A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Eu quero uma casa no campo Onde eu possa compor muitos rocks rurais E tenha somente a certeza Dos amigos do peito e nada mais Eu quero uma casa no campo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Eu quero uma casa no campo Onde eu possa compor muitos rocks rurais E tenha somente a certeza Dos amigos do peito e nada mais Eu quero uma casa no campo."— Transcrição da apresentação:

1

2 Eu quero uma casa no campo Onde eu possa compor muitos rocks rurais E tenha somente a certeza Dos amigos do peito e nada mais Eu quero uma casa no campo Onde eu possa ficar no tamanho da paz E tenha somente a certeza Dos limites do corpo e nada mais Eu quero carneiros e cabras pastando solenes No meu jardim (...)

3 Eu quero o silêncio das línguas cansadas Eu quero a esperança de óculos Meu filho de cuca legal Eu quero plantar e colher com a mão A pimenta e o sal Eu quero uma casa no campo Do tamanho ideal, pau-a-pique e sapé Onde eu possa plantar meus amigos Meus discos e livros E nada mais

4 Final do século XVIII Origem ITALIANA Surge em oposição ao Barroco e seu excesso de religiosidade Iluminismo e o poder da razão

5 Busca da simplicidade Bucolismo (pastoralismo) Imitação da natureza Retomada e inspiração através dos clássicos Locus amoenus Fugere urbem Inutilia truncat Carpe diem

6 Diferentemente do Barroco e do Romantismo, que iremos estudar em breve, há no Arcadismo um distanciamento entre a realidade e o imaginário poético. O eu lírico tem o campo como plano de fundo, mas o autor do poema, embora fale o tempo todo da natureza, do campo, vive na cidade.

7

8 Fundação da Arcádia Lusitana (1756) Despotismo esclarecido (Marquês de Pombal) Nuel Maria du Bocage é, sem dúvidas, o maior representante do Arcadismo em Portugal. Compôs poemas que dividimos em: pré- românticos, satíricos e árcades.

9 Auto retrato Magro, de olhos azuis, carão moreno, Bem servido de pés, meão na altura, Triste de facha, o mesmo de figura, Nariz alto no meio, e não pequeno; Incapaz de assistir num só terreno, Mais propenso ao furor do que à ternura; Bebendo em níveas mãos, por taça escura, De zelos infernais letal veneno; Devoto incensador de mil deidades (Digo, de moças mil) num só momento, E somente no altar amando os frades, Eis Bocage em quem luz algum talento; Saíram dele mesmo estas verdades, Num dia em que se achou mais pachorrento.

10 Incultas produções da mocidade Exponho a vossos olhos, ó leitores. Vede-as com mágoa, vede-as com piedade, Que elas buscam piedade e não louvores. Ponderai da Fortuna a variedade Nos meus suspiros, lágrimas e amores; Notai dos males seus a imensidade, A curta duração dos seus favores. E se entre versos mil de sentimento Encontrardes alguns, cuja aparência Indique festival contentamento, Crede, ó mortais, que foram com violência Escritos pela mão do Fingimento, Cantados pela voz da Dependência.

11 Camões, grande Camões, quão semelhante Acho teu fado ao meu, quando os cotejo! Igual causa nos fez, perdendo o Tejo, Arrostar co'o sacrílego gigante; Como tu, junto ao Ganges sussurrante, Da penúria cruel no horror me vejo; Como tu, gostos vãos, que em vão desejo, Também carpindo estou, saudoso amante. Ludíbrio, como tu, da Sorte dura Meu fim demando ao Céu, pela certeza De que só terei paz na sepultura. Modelo meu tu és, mas... oh, tristeza!... Se te imito nos transes da Ventura, Não te imito nos dons da Natureza.


Carregar ppt "Eu quero uma casa no campo Onde eu possa compor muitos rocks rurais E tenha somente a certeza Dos amigos do peito e nada mais Eu quero uma casa no campo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google