A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Sistema Água UNIR - Universidade Federal de Rondônia Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental ÁGUA: ASPECTOS QUALITATIVOS E MARCOS REGULATÓRIOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Sistema Água UNIR - Universidade Federal de Rondônia Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental ÁGUA: ASPECTOS QUALITATIVOS E MARCOS REGULATÓRIOS."— Transcrição da apresentação:

1 1 Sistema Água UNIR - Universidade Federal de Rondônia Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental ÁGUA: ASPECTOS QUALITATIVOS E MARCOS REGULATÓRIOS

2 2 CONSTITUINTES DA ÁGUA SÓLIDOS DISSOLVIDOS IONIZADOS GASES DISSOLVIDOS COMPOSTOS ORGÂNICOS DISSOLVIDOS MATÉRIA EM SUSPENSÃO: SÓLIDOS, MICROORGANISMOS E COLÓIDES QUANTIDADE E NATUREZA DOS CONSTITUINTES TIPO DE SOLO CONDIÇÕES CLIMÁTICAS GRAU DE POLUIÇÃO Variação sazonal

3 3 Caracterização da água Características físicas, químicas e organolépticas Sólidos em suspensão Turbidez (capacidade de desviar a luz) Cor aparente e cor verdadeira (substâncias húmicas) Odor e sabor Componentes inorgânicos que afetam a saúde (ex. Cloretos, Ferro e Manganês) Componentes orgânicos que afetam a saúde (ex. Matéria húmica) pH (6,0 a 9,5) em sistemas de distribuição Cloro residual livre Alcalinidade (capacidade da água reagir com ácidos) Oxigênio Dissolvido (OD), Demanda Biológica de Oxigênio (DBO) Condutividade elétrica

4 4 Características bacteriológicas Contagem de coliformes (totais e fecais) Teste de presença / ausência (P/A) Contagem de colônias heterotróficas Características radioativas Radioatividade Alfa e Beta Radionuclídeos específicos Outros parâmetros Hidrobiológicos (algas): cianotoxinas Temperatura Poluentes Potenciais Sólidos em suspensão Matéria orgânica (DBO) Fósforo Nitrogênio Micropoluentes orgânicos e inorgânicos Indicadores de contaminação fecal Algas (Cianobactérias) Caracterização da água

5 5 Sólidos em Suspensão Classificação da partícula sólida Dimensão Sedimentabilidade Características Químicas Origem Antropogênica Impactos Morfológicos Processos Erosivos + Transporte de Sedimentos Lançamento de Águas Residuárias Origem Natural Drenagem Superficial Fonte: SIPAM (2007). Relatório Rio Boa Vista – Ouro Preto do Oeste/RO

6 6 Sólidos em Suspensão Origem Antropogênica Poluição por ETAs Efeitos Assoreamento Turbidez, cor, transparência Função da composição química

7 7 Agrotóxicos Sólidos em Suspensão - Dimensão

8 8 Sólidos em Suspensão Sólidos Coloidais e Dissolvidos (< 0,001 mm) Sólidos Suspensos Particulados (> 0,001 mm) Determinação das Dimensões dos Sólidos 1.Filtração em membrana 2.Secagem à 105 C

9 9 Sólidos em Suspensão - Sedimentabilidade Classificação em Função da Sedimentabilidade 1.Sedimentação durante 1h em Cone Imhoff 2.Leitura (Sólidos Sedimentáveis)

10 10 Sólidos em Suspensão: Sedimentabilidade Tamanho da partícula (µm) TipoVelocidade de sedimentação (mm/s) 100Areia fina7,9x Silte1,5x Bactéria1,5x ,1Colóide1,5x10-5 0,01Colóide1,5x10 -6

11 11 Sólidos em Suspensão Classificação em Função das Características Químicas 1.Calcinação a 600 C 2.Sólidos orgânicos (voláteis) ou inorgânicos (fixos)

12 12 Sólidos em Suspensão Classificação em Função das Características Químicas 1.Calcinação a 600 C 2.Sólidos orgânicos (voláteis) ou inorgânicos (fixos)

13 13 Cor – Sólidos Dissolvidos Origem Natural Decomposição da matéria orgânica Ácidos húmicos e fúlvicos Fe e Mn Efeitos Coloração da água Não apresenta risco sanitário Confiabilidade questionável Origem Antropogênica Efluentes de tinturaria, tecelagem, Papel Outras águas residuárias isenta de sólidos suspensos (centrifugação) interferência sólidos suspensos, coloides Cor Aparente Cor Verdadeira

14 14 Turbidez – Sólidos em suspensão e coloides Origem Natural Dissolução de partículas de rochas, argila, silte, etc. Algas e microrganismos Drenagem Superficial Efeitos Aparência nebulosa Confiabilidade questionável Adsorção de patogênicos Origem Antropogênica Águas residuárias Impactos morfológicos Processos erosivos Turbidez Unidades Jackson de Turbidez (25 a 1000 UJT)

15 15 Distribuição de tamanho de partículas Contaminantes encontrados em água e esgoto são partículas ou serão transformados em partículas antes de sua remoção final. As operações e processos unitários usados no saneamento são influenciados pela distribuição de tamanho das partículas, de modo que, seja em operações ou processos de separação sólido- líquido, seja na degradação biológica de matéria orgânica, o conhecimento da distribuição de tamanho de partículas pode contribuir para a escolha e o aperfeiçoamento das tecnologias de tratamento e para a adoção de procedimentos operacionais apropriados. Santos et al. (2004)

16 16 Tratamento de água: Coagulação e Floculação Distribuição de tamanho de partículas Freqüência relativa Água bruta Água coagulada Água floculada Diâmetro crítico d p > d c Partículas sedimentáveis

17 17 Dureza Origem Natural Dissolução de rochas calcáreas Origem Antropogênica Águas residuárias Supersaturação de cátions divalentes Mais comuns: Ca 2+, Mg 2+ Outros: Sr 2+, Fe 2+, Mn 2+ Efeitos Doenças cardiovasculares Aumento do teor de colesterol Precipitação de sabões Evita formação de espuma mg/L CaCO 3 (dureza moderada)

18 18 Alcalinidade Origem Natural Ação do CO 2 dissolvido sobre rochas calcáreas Absorção de CO 2 da atmosfera Decomposição da matéria orgânica Origem Antropogênica Efluentes industriais Capacidade da água neutralizar ácidos (H + ) Função do pH 4,4 < pH < 8,3: bicarbonatos (HCO 3 - ) 8,3 < pH < 9,4: carbonatos (CO 3 -2 ) e bicarbonatos pH > 9,4: hidróxidos (OH - ) e carbonatos Efeitos Não apresenta risco sanitário Sabor e odor desagradável Incrustação em tubulações Expresso em CaCO 3

19 19 Acidez Origem Natural Absorção de CO 2 da atmosfera Decomposição da matéria orgânica Origem Antropogênica Efluentes industriais orgânicos Efluentes industriais ácidos Atividades de mineração Capacidade da água neutralizar bases (OH) Presença de CO 2 livre pH > 8,2: CO 2 livre ausente 8,2 < pH < 4,5: acidez carbônica pH < 4,5: ácidos minerais fortes Efeitos Não apresenta risco sanitário Sabor e odor desagradável Corrosão de tubulações e dispositivos

20 20 Ferro e Manganês Origem Natural Dissolução de compostos do solo e subsolo Origem Antropogênica Águas residuárias Solo: Fe 3+ e Mn 4+ particulado Água Subterrânea (ausência de O 2 ): Fe 2+ e Mn 2+ solúvel Exposição ao ar: Fe 3+ e Mn 4+ particulado Efeitos Não apresenta risco sanitário Coloração e turbidez amarelo escuro – marrom Sabor e odor desagradável

21 21 Organismos Patogênicos Organismos Infecciosos Agentes Etiológicos: Bactérias, vírus, protozoários Veiculação hídrica Shigella dysenteriae (disinteria bacilar) Salmonella (febre tifóide) Difícil detecção Baixas concentrações no curso dágua Pequena quantidade nas fezes Decaimento bacteriano Grandes riscos de contaminação

22 22 Indicadores de Contaminação Fecal Uso de organismos indicadores de contaminação fecal: ex. Escherichia coli (abundante em fezes humanas e de animais) Estreptococos fecais (fezes humanas, tolerante a adversidades) Resistência similar aos patogênicos (termotolerante) Presença de patogênicos: potencialidade de transmissão de doenças

23 23 Matéria Orgânica Sólidos Orgânicos = Sólidos Voláteis Particulado (filtrado) Dissolvido Proteínas Animal e vegetal C, H, N, O, S, Fe Carboidratos Açucar, amido… C, H, O Lipídeos Graxas, óleos… complexo Uréia, Surfactantes, Compostos Aromáticos, Pesticidas, etc… Origem Natural Animal e Vegetal Origem Antropogênica Águas residuárias

24 24 Matéria Orgânica Efeitos Aumenta demanda de O 2 (crescimento de microrganismos) Coeficiente de decomposição da M.O. Coeficiente de Reoxigenação (K 2 ) distância OD Matéria orgânica ?

25 25 Demanda Bioquímica de Oxigênio Difícil determinação laboratorial (natureza complexa Métodos indicadores do potencial consumo de O 2 Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) Demanda Última de Oxigênio (DBO U ) Demanda Química de Oxigênio (DQO) DBO 5,20 Ensaio à 20 durante 5 dias Considerado fração biodegradável Taxa de Desoxigenação (K 1 )

26 26 Demanda Química de Oxigênio Quantificação indireta da matéria orgânica Quantidade de oxigênio requerida para a oxidação química da matéria orgânica carbonácea Oxidação das frações biodegradável e inerte DQO Dicromato de Potássio 2 a 3 horas de duração Baixa DQO/DBO 5 : fração biológica alta Alta DQO/DBO 5 : fração inerte alta

27 27 Oxigênio Dissolvido Origem Natural Dissolução do oxigênio atmosférico Função da Altitude e Temperatura Nível do mar, 20°C: 9,2 mg/L Coeficiente de Reoxigenação (K 2 ) Difusão molecular Difusão turbulenta

28 28 Oxigênio Dissolvido Produção por organismos fotossintéticos Inserção de OD por aeração artifical

29 29 Oxigênio Dissolvido Efeitos 4,0 < O 2 < 5,0 mg/L: morte peixes + exigentes O 2 2,0 mg/L: morte de todos os peixes O 2 = 0 mg/L: anaerobiose (cheiro de ovo podre) distância OD Matéria orgânica ?

30 30 Nitrogênio Origem Natural Decomposição da matéria orgânica animal e vegetal Excretas de animais Origem Antropogênica Águas residuárias Fertilizantes Nitrogênio Amoniacal Decomposição do nitrogênio orgânico Amônia ionizada (NH 4 + ): pH < 7 Amônia livre (NH 3 ): pH > 7 TÓXICO Nitrogênio Orgânico Sólidos dissolvidos e particulados Proteína animal e vegetal Aminoácidos e uréia

31 31 Fósforo Origem Natural Decomposição de matéria orgânica animal e vegetal Excretas de animais Origem Antropogênica Águas residuárias Fertilizantes Indústria de limpeza e de detergentes Efeitos Nutriente limitante 1 g alga (C 106 H 180 O 45 N 15 P): 0,013g P 1 g P: 77 g alga EUTROFIZAÇÃO

32 32 Eutrofização

33 33 Micropoluentes Orgânicos Compostos orgânicos sintéticos: persistentes a biodegradação bioquímica Detergentes Sulfonatos de Alquilabenzeno (recalcitrantes) Formação de espuma Agrotóxicos (praguicidas, inseticidas, herbicidas) Organoclorados Organofosforados Fenóis Metais pesados Efluentes industriais, mineração, garimpo, agricultura, etc…

34 34

35 35 Qualidade da Água

36 36 Qualidade da Água – Conceitos

37 37 Qualidade da Água – Conceitos

38 38 Qualidade da Água – Conceitos CONCLUSÃO A boa (ou má) qualidade da água é função dos usos que sejam exercidos Processo Industrial Comunidade Aquática Abastecimento Público

39 39 USOS DA ÁGUA: CRITÉRIOS E PADRÕES 1. CRITÉRIOS DE QUALIDADE Critérios: São requisitos científicos que uma água deve apresentar para ser aplicada a um determinado fim. ParâmetrosCada uso Determina diferentes requisitos Níveis (Concentração) -Diferem de uso para uso -Dependem do uso e variam no número e níveis (conc.) dos parâmetros á serem considerados. Água FIM (uso) Exemplo: Familiar: Doméstico (Bebida, piscina, pesca, recreação) Industrial: limpeza, resfriamento, sistemas de geração de vapor.

40 40 USOS DA ÁGUA: CRITÉRIOS E PADRÕES PADRÕES: são formas de exigências legais dos critérios estudados e fixados através de um dispositivo (Legal). Padrões regulam portanto a qualidade da água: - antes de ser usada satisfatoriamente; - depois quando ela deve ser lançada de volta ao ambiente 3. PADRÕES DE QUALIDADE DE ÁGUAS Existem - Padrões de qualidade gerais e específicos - Padrões de aceitação (Resolução 357) - Padrões de utilização (Potabilidade – Portaria 518/2004) - Padrões rígidos e flexíveis - Padrões para todas atividades (Agrícola, Industria, etc.)

41 41 USOS DA ÁGUA: CRITÉRIOS E PADRÕES 3. PADRÕES DE QUALIDADE DE ÁGUAS PADRÃO 1 ANÁLISES E EXAMES AMOSTRAGEM CONDICIONAMENTO (TRATAMENTO) ANÁLISES E EXAMES PADRÃO 2 USO FLUXOGRAMA DE UTILIZAÇÃO DA ÁGUA PADRÃO 1: RESOLUÇÃO 357/2005 CONAMA PADRÃO 2: POTABILIDADE (Portaria 518) MANANCIAL

42 42 RESOLUÇÃO n. 357, 17 de Março de 2005 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências

43 43 2. Resolução 357/05 – CONAMA: Classificação da águas CONSIDERANDO - a C. F. e a legislação vigente; - que a água integra as preocupações com o Desenvolvimento Sustentável: função ecológica de propriedade, prevenção, precaução; poluidor-pagador, usuário-pagador, valor intrínseco, etc. - o controle dos lançamentos, proibição dos nocivos ou perigosos aos seres (CF – 1981); - a Convenção de Estocolmo. (Sobre Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs)); - a classificação das águas essencial à defesa dos níveis de qualidade (e suas avaliações) para os vários usos; - que o enquadramento dos corpos de água, baseado não no seu estado atual, mas nos níveis para atender as necessidades das comunidades; INTRODUÇÃO

44 44 2. Resolução 357/05 – CONAMA Definições - Águas Doces Salinidade; igual ou inferior a 0,05% - Águas Salobras Salinidade: 0,05% < SAL < 3% - Águas Salinas Salinidade: > 3% INTRODUÇÃO O Capítulo I: Das Definições conceitua várias termos definindo-os seguindo suas aplicações à Resolução.

45 45 Classificação: Função dos usos preponderantes São Classificadas em 13 classes levando-se em conta os usos. Ex.: Abastecimento público: Classes especial, 1,2,3 - ÁGUAS DOCES: Classes Especial, 1,2,3,4 - ÁGUAS SALINAS: Classes Especial, 1,2,3 - ÁGUAS SALOBRAS: Classes Especial, 1,2,3 NOTA: AS CLASSES ESPECIAIS REFEREM-SE A ÁGUAS COM DESTINAÇÕES ESPECÍFICAS (VER RESOLUÇÃO: ÁGUAS QUE SE DESTINAM) 2. Resolução 357/05 – CONAMA CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS ( CAPÍTULO II)

46 46 2. RESOLUÇÃO 357/05 - CONAMA a) ao abastecimento para consumo humano, com desinfecção; b) à preservação do equilíbio natural das comunidades aquáticas; e, c) à preservação dos ambientes aquáticos em unidades de conservação de proteção integral. 2.1 Classificação: Águas Doces (Salinidade < 0,5 ) I - Classe Especial - águas destinadas:

47 47 2. RESOLUÇÃO 357/05 - CONAMA 2.1 Classificação: Águas Doces (Salinidade < 0,5 ) II - Classe 1 - águas que podem ser destinadas: a) ao abastecimento para consumo humano, após tratamento simplificado; b) à proteção das comunidades aquáticas; c) à recreação de contato primário, tais como natação, esquiaquático e mergulho, conforme Resolução CONAMA 274/00; d) à irrigação de hortaliças que são consumidas cruas e de frutas que se desenvolvam rentes ao solo e que sejam ingeridas cruas sem remoção de película; e. e) à proteção das comunidades aquáticas em terras Indígenas.

48 48 Qualidade da Água dos Cursos dÁgua Abastecimento Público Após tratamento simplificado CLASSE 1

49 49 2. RESOLUÇÃO 357/05 - CONAMA 2.1 Classificação: Águas Doces (Salinidade < 0,5 ) III - Classe 2 - águas que podem ser destinadas: a) ao abastecimento para consumo humano, após tratamento convencional; b) à proteção das comunidades aquáticas; c) à recreação de contato primário, tais como natação, esquiaquático e mergulho, conforme Resolução CONAMA 274/00; d) à irrigação de hortaliças, plantas frutíferas e de parques, jardins, campos de esporte e lazer, com os quais o público possa vir a ter contato direto; e, e) à aquicultura e à atividade de pesca.

50 50 2. RESOLUÇÃO 357/05 - CONAMA 2.1 Classificação: Águas Doces (Salinidade < 0,5 ) IV - Classe 3 - águas que podem ser destinadas: a) ao abastecimento para consumo humano, após tratamento convencional ou avançado; b) à irrigação de culturas arbóreas, cerealíferas e forrageiras; c) à pesca amadora; d) à recreação de contato secundário; e, e) à dessedentação de animais. V - Classe 4 - águas que podem ser destinadas: a) à navegação; e. b) à harmonia paisagística.

51 51 Qualidade da Água dos Cursos dÁgua Abastecimento Público Após tratamento convencional CLASSES 2 e 3

52 52 2. RESOLUÇÃO 357/05 - CONAMA 2.4 Classificação: OBSERVAÇÕES As especificações sobre os parâmetros a serem considerados encontram-se no CAPÍTULO III - Das Condições e Parâmetros de Qualidade das Águas, Artigos 7º ao 23. As especificações sobre as condições e os parâmetros à serem considerados no caso de lançamentos, encontram-se no CAPÍTULO IV – Das condições e Padrões de Lançamento de Efluentes, Artigos 24 a 37.

53 53 2. RESOLUÇÃO 357/05 - CONAMA CAPÍTULO III - Das Condições e Parâmetros de Qualidade das Águas, Artigos 7º ao 23. CAPÍTULO IV – Das condições e Padrões de Lançamento de Efluentes, Artigos 24 a 37. Sem tratamento Com tratamento

54 54 CAPÍTULO III - Das Condições e Parâmetros de Qualidade das Águas, Artigos 7º ao 23. Sem tratamento Com tratamento

55 55 Valores Limites dos parâmetros de qualidade

56 56 Valores Limites dos parâmetros de qualidade

57 57 Valores Limites dos parâmetros de qualidade

58 58 Cianobactérias –microorganismos procarióticos autotróficos, também denominados como cianofíceas (algas azuis) capazes de ocorrer em qualquer manancial superficial especialmente naqueles com elevados níveis de nutrientes (nitrogênio e fósforo), podendo produzir toxinas com efeitos adversos a saúde

59 59 Floração de Cianobactérias regiões tropicais; aerótopos; nutrientes; acúmulo pelo vento; fatores hidrológicos (ambientes lênticos – lagos e reservatórios, e barramentos e enroncamento nos ambientes lóticos - rios); aumento da temperatura global.

60 60 Cianobactérias

61 61 Microcystis panniformisMicrocystis wesenbergii Microcystis novacekiiRadiocystis fernandoii Cianobactérias

62 62 PERDA DA QUALIDADE DA ÁGUA FLORAÇÕES (FAN) E EUTROFIZAÇÃO Crescimento abundante das algas, cianobactérias ou plantas aquáticas (1 ou poucas espécies) causado pela EUTROFIZAÇÃO, que é o excesso de nitrogênio e fósforo nos corpos d´água provenientes de esgotos domésticos ou industriais, erosão de solos agrícolas e drenagem urbana. OCORRÊNCIA: lagos, reservatórios, oceanos (menor ocorrência em rios )

63 63 Padrões de Lançamento de Efluentes

64 64 2. RESOLUÇÃO 357/05 - CONAMA CAPÍTULO IV – Das condições e Padrões de Lançamento de Efluentes, Artigos 24 a 37. Sem tratamento Com tratamento

65 65 Padrões de Lançamento de Efluentes Art. 28. Os efluentes não poderão conferir ao corpo de água características em desacordo com as metas obrigatórias progressivas, intermediárias e final, do seu enquadramento Art o lançamento de efluentes deverá, simultaneamente: I - atender às condições e padrões de lançamento de efluentes II – não ocasionar a ultrapassagem das condições e padrões de qualidade de água, estabelecidos para as respectivas classes, nas condições da vazão de referência; e III – atender a outras exigências aplicáveis

66 66 Lançamento de Efluentes Art. 34. Os efluentes (...) só poderão ser lançados (...) desde que obedeçam as condições e padrões previstos neste artigo (...) § 1º O efluente não deverá causar ou possuir potencial para causar efeitos tóxicos aos organismos aquáticos no corpo receptor, de acordo com os critérios de toxicidade estabelecidos pelo órgão ambiental competente. § 2º Os critérios de toxicidade previstos no § 1º devem se basear em resultados de ensaios ecotoxicológicos padronizados, utilizando organismos aquáticos, e realizados no efluente. § 3º Nos corpos de água em que as condições e padrões de qualidade previstos nesta Resolução não incluam restrições de toxicidade a organismos aquáticos, não se aplicam os parágrafos anteriores

67 67

68 68

69 69

70 70 2. RESOLUÇÃO 357/05 - CONAMA 2.4 Classificação: OBSERVAÇÕES No CAPÍTULO V encontram-se as: Diretrizes Ambientais para o Enquadramento. Referem-se as normas e procedimentos definidos pelo CNRH e CERH e detalhados no Artigo 38.

71 71 Observações Eliminou-se a necessidade dos valores de Q7,10, possibilitando a definição da vazão de referência pelos comitês de bacias. Apesar de estudos cada vez mais sistematizados em ecotoxicologia desenvolvidos em institutos e universidades, o uso de indicadores biológicos permanece como optativo na legislação. O cumprimento da resolução 357 não implica necessáriamente, na inexistência de compostos ou elementos tóxicos na água. Ensaios toxicológicos, bioensaios. Destaque as cianobactérias/cianotoxinas

72 72 Qualidade e Tratamento de Águas para Abastecimento Conceito de Tratamento Adequação da qualidade da água para a utilização para abastecimento público Grau de Tratamento Função da finalidade da água e da qualidade original da água proveniente do manancial Objetivo do Tratamento Água Potável (não pura) Conceito de Potabilidade: Proteção da saúde pública Evitar objeções ao consumo (propriedades organolépticas) Questão econômica Padrões de Potabilidade Define requisitos a serem atendidos PARÂMETROS DE POTABILIDADE

73 73 PADRÕES DE POTABILIDADE

74 74 Decreto n.º , de 09 de março de 1977: Estabelece a competência do Ministério da Saúde sobre o controle da qualidade de água para consumo humano. Portaria nº 036, de 19 de janeiro de 1990: Aprova normas e o padrão de potabilidade da água destinada ao consumo humano. Portaria n.º 1469, de 29 de dezembro de 2000: Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Portaria n.º 518, de 25 de março de 2004: Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Marco Legal

75 75 Portaria n.º 518, de 25 de março de 2004 Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências

76 76 Portaria N° 518/ de março de 2004 (5 artigos) O ANEXO possui 08 capítulos, 32 artigos e 09 tabelas Observação: Para todos artigos e parágrafos da Portaria 1469/2000 onde se lia FUNASA, lê-se Secretária de Vigilância e Saúde - SVS.

77 77 Definição das competências e deveres dos responsáveis pelo Controle e pela Vigilância; Inserção da visão sistêmica; Parâmetros: cianobactérias e cianotoxinas; Adoção de padrão bacteriológico único; Respeito ao direito à informação; ( Decreto de 04 de maio de 2005 ) Obrigatoriedade de se proceder à desinfecção da água; Valorização do parâmetro Turbidez. Obrigatoriedade de se proceder à filtração de águas superficiais. Principais Avanços Portaria n. 518/2004

78 78 ART 4º - IV Controle da qualidade da água para consumo humano Conjunto de atividades, exercidas de forma contínua pelo (s) responsável(is) pela operação de sistema ou solução alternativa de abastecimento de água, destinada a verificar se a água fornecida à população é potável, assegurando a manutenção dessa condição. ART. 4º - V Vigilância da qualidade da água para consumo humano Conjunto de ações adotadas continuamente pela autoridade de saúde pública para verificar se a água consumida pela população atende a esta Norma e para avaliar os riscos que os sistemas e as soluções alternativas de abastecimento de água representam para a saúde humana. NORMA DE QUALIDADE

79 79

80 80 Deveres e Responsabilidades Nível federal (SVS ) ART. 5º Nível estadual e DF (VISA/SES) - ART. 6º Nível municipal (VISA/SES) ART. 7º Do responsável pela operação do SAA ART. 8º e 9º Do responsável por solução alternativa ART. 8º e 10

81 81 Aspectos na definição dos parâmetros e VMP 1.Potencial tóxico das substâncias químicas que podem estar presentes na água; 2.Analises de evidencias epidemiológicas e toxicológicas dos riscos de saúde associados às diversas substancias; 3.Possibilidades analíticas de determinação das substancias em amostras de água; 4.Intensidade de uso das substâncias químicas no País – uso industrial, agrícola e no tratamento da água. Padrão de potabilidade para substância químicas orgânicas e inorgânicas que representam riscos a saúde

82 82 Portaria n. 518/2004 Turbidez – Característica que reflete o grau de transparência da água; a legislação exige que todas as amostras atendam ao padrão. Cor Aparente– Característica que mede o grau de coloração da água; a legislação exige que todas as amostras atendam ao padrão. Cloro residual livre – Indica a quantidade de cloro presente na rede de distribuição, adicionado no processo de desinfecção da água; a legislação exige que todas as amostras atendam ao padrão. Flúor – Adicionado à água para a prevenção da cárie dentária; a legislação exige que todas as amostras atendam ao padrão. Coliformes totais - Indicador de presença de bactérias na água e não necessariamente problemas para a saúde, bactérias do grupo coliforme pertence aos gêneros Escherichia, Citrobacter, Klebsiella e Enterobacter, embora vários outros gêneros e espécies pertençam ao grupo. E. coli - considerada o mais específico indicador de contaminação fecal recente e de eventual presença de organismos patogênicos. Definição das principais variáveis

83 83 Escherichia coli ou coliformes termotolerantes (3) Coliformes totais PARÂMETROUnidadeVMP (1) Inorgânicos Antimôniomg/L0,005 Arsêniomg/L0,01 Báriomg/L0,7 Cádmiomg/L0,005 Cianetomg/L0,07 Chumbomg/L0,01 Cobremg/L2 Cromomg/L0,05 Fluoreto (2) mg/L1,5 Mercúriomg/L0,001 Nitrato (como N)mg/L10 Nitrito (como N)mg/L1 Selêniomg/L0,01 Tabela 3 -Padrão de potabilidade para substâncias químicas que representam risco à saúde NOTAS: (1) Valor Máximo Permitido. (2) Os valores recomendados para a concentração de íon fluoreto devem observar à legislação específica vigente relativa à fluoretação da água, em qualquer caso devendo ser respeitado o VMP desta Tabela.

84 84 ou coliformes termotolerantes (3) Coliformes totais Tabela 3 Padrão de potabilidade para substâncias químicas que representam risco à saúde PARÂMETROUnidadeVMP (1) Orgânicos Tabela 3 -Padrão de potabilidade para substâncias químicas que representam risco à saúde Acrilamidaµg/L0,5 Benzenoµg/L5 Benzo[a]pirenoµg/L0,7 Cloreto de Vinilaµg/L5 1,2 Dicloroetanoµg/L10 1,1 Dicloroetenoµg/L30 Diclorometanoµg/L20 Estirenoµg/L20 Tetracloreto de Carbonoµg/L2 Tetracloroetenoµg/L40 Triclorobenzenosµg/L20 Tricloroetenoµg/L70 NOTA: (1) Valor Máximo Permitido.

85 85 ou coliformes termotolerantes (3) Coliformes totais PARÂMETROUnidadeVMP (1) Agrotóxicos Tabela 3 -Padrão de potabilidade para substâncias químicas que representam risco à saúde Alaclorµg/L20,0 Aldrin e Dieldrinµg/L0,03 Atrazinaµg/L2 Bentazonaµg/L300 Clordano (isômeros)µg/L0,2 2,4 Dµg/L30 DDT (isômeros)µg/L2 Endossulfanµg/L20 Endrinµg/L0,6 Glifosatoµg/L500 Heptacloro e Heptacloro epóxido µg/L0,03 Hexaclorobenzenoµg/L1 Lindano (g-BHC)µg/L2 NOTA: (1) Valor Máximo Permitido.

86 86 PARÂMETROUnidadeVMP (1) Cianotoxinas Tabela 3 -Padrão de potabilidade para substâncias químicas que representam risco à saúde Microcistinas (3) µg/L1,0 NOTAS: (1) Valor Máximo Permitido. (3) É aceitável a concentração de até 10 µg/L de microcistinas em até 3 (três) amostras, consecutivas ou não, nas análises realizadas nos últimos 12 (doze) meses. (4) Análise exigida de acordo com o desinfetante utilizado. § 1º Recomenda-se que as análises para cianotoxinas incluam a determinação de cilindrospermopsina e saxitoxinas (STX), observando, respectivamente, os valores limites de 15,0 µg/L e 3,0 µg/L de equivalentes STX/L. § 2º Para avaliar a presença dos inseticidas organofosforados e carbamatos na água, recomenda-se a determinação da atividade da enzima acetilcolinesterase, observando os limites máximos de 15% ou 20% de inibição enzimática, quando a enzima utilizada for proveniente de insetos ou mamíferos, respectivamente.

87 87 ou coliformes termotolerantes (3) Coliformes totais Tabela 3 Padrão de potabilidade para substâncias químicas que representam risco à saúde PARÂMETROUnidadeVMP (1) Desinfetantes e Produtos Secundários da Desinfecção Tabela 3 -Padrão de potabilidade para substâncias químicas que representam risco à saúde Bromatomg/L0,025 Cloritomg/L0,2 Cloro livremg/L5 Monocloraminamg/L3 2,4,6 Triclorofenolmg/L0,2 Trihalometanos Totalmg/L0,1 NOTA: (1) Valor Máximo Permitido.

88 88 ou coliformes termotolerantes (3) Coliformes totais Tabela 5 -Padrão de aceitação para consumo humano ParâmetroUnidadeVMP (1) Alumíniomg/L0,2 Amônia (como NH 3 )mg/L1,5 Cloretomg/L250 Cor AparenteuH (2) 15 Durezamg/L500 Etilbenzenomg/L0,2 Ferromg/L0,3 Manganêsmg/L0,1 Monoclorobenzenomg/L0,12 Odor-Não objetável (3) Gosto-Não objetável (3) NOTAS: (1) Valor máximo permitido. (2) Unidade Hazen (mg PtCo/L). (3) critério de referência

89 89 Portaria 518/2004 TRATAMENTO DA ÁGUAVMP (1) Desinfecção (água subterrânea) 1,0 uT (2) em 95% das amostras Filtração rápida (tratamento completo ou filtração direta) 1,0 uT (2) Filtração lenta2,0 uT em 95% das amostras NOTAS: (1) Valores máximos permitidos (2) Unidade de turbidez

90 90 Padrões de Potabilidade Brasileiros

91 91 Coliformes totais Tabela 6 - Número mínimo de amostras para o controle da qualidade da água de sistema de abastecimento para fins de análises físicas, químicas e de radioatividade em função do ponto de amostragem, da população abastecida e do tipo de manancial PARÂMETROTIPO DE MANANCIAL SAÍDA DO TRATAMENTO (Numero de amostra por unidade de tratamento) SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO (RESERVATÓRIOS E REDE) População abastecida < hab a hab.> hab. Cor;Turbidez;pHSuperficial1101 para cada hab.40 + (1 para cada hab.) Subterrânea151 para cada hab.20 + ( 1 para cada hab. ) CRL(1) Subterrâneo1(Conforme § 3º do artigo 18) Superficial1 FluoretoSuperficial ou subterrâneo 151 para cada hab.20 + ( 1 para cada hab. ) CianotoxinaSuperficial Subterrâneo 1 (Conforme artigo 18 § 5) --- TrihalometanosSuperficial Subterrâneo (2) 4(2) 1(2) 4(2) 1(2) Demais parâmetrosSuperficial ou Subterrâneo 1 1(4) NOTAS: (1) Cloro residual livre. (2) As amostras devem ser coletadas, preferencialmente, em pontos de maior tempo de detenção da água no sistema de distribuição. (3) Apenas será exigida obrigatoriedade de investigação dos parâmetros radioativos quando da evidência de causas de radiação natural ou artificial. (4) Dispensada análise na rede de distribuição quando o parâmetro não for detectado na saída do tratamento e, ou, no manancial, à exceção de substâncias que potencialmente possam ser introduzidas no sistema ao longo da distribuição.

92 92 Coliformes totais Tabela 7 - Freqüência mínima de amostragem para o controle da qualidade da água de sistema de abastecimento, para fins de análises físicas, químicas e de radioatividade, em função do ponto de amostragem, da população abastecida e do tipo de manancial PARÂMETROTIPO DE MANANCIAL SAÍDA DO TRATAMENTO (freqüência por unidade de tratamento) SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO (RESERVATÓRIOS E REDE) População abastecida < hab a hab.> hab. Cor;Turbidez PH; Fluoreto SuperficialA cada 2 horasMensal SubterrâneoDiária CRL(1)SuperficialA cada 2 horas(Conforme § 3º do artigo 18) SubterrâneoDiária CianotoxinasSuperficialSemanal (Conforme § 5º do artigo 18) --- TrihalometanosSuperficialTrimestral Subterrâneo-AnualSemestral Demais parâmetros(2) Superficial ou Subterrâneo SemestralSemestral(3) NOTAS: (1) Cloro residual livre. (2) Apenas será exigida obrigatoriedade de investigação dos parâmetros radioativos quando da evidência de causas de radiação natural ou artificial. (3) Dispensada análise na rede de distribuição quando o parâmetro não for detectado na saída do tratamento e, ou, no manancial, à exceção de substâncias que potencialmente possam ser introduzidas no sistema ao longo da distribuição.

93 93 Coliformes totais Tabela 8 - Número mínimo de amostras mensais para o controle da qualidade da água de sistema de abastecimento, para fins de análises microbiológicas, em função da população abastecida. Parâmetro Sistema de distribuição (reservatórios e rede) População abastecida Coliformes totais < hab a hab a hab. > hab para cada 500 hab (1 para cada hab.) (1 para cada hab.) Máximo de NOTA: Na saída de cada unidade de tratamento devem ser coletadas, no mínimo, 2 (duas) amostra semanais, recomendando-se a coleta de, pelo menos, 4 (quatro) amostras semanais.

94 94 Coliformes totais Tabela 9 - Número mínimo de amostras e freqüência mínima de amostragem para o controle da qualidade da água de solução alternativa, para fins de análises físicas, químicas e microbiológicas, em função do tipo de manancial e do ponto de amostragem. ParâmetroTipo de manancialSAÍDA DO TRATAMENTO (para água canalizada) Número de amostras retiradas No ponto de consumo (1) (para cada 500 hab.) Freqüência de Amostragem Cor, turbidez, PH e coliformes totais (2) Superficial11Semanal Subterrâneo11Mensal CRL (2) (3) Superficial ou Subterrâneo 11Diário NOTAS: (1) Devem ser retiradas amostras em, no mínimo, 3 pontos de consumo de água. (2) Para veículos transportadores de água para consumo humano, deve ser realizada 1 (uma) análise de CRL em cada carga e 1 (uma) análise, na fonte de fornecimento, de cor, turbidez, PH e coliformes totais com freqüência mensal, ou outra amostragem determinada pela autoridade de saúde pública. (3) Cloro residual livre

95 95 Coleta para coliformes totais Mesmo Local Montante Jusante Quando positivo, recoletas sucessivas até resultado satisfatório. Artigo 11 - § 1 o Padrão de Potabilidade Microbiológico

96 96 População abastecida : habitantes Número de coletas no mês: 100 Número de amostras positivas : 8 Recoleta: Exemplo Numérico Padrão de Potabilidade Microbiológico §4º O percentual de amostras com resultado positivo de coliformes totais em relação ao total de amostras coletadas nos sistemas de distribuição deve ser calculado mensalmente, excluindo as amostras extras (recoleta). Número de recoletas necessárias : 24 Número de recoletas satisfatórias : 22 Número de recoletas (segunda vez): 6 Número de recoletas satisfatórias (segunda vez): 6 Informações para autoridade de saúde pública: 8 % de amostras com resultado positivo

97 97 Degradação das Características das Águas Naturais Origens do aumento da concentração de compostos orgânicos nas águas natural e antrópica Indicadores do teor de matéria orgânica nas águas naturais Oxigênio Consumido, DBO, COT e Cor Verdadeira

98 98 Degradação das Características das Águas Naturais

99 99 Degradação das Características das Águas Naturais Efeito direto no tratamento de água. Risco sanitário

100 100 Atividade 1 Elaborar Plano de Amostragem com número total de amostras e custo total em um ano (Portaria 518/2004). Entregar na quinta-feira (14h) Manancial (superficial)ETA convencional Parâmetros Custo unitário (R$)/amostra cor, turbidez, pH (3)2,0 Cloro residual5,0 Coliformes totais15,0 Fluoreto10,0 PopulaçãoJaru hab Porto Velho hab

101 101 Prova 1 Assunto: –Legislação: Portaria 518 e Resolução 357. –Apresentação slides Aula 2; –Cópias. Livro Di Bernardo (pág. 5 a 16). –Livro digital Inspeção Sanitária… (pág. 16 a 29)


Carregar ppt "1 Sistema Água UNIR - Universidade Federal de Rondônia Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental ÁGUA: ASPECTOS QUALITATIVOS E MARCOS REGULATÓRIOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google