A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Doença Calculosa da Vesícula e Vias Biliares

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Doença Calculosa da Vesícula e Vias Biliares"— Transcrição da apresentação:

1 Doença Calculosa da Vesícula e Vias Biliares
Luigi Rodrigues Brianez

2 Anatomia

3 Anatomia

4 Definições Colelitíase ou Colecistolitíase ou Litíase Vesicular: cálculo na vesícula biliar Coledocolitíase ou Litíase da Via Biliar Principal: cálculo no colédoco/hepático comum Litíase intra-hepática: cálculo na árvore biliar intra-hepática Colecistite: processo inflamatório agudo ou crônico da vesícula biliar Colangite: Infecção dos ductos biliares

5 Produção e Secreção Normal de Bile
Bile normal: água, eletrólitos, solutos orgânicos (sais biliares, pigmentos biliares, colesterol e fosfolipídios). Produção diária: ml. Sais biliares: Sintetizados nos hepatócitos a partir do colesterol e secretados nos canalículos biliares. Ajudam na absorção de gorduras no intestino delgado Circulação entero-hepática: reabsorção dos sais biliares, com objetivo de mantê-los no organismo

6 Produção e Secreção Normal de Bile
Pigmentos Biliares: Bilirrubina indireta (degradação do heme, principalmente da hemoglobina) é captada e conjugada em bilirrubina direta e excretada na bile. BI – lipossolúvel. BD – hidrossolúvel Maior parte da BD excretada é degradada pelas bactérias no intestino grosso em urobilinogênio/estercobilinogênio e eliminada nas fezes.

7 Produção e Secreção Normal de Bile
Colesterol: Proveniente dos alimentos ou síntese hepática O maior local de eliminação de colesterol do organismo é pela excreção na bile, como sal biliar ou colesterol livre Fosfolipídeos: Mais de 90% são Lecitina Sintetizados no fígado e excretados na bile associados aos sais biliares

8 Bile Litogênica Alteração: aumento de colesterol ou de bilirrubinato de cálcio e solubilidade na bile (bile supersaturada ou litogênica. Colesterol, lecitina e bilirrubina não-conjugada – formação de micelas (agregados polimoleculares) p/ solubilidade em água A solubilidade de colesterol na bile depende da concentração relativa de colesterol, sais biliares e fosfolipídios (lecitina)

9 Triangulo de Admirand e Small
Bile Litogênica Qtde. pequena de colesterol >>> somente micelas >>> bile não-litogênica Colesterol aumentado e/ou sais biliares/lecitina diminuídos >>> bile hipersaturada em colesterol (litogênica) >>> micelas + vesículas/cristais de colesterol Triangulo de Admirand e Small

10 Tipos de Cálculos Biliares
Colesterol: 70-90% dos cálculos biliares nos EUA, Europa e América Latina Variam em cor, forma e número Puro ou misto (maioria) Pigmentares: 10-30% Bilirrubinato de cálcio – componente principal Podem ser: Negros/pretos: hemólise; aumento de bilirrubina – cirrose, anemia hemolítica, NPT Castanhos/marrons: estase e infecção bile; moldam os ductos biliares

11 Incidência de Colelitíase
Muito variável 10% da população americana e inglesa Índios Pima (Arizona, EUA): 70% das mulheres acima de 25 anos Número e tamanho dos cálculos: variável

12 Fatores de risco Idade Sexo feminino Hormônios e gestação Obesidade
Perda rápida de peso Doença, ressecção ou derivação ileal Vagotomia troncular Hemólise crônica Fator racial Nutrição Parenteral Total Cirrose Hepática Diabetes Mellitus Medicamentos Dieta Hiperlipidemia Fibrose Cística do Pâncreas (Mucoviscidose) Infecção Biliar Lesão da medula espinhal

13 Colecistite Crônica Litiásica
Colelitíase - assintomática ou sintomática >>> cólica biliar >>> colecistite crônica Processo inflamatório vigente ou recidivante que acomete a vesícula biliar. Obstrução do ducto cístico por cálculos Dor típica (apresentação de incidência variável): constante; no hipocôndrio D e/ou epigástrio; irradiação p/ reg. dorsal sup. D, escápula D ou entre escápulas; desencadeada por refeição rica em gorduras; duração 1-6h; náusea/vômito, distensão e eructação associados; discreta dor à palpação no hipoc. D

14 Diagnóstico por Imagem
US abdome: Exame de escolha Avalia dilatação da via biliar Sensibilidade, especificidade: 95-99% Critérios: massa hiperecogênica; sombra acústica distal à massa hiperecogênica; movimento da massa hiperecogênica qdo. pac. muda decúbito

15 Diagnóstico por Imagem
RX simples abdome: 10-15% dos cálculos (colesterol é radiotransparente) TC abdome: 60-80% RM abdome: 90-95% Colecintilografia e colecistograma oral: pouco usados

16 Colangiografia Intra-operatória
assegura a retirada de todos os cálculos diminui as coledocotomias desnecessárias diminui as reoperações da via biliar melhora a morbidade e a mortalidade diminui o tempo e os custos de internação hospitalar

17 Colangiografia Intra-operatória
Fatores pré-operatórios história de icterícia / pancreatite enzimas hepáticas aumentadas us com coledocolitíase ou dilatado (>6mm) colangiografia endoscópica retrograda Fatores intra operatórios dificuldade anatômica ducto cístico dilatado / cálculo conversão

18 Tratamento Colecistectomia laparoscópica eletiva – escolha
Complicações: lesão de via biliar; conversão Litíase assintomática: tratamento controverso. Avaliar: histórial natural da litíase assintomática, custo e complicações da colecistectomia, idade, doenças associadas (condição clínica), risco de CA de vesícula biliar

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30 Colangiografia Intra-operatória

31 Colecistite Aguda Relacionada a cálculos em 90-95% casos (litiásica)
Obstrução do canal cístico >>> persistência >>> vesícula distendida, com paredes inflamadas e edemaciadas. Isquemia, necrose da parede vesicular, infecção/sepse - em casos graves

32 Náusea/vômito, afebril ou febre baixa
Dor dura mais de 6 horas Náusea/vômito, afebril ou febre baixa Dor e/ou massa palpável em hipocôndrio D Sinal de Murphy: parada da inspiração durante palpação profunda do hipocôndrio D) Icterícia (20% pacientes) Laboratorial: Leucocitose discreta Elevação discreta de TGO/TGP, Bil., FA, amilase

33 Tratamento: Complicações:
Colecistectomia – 1-3 dias depois início. Emergência em potenciais complicações Jejum e analgesia ATB. Podem ser prolongados no pós-op Complicações: Colecistite Enfisematosa – bact. Anaeróbia – gás Gangrena, perfuração, empiema Síndrome de Mirizzi: obstrução do ducto hepático comum por cálculo impactado no infundíbulo Fístula biliar Íleo biliar CA vesícula

34 Coledocolitíase Primários ou secundários
Residual: até 2 anos da colecistectomia 5 – 10% pacientes submetidos a colecistectomia tem cálculo no colédoco Suspeita de obstrução biliar: dor/cólica biliar, icterícia, colúria e acolia fecal Pode causar pancreatite aguda Elevação de bilirrubina, FA, GGT

35 Coledocolitíase

36 Icterícia

37 Tratamento: CPRE – Colangiopancreatografia Retrógrada Endoscópica Exploração colédoco (aberta ou laparoscópica)

38 Colangite Aguda Infecção bacteriana do sistema ductal biliar – Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Bacteriodies fragilis, enterococos Causa: obstrução biliar + concentração bacteriana na bile de estase Tríade de Charcot: icterícia, febre e dor abdominal Pêntade de Reynold: icterícia, febre, dor abdominal, obnubilação mental e hipotensão – colangite tóxica Tratamento: ATB + desobstrução da via biliar

39 Obrigado! Bom estudo!!!


Carregar ppt "Doença Calculosa da Vesícula e Vias Biliares"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google