A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Desenho Arquitetônico Conceito O desenho arquitetônico é, em um sentido estrito, uma especialização do desenho tecnico normatizado voltada à execução e.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Desenho Arquitetônico Conceito O desenho arquitetônico é, em um sentido estrito, uma especialização do desenho tecnico normatizado voltada à execução e."— Transcrição da apresentação:

1 Desenho Arquitetônico Conceito O desenho arquitetônico é, em um sentido estrito, uma especialização do desenho tecnico normatizado voltada à execução e a representação de projeto de arquitetura. Em uma perspectiva mais ampla, porém, o desenho de arquitetura poderia ser encarado como todo o conjunto de registros gráficos produzidos por arquitetos ou outros profissionais durante ou não o processo de projeto arquitetônico.

2 Desenho Arquitetônico Conceito O desenho de arquitetura, portanto, manifesta-se como um código para uma linguagem, estabelecida entre o emissor (o desenhista ou projetista) e o receptor(o leitor do projeto). Desta forma, seu entendimento envolve um certo nível de treinamento, seja por parte do desenhista ou do leitor do desenho.

3 Desenho Arquitetônico Conceito O desenho arquitetônico também costuma se constituir em uma profissão própria: os desenhistas técnicos (ou a sua versão atual, representada pelos cadistas - ou manipuladores do softwares CAD) são comuns nos escritórios de projeto. Por este motivo, este tipo de desenho costuma ser uma disciplina importante para o curso de edificações.

4 Desenho Arquitetônico Histórico O desenho começou a ser usado como meio preferencial de representação do projeto arquitetônico a partir do Renascimento. Apesar disso, ainda não havia conhecimentos sistematizados de geometria descritiva, o que tornava o processo mais livre e sem nenhuma normatização.

5 Desenho Arquitetônico Histórico Com a Revolução Industrial, os projetos das maquinas passaram a demandar maior rigor e precisão e consequentemente os diversos projetistas necessitavam agora de um meio comum para se comunicar e com tal eficiência que evitasse erros grosseiros de execução de seus produtos.

6 Desenho Arquitetônico Histórico Desta forma, instituíram-se a partir do seculo XIX as primeiras normas técnicas de representação grafica de projetos, as quais incorporavam os estudos feitos durante o período de desenvolvimento da geometria descritiva, no século anterior. Por este motivo, o desenho técnico (de arquitetura) era naquele momento considerado um recurso tecnológico imprescinível ao desenvolvimento.

7 Desenho Arquitetônico Histórico A normatização hoje está mais avançada e completa, embora o desenho arquitetônico tenha passado a ser executado predominantemente em ambiente CAD (ou seja, em formato digital). Por outro lado, para grande parte dos profissionais, o desenho à mão ainda é a génesi e o principal meio para a elaboração de um projeto.

8 Desenho Arquitetônico Normalização A representação gráfica do desenho em si corresponde a um conjunto de normas nacionais e internacionais. (sob a supervisão da ISO). Porém, geralmente, cada país costuma possuir suas próprias versões das normas, adaptadas por diversos motivos.

9 Desenho Arquitetônico Normalização No Brasil, as normas são editadas pela Associação Brasileira de Normas Tecnicas(ABNT), sendo as principais: NBR Representação de projetos de arquitetura NBR – Princípios gerais de representação em desenho técnico.

10 Desenho Arquitetônico Normalização Cabe notar, no entanto, que se por um lado recomenda-se a adequação a tais normas quando da apresentação de desenhos para fins de execução de obras ou em situações oficiais (como quando os profissionais enviam seus projetos à aprovação em prefeituras), por outro lado admite-se algum nível de liberdade em relação a elas em outros contextos.

11 Desenho Arquitetônico Normalização Durante o processo de elaboração e evolução do projeto, normalmente os arquitetos utilizam-se de métodos de desenho próprios apropriados às suas necessidades momentâneas, os quais eventualmente se afastam das determinações das normas. Esta liberdade se dá pela necessidade de elaborar desenhos, que exijam uma facilidade de leitura maior por parte de leigos ou para se adequarem a diferentes publicações.

12 Desenho de Arquitetura Planta de situação Planta que compreende o partido arquitetônico como um todo, em seus múltiplos aspectos. Pode conter informações específicas em função do tipo e porte do programa, assim como para a finalidade a que se destina. Nota: Para aprovação em órgãos oficiais, esta planta deve conter informações completas sobre localização do terreno.

13 Desenho de Arquitetura Planta de situação Em uma planta de situação por exemplo consideramos como se estivéssemos fazendo o desenho de uma vista aérea do terreno onde se encontra um prédio, assim podemos indicar onde se localiza. Numa planta de cobertura, a vista aérea de um telhado, e assim por diante. As linhas deverão estar sempre caracterizadas.

14 Desenho de Arquitetura Planta de locação Planta que compreende o projeto como um todo, contendo, além do projeto de arquitetura, as informações necessárias dos projetos complementares, tais como movimento de terra, arruamento, redes hidráulica, elétrica e de drenagem, etc. A locação das edificações, assim como a das eventuais construções complementares são indicadas na planta.

15 Desenho de Arquitetura Planta baixa da edificação Vista superior do plano secante horizontal, localizado, entre 1,20 e 1,50 m do piso em referência. A altura desse plano pode ser variável para cada projeto de maneira a representar todos os elementos considerados necessários. As plantas de edificação ou planta baixa, podem ser do térreo, subsolo, andar-tipo, sótão, cobertura, entre outros.

16 Desenho de Arquitetura Planta baixa da edificação É o resultado da interseção de um plano horizontal com o volume arquitetônico. o sentido de observação é sempre em direção ao piso (de cima para baixo). É onde são indicadas as dimensões horizontais, contém todos os elementos de projeto fundamentais para execução.

17 Desenho de Arquitetura Corte Plano secante vertical que divide a edificação em duas partes, seja no sentido longitudinal, seja no transversal. Os cortes, devem ser disposto de forma que o desenho mostre o máximo possível de detalhes construtivos. Pode haver deslocamento do plano secante onde necessário, devendo ser de maneira precisa, o seu início e final.

18 Desenho de Arquitetura Fachada Representação gráfica de planos externos da edificação. Compreende a fachada frontal,(voltada para a rua); as fachadas laterais e a fachada posterior. Em arquitetura: todas as faces de um imóvel. Quando não especificada está se referindo a todas. Cabe salientar que são as vistas frontal, laterais e posteriores.

19 Desenho de Arquitetura Elevações Representação gráfica de planos internos ou de elementos da edificação. A elevação consiste em posicionar a peça "em pé" a partir da planta. A lateral consiste em rotacionar a peça em 90 graus, no sentido horário ou anti- horário, conforme sua necessidade, a partir da elevação.

20 Desenho de Arquitetura Detalhes ou ampliações Representação gráfica de todos os pormenores necessários, em escala adequada, para um perfeito entendimento do projeto e para possibilitar sua correta execução.

21 Desenho de Arquitetura Escala Relação dimensional entre a representação de um objeto no desenho e suas dimensões reais. Escala é a relação matemática entre o real e o que é representado no desenho. Em outras palavras significa em quantas vezes a área foi reduzida para "caber" no desenho.

22 Desenho Arquitetônico Etapas do desenho O desenho em cada uma das etapas de um projeto Normalmente a complexidade e quantidade de informações de um desenho variam de acordo com a etapa do projeto. Apesar de existirem etapas intermediárias de projeto, as apresentadas a seguir normalmente são as mais comuns, pelas quais passam praticamente todos os grandes projetos.

23 Desenho Arquitetônico Estudo Preliminar O estudo preliminar, que envolve a análise das várias condicionantes do projeto, normalmente materializa-se em uma série de esboços e croquis que não precisa necessariamente seguir as regras tradicionais do desenho arquitetônico. É um desenho mais livre, constituído por um traço sem a rigidez dos desenhos típicos das etapas posteriores.

24 Desenho Arquitetônico Anteprojeto Nesta etapa, com as várias características do projeto já definidas, o desenho já abrange um nível maior de rigor e detalhamento. No entanto, não costuma ser necessário informar uma quantidade muito grande, nem muito trabalhada, de detalhes da construção. Nesta etapa ainda são anexadas perspectivas feitas à mão ou produzidas em ambiente gráfico-computacional para permitir melhor compreensão do projeto.

25 Desenho Arquitetônico Projeto Legal ou de Licenciamento Corresponde ao conjunto de desenhos que é encaminhado aos órgãos públicos de fiscalização de edifícios. Por este motivo, possui algumas regras próprias de apresentação, variando de cidade em cidade. Costuma-se trabalhar nas mesmas escalas do anteprojeto.

26 Desenho Arquitetônico Projeto Executivo Esta etapa corresponde à confecção dos desenhos que são encaminhados à obra, sendo, portanto, a mais trabalhada. Devem ser desenhados todos os detalhes do edifício, com um nível de complexidade adequado à realização da construção. O projeto básico costuma ser trabalhado em escalas como 1:50 ou 1:100, e detalhamento em esc 1:20, 1:10, 1:5 e eventualmente, 1:1

27 Desenho de Arquitetura Programa de necessidades Documento preliminar do projeto que caracteriza o empreendimento ou o projeto objeto de estudo, que contém o levantamento das informações necessárias, incluindo a relação dos setores que o compõem, suas ligações, necessidades de área, características gerais e requisitos especiais, posturas municipais, códigos e normas pertinentes.

28 Desenho de Arquitetura Memorial justificativo Texto que evidencia o atendimento às condições estabelecidas no programa de necessidades. Apresenta o partido arquitetônico adotado que é definido no estudo preliminar.

29 Desenho de Arquitetura Discriminação técnica Documento escrito do projeto, que, de forma precisa, completa e ordenada, descreve os materiais de construção a serem utilizados, indica os locais onde estes materiais devem ser aplicados e determina as técnicas exigidas para o seu emprego.

30 Desenho de Arquitetura Especificação Tipo de norma destinada a fixar as características, condições ou requisitos exigíveis para matérias-primas, produtos pre-fabricados, elementos de construção, materiais ou produtos industriais semi- acabados.

31 Desenho de Arquitetura Lista de materiais e Orçamento Levantamento quantitativo de todo o material especificado no projeto, com as informações suficientes para a sua aquisição. Avaliação dos custos dos serviços, materiais, mão-de-obra e taxas relativas à obra.

32 Desenho Arquitetônico Fredy Godoy Arquiteto/Urbanista Engenheiro Seg. Trab. (81) (87) Obrigado


Carregar ppt "Desenho Arquitetônico Conceito O desenho arquitetônico é, em um sentido estrito, uma especialização do desenho tecnico normatizado voltada à execução e."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google