A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MANUSEIO DE VIAS AÉREAS Dr Douglas Saldanha Pereira Medicina Intensiva –AMIB Instrutor FCCS- ATLS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MANUSEIO DE VIAS AÉREAS Dr Douglas Saldanha Pereira Medicina Intensiva –AMIB Instrutor FCCS- ATLS."— Transcrição da apresentação:

1 MANUSEIO DE VIAS AÉREAS Dr Douglas Saldanha Pereira Medicina Intensiva –AMIB Instrutor FCCS- ATLS

2 Avaliação da Via Aérea Exame Objectivo EntubaçãoVentilação Abertura da boca Visibilidade da úvula - Classificação de Mallampati (grau I a IV) Distancia inter-incisivos (> 3 cm) Obesidade Protusão da mandíbula Falta de dentes Avaliação cervical Ângulo atlanto-occipital (doente acordado) Comprimento, largura do pescoço Presença de barba Distância tiromentoniana (>6,5 cm) História de Apneia Obstrutiva do Sono / Roncopatia Distância esterno-mentoniana (>12,5cm)

3

4 Disponível na Unidade de Armazenamento Portátil da UCI – –Tubo orofaríngeo (Guedel), nasofaríngeo – –Tubo endotraqueal (vários tamanhos) – –Condutor (guias semi-rígidos) – –Estiletes de entubação - Gum Elastic Bougie / Frova – –Máscara Laríngea convencional, Proseal, Fastrack – –Outros: Combitube, AirTraq – –Lâminas curvas vários tamanhos, Lâmina de McCoy – –Cabos de Laringoscópio, cabo curto, pilhas – –Seringas 5, 10, 20 ml – –Pinça de Magill – –Material de jet ventilation – –Fibroscópio e fonte de luz, cânula de Ovassapian – –Material de acesso cirúrgico da via aérea urgente: (Cricotirotomia,Traqueostomia Percutânea) Practice Guidelines for Management of the Difficult Anesthesiology 2003; 98:1269–77 © 2003 American Society of Anesthesiologists

5

6 Material

7

8 Posicionamento

9 Detector de CO 2 expirado

10 A partir deste ponto considerar: 1.Chamar ajuda 2.Retornar à ventilação espontânea 3.Acordar o doente A partir deste ponto considerar: 1.Chamar ajuda 2.Retornar à ventilação espontânea 3.Acordar o doente Tentativa de Intubação após indução de Anestesia Geral Tentativa inicial de intubação FALHA Tentativa inicial de intubação FALHA Tentativa inicial de intubação com SUCESSO Tentativa inicial de intubação com SUCESSO Ventilação sob máscara facial não adequada Ventilação sob máscara facial não adequada Ventilação sob máscara facial adequada Ventilação sob máscara facial adequada Máscara Laríngea (ML ) ML não adequada ML adequada Situação Emergência Não Ventilo, Não Intubo Situação Emergência Não Ventilo, Não Intubo Chamar Ajuda Situação Não-Emergente Ventilo, Não Intubo Situação Não-Emergente Ventilo, Não Intubo Abordagens alternativas para a intubação Abordagens alternativas para a intubação SUCESSO na Intubação SUCESSO na Intubação FALHA após múltiplas tentativas Se Ventilação Sob Máscara Facial ou ML Se tornarem inadequadas Se Ventilação Sob Máscara Facial ou ML Se tornarem inadequadas Ventilação Emergência não-invasiva Ventilação adequada Ventilação adequada FALHA Acesso Invasivo Emergente da V. Aérea Acesso Invasivo Emergente da V. Aérea Acordar o doente Acordar o doente Acesso invasivo Via Aérea Acesso invasivo Via Aérea Considerar viabilidade outras opções Considerar viabilidade outras opções T é cnicas para ventila ç ão não-invasiva de emergência Combitube Estilete para jet intratraqueal Broncosc ó pio r í gido

11 Colocação de Máscara Laríngea

12 Colocação Máscara Laríngea

13 Material para Abordagem Cirúrgica Cricotirotomia Traqueostomia Percutânea

14 Unidade Portátil de Via Aérea (Carro de Via Aérea)

15 MÁSCARA LARÍNGEA É um tubo semi curvo que se inicia em um conector padrão de 15 mm e termina numa pequena máscara,com um suporte periférico inflavel Dispositivo supragótico para ventilação pulmonar Dispensa laringoscopia,com rapidez de acesso e controle de via aérea

16 MANUSEIO DE VIAS AÉREAS OBJETIVOS: Identificar as situações em que ocorrem risco de obstrução Reconhecer os sinais e sintomas Descrever as técnicas para manter a permeabilidade Demonstrar técnicas de ventilação Descrever a preparação para entubação orotraqueal

17

18

19

20

21

22

23

24 MANUSEIO DE VIAS AÉREAS AVALIAÇÃO DO PACIENTE: Nível de consciência Esforço espontâneo ou apnéia Via aérea e lesão da coluna Expansão da caixa torácica Sinais de obstrução das vias aéreas Sinais de angústia respiratória

25

26 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS

27

28

29

30

31 MANOBRA TRIPLA DAS VIAS AÉREAS : Abertura das vias aéreas Leve extensão do pescoço Elevação da mandíbula Abertura da boca

32

33 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS JAW- THRUST

34 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS CHIN – LIFT

35

36 MANUSEIO DA VIAS AÉREAS MANUSEIO DA VIAS AÉREAS DISPOSITIVOS ACESSÓRIOS PARA PERMEABILIDADE DAS VIAS AÉREAS: Cânula orofaríngea Cânula de guedel Contra-indicado em pacientes com ECG<8 Tamanho adequado

37

38

39 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS Cânula nasofaríngea: Pacientes com ECG > 8 Contra- indicado : fratura de base de crânio, coagulopatias, apnéia

40

41

42 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS AVALIAÇÃO DO PACIENTE: Vias aéreas permeáveis – suplementação de oxigênio Vias aéreas não permeáveis – assistência manual ventilatória

43 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS VENTILAÇÃO MANUAL ASSISTIDA : INDICAÇÕES: Paciente com apnéia Volume corrente espontâneo inadequado Excessivo trabalho respiratório Hipoxemia com ventilação espotânea

44 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS ASSISTÊNCIA MANUAL A VENTILAÇÃO: Aplicar a mascara na face Utilizar dispositivos auxiliares de vias aéreas Abertura da boca Posicionamento da mão Elevação da mandíbula e queixo Compressão da bolsa

45 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS APLICAÇÃO BOLSA MASCARA- TÉCNICA COM UM SOCORRISTA Base da mascara colocada acima do queixo Ponta da mascara sobre o nariz Mandíbula elevada,leve hiper- extensão do pescoço Pressionar para baixo a mascara com a mão

46

47 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS MÉTODO COM DOIS SOCORRISTAS: Indicações :face grande,barba,suspeita de lesão cervical

48

49 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS INADEQUADA VEDAÇÃO DA MASCARA FACIAL: Identificar o vazamento Reposicionar a mascara facial Aumentar a pressão para baixo sobre a face ou fazer extensão do pescoço Usar a técnica bimanual

50 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS INDICAÇÃO PARA ENTUBAÇÃO OROTRAQUEAL: Reduzir o trabalho respiratório Facilitar a aspiração,toilete brônquica Necessidade de ventilação mecânica Fornecimento de o2 Falência respiratória Desobstruir vias aéreas Proteção de vais aéreas Necessidade de hiperventilação

51 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS PREPARAÇÃO PARA ENTUBAÇÃO OROTRAQUEAL: Continuar a ventilação adequada e hiperoxigenação Descomprimir o estômago Avaliar o grau de dificuldade para entubação Analgesia,sedação e bloqueio neuro muscular se necessários

52 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS PREPARAÇÃOPARA ENTUBAÇÃO OROTRAQUEAL: Colocar roupa protetora Elevação do occipital com um coxim,se não apresentar suspeita de lesão de coluna cervical Avaliar graus de dificuldade

53 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS GRAUS DE DIFICULDADE : Micrognatia Lesão de coluna cervical Injúrias faciais Distância tireomentoniana Abertura da boca ( classificação de MALLAMPATI)

54

55

56

57

58

59

60

61 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS PREPARAÇÃO PARA ENTUBAÇÃO OROTRAQUEAL: Monitorização adequada : oximetria, ecg Montar o equipamento Laringoscopia:testar luz,selecionar lâminas Tubo endotraqueal: lubrificar,testar cuff Estilete: inserção,angulação Aspirador : testar

62

63 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS TÉCNICA DE ENTUBAÇÃO OROTRAQUEAL: Posição exata do operador Segurar e manusear o laringoscópio Aplicar pressão sobre a cartilagem cricóide

64 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS TÉCNICA DE ENTUBAÇÃO OROTRAQUEAL: Inserção da lâmina do laringoscópio para controle da língua Língua deslocada medialmente, visualização da epiglote Avançar o laringoscópio: valécula – lâmina curva, epiglote – lãmina reta Elevar a base da língua e expor a abertura glótica

65

66

67

68

69

70

71

72

73 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS TÉCNICA DE ENTUBAÇÃO OROTRAQUEAL: Inserir o TOT até visualizar 23 a 25 cm ao nível da rima bucal Remover o estilete e laringoscópio e insuflar o cuff Confirmar a posição do tubo :auscultando ruídos,detector de co2 Fixação do tot Obter raio x de tórax

74

75

76 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS ANALGESIA,SEDAÇÃO E BLOQUEIO NEUROMUSCULAR: Analgesia tópica( bloqueio nervoso ?) Sedação +analgesia = amnésia,rápida ação,curta duração e reversível Midazolan – 0,1 mg/kg Etomidato- 0,3 a 0,4 mg/kg Fentanil -25 a 100 microgramas ev

77 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS BLOQUEIO NEURO MUSCULAR: Avaliar necessidade Entubação de sequência rápida Succinilcolina : agente despolarizante Dose : 1 a 1,5 mg/kg PancurônioAtracúriovecurônio

78 MANUSEIO DE VIAS AÉREAS ACESSÓRIOS DE VIAS AÉREAS: Ventilação manual com mascara dificil Entubação orotraqueal dificil Prover vias aéreas abertas e permitir a troca gasosa MASCARA LARÍNGEA COMBITUBE ESÔFAGO TRAQUEAL

79 VIA AÉREA DIFICÍL -Situação clínica na qual o profissional treinado tenha dificuldade em intubar um paciente, manter ventilação manual sob máscaraou ambos. (Asa) (Asa)

80 INCIDÊNCIA DE VAD Geral : 1- 5% Gestantes : 5 – 7% Trauma facial/ cervical e neoplasias de cabeça e pescoço : 15 – 20% Síndrômicos : 10 – 15%

81 MANEJO ADEQUADO DA VIA AÉREA DIFÍCIL Manter oxigenação para evitar hipóxia Integridade do fluxo aéreo Reconhecer gravidade do problema Observação atenta á via aérea Ação com agilidade em tempo hábil Prevenir eventos adversos

82 CLASSIFICAÇÃO DE VIA AÉREA DIFÍCIL Dificuldade em ventilação Dificuldade de laringoscopia Dificuldade de intubação

83 DIFICULDADE DE VENTILAÇÃO Ventilação é difícil quando não é possível para apenas um operador manter a SpO2, acima de 90%,usando uma FiO2 de 100% Dificuldade para adaptação da mascara Dificuldade para manutenção de fluxo Obstrução de via aerea

84 Dificuldade de laringoscopia Dificuldade em expor a glote com laringoscopia direta Operador dependente Sedação e analgesia adequados Ausência de hipertonia muscular Lâmina de tamanho e tipo adequado Compressão laringea

85

86 Dificuldade de intubação Mais de 3 tentativas ou duração superior a 10 minutos,para o correto posicionamento do tubo traqueal,utilizando a laringoscopia direta

87 Manuseio das vias aéreas COMPLICAÇÕES DA ENTUBAÇÃO Alterações hemodinâmicas : Hipertensão arterial Taquicardia Hipotensão arterial

88 MANUSEIO DAS VIAS AÉREAS OPÇÕES PARA VENTILAÇÃO: Fibronoscopia Mascara laríngea Combitube Cricotirosdotomia por punção Cricotirosdotomia cirúrgica

89

90

91

92

93

94

95

96

97

98

99

100

101

102

103

104

105

106

107 MANUSEIO DE VIAS AÉREAS CASO CLÍNICO: Uma paciente de 17 anos de idade é trazida ao pronto socorro pelo SAMU,com história de ter sido encontrada, próxima a vários frascos de medicamentos vazios. Suas respirações eram superficiais e ela quase não respondia quando estimulada. Uma paciente de 17 anos de idade é trazida ao pronto socorro pelo SAMU,com história de ter sido encontrada, próxima a vários frascos de medicamentos vazios. Suas respirações eram superficiais e ela quase não respondia quando estimulada. O QUE FAZER ?

108

109

110

111

112

113

114

115

116

117

118 Técnica de Traqueotomía Percutánea


Carregar ppt "MANUSEIO DE VIAS AÉREAS Dr Douglas Saldanha Pereira Medicina Intensiva –AMIB Instrutor FCCS- ATLS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google