A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Acadêmicos: Alberto Lopes, Erlys dos Anjos, João Vinícius, Karinna Braz, Luiz Henrique, Matheus Tolentino e Walison Loiola CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Acadêmicos: Alberto Lopes, Erlys dos Anjos, João Vinícius, Karinna Braz, Luiz Henrique, Matheus Tolentino e Walison Loiola CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 Acadêmicos: Alberto Lopes, Erlys dos Anjos, João Vinícius, Karinna Braz, Luiz Henrique, Matheus Tolentino e Walison Loiola CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA – PROFESSOR: ROBERTO CESAR

2 Análise Fundamentalista Análise Técnica

3 ITENS FUNDAMENTALISTA TECNICA Idade Origem Usuário Pergunta Analises Hipóteses Objetivos 30 Anos 100 Anos Acadêmica Administradores de Fundos e investidores a longo prazo Por que? Quando ? Existe um valor real ou intrínseco relacionado diretamente ao desempenho da empresa Econômico - Financeira É determinar o real valor de uma ação. Profissional Especulador Gráfica Os preços da ações se movimentam em tendência e existe dependência entre as oscilações dos preços È determinar a tendência de evolução das cotações no curto prazo.

4 As informações da escola fundamentalista oferecem ao usuário elementos para decidir o que comprar A escola fundamentalista recomenda atenção dos analistas a todas as informações internas, micro e macro econômicas que envolvem cada empresa Análise Fundamentalista é a arte de analisar e projetar resultados de uma empresa".

5 Na informações internas, destacam-se eventos como mudanças nos quadros técnicos e de direção, programas de pesquisas e de desenvolvimentos de recursos humanos, campanhas publicitárias e, no campo financeiro, alterações na estrutura do capital de giro da empresa.

6 O PRIMEIRO PASSO é observar o Balanço Geral publicado e divulgado no Mercado de Capitais ou na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) da Bolsas de Valores. Essa é uma visão microeconômica, ou seja, observa a quantidade física de venda de produtos, preços, custos.

7 O SEGUNDO PASSO é observar o cenário macroeconômico, ou seja, indicadores de conjuntura, tais como: Inflação, Câmbio, Taxa de Juros, Outras Moedas, entre outros. Baseando-se em informações fornecidas por: Balanço Patrimonial; Demonstrações de Resultados; Demonstrações de Resultados Acumulados; Fluxo de Caixa; Fluxo de Caixa Acumulado; Premissas Assumidas, etc...

8 O investidor tem que se utilizar dos índices: de Liquidez de Rentabilidade de Endividamento de Lucratividade O mais importante é centrar-se nas seguintes questões fundamentais: equilíbrio financeiro; rentabilidade dos capitais; crescimento; risco;

9 A ÚLTIMA ETAPA é comparar os preços das ações, mediante as projeções realizadas, que mostrarão se os investimentos serão a médio ou longo prazo. Vários modelos de avaliação de preços são largamente utilizados no mercado, tais como: Índice de Preços/ Lucros projetados; Índices de Preços/ Lucros históricos; Fluxo de Caixa Descontados das projeções (Valor Econômico);

10 Análise Técnica Estudo de movimentos passados dos preços e dos volumes de negociação de ativos, com objetivo de fazer previsões sobre comportamento futuro dos preços. Baseia-se em tendências, valendo se de movimentos passados.

11 Não são relevantes fatores como: Lucros Dividendos Participações no mercado Grau de endividamento Liquidez Esses fatores são tratados na análise fundamentalista.

12 O que tem relevância são os fatores de oferta e procura internos ao mercado Análise técnica é o estudo de como os preços se movimentam. A análise técnica parte de três princípios: A ação do mercado reflete todos os fatores envolvidos neste; Os preços se movimentam em tendências; O futuro reflete o passado.

13 Teoria de Charles Dow Objetivo de identificar as tendência de mercado A mais antiga explicação teórica sobre a existência de grandes tendências no mercado de capitais. É necessária a construção de uma média da evolução dos preços.

14 Dow e Jones Charles Dow e Edward Jones Co-fundadores da Dow Jones & Co. Primeiros a utilizarem um índice médio de cotação como instrumento de avaliação dos preços. Criaram três índices utilizados até hoje: Dow Jones Industrial; Dow Jones Transportes; Dow Jones Serviços.

15 A Teoria Dow Baseada em dois pressupostos: As alterações diárias que ocorrem nos índices consideram o julgamento de todos os investidores O mercado apresenta movimentos oscilatórios de três amplitudes distintas.

16 Análise de Tendências Segundo a Teoria Dow Tendência Primária: Tendência principal e mais importante.

17 Tendência Secundária: Reação que ocorre dentro da tendência primária.

18 Tendência Terciária: Dura curto espaço de tempo.

19 Características da tendência de alta Três fases distintas: Fase de acumulação Alta sensível Euforia

20 Características da tendência de baixa Três fases distintas: – Distribuição –Pânico –Baixa Lenta

21 Gráfico anual da Petrobras

22

23 Criado entre as décadas 30 e 40 do século XX, pelo contador Ralph Nelson Elliot para provar e demonstrar graficamente que os movimentos dos preços se comportavam de formas cíclicas formando padrões geométricos, os quais eram gerados pelo comportamento do emocional de massa no mercado financeiro.

24 Para fundamentar sua teoria ele fundamentou duas bases, a filosófica, onde influenciou para que acreditasse que sua teoria era parte e uma lei natural. E a matemática surgiu quando começou a estudar os gráficos encontrar os sentidos dos ciclos.

25 Essa analise só foi introduzida no mercado brasileiro na década de 70 baseada no modelo norte americano, onde foi necessário algumas mudanças. Onde o principal objetivo dessa analise seria a identificação de tendências,

26 Onda 1 ; serve como base para encontrar as razões das outras ondas. Onda 2; Estará sempre relacionada com a primeira, de acordo com seguinte relações: de 50% a 62% da onda 1.

27 Onda 3; Se relaciona com a primeira com as seguintes proporções: 1,618, 2,618 ou 4,236; Onda 4; Pode estar relacionada com a terceira, de acordo com as seguintes relações: de 24%, 38%, ou de 50% da onda 3;

28 Onda 5; Se relaciona com a primeira, de acordo com as seguintes proporções; 1,000, 1,618 ou 2,618.

29 Segundo Elliot as atividades humanas representam três aspectos distintos, padrão, tempo e razão. Seguindo essa analise Elliot chegou a conclusão de que uma tendência de alta ou baixa e composta por cinco ondas; sendo que as três primeiras correspondem a tendência predominante as seguintes a um ajuste ou correção. Ou seja apresentaria um sentido contrario as três primeiras.

30 Foi introduzida no país a partir dos anos 70 e suas teorias foram baseadas no modelo norte americano que tem o objetivo de identificação de tendências e ponto de reversão por meio da analise de informações anteriores Dentre os gráficos utilizados pela analise gráfica nas previsões futuras dos preços das ações os mais utilizados são:

31 Gráfico de linha ou simples: pode ser construído com base em distintas formas de cotações abertura,fechamento,máxima mínima e média..

32 Gráfico de volume: representa as seguintes unidades volume negociado,quantidade de lotes negociados e numero de negócios

33 Gráfico de barras: normalmente esses gráficas são muito utilizados em conjunto com gráfico de linha registra cotações ao longo de um período de tempo que são representadas linha vertical que liga os pontos de cotação máxima e mínima

34 Gráfico ponto-figura: só ocorre alteração em função do preço diferente do gráfico de barras que sofre alterações em função do tempo por isso ele pode ser considerado atemporal reflete oscilação expressiva no mercado.

35 Gráfico candlesticks: gráficos japoneses surgiu no século XVII proporcionam um a compreensão da piscologia do mercado especialmente do curto prazo esses gráficos mostram a interação entre vendedores e compradores as negociações com contratos futuros de arroz, cada período é representado por uma vela formada pelos preços de abertura e fechamento. Sendo final do pregão o preço de fechamento termina acima do preço de abertura o corpo da vela será transparente se estiver abaixo do preço de abertura ocorpo da vela será escuro.

36 Gráfico candlesticks

37 A tendência representa a direção para qual o mercado se movimenta. Nesse sentido, ela pode ser de alta, de baixa ou lateral. A explicação para existência dessas tendências é o desequilíbrio entre oferta e demanda.

38 Para estudo de tendências na analise gráfica utilizamos o traçado de linhas como ferramentas de apoio. O traçado de linhas possibilita o acompanhamento dos movimentos de alta e baixa das cotações, possibilitando com isso, a identificação dos sinais de modificação na direção.

39 Para avaliação da importância de uma linha de tendências devemos considerar 5 fatores: 1° - SUA PERIODICIDADE: quanto mais longa a periodicidade mais importante será a linha de tendência. 2° - SEU COMPRIMENTO : quanto mais duradoura for mais valida será a linha de tendência.

40 3° - O NUMERO DE VEZES QUE A LINHA DE TENDENCIA FOI TOCADA PELAS COTAÇÕES: quanto maior o numero de contatos das cotações com a linha de tendências, mais valida ela será. 4° - SUA INCLINAÇÃO: O ângulo de inclinação reflete a intensidade a intensidade emocional do grupo dominante. 5° - SEU VOLUME: Se o volume aumenta quando os preços se movimentam na direção da linha de tendências, eles confirmam essa tendência.

41 As principais linhas de tendências são a retas de suporte e resistência. Elas representam os níveis de cotações em que as compras e as vendas não são fortes o suficiente para seguir o movimento e portanto, revertem as tendências em queda ou alta.

42 GAP é uma área em um gráfico em que não há operações. Sua importância é resultante das conseqüências que podemos extrair do comportamento quando ocorre o GAP.

43 Figuras gráficas As formações gráficas são figuras que surgem pelas forças do mercado. Por meio delas podemos ter uma visão do que está por acontecer com as cotações, em função de suas características.

44 Principais figuras de reversão de tendência Formação ombro, cabeça, ombro:

45 Formação do gráfico ombro-cabeça-ombro Primeira fase: O preço aumenta sempre acompanhado de um volume crescente. Segunda fase: O preço volta a subir até um nível superior a primeira fase Terceira fase: Produz-se o terceiro aumento dos preços e o volume começa menor aumentando até o nível as primeira figura

46 Formação dos duplos e triplos tetos e pisos Primeira fase: alta de preços com aumento do volume e alcance de cotações máximas Segunda fase: O movimento é de queda até um nível não muito longe, queda considerável do volume sendo satisfeita a demanda. Terceira fase: O preço recupera-se e volta a alcançar o máximo,voltar a topar com resistência, o volume aumenta em relação a segunda fase.

47 Indicadores técnicos Indicadores de tendência Osciladores

48 Indicadores de tendência Médias moveis: As médias móveis são indicadores que possibilitam a analise dos movimentos dos preços de uma ação. É simples de construir e ao mesmo tempo objetivo. Para a construção da média móvel, é escolhido determinado período de tempo e calcula-se a média dos preços dos dias para preços de fechamento. É chamada móvel porque será sempre a média do ultimo período acompanhado.

49 A analise desse indocador é feita por meio de sinais apresentados. Sinal de compra: a linha de preço cruza a linha de média de baixo para cima; Sinal de venda: a linha de preço cruza a linha de média de cima para baixo.

50 Existem principalmente três tipos de média: Média simples: É calculada da mesma forma que uma média aritmética simples; Média móvel ponderada: Cada uma das cotações é ponderada por sua vez. Média exponencial: reune as vantagens das médias simples e ponderada. Prioriza as cotações mais recentes em relação as mais antigas.

51 Osciladores São linhas que flutuam em um movimento horizontal, que procuram demonstrar a velocidade que variam os preços de uma ação em relação as anteriores.

52 Momentum Mede a velocidade com que variam os preços das ações em relação aos anteriores. Seu caulculo é obtido com a diferença de preços num intervalo fixo de tempo. M = C - Cn Onde: C é Cotação de fechamento do ultimo pregão; Cn é cotação de fechamento desde n sessões. Se o M aumenta, é sinal de compra; Se o M diminui, é sinal de venda; Se o M permanece constante, representa perda de força da tendência, podendo haver mudança no sentido da mesma.

53 Índice de força relativa ( Relative Strenght Index) Mede a extensão na qual a ação tem tido um desempenho superior ou inferior ao mercado todo ou ao seu setor em particular. Possui um alto poder de predição já que detecta quando uma ação está supercomprada (overbought), sinalizando um momento de venda; ou supervendida (oversold) sinalizando um momento de compra. Seu cálculo requer no mínimo 14 pregões para termos uma idéia de representatividade. Onde: U, representa média de incremento de preços de fechamento em relação ao pregão anterior. D, representa média de acréscimos de preços de fechamento. Quando: RSI>70, a ação está supercomprada(momento de venda); RSI<70, a ação está supervendida(momento de compra).

54 Estocástico Mostra onde se encontra o preço de fechamento em relação a faixa formada entre os preços máximos e mínimos de um certo período. Fórmula: %K = (U – B) x 100 (A – B) Onde: U, é a ultima cotação; A, é a cotação mais alta do período; B, cotação mais baixa do período. Quando: %K > 80, sinal de venda; %k < 20, sinal de compra.

55 Indicador ADX Determina a direção da cotação com relação ao dia anterior. Quanto maior o ADX, mais forte o mercado. Permite determinar uma tendência e qual a sua força, não proporciona informações sobre a direção da tendência.

56 Acadêmicos: Alberto Lopes, Erlys dos Anjos, João Vinícius, Karinna Braz, Luiz Henrique, Matheus Tolentino e Walison Loiola


Carregar ppt "Acadêmicos: Alberto Lopes, Erlys dos Anjos, João Vinícius, Karinna Braz, Luiz Henrique, Matheus Tolentino e Walison Loiola CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google