A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ele ou Ela Quando um bebé nasce só sabemos se é menino ou menina pelo seu sexo. Ao sexo chamamos de caracteres sexuais primários.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ele ou Ela Quando um bebé nasce só sabemos se é menino ou menina pelo seu sexo. Ao sexo chamamos de caracteres sexuais primários."— Transcrição da apresentação:

1 Ele ou Ela Quando um bebé nasce só sabemos se é menino ou menina pelo seu sexo. Ao sexo chamamos de caracteres sexuais primários

2 Puberdade Entre os 10 e os 16 anos acentuam-se as maiores diferenças entre os dois sexos. Pois é nesta altura que se dá inicio ao funcionamento do sistema reprodutor. É nesta altura que entramos na adolescência.

3 Adolescência A Adolescência é um período da vida do indivíduo difícil de definir, no qual a pessoa ainda não é reconhecida pela sociedade como adulto mas também já não é considerado uma criança. A adolescência é uma época de imaturidade em busca de maturidade. O amadurecimento sexual do adolescente para além de acontecer rapidamente, ocorre ao mesmo tempo que o amadurecimento emocional e intelectual. Desta forma, começa então o processamento na formação de valores de independência, que por sua vez criam pensamentos e atitudes contraditórios. No adolescente, nada é estável nem definitivo, porque se encontra numa época de transição. A adolescência é uma extraordinária etapa na vida de todas as pessoas. É nela que a pessoa descobre a sua identidade e define a sua personalidade. Nesse processo, manifesta-se uma crise, na qual se reformulam os valores adquiridos na infância e se assimilam numa nova estrutura mais madura.

4 Problemas de saúde mais comuns nos adolescentes Os problemas de saúde mais frequentes na adolescência estão relacionados com o crescimento e o desenvolvimento. Por causa dos seus novos comportamentos, os adolescentes tornam-se vulneráveis a certas condições relacionadas com tais atitudes, como as doenças transmitidas sexualmente. As adolescentes heterossexuais activas correm o risco de engravidar. A adolescência é o momento da vida em que se manifestam certos quadros psiquiátricos, como a depressão e outras perturbações do estado de espírito, o que aumenta consideravelmente o risco de suicídio. As doenças alimentares, como a anorexia nervosa e a bulimia nervosa, são especialmente frequentes nos adolescentes. A violência tornou-se a causa principal de doença e morte na adolescência. Muitos factores, como os inerentes ao próprio desenvolvimento, a inserção em grupos, o consumo de drogas e a pobreza, contribuem para aumentar o risco de violência entre adolescentes. Os acidentes, principalmente os de automóvel e de mota, são as principais causas de morte. As queimaduras, as fracturas múltiplas e outros acidentes são a origem da elevada percentagem de lesões graves nos adolescentes.

5 Caracteres Sexuais Secundários Masculinos Voz torna-se mais grave; Surge a pilosidade na face, na região púbica, nas axilas e um pouco por todo o corpo; Os ombros alargam-se; A musculatura desenvolve-se; O crescimento acelera- se. Femininos Os seios desenvolvem- se; As ancas arredondam-se; A bacia alarga-se; Surge a pilosidade na região púbica e nas axilas; O crescimento acelera- se; A silhueta torna-se mais delgada.

6 Além dos caracteres sexuais secundários, o funcionamento dos órgãos sexuais é anunciado: Nos rapazes pela libertação de esperma – ejaculação, muitas vezes durante o sono. Nas raparigas pela aparecimento do período menstrual que consiste na libertação de sangue com células uterinas. É a partir daqui que o homem e a mulher estão prontos para se reproduzirem, ou seja, originarem seres semelhantes através da função reprodutora.

7 Constituição do Sistema Reprodutor Masculino O sistema reprodutor masculino são os caracteres sexuais primários. É constituído pelas glândulas anexas (Vesícula Seminal e Próstata), Vias genitais (Epididimo, Canais Deferentes e Uretra), Órgãos externos (Pénis e Escroto) e pelos Testículos.

8 Órgãos e sua função Glândulas Anexas Vesicula Seminal (2) É responsável pela produção de um líquido, viscoso e amarelado que será libertado durante a ejaculação que, juntamente com o líquido prostático e espermatozóides, forma o esperma ou sêmen. O líquido seminal é uma secreção nutritiva que fornece energia aos espermatozóides e representa 60 % do esperma. Próstata (1) Glândula localizada abaixo da bexiga, tem a forma e o tamanho de uma castanha. Produz substâncias um pouco ácidas, de aspecto leitoso – líquido prostático, necessário à sobrevivência dos espermatozóides. É atravessada pela uretra.

9 Vias genitais Epididimo (2) São dois tubos enrolados sobre cada testículos e localiza-se dentro do escroto. É aqui que os espermatozóides finalizam a sua maturação e são armazenados. Uretra (1) Para além de ser por onde lançamos a urina é também o local para onde é lançado uma secreção transparente para preparar a passagem dos espermatozóides. Também tem função na lubrificação do pénis durante o acto sexual. Canais deferentes (2) São dois tubos musculosos com cerca de 40 cm que partem do epididimo, contornando a bexiga. Aqui unem-se num tubo que abre na uretra. São estes canais que conduzem os espermatozóides dos testículos às vesículas seminais. Terminam na uretra junto à próstata.

10 Órgãos Externos Pénis (1) É considerado o principal órgão do aparelho sexual masculino. Pois é o órgão copulador. Situa-se na parte exterior do corpo que se enche de sangue e endurece quando sexualmente excitado – erecção. É atravessado pela uretra, por onde o esperma é expulso quando acontece a ejaculação. Na extremidade do pénis encontra-se a glande - cabeça do pénis, onde podemos visualizar a abertura da uretra. Com a manipulação da pele que a envolve - o prepúcio. Tem como função permitir o acto sexual. Escroto (2) É a bolsa onde estão os testículos. Tem como função proteger os testículos.

11 Testículos (2) Estão localizados no esterior da cavidade abdominal, dentro de uma bolsa – o escroto. Esta localização permite uma temperatura mais baixa, necessária à formação dos espermatozóides Cada testículo apresenta o seu interior dividido em lóbulos, sendo cada um preenchido por tubos finos e enrolados – tubos seminiferos. É nos tubos seminiferos que são produzidos os espermatozóides.

12

13 Constituição do Sistema Reprodutor Feminino O sistema reprodutor feminino são os caracteres sexuais primários. É constituído pelas Vias genitais (Trompas, Útero e Vagina), Órgãos externos (Vulva) e pelos Ovários.

14 Órgãos e sua função Vias genitais Trompas de Falópio(2) São canais que estabelecem a ligação entre o ovário e o útero; Vagina (1) É um canal de 8 a 10 cm de comprimento, de paredes elásticas, que liga o colo do útero aos genitais externos (vulva, pequenos lábios e grandes lábios). É o local onde o pénis deposita os espermatozóides na relação sexual. Além de possibilitar a penetração do pénis, possibilita a expulsão da menstruação e, na hora do parto, a saída do bebé.

15 Útero (1) Órgão oco, em forma de pêra invertida, de paredes musculosas e espessas (miométrio) que abre na vagina; É revestido internamente por um tecido vascularizado rico em glândulas - o endométrio. Ovários (2) Órgão do tamanho aproximado de uma amêndoa e onde se produzem os óvulos; Órgãos Externos Vulva (1) É delimitada e protegida por duas pregas - os grandes lábios. Mais internamente, outra prega envolve a abertura da vagina - os pequenos lábios - que protegem a abertura da uretra e da vagina. Na vulva também está o clítoris, formado por tecido esponjoso eréctil, homólogo ao pénis do homem.

16

17 Para que a reprodução se realize é necessário que haja a união de duas células: uma masculina outra feminina

18 Células sexuais masculinas ESPERMATOZÓIDE humano ( 0,05mm )

19 O Espermatozóide é uma célula com mobilidade activa, capaz de nadar livremente, consistindo em uma cabeça e uma cauda ou flagelo. A cabeça constitui o maior volume do espermatozóide, é onde se encontra o núcleo, onde o material genético está muito concentrado. A cauda é responsável pela mobilidade do espermatozóide e na área intermediária da cauda encontramos os produtores de energia celular. Os espermatozóides vivem em média 24 horas no sistema reprodutor feminino, porém alguns são capazes de fecundar o óvulo após três dias. O seu principal objectivo é fecundar o óvulo.

20 Células sexuais femininas ÓVULO humano ( 0,1 mm )

21 O óvulo é uma célula arredondada incapaz de se mover (sendo transportada nas trompas de Falópio graças aos cílios existentes nas células que revestem estes canais). É uma célula gigantesca quando comparada com muitas outras células e muito especialmente quando comparada com o espermatozóide.trompas de Falópiocélulaespermatozóide O óvulo de algumas espécies pode mesmo ser visto a olho nu, tendo o tamanho aproximado de um ponto feito com uma caneta (como acontece por exemplo com o dos seres humanos).

22 Durante as relações sexuais, o esperma, que contém milhões de espermatozóides, é libertado na vagina da mulher. Devido ao movimento das suas caudas, eles deslocam-se ao longo do útero, em direcção às Trompas de Falópio, na tentativa de encontrar um óvulo.

23 União da célula sexual feminina com a célula sexual masculina, dando origem ao ovo. FECUNDAÇÃO

24 FECUNDAÇÃO- Apresentação esquemática

25 E este é o aspecto exterior de uma mulher grávida, que vai ser mãe.

26 Aspecto interno de uma gravidez

27 DESENVOLVIMENTO DO FETO O ovo sofre uma série de divisões, originando o embrião, que na sua fase inicial se chama mórula.

28 FETO bolsa das águas. No final do 3º mês, o embrião já tem forma humana e está envolvido por uma membrana, que forma a bolsa das águas.

29 Através da placenta dão-se trocas entre mãe e filho. É o cordão umbilical que os liga.

30 Da fecundação ao nascimento decorre um período de tempo, durante o qual o futuro bebé se vai desenvolvendo lentamente, dentro do corpo da mãe. 9 meses

31 Trinta dias após a fecundação, o embrião mede 0,5 cm. e pesa 0,02g.

32 No fim do 2º mês, o embrião já mede 3 cm. e já se nota o esboço do que irão ser os olhos.

33 No fim do 3º mês, todos os órgãos estão formados. Por vezes já se pode saber se é menino ou menina.

34 No princípio do 4º mês o feto já tem cerca de 15 cm de comprimento e pesa cerca de 200g.

35 No 5º mês o feto mede cerca de 30 cm. Por esta altura formam-se as unhas, os pêlos são cada vez mais grossos e vão-se desenhando as sobrancelhas.

36 Durante o 6º mês o feto já chupa o dedo. As pálpebras continuam fechadas, o esqueleto começa a ossificar.

37 Por volta do 7º mês o feto cresce, principalmente em comprimento. Aumenta consideravelmente de peso. Coloca-se na posição de nascer.

38 No 8º mês o feto continua a crescer e a engordar. Pode medir cerca de 50cm Pesa entre 2,750 kg. e 4,5kg.

39 A mãe sabe que o bebé está prestes a nascer, porque começa a sentir dores, devido às contracções do útero. A bolsa das águas rompe-se e o líquido escoa-se pela vagina. Está na hora de ir para o hospital, para realizar o parto.

40 COMO NASCE UM BEBÉ?

41 Começa o trabalho de parto. O útero vai-se contraindo e empurra o bebé.O colo do útero alarga para permitir a passagem do bebé. É um processo natural.

42 A cabeça do bebé começa a aparecer...

43 O bebé está a nascer.Em pouquinho tempo deixa a barriga da mãe.

44 O bebé acaba de nascer. O cordão umbilical ainda o liga à mãe.

45 CUIDADOS A TER DURANTE A GRAVIDEZ Consultar o médico. Só tomar medicamentos se o médico receitar. Ter uma alimentação equilibrada. Controlar o peso. Evitar o álcool e o tabaco. Levar uma vida calma e repousar. Fazer exercícios físicos adequados.

46 É importante nos primeiros anos de vida ! O bebé ser amamentado pela mãe. Ambiente tranquilo, pouco Iluminado, ar puro, contacto macio O afecto e a comunicação dos pais. Uma alimentação equilibrada. Cuidados de higiene. Vigilância médica.

47 Métodos contraceptivos (métodos comportamentais) Método Rítmico ou do calendário: procura calcular o início e o fim do período fértil (período em que a mulher pode engravidar). A mulher não deve ter relações sexuais durante este período. É pouco eficaz.

48 Temperatura basal: Este método consiste na observação das alterações da temperatura corporal ao longo do ciclo menstrual. Após a ovulação, a temperatura aumenta entre 0,3 e 0,8o C. Depois deve evitar relações sexuais no período fértil. Não é eficaz, por exemplo se a mulher estiver com um resfriado também pode ter febre. Método do Muco Cervical: baseia-se na identificação do período fértil pelas modificações cíclicas do muco cervical, observado no auto-exame e pela sensação por ele provocada na vagina e vulva. A observação da ausência ou presença do fluxo mucoso deve ser diária. O muco cervical aparece cerca de 2 a 3 dias depois da menstruação, e inicialmente é pouco consistente e espesso. Logo antes da ovulação, ele atinge o chamado "ápice", em que fica pegajoso.

49 Coito interrompido: baseia-se na capacidade do homem em pressentir a iminência da ejaculação e neste momento retirar o pénis da vagina. É pouco eficaz porque mesmo antes da ejaculação, durante a lubrificação da uretra, pode expelir espermatozóides. (Métodos de barreira) Estes métodos impedem a ascensão dos espermatozóides ao útero, sendo fundamentais na prevenção das doenças sexualmente transmissíveis. Junto com a pílula anticoncepcional e o coito interrompido, são os métodos não definitivos mais utilizados. Preservativo: quase todas as pessoas podem usar; protege contra doenças sexualmente transmissíveis; previne doenças do colo uterino; não faz mal a saúde; é de fácil acesso. O látex recobre o pénis, retendo o esperma no acto sexual, impedido o contacto deste e de outros microrganismos com a vagina.

50

51 O condom feminino: constitui-se em um tubo de poliuretano com uma extremidade fechada e a outra aberta com dois anéis flexíveis também de poliuretano. O produto já vem lubrificado devendo ser utilizado uma única vez, destacando-se que o poliuretano por ser mais resistente que o látex pode ser utilizado com vários tipos de lubrificantes. Retirar da embalagem somente na hora do uso. Flexionar o anel de modo que possa ser introduzido na vagina. Com os dedos indicador e médio, empurrar o máximo que puder, de modo que fique sobrando um pouco para fora, o que deve permanecer assim durante a relação. Retirar logo após a ejaculação, Se usada correctamente, sua eficácia é alta, varia de 82 a 97%. No entanto pode causar alergia ou irritação.

52 Diafragma: É um anel flexível, coberto por uma membrana de borracha fina, que a mulher deve colocar na vagina, para cobrir o colo do útero. Como uma barreira, ele impede a entrada dos espermatozóides, devendo ser utilizado junto com um espermicida, no máximo 6 horas antes da relação sexual. A higienização e o armazenamento correctos do diafragma são factores importantes na prevenção de infecções genitais e no prolongamento da vida útil do dispositivo. Por apresentar vários tamanhos (de acordo com o tamanho do colo uterino), deve ser indicado por um médico para uma adequação perfeita ao colo uterino. Recomenda- se introduzir na vagina de 15 a 30 minutos antes da relação sexual e só retirar 6 a 8 horas após a última relação sexual de penetração.

53 Esponjas e Espermicidas: as esponjas são feitas de poliuretano, são adaptadas ao colo uterino com alça para sua remoção e são descartáveis, estão associadas a espermicidas que são substâncias químicas que imobilizam e destroem os espermatozóides, podendo ser utilizados combinadamente também com o diafragma ou preservativos. Existem em várias apresentações de espermicidas: cremes, geleias, supositórios, tabletes e espumas.

54 Dispositivo Intra-Uterino (DIU): os DIUs são artefactos de polietileno, que são inseridos na cavidade uterina exercendo sua função contraceptiva. Actuam impedindo a fecundação, tornando difícil a passagem do espermatozóide. Os problemas mais frequentes durante o uso do DIU são a expulsão do dispositivo, dor pélvica, dismenorréia (sangramentos irregulares nos meses iniciais) e aumento do risco de infecção (implicam na remoção do DIU). Deve ser colocado pelo médico e é necessário um controle semestral e sempre que aparecerem leucorréias (corrimentos vaginais anormais). Tem uma eficácia muito grande, variando de 95 a 99,7%.

55 (Método hormonal) Existem diversos tipos de pílulas. As mais comuns são: Pílulas monofásicas: toma-se uma pílula por dia, e todas têm a mesma dosagem de hormônios (estrogênio e progesterona). Começa-se a tomar no quinto dia da menstruação até a carteira acabar. Fica-se sete dias sem tomar, durante os quais se tem a menstruação. Pílulas multifásicas: toma-se uma pílula por dia, mas existem pílulas com diferentes dosagens, conforme a fase do ciclo. Por isso, podem ter dosagens mais baixas, e causam menos efeitos colaterais. São tomadas como as pílulas monofásicas, mas têm cores diferentes, de acordo com a dosagem e a fase do ciclo: não podem ser tomadas fora da ordem. Pílulas de baixa dosagem ou minipílulas: têm uma dosagem mais baixa e contém apenas um hormônio (geralmente progesterona); causando menos efeitos colaterais. São indicadas durante a amamentação, como uma garantia extra para a mulher. Devem ser tomadas todos os dias, sem interrupção, inclusive na menstruação.

56 Desvantagens: Pode causar efeitos colaterais em algumas mulheres, como náusea, sensibilidade dos seios, ganho de peso ou retenção de água, alterações no humor, manchas na pele, dor de cabeça, aumento na pressão sanguínea. Em algumas mulheres podem causar riscos à saúde. Desta forma, mulheres fumantes, com problemas cardíacos, com doenças do fígado e do coração, hipertensão, suspeita de gravidez, flebite ou varizes, glaucoma, enxaqueca, derrame, ou obesidade não devem usar pílulas. Uma falha ao tomar a pílula pode cancelar ou diminuir os seus efeitos. Tomada por muito tempo, pode aumentar o risco de cancro de mama. Não é recomendada para mulheres com menos de 16 ou mais de 40 anos.

57 Pílula pós-coito ou pílula do dia seguinte: o anticonceptivo de emergência é um uso alternativo de contracepção hormonal oral (tomado antes de 72 horas após o coito) evitando-se a gestação após uma relação sexual desprotegida. Este método só deve ser usado nos casos de emergência, ou seja, nos casos em que os outros métodos anticoncepcionais não tenham sido adoptados ou tenham falhado de alguma forma, como esquecimento, ruptura do preservativo, desalojamento do diafragma, esquecimento da tomada da pílula por dois ou mais dias, entre outros.

58 Injectáveis: os anticoncepcionais hormonais injectáveis são anticoncepcionais hormonais que contém progesterona e são administrados de forma intra-muscular, com doses hormonais de longa duração.

59 IMPLANON (implante hormonal): microbastão de harmónio sintético similar à progesterona, que é implantado no antebraço (com anestesia local) e inibe a ovulação. Dura três anos.

60 Nuvaring: é um anel vaginal que é colocado na vagina no 5º dia da menstruação, permanecendo nesta posição durante três semanas. A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula. Outra vantagem é que os harmónios serão absorvidos directamente pela circulação evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis da pílula oral. Para retirar o Nuvaring® basta inserir o dedo na vagina e puxar o anel. Deverá ser feita uma pausa de 7 dias e NOVO anel deve ser utilizado por mais 21 dias.

61 Evra® (adesivo anticoncepcional): É um adesivo anticoncepcional que deve ser colado na pele, em diversos locais do corpo, permanecendo na posição durante uma semana. A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula todos os dias.

62 (Métodos definitivos) Laqueação e Vasectomia: a esterilização um método contraceptivo cirúrgico e definitivo, realizado na mulher através da ligadura ou corte das trompas impedindo, o encontro das células sexuais masculinas e femininas e no homem, pela ligadura ou corte dos canais deferentes (vasectomia), o que impede a presença dos espermatozóides no líquido ejaculado.

63 Gravidez na adolescência Se existiram relações sexuais desprotegidas e a menstruação não apareceu na altura devida, não vale a pena entrar em pânico, mas também não se deve ignorar a situação. Deve sim, fazer um teste de gravidez e aí, de acordo com o resultado, reflectir sobre as decisões mais apropriadas, sempre com o apoio de alguém em quem se confia. É essencial considerar que uma criança precisa de afecto, amor e disponibilidade total durante vários anos. Existem muitos serviços anónimos, confidenciais e gratuitos (por exemplo: consultas de atendimento a jovens nos centros de saúde, linhas telefónicas de apoio e encaminhamento nesta área, etc.) que podem ajudar os jovens neste momento difícil. Uma adolescente não está preparada para cuidar de um bebé, muito menos de uma família. Com isso, entramos em outra polémica, o de mães solteiras, por serem muito jovens os rapazes e as raparigas não assumem um compromisso sério e na maioria dos casos quando surge a gravidez um dos dois abandona a relação sem se importar com as consequências. Por isso o número de mães jovens e solteiras vem crescendo consideravelmente É importante que quando diagnosticada a gravidez a adolescente comece o pré-natal, receba o apoio da família, em especial dos pais, tenha auxílio de um profissional da área de psicologia para trabalhar o emocional dessa adolescente. Dessa forma, ela terá uma gravidez tranquila, terá perspectivas mais positivas em relação a ser mãe, pois muitas entram em depressão por achar que a gravidez significa o fim de sua vida e de sua liberdade Quais são as principais queixas apresentadas pela jovem grávida? Dificuldade na relação com os pais: desapontamento, culpas e acusações poderão ocorrer quando se dá a notícia; Dificuldade na relação consigo própria, na integração da gravidez e da expectativa da maternidade nos seus projectos e interesses de adolescente; Receio de possíveis alterações no relacionamento com o seu namorado; Dificuldade em conseguir gerir a relação com o seu grupo de amigos; Dificuldade em encontrar um espaço onde se sinta confortável para falar sobre os seus medos e dúvidas face à situação vivida.

64 Contactos úteis Gabinete de Apoio à Sexualidade Juvenil (IPJ) Rua Pedro Álvares Cabral, Beja Tel | Horário de atendimento: 2ª, 4ª e 6ª-feira, das 17h às Gabinete de Apoio à Sexualidade Juvenil (IPJ) Largo José Afonso, Setúbal Tel Linha de Ajuda – Sexualidade em linha Tel (preço de chamada local em todo o território nacional) É um serviço de atendimento, aconselhamento e ajuda telefónica nacional na área da saúde sexual e reprodutiva. Este serviço surgiu em 1998 e resulta de um protocolo de colaboração estabelecido entre o Instituto Português da Juventude (IPJ) e a Associação para o Planeamento da Família (APF). Do outro lado está uma equipa de técnicos de saúde, disponíveis para ouvir, aconselhar e ajudar na resolução das mais diversas dúvidas e dificuldades. Horário de funcionamento: dias úteis, das 12h às 19h e aos Sábados, das 10h às 17h. Linha da Sexualidade Segura Tel (chamada gratuita) Horário de funcionamento: 24 h/dia SOS Adolescentes Tel (chamada gratuita) Horário de funcionamento: todos os dias, das 14h às 18h Portal da Juventude

65 Doenças sexualmente transmissíveis A SIDA (Síndrome de Imunodeficiência Adquirida) é uma doença provocada pelo vírus VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana). Este vírus introduz-se no organismo humano, podendo permanecer inactivo (as pessoas chamam-se seropositivas), ou activo, destruindo o sistema imunitário da pessoa. Um indivíduo infectado com este vírus pode contrair e desenvolver infecções muito variadas ou mesmo certos tipos de cancro. A SIDA ainda não tem cura, sendo mesmo mortal. Como é obvio, a única prevenção é não ter relações sexuais com portadores do vírus da SIDA. Como isto é impossível de se saber, por vezes, nem o próprio portador sabe que a tem - a única prevenção possível é utilizar sempre o preservativo.

66 A Sífilis é provocada por uma bactéria. Apesar de ser contagiosa e perigosa, é curável se for tratada a tempo. A Sífilis ataca qualquer tecido desde a pele aos ossos, fígado, órgãos genitais e olhos. O seu maior perigo é alcançar a sistema nervoso e o coração, o que pode levar à morte. A bactéria da sífilis, para sobreviver, precisa de um ambiente quente e húmido. A forma de contagio é quase exclusivamente por contacto sexual. Um simples beijo em qualquer zona que tenha uma pequena ferida, é arriscado. Não há contágio através dos sanitários, toalhas e outros objectos. Na prevenção o preservativo é muito eficaz e a mulher pode aplicar irrigações vaginais com líquidos desinfectantes suaves. Fazer análises antes do casamento e durante a gravidez.

67 A Candidíase é uma doença causada por fungos, que se desenvolvem num local quente e húmido da vagina. No homem verifica-se uma inflamação acompanhada de pontinhos vermelhos no pénis e ardor. A mulher sofre de inflamação e irritação nos lábios da vulva, acompanhado de um fluxo espesso e esbranquiçado. Pode haver complicações, como é o caso da ureterite. A maior forma contágio é pelo contacto sexual. Para prevenir deve ter uma abstinência sexual logo após o aparecimento da infecção e durante o tratamento.

68 A Gnorreia é uma infecção das vias genitais provocada por bactérias, designadas genericamente por gonococos. Pode afectar o colo do útero da mulher e também a uretra do homem, podendo expandir-se para a região anal. A gonorreia não tratada pode conduzir à esterelidade em ambos os sexos. O seu contagio é feito pelo contacto sexual directo ou durante o parto. Na sua prevenção é muito eficaz o uso do preservativo e/ou a lavagem da vagina com desinfectantes adequados ao corpo humano.

69 As herpes genitais afectam os órgãos genitais e as zonas envolventes. É uma doença que não tem cura e é causada por um vírus. Apenas existem medicamentos que aliviam as dores. Transmite-se pelo contacto sexual. Para prevenção deve existir uma abstenção de relações sexuais enquanto durem os sintomas.

70 A hepatite B é uma doença causada por um vírus que ataca o fígado, sendo o sangue o principal meio de transmissão e depois a saliva. Se não for tratada, pode provocar a morte. O vírus sobrevive durante bastante tempo e resiste a alguns desinfectantes. Pode ser transmitido ao feto pela mãe, através do sémen e secreções vaginais, suor, lágrimas e saliva. A vacinação é uma forma possível de prevenir a doença.

71 O VÍRUS DO PAPILOMA HUMANO vive nas mucosas genitais, nomeadamente pénis, vagina, vulva e também no colo do útero. Este vírus causa dores intensas nas vias genitais, verrugas ao nível do pénis, ânus e vagina (podem aparecer ao nível da garganta), e pensa-se que está fortemente ligado ao cancro do colo do útero, algo bastante preocupante. Este vírus transmite-se por contacto sexual, através da pele e também durante a gestação da mãe para o feto. Hoje em dia não existe cura para este vírus, havendo no entanto alguns tratamentos, nomeadamente destruição química e física da zona afectada de forma a destruir completamente as células contaminadas com o vírus. Caso tratado nas fases iniciais, este vírus tem 90% de probabilidade de ser eliminado mediante estes tratamentos, ou seja devemos estar atentos o mais possível a tal doença pois caso se expanda rapidamente, torna-se difícil de tratar, até porque as áreas afectadas pelo vírus serão de muito maior dimensão.


Carregar ppt "Ele ou Ela Quando um bebé nasce só sabemos se é menino ou menina pelo seu sexo. Ao sexo chamamos de caracteres sexuais primários."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google