes, Jovens e Adultos com Necessidades Educacionais Especiais no Sistema Municipal de Ensino (out./2004) – 59 SAPNE -1 CEFAI 2005 – Implantação e Implementação da Política 2009 – Comissão Especial de Trabalho em Educação Especial Histórico da educação especial no município de São Paulo

4 Educação Inclusiva Fundamentada em princípios filosóficos, políticos e legais dos direitos humanos, compreende a mudança de concepção pedagógica, de formação docente e gestão educacional para a efetivação do direito de todos à educação..

5 Educação Inclusiva O desenvolvimento inclusivo das escolas busca assegurar as condições de acesso, participação e aprendizagem de todos os alunos nas escolas regulares em igualdade de condições..

6 Números da Rede apontados no Sistema EOL unidades educacionais da rede direta unidades educacionais da rede direta alunos alunos apresentam quadros de deficiência, transtorno global do desenvolvimento apresentam quadros de deficiência, transtorno global do desenvolvimento professores professores.

7 Decreto nº / /04 Estabelece Diretrizes para a Política de Atendimento à Crianças, Adolescentes, Jovens e Adultos com Necessidades Educacionais Especiais no Sistema de Ensino do Município de São Paulo Portaria nº 5.718/ /04 Regulamenta o Decreto

8 As diretrizes da política de atendimento abrangem questões relativas à: Sistemática de matrícula; Sistemática de matrícula; Condições para o atendimento da demanda; Condições para o atendimento da demanda; Avaliação pedagógica; Avaliação pedagógica; Definição de pessoas com NEE; Definição de pessoas com NEE; Serviços de Educação Especial Serviços de Educação Especial Acessibilidade. Acessibilidade. 17:308

9 Matrícula de TODO E QUALQUER EDUCANDO NAS CLASSES COMUNS; de TODO E QUALQUER EDUCANDO NAS CLASSES COMUNS; com base na IDADE CRONOLÓGICA e/ou outros CRITÉRIOS DEFINIDOS (educando, família, profissionais envolvidos no atendimento); com ênfase ao processo de aprendizagem. com base na IDADE CRONOLÓGICA e/ou outros CRITÉRIOS DEFINIDOS (educando, família, profissionais envolvidos no atendimento); com ênfase ao processo de aprendizagem. VEDADA QUALQUER FORMA DE DISCRIMINAÇÃO; VEDADA QUALQUER FORMA DE DISCRIMINAÇÃO;

10 O Sistema Municipal de Ensino:condições para atendimento da diversidade atendimento das necessidades básicas de locomoção, higiene e alimentação de todos que careçam desse apoio; atendimento das necessidades básicas de locomoção, higiene e alimentação de todos que careçam desse apoio; atuação em equipe colaborativa dos profissionais vinculados aos serviços de Educação Especial e à Comunidade Educativa; atuação em equipe colaborativa dos profissionais vinculados aos serviços de Educação Especial e à Comunidade Educativa; fortalecimento do trabalho coletivo e intersecretarial; fortalecimento do trabalho coletivo e intersecretarial; parcerias e ações para que o educando com NEE participe efetivamente da vida social. parcerias e ações para que o educando com NEE participe efetivamente da vida social.

11 Público Alvo Deficiência intelectual, visual,física, auditiva e múltipla; Deficiência intelectual, visual,física, auditiva e múltipla; Surdocegueira; Surdocegueira; Transtornos globais do desenvolvimento; Transtornos globais do desenvolvimento; Altas habilidades/ superdotação; Altas habilidades/ superdotação; 17:3011

12 Serviços de Educação Especial Centro de Formação e Acompanhamento à Inclusão – CEFAI; Centro de Formação e Acompanhamento à Inclusão – CEFAI; Professor de Apoio e Acompanhamento à Inclusão – PAAI; Professor de Apoio e Acompanhamento à Inclusão – PAAI; Sala de Apoio e Acompanhamento à Inclusão – SAAI; Sala de Apoio e Acompanhamento à Inclusão – SAAI; Escolas Municipais de Educação Especial – EMEE Escolas Municipais de Educação Especial – EMEE Instituições Conveniadas de Educação Especial Instituições Conveniadas de Educação Especial

13 Centro de Formação e Acompanhamento à Inclusão – CEFAI 13 -DRE Formação Formação Produção de materiais Produção de materiais Acervo de materiais e equipamentos específicos Acervo de materiais e equipamentos específicos Acervo bibliográfico Acervo bibliográfico Projetos Projetos

14 Professor de Apoio e Acompanhamento à Inclusão – PAAI 70 Serviço itinerante – comunidade educativa Serviço itinerante – comunidade educativa Articulação CEFAI, U.E, UBS, serviços de apoio já em andamento Articulação CEFAI, U.E, UBS, serviços de apoio já em andamento Colaboração com o professor regente e profissionais da U.E. Colaboração com o professor regente e profissionais da U.E. Propor ações que visem a inclusão – acompanhar e avaliar. Propor ações que visem a inclusão – acompanhar e avaliar. Orientar as famílias Orientar as famílias Orientações didáticas para o Professor e o Coordenador Pedagógico – Elaboração de materiais para o aluno - CEFAI Orientações didáticas para o Professor e o Coordenador Pedagógico – Elaboração de materiais para o aluno - CEFAI

15 Sala de Apoio e Acompanhamento à Inclusão - SAAI ( 191 – DI 164/DF 10/DV 08/DA 09) Atendimento educacional especializado no turno inverso à escolarização Atendimento educacional especializado no turno inverso à escolarização –Complementar –Suplementar –Identificação das habilidades e necessidades específicas dos alunos –Produção de materiais didáticos e pedagógicos acessíveis

16 Sala de Apoio e Acompanhamento à Inclusão - SAAI por DRE BT – 26J/T -11 CL – 25MP - 14 CS – 05PE - 12 FO – 23PI - 18 G – 23SAm - 11 IP – 04SM - 17 IQ – 02Total: 191

17 Escola de Educação Especial - EMEE Atendimento Atendimento –Deficiente auditivo e outras deficiências ou transtorno associado A língua utilizada para comunicação é LIBRAS e a Língua Portuguesa utilizada na modalidade escrita A língua utilizada para comunicação é LIBRAS e a Língua Portuguesa utilizada na modalidade escrita

18 Serviços Conveniados de Educação Especial 38 firmados com a SME - atendimento educacional especializado 38 firmados com a SME - atendimento educacional especializado O atendimento prestado pelas instituições conveniadas deverá estar em CONSONÂNCIA COM AS DIRETRIZES E PRINCÍPIOS DA POLÍTICA EDUCACIONAL DA SME. O atendimento prestado pelas instituições conveniadas deverá estar em CONSONÂNCIA COM AS DIRETRIZES E PRINCÍPIOS DA POLÍTICA EDUCACIONAL DA SME.

19 Ações Comissão Especial de trabalho em Educação Especial I – matrícula - mapeamento; I – matrícula - mapeamento; II - serviços de apoio pedagógico especializado; II - serviços de apoio pedagógico especializado; III -- adequação física dos prédios quanto à acessibilidade arquitetônica; III -- adequação física dos prédios quanto à acessibilidade arquitetônica; III - atendimento do transporte escolar gratuito para os alunos com necessidades educacionais especiais; III - atendimento do transporte escolar gratuito para os alunos com necessidades educacionais especiais; IV - otimização das ações de saúde para o atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais, quanto ao diagnóstico clínico e atendimento; IV - otimização das ações de saúde para o atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais, quanto ao diagnóstico clínico e atendimento; V - serviços de apoio oferecidos pelas instituições conveniadas; V - serviços de apoio oferecidos pelas instituições conveniadas; VI - programas e projetos de saúde para a realização de triagem e encaminhamento para avaliação diagnóstica e/ou outros atendimentos necessários; VI - programas e projetos de saúde para a realização de triagem e encaminhamento para avaliação diagnóstica e/ou outros atendimentos necessários; VII - adequação da legislação relacionada ao atendimento dos alunos com necessidades educacionais especiais; VII - adequação da legislação relacionada ao atendimento dos alunos com necessidades educacionais especiais; VIII – formação continuada e habilitação específica para educadores da RME; VIII – formação continuada e habilitação específica para educadores da RME;

20 Ações de Formação SME/ DOT-EE: Curso de Especialização em nível de Pós Graduação Lato Sensu nas áreas da deficiência – (2007) 100 – (2008) 150. Curso de Especialização em nível de Pós Graduação Lato Sensu nas áreas da deficiência – (2007) 100 – (2008) 150. Curso de capacitação para Professores Regentes de SAAI Curso de capacitação para Professores Regentes de SAAI –2010 – 100% dos professores Regentes de SAAI. Curso de Proficiência em LIBRAS para Professores das EMEE e SAAI Curso de Proficiência em LIBRAS para Professores das EMEE e SAAI Curso de Capacitação Gestores Curso de Capacitação Gestores Professores das classes comuns Professores das classes comuns Profissionais do Quadro de Apoio Profissionais do Quadro de Apoio

21 Produção de documentos e vídeos para a formação dos educadores Documentos Documentos –Toda Força ao 1º Ano – Contemplando as Especificidades dos Alunos Surdos –Referencial sobre Avaliação da Aprendizagem de Alunos com Necessidades Educacionais Especiais – –Orientações Curriculares – Proposição de Expectativas de Aprendizagem – Educação Infantil e Ensino Fundamental LIBRAS –Orientações Curriculares – Proposição de Expectativas de Aprendizagem – Educação Infantil e Ensino Fundamental Língua Portuguesa para Pessoa Surda –Referencial sobre Avaliação da Aprendizagem na área da Deficiência Intelectual – Ensino Fundamental I DVD DVD –Inclusão Escolar: Princípios e Ações –Avaliação da Aprendizagem e as Necessidades Educacionais Especiais –Orientações Curriculares – Praticas Inclusivas I:Deficiência Visual e Auditiva –Orientações Curriculares – Praticas Inclusivas I:Deficiência Intelectual e Física

22 MAPEAMENTO –AÇÕES CEFAI SISTEMA EOL SISTEMA EOL ACOMPANHAMENTO NAS UNIDADES EDUCACIONAIS ACOMPANHAMENTO NAS UNIDADES EDUCACIONAIS FORMAÇÃO DOS EDUCADORES FORMAÇÃO DOS EDUCADORES ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL/INTERSECRETARIAL ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL/INTERSECRETARIAL

23 1- Contexto educacional 1.1) Instituição educacional escolar a)filosófico: valores e crenças b) estrutura organizacional c) funcionamento organizacional

24 1.2) A ação Pedagógica a) o professor a) o professor b) a sala de aula (aspectos facilitadores) b) a sala de aula (aspectos facilitadores) c) recursos de ensino e de aprendizagem c) recursos de ensino e de aprendizagem Recursos existentes na escola? Recursos existentes na escola? Recursos a serem providenciados? Recursos a serem providenciados? d) estratégias metodológicas usadas para d) estratégias metodológicas usadas para o ensino dos conteúdos relacionados as expectativas de aprendizagem( Plano de Trabalho) e) estratégias avaliativas e) estratégias avaliativas a) O que acontece? b) O que precisamos avançar?

25 2- Aluno 2- Aluno 2.1) Nível de desenvolvimento 2.1) Nível de desenvolvimento a) características funcionais a) características funcionais b) competências curriculares b) competências curriculares 2.2) Condições pessoais 2.2) Condições pessoais a) natureza das necessidades a) natureza das necessidades educacionais especiais educacionais especiais

26 3- Família 3- Família 3.1) Características do ambiente familia a) condições físicas da moradia a) condições físicas da moradia b) cultura, valores e atitudes b) cultura, valores e atitudes c) expectativas de futuro c) expectativas de futuro 3.2) Convívio familiar a) pessoas que convivem com o aluno a) pessoas que convivem com o aluno b) relações afetivas b) relações afetivas c) qualidade das comunicações c) qualidade das comunicações d) oportunidades de desenvolvimento e de d) oportunidades de desenvolvimento e de conquista da autonomia conquista da autonomia

27 Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Educação DOT – Educação Especial Mônica Leone Garcia SME/DOT-Educação Especial Luci Toreli Salatino SME/DOT-Educação Especial


Carregar ppt "Política de Atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais no Sistema Municipal de Ensino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google