A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GESTÃO DE CUSTOS INSTRUTOR WILLIAM TAKAHARA S ISTEMA DE I NFORMAÇÕES G ERENCIAIS C ONTABILIDADE F INANCEIRA S ISTEMA O RÇAMENTÁRIO C ONTABILIDADE G ERENCIAL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GESTÃO DE CUSTOS INSTRUTOR WILLIAM TAKAHARA S ISTEMA DE I NFORMAÇÕES G ERENCIAIS C ONTABILIDADE F INANCEIRA S ISTEMA O RÇAMENTÁRIO C ONTABILIDADE G ERENCIAL."— Transcrição da apresentação:

1

2 GESTÃO DE CUSTOS INSTRUTOR WILLIAM TAKAHARA

3 S ISTEMA DE I NFORMAÇÕES G ERENCIAIS C ONTABILIDADE F INANCEIRA S ISTEMA O RÇAMENTÁRIO C ONTABILIDADE G ERENCIAL C ONTABILIDADE DE C USTOS

4 USOS DA CONTABILIDADE DE CUSTOS O Valoração de Estoques para o Balanço Patrimonial O Apuração do Custo dos Bens e Serviços Vendidos, para a Demonstração de Resultados Na Contabilidade Financeira:

5 USOS DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Fornecer informações para: O planejamento e controle O elaboração de orçamentos O dar suporte ao processo de tomada de decisão Na Contabilidade Gerencial:

6 USOS DAS INFORMAÇÕES DE CUSTOS Dar suporte à tomada de decisão: Lançamento de produtos Precificação Apurar resultados Avaliar desempenhos Influenciar comportamentos

7 PRINCIPAIS TERMOS USADOS EM CUSTOS Gasto – Sacrifício financeiro com que a entidade arca para obtenção de produto ou serviço qualquer. Desembolso – Pagamento resultante da aquisição do bem ou serviço. Investimento – Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro período. Custo – Gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços. Despesa- Bem ou serviço consumidos direta ou indiretamente para a obtenção de receitas Perda – Bem ou serviço consumidos de forma anormal e involuntária.

8 Princípios Contábeis Realização da Receita Confrontação Despesas x Receitas Custo Histórico Consistência – manter forma contábil Prudência - conservadorismo Relevância – somente aqueles que interferem realmente.

9 Custeio por Absorção Empresas de Manufatura CUSTOS ESTOQUE DE PRODUTOS DESPESAS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS RECEITA CPV LUCRO BRUTO DESPESAS LUCRO OPERACIONAL

10 Custeio por Absorção Empresas Prestadoras de Serviços CUSTOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DESPESAS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS RECEITA Custo Serviços Prestados LUCRO BRUTO DESPESAS LUCRO OPERACIONAL

11 CPP = MAT + MOD + CIF CPA = EI PP + CPP - EF PP CPV = EI PAC + CPA - EF PAC

12 CUSTOS DIRETOS São aqueles identificáveis com cada produto de maneira clara, direta e objetiva; a associação e a apropriação se processa através de mensuração direta.

13 CUSTOS INDIRETOS São aqueles alocados a cada produto através de estimativas e aproximações; a associação pode conter subjetividades e o grau de precisão da mensuração é baixo.

14 CUSTOS FIXOS São aqueles cujo montante independe do volume, dentro de determinado período.

15 CUSTOS FIXOS CF Custo $ Volume de Atividade

16 CUSTOS FIXOS CF Custo $ Volume de Atividade

17 CUSTOS VARIÁVEIS São aqueles cujo montante acompanha o volume de atividade, dentro de certo período.

18 CUSTOS VARIÁVEIS CV Custo $ Volume de Atividade

19 CUSTOS VARIÁVEIS CV Custo $ Volume de Atividade

20 CUSTOS INDIRETOSDIRETOS PRODUTO B PRODUTO A ESTOQUE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS RECEITA CPV LUCRO BRUTO DESPESAS LUCRO OPERACIONAL RATEIO ESQUEMA BÁSICO

21 CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS Método Simples O Contas sintéticas O Transferência periódica dos custos para estoques O Segue os passos da Contabilidade Financeira

22 CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS Método Complexo O Contas analíticas O Transferência contínua dos custos para estoques O Segue todos os passos da Contabilidade de Custos

23 ESQUEMA BÁSICO CUSTOS DIRETOS DEPARTAMENTO Serviço B DEPARTAMENTO Serviço A Alocáveis Diretamente aos Departamentos INDIRETOS COMUNS PRODUTO X DEPARTAMENTO Produção D DEPARTAMENTO Produção C ESTOQUE R R R R R Demonstração de Resultados RECEITA CPV LUCRO BRUTO DESPESAS LUCRO OPERACIONAL PRODUTO Y

24 PROCESSO DE CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS a) apropriação direta de cada conta de custo aos departamentos, nos casos em que a identificação puder ser realizada de forma clara, direta e objetiva;

25 PROCESSO DE CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS b) rateio, para os departamentos, dos saldos das contas de custos que não puderam ser associados por mensuração direta na etapa (a)

26 c) rateio dos custos de cada departamento de apoio para todos os departamentos usuários dos seus serviços; e PROCESSO DE CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS

27 d) rateio dos custos de cada departamento de produção para todos os produtos que por eles transitaram.

28 CRITÉRIOS DE RATEIO: REQUISITOS O conhecimento do processo de produção O envolvimento do pessoal de Custos e de Produção O consistência

29 BASES DE RATEIO MAIS COMUNS tempo de máquina tempo de mão-de-obra custo de mão-de-obra volume de matéria-prima custo de matéria-prima combinação de várias

30 DEPARTAMENTOS DE SERVIÇOS - CRITÉRIO DE RATEIO Custo fixo: pelo potencial de uso Custo variável: pela utilização efetiva

31 CONTROLE INTERNO - CENTROS DE CUSTOS - CENTROS DE LUCROS - CENTROS DE INVESTIMENTOS

32 Custeio Baseado em Atividades Custeio Baseado em Atividades (ABC) (PRIMEIRA GERAÇÃO (PRIMEIRA GERAÇÃO) É uma metodologia de alocação de custos indiretos aos produtos que tem por base: O foco no conceito de atividade e O utilização de direcionadores de custos.

33 Custeio Baseado em Atividades (ABC) (PRIMEIRA GERAÇÃO) RecursosAtividadesProdutos Pessoal A 1 P 1 Instalações A 2 P 2 Comunicações Etc. A n P n

34 ATIVIDADE É uma ação que utiliza recursos humanos, materiais, tecnológicos etc. e gera um bem ou serviço.

35 DIRECIONADORES DE CUSTOS DE RECURSOS São fatores que permitem identificar a intensidade com que as atividades se utilizam dos recursos. Servem para calcular o custo das atividades.

36 DIRECIONADORES DE CUSTOS DE ATIVIDADES São fatores que determinam o custo das atividades e que permitem identificar a intensidade com que os produtos se utilizam das atividades. Servem para calcular o custo dos produtos.

37 Taxa de Aplicação de Custos Indiretos DEFINIÇÃO É um valor predeterminado para rateio aos produtos, baseado na estimativa das seguintes variáveis: O volume de produção e O montante ($) de custos indiretos.

38 Taxa de Aplicação de Custos Indiretos UTILIDADE O Apurar o custo dos produtos durante o próprio período em que são produzidos, sem ter que esperar o término para fazer os cálculos.

39 Taxa de Aplicação de Custos Indiretos UTILIDADE O Normalizar (homogeneizar) o custo dos produtos ao longo do tempo, evitando oscilações bruscas em função de variações de custos e de volumes de produção.

40 Contabilização de Custos Indiretos Predeterminados a) Durante a produção: Débito: Custo dos Produtos Crédito: Custos Indiretos Aplicados b) No encerramento do período: a conta Custos Indiretos (Reais) deve ser encerrada contra a de Custos Indiretos Aplicados.

41 Contabilização de Custos Indiretos Predeterminados c) No encerramento do período: a diferença entre os CIF reais e os Aplicados (Variação de CIF) deve ser encerrada contra Estoques e Custo dos Produtos Vendidos (CPV).

42 Critérios de Valoração de Materiais PEPS (Fifo) UEPS (Lifo) Média Ponderada Móvel Média Ponderada Fixa

43 Composição do Custo dos Materiais Preço Bruto ao fornecedor + Impostos não recuperáveis + Frete e Seguro no transporte + Armazenamento e manuseio (-) Impostos recuperáveis (-) Descontos Comerciais (-) Abatimentos

44 Subprodutos e Sucatas

45 Valor Líquido de Realização Subprodutos Preço de Venda estimado (-) Tributos (-) Comissões (-) Frete (-) Custos adicionais (-) Lucro estimado

46 Encargos Financeiros Embutidos O Deveriam ser contabilizados à parte: estoques a OPorém não há respaldo da legislação valor presente

47 IPI e ICMS Quando Recuperáveis O Devem ser contabilizados à parte:estoques a valor líquido desses tributos O Há respaldo da legislação

48 Custo de MOD Remuneração contratual + Encargos Sociais

49 Encargos Sociais Direitos trabalhistas + Contribuições Sociais

50 Férias 13º Salário Etc. Direitos Trabalhistas

51 Contribuições Sociais INSS FGTS Seguro Acidentes Etc.

52 Custo/hora de MOD Salário + Direitos Trabalhistas + Contribuições Sociais Nº de horas à Disposição do Empregador

53 Dias à Disposição do Empregador Número de dias do ano (-) Dias de Férias (-) Repousos Remunerados (-) Feriados (-) Faltas Abonadas

54 Horas à Disposição do Empregador Nº de dias x jornada diária

55 Sistemas Características Produção Contínua Produção por Ordem Produção por Encomenda Características dos Sistemas de Comercialização

56 Sistemas Características Produção Contínua Produção por Ordem Produção por Encomenda Características dos Sistemas de Produção

57 Sistemas Características Produção Contínua Produção por Ordem Produção por Encomenda Características dos Sistemas de Produção PRODUÇÃOPRODUÇÃO PRODUÇÃOPRODUÇÃO TEMPO PRODUÇÃOPRODUÇÃO

58 Sistemas Características Custeio por ProcessoCusteio por Ordem Custeio por Encomenda Características dos Sistemas de Custeamento

59 Sistemas de Custeamento EXEMPLOS 1. Custeamento por Ordem Engenharia e Construção Civil Auditoria e Consultoria Indústria Naval e Aeronáutica Indústria Gráfica Confecções de moda Móveis Molas Parafusos Produção de Vinhos Seda Natural Etc. ESPECIAIS

60 Sistemas de Custeamento EXEMPLOS 2. Custeamento por Processo Indústria Automobilística Eletrodomésticos Farmacêutica Farinha de Trigo Açúcar Cimento Cadernos Etc.

61 CUSTO PADRÃO TIPOS: -BÁSICOS – SEM MUDANÇAS -EFICIÊNCIA MÁXIMA – PADRÕES PERFEITOS -ATÍNGIVEL NORMALMENTE – ATIVIDADE EFICIENTE -ESPERADO – NÚMEROS ESPERADOS

62 SITUAÇÃO – PADRÃO REDUÇÃO DE CUSTO JUSTO POLÍTICA DE PREÇO REALISTA PROD ALTA QUALIDADE PERFEITO

63 TIPOS DE CUSTO PADRÃO - CUSTO-PADRÃO IDEAL – CIENTÍFICA - CUSTO PADRÃO ESTIMADO – PROJEÇÃO - CUSTO PADRÃO CORRENTE – EFICIÊNCIA DE PRODUÇÃO - CUSTO REAL – AUMENTO OU DIMINUIÇÃO

64 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO POR UNIDADE É o excesso do preço de venda em relação aos custos e despesas variáveis; destina- se a amortizar os custos e despesas fixos e a formar o lucro da empresa.

65 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO POR UNIDADE MC/u = PV L - CDV MC/u = Margem de Contribuição unitária PVL = Preço de Vendas líquidas CDV = Custos e Despesas Variáveis

66 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO TOTAL DO PRODUTO MCT = RL - CDV T MCT = q x MC/u MCT = Margem de Contribuição Total RL = Receitas Líquidas CDVT = Custos e Despesas Variáveis Totais q = Quantidade MC/u = Margem de Contribuição Unitária

67 CRÍTICAS AO RATEIO DE CUSTOS FIXOS O Custos Fixos são custos da capacidade de produção disponibilizada; e O o seu montante independe da produção ou não, e do volume.

68 CRÍTICAS AO RATEIO DE CUSTOS FIXOS O Custos Fixos geralmente são rateados por critérios arbitrários; e O isso distorce o custo e o lucro de cada produto.

69 CRÍTICAS AO RATEIO DE CUSTOS FIXOS O O Custo Fixo por unidade de um produto varia inversamente ao seu próprio volume de produção; e O o custo fixo de um produto depende do volume de produção de outros produtos.

70 CUSTEIO VARIÁVEL Apropria aos produtos apenas custos variáveis; os fixos são debitados diretamente ao resultado do período, como despesas.

71 CUSTEIO VARIÁVEL O valor do resultado de cada período acompanha a inclinação da receita de vendas.

72 CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO VARIÁVEL A diferença no valor dos resultados de cada período refere-se ao custo fixo correspondente aos estoques inicial e final.

73 CUSTEIO VARIÁVEL Fere o Princípio Contábil da Competência

74 CUSTEIO VARIÁVEL CUSTOS VARIÁVEIS ESTOQUE DE PRODUTOS VENDA DESPESAS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS RECEITA LÍQUIDA CVPV DV MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO CDF LUCRO OPERACIONAL VARIÁVEISFIXASFIXOS

75 CUSTOS FIXOS IDENTIFICADOS São custos que, embora fixos, podem ser identificados com cada produto, linha de produtos, departamento, filial etc. São, portanto, custos diretos fixos.

76 SEGUNDA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO É a Margem de Contribuição deduzida dos Custos Fixos Identificados.

77 TAXA DE RETORNO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO Margem de Contribuição Investimento Identificado

78 INVESTIMENTOS IDENTIFICADOS São aqueles que podem ser claramente associados a um produto, linha de produtos, departamento, filial etc.

79 Capítulo 2 Gestão de Preço

80 GESTÃO DE PREÇOS O Custo do produto O Elasticidade-demanda O Preço de produtos concorrentes O Preço de produtos substitutos O Preço de bens e serviços complementares O Tipo de mercado etc.

81 GESTÃO DE PREÇOS O Com base em custos O Com base no mercado O Combinação custo e mercado

82 PREÇO COM BASE NO CUSTO MARKUP (Margem de Contribuição): Tributos Comissões Lucro Desejado Etc. Preço = Custo + Markup

83 PREÇO COM BASE NO MERCADO Margem de Contribuição Total simulada a vários níveis de preço e volume de vendas.

84 CUSTO COM BASE NO PREÇO Custo-alvo = Preço - Lucro Desejado

85 CUSTO-ALVO É o custo máximo admissível em que a empresa pode incorrer para obter o lucro desejado, considerando-se o preço de venda dado pelo mercado.

86 CUSTEIO PLENO(RKW) Rateio de todos os custos e despesas aos produtos, via departamentos ou centros de custos.

87 CUSTOS INDIRETOSDIRETOS RATEIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS RECEITA LÍQUIDA CPV LUCRO DESPESAS VARIÁVEIS LUCRO OPERACIONAL DESPESAS VENDA ESTOQUE DE PRODUTOS FIXASVARIÁVEIS CUSTEIO PLENO(RKW)

88 CUSTO DE OPORTUNIDADE O É o benefício de que se abre mão numa alternativa por acreditar que o da outra é superior. O É quanto se deixa de ganhar na melhor alternativa desprezada.

89 CUSTO IMPUTADO É custo no sentido econômico mas não no contábil, já que não provoca gastos. Não corresponde a uso ou consumo de recursos e sim a benefício que se deixa de auferir.

90 CUSTOS PERDIDOS ( Sunk Costs ) São custos relativos a investimentos realizados no passado.

91 CUSTOS PERDIDOS ( Sunk Costs ) Embora contabilizados no presente sob a forma de depreciação, amortização etc., não alteram o fluxo financeiro atual sendo irrelevantes para fins de certas decisões.

92 CUSTOS PERDIDOS Dois aspectos são relevantes: O seu valor de venda O o impacto no imposto de renda

93 CUSTO DE REPOSIÇÃO Representa o quanto se teria que gastar para repor (substituir) um ativo em determinado momento.

94 MÃO-DE-OBRA DIRETA O analisada por seu valor total, O interpretada como um custo estrutural, O processo de produção muito automatizado, O efetivo de pessoal não é ajustado com freqüência etc. Considera-se custo fixo quando:

95 CUSTOS FIXOS CF Custo $ Volume de Atividade

96 CUSTOS VARIÁVEIS CV Custo $ Volume de Atividade

97 PONTO DE EQUILÍBRIO PEC ($) = CDF MC % PEC (q) = CDF MC/u

98 PONTO DE EQUILÍBRIO ECONÔMICO PEE (q) = CDF + LO MC/u

99 PONTO DE EQUILÍBRIO FINANCEIRO PEF (q) = CDF - CDFND + Amortizações MC /u

100 PONTO DE EQUILÍBRIO $ Volume Variáveis Fixos Custos e Despesas Totais Receitas Totais Ponto de Equilíbrio


Carregar ppt "GESTÃO DE CUSTOS INSTRUTOR WILLIAM TAKAHARA S ISTEMA DE I NFORMAÇÕES G ERENCIAIS C ONTABILIDADE F INANCEIRA S ISTEMA O RÇAMENTÁRIO C ONTABILIDADE G ERENCIAL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google