A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

C r i a t i v i d a d e Profa. Dra. Cleusa K. Sakamoto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "C r i a t i v i d a d e Profa. Dra. Cleusa K. Sakamoto."— Transcrição da apresentação:

1 C r i a t i v i d a d e Profa. Dra. Cleusa K. Sakamoto

2 Problema criativo: Como oferecer em minutos, uma quantidade de informação necessária, para trazer o conhecimento essencial da Criatividade (como objeto de estudo) e inspirar motivação, colaborando para a conscientização da existência do potencial criativo e sua contribuição na formação profissional ?

3 Projeto desta Comunicação Noções iniciais sobre Criatividade Ênfase no INVENTOR GENIAL Conceito de Clima Criativo Matéria Prima na experiência criadora Convite ao despertar da consciência criativa

4 Algumas das Definições usuais: 1- Criatividade é Pensamento (no prisma teórico de estudos das capacidades humana) 2- Criatividade é Talento inato (no prisma teórico da primazia do aspecto biológico) 3- Criatividade é Inovação (ênfase no ambiente sócio-cultural) 4- Criatividade é Comportamento (visão positivista do Homem) 5- Criatividade é Solução de problemas (valoriza inteligência) 6- Criatividade é Atitude (valoriza a aprendizagem social) 7- Criatividade é Ação (ênfase na interação e realização humana) 8- Criatividade é Experiência (visão integral do ser humano) 9- Criatividade é Expressão da subjetividade (visão do Eu, do mundo e da ação) Para a escolha do Conceito, atenção para considerar que: 1- Definição da Teoria de base remete à visão de Homem e de Mundo. 2- As fronteiras estabelecidas pela teoria, limitarão a configuração do conceito. 3- Os possíveis desdobramentos ou aplicações (necessárias e úteis) do conceito dependerão do campo delimitado pelas concepções teóricas.

5 Pressupostos teóricos : complexo O ser humano é complexo, seu comportamento é movido por determinações e indeterminações de vários níveis. criativo O ser humano é criativo, seu relacionamento com a realidade é determinado por sua subjetividade que atende às demandas de sua singularidade e influências do mundo em que vive. IMPORTANTE LEMBRAR QUE: O homem cria e transforma o mundo e ao mesmo tempo transforma a si mesmo. O homem transforma o mundo e é transformado por ele. Formulação criativa do ser humano: bio-psico-social 1- é um ser bio-psico-social, 2- possui uma singularidade (que pode ser sintetizada no conceito de individualidade = subjetividade), 3- possui um potencial de desenvolvimento individual que está na base da construção do Eu, 4- participa da construção do mundo em que vive como ser criativo e social, 5- cria a si e seu mundo (construção pessoal e coletiva). SUBJETIVIDADE A SUBJETIVIDADE é o que constitui o nosso modo de ser e não é inata, é construída a partir do processo de apropriação do mundo social e cultural. É a maneira de sentir, pensar, fantasiar, sonhar, amar e fazer de cada um. É a base da ação criadora de cada um!

6 Para a discussão da Criatividade, cabe recordar QUEM É O HOMEM : Ser vivo Ser vivo dotado de individualidade Ser vivo cuja individualidade é construída durante a trajetória existencial INDIVÍDUO (aquele que não se divide) e que é um ser social Singular e plural Ser inteligente – planeja e executa seu plano, antecipa suas realizações Criativo: criou a linguagem (comunicação) e o mundo humano É da espécie Homo Sapiens Sapiens

7 O que é C R I A T I V I D A D E ? << É a capacidade mais requintada que o ser humano possui e exercita. (Sakamoto, 2000)>> Criatividade é ação ! Uso de Capacidades pressupõe a totalidade do Indivíduo. Indivíduo é aquele que possui uma unidade pessoal; Eu – conjunto integrado que tem um núcleo que reúne motivações (necessidades, desejos, interesses), sentimentos, fantasias, planos, etc., isto é, o Inconsciente / Imaginário. Sonhos são considerados por Freud, > em suas dimensões peculiares e potenciais, individuais e coletivas (Insconsciente coletivo de Jung). A vida acontece nas experiências traumáticas, conflituosas, destrutivas e, nas experiências construtivas e bem sucedidas, nas quais existe um inter-jogo criativo entre consciente-inconsciente, conhecido-desconhecido, feminino-masculino, interioridade-exterioridade, projeto-realidade, inspiração-realização, Princípio de prazer-Princípio de realidade.

8 Na Psicanálise, a Criatividade é : P/ Freud : Sublimação (destino aceito para o impulso sexual) P/ Klein : Reparação de impulsos destrutivos P/ Winnicott : expressão do Self Verdadeiro – quando se pode contemplar individualidade e felicidade; pode ser compreendido a partir de Objetos e Fenômenos Transicionais – Teoria da Criatividade: Espaço Potencial ou 3ª. área de experiência. P/ Mihaly Csikszentmihalyi é a experiência ótima. Criatividade é resultado da interação de um sistema composto por 3 elementos: uma cultura que contém regras simbólicas, uma pessoa que propõe novidade ao campo simbólico e um grupo de especialistas que reconhecem e validam a inovação. Girassóis – Van Gogh Maquina voadora – Leonardo da Vinci

9 Dimensões usuais do estudo da Criatividade : 1- a Pessoa 2- o Processo 3- o Produto 4- a Situação

10 A Pessoa Criativa É descrita habitualmente nos estudos científicos de acordo com algumas características de personalidade: - Maior tolerância à complexidade, à desordem e à ambigüidade; - Maior abertura à experiências; - Curiosidade; - Flexibilidade no emprego inusitado para as coisas; - Interesses, intuição e senso de humor; - Acentuada vitalidade; Fluência na produção de ideias; - Autoconfiança; - Pensamento e julgamento independentes.

11 O Processo Criativo Geralmente, são referidas 2 fases principais: Inspiração e Elaboração Inspiração consiste nos primeiros insights ou sinais, nos quais se configuram um problema ou necessidade e uma primeira possível solução ou resposta. Fazem parte desta Fase, indagações e explorações que oferecem uma finalidade ou direção a uma determinada busca. Elaboração compreende 3 momentos: 1- a Incubação ou período de trabalho inconsciente; 2- a Iluminação que possui um clímax do processo que resulta na integração de todo o esforço envolvido em determinada direção; 3- a Verificação que consiste no trabalho que dá forma final às primeiras intuições através da adequação e revisão das soluções encontradas. Esta tarefa conclusiva pode durar anos de trabalho.

12 O Produto Criativo Único e original, possui 3 principais características : - Novidade - é estatisticamente infreqüente, traz contribuições únicas e transforma princípios antigos; - Aplicabilidade ou Comunicabilidade - apresenta adaptação à realidade e respeita normas ou limites da área de pertinência; - Elegância (no sentido de coerência interna). Tarsila do Amaral

13 A Situação Criadora Podemos identificar na situação, Fatores Facilitadores e Fatores Inibidores Fatores Inibidores (Alencar, 1996): - Barreiras Culturais : preferência pela lógica, pela tradição, pela estabilidade e paralela desvalorização da intuição, da subjetividade e do não-mensurável; - Barreiras Perceptuais : busca de soluções imediatas e pensamento rígido, dificuldade em suspender julgamentos e de perceber problemas e/ou concebê-los sob diferentes enfoques; - Barreiras Emocionais : ênfase na atitude de evitar frustrações, medo do fracasso, do desconhecido e da responsabilidade de liderança.

14 Fatores Facilitadores (Winnicott, 1975) : Clima As condições afetivas que geram um Clima que facilita a ocorrência do fenômeno criativo compreendem: Sentimento de Segurança Pessoal - o Sentimento de Segurança Pessoal que é desenvolvido a partir das primeiras experiências de confiança no outro, desde o início da vida e que se traduz na atitude de serenidade frente à própria individualidade (requer autoconhecimento); Estado de Relaxamento - um Estado de Relaxamento (que vai além da despreocupação) que permite que o impulso criativo ou o gesto espontâneo se apresentem - é o momento da pausa; Estado temporário de Regressão da Consciência - um Estado temporário de Regressão da Consciência que se traduz no completo envolvimento afetivo associado à atitude de abertura à experiência e ao outro (atualização das experiências emocionais primordiais).

15 Em síntese (Sakamoto, 1999): O Novo é um produto relacional entre : a) conhecimentos já existentes; b) o sujeito criativo e seu meio; c) entre o sujeito e o seu maior e melhor conhecimento específico. II. O Produto Novo representa um acréscimo: a) em termos de possibilidade de percepção; b) em termos de possibilidade de pensamento; c) em termos de possibilidade de consciência.

16 A metáfora interpretativa de Aladim e a Lâmpada Maravilhosa Aladim é descrito como um adolescente preguiçoso que não queria trabalhar, mesmo depois da morte de seu pai. Ele não queria seguir o ofício de seu pai que era alfaiate. Por outro lado, era identificado como um jovem virtuoso, que tinha as qualidades necessárias para adentrar uma caverna secreta e trazer de lá uma Lâmpada encantada. Era procurado por um Mago que sabia da existência desta lamparina maravilhosa e que a desejava possuir, para expandir seus poderes mágicos. A Lâmpada Maravilhosa tinha o poder de realizar qualquer desejo, sem nenhuma restrição.

17 As qualidades pessoais de Aladim pareciam estar ligadas à postura despretensiosa frente à ambição da vida social e sua atitude de valorizar a liberdade de ser e viver ou do compromisso com seus próprios valores e interesses humanos. A Lâmpada Maravilhosa que era guardada como um tesouro junto a joias e moedas, parece representar uma outra ordem de fortuna que ali existia, ao lado da fortuna material – de oferecer uma possibilidade de realização àquilo que a alma ou o Eu busca concretizar. Aladim compreendia esta diferença, pois se negava a repetir simplesmente os padrões familiares seguindo o ofício de seu pai; não priorizava obter dinheiro e prestígio, mas ser ele mesmo.

18 O Mago quando descobrira a lamparina encantada e que ela poderia levá-lo a adquirir mais que a riqueza material, mostra a existência de poderes que vão além das fronteiras das capacidades usuais – o poder de criar tudo o que se possa desejar. A Lâmpada Mágica representa a intrigante Capacidade Criativa, que ao mesmo tempo é parte da vida comum (todas as casas possuem lamparinas), mas sua função vai além do objetivo prático de iluminar um lugar – representa a possibilidade de desvelar aquilo que anteriormente aparentava não existir, de materializar desejos.

19 Imaginário A caverna que guarda a Lâmpada Mágica parece identificar um lugar seguro e secreto que não tem acessibilidade manifesta; é a sede da Capacidade Criativa que pode ser situada como o Imaginário ou o reservatório de experiências humanas e potenciais ligados à história individual e coletiva da humanidade. A caverna é o lugar que guarda a memória de tudo que é humano. Aladim retira a Lâmpada Mágica da caverna e passa a utilizá- la para realizar seus mais importantes desejos, por meio de seu gênio. Aladim torna-se realizador de seus desejos. Torna-se nobre e casa-se com a princesa, filha do sultão, por quem nutria sentimentos amorosos.

20 Aladjin é um vocábulo que dividido em duas partes mostra ALA-DJIN Segundo o Dicionário Teosófico, Djin quer dizer espírito da natureza, Gênio. Assim, Ala-djin pode ser traduzido por Gênio Criativo. Interpretação global do enredo: Aladjin é um jovem que preza ser ele mesmo e busca realizar seus poderes criadores; está mais voltado à concretização de seus ideais de felicidade que à aparente realidade dos padrões sociais e materialistas. É um jovem que se torna adulto, mediante o florescimento de sua capacidade de desejar, do desenvolvimento da vontade e da concretização de seus desejos mais íntimos e genuínos. Aladijn casa-se com a princesa de seu reino e como generoso governante, distribui (compartilha) riquezas para o seu grupo. Divide suas conquistas. Vive Feliz para sempre!

21 Características criativas de Aladjin Não reproduz simplesmente os padrões conhecidos e atende irrefletidamente as expectativas do outro; Busca suas motivações pessoais – sendo fiel a suas convicções, busca ser ele mesmo; Sabe sonhar – acredita que aquilo que deseja / espera pode ser realizado, pois a concretização de um sonho depende de envolvimento afetivo efetivo, de fé; Acredita que o mundo pode ser um bom lugar, pois a pessoa criativa se sente responsável pela participação na construção do mundo em que vive.

22 Criar é o verbo por excelência do existir humano (Sakamoto, 1999), revela o potencial humano de desenvolvimento, de realização de potencialidades, da materialização de capacidades. Criatividade é a ação que dá concretude à motivação de viver que permite o reconhecimento de si mesmo e o encontro com o outro. Sociedades mais humanizadas são criadas por ações de cada um e em conjunto. Um mundo melhor é uma criação coletiva que resulta de uma maior conscientização individual de nossos poderes criativos. Matisse

23 Visite o site:


Carregar ppt "C r i a t i v i d a d e Profa. Dra. Cleusa K. Sakamoto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google