A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Reflete a modernidade: - Industrialização acelerada - Vida urbana Haroldo de Campos; Augusto de Campos e Décio Pignatari.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Reflete a modernidade: - Industrialização acelerada - Vida urbana Haroldo de Campos; Augusto de Campos e Décio Pignatari."— Transcrição da apresentação:

1 Reflete a modernidade: - Industrialização acelerada - Vida urbana Haroldo de Campos; Augusto de Campos e Décio Pignatari

2 Concretismo (1956)

3 Poesia concreta Volta-se para a geração de 22 Valorização da forma e da comunicação visual, sobrepondo ao conteúdo; Recusa a poesia tradicional; Explora as diversas possibilidades de espaços visuais e a palavra em seus vários níveis.

4 verbivocovisual Semântico Sonoro Visual Poesia se transforma em OBJETO – Torna o poema uma realidade Plano piloto para a poesia concreta:

5 Poemas concretos

6

7

8

9 Poema Objeto - a eliminação de versos, frases; - a incorporação de figuras geométricas; - enfatizam o conteúdo visual e sonoro das palavras; - Retirada a importância dos sentimentos do eu- lírico.

10 Demais movimentos decorrentes do Concretismo: - Poesia Social - Poesia Neoconcreta - Poesia Práxis - Poesia Processo

11 poesia como instrumento de expressão social e política Poesia social (1957) – Grupo tendência Eu falo tu ouves ele cala. Eu procuro tu indagas ele esconde. Eu planto tu adubas ele colhe. Eu ajunto tu conservas ele rouba. Eu defendo tu combates ele entrega. Eu canto tu calas ele vaia. Eu escrevo tu me lês ele apaga. Autor: (Affonso Romano de Sant'Anna) CONJUGAÇÃO

12 Mostra a realidade do homem de forma complexa; Utiliza a linguagem escrita; Os sentimentos do eu-lírico são importantes. Luta contra a opressão e a injustiça social Poesia Neoconcreta (1959)

13 Ouvindo apenas e gato e passarinho e gato e passarinho (na manhã veloz e azul de ventania e ar vores voando) e cão latindo e gato e passarinho (só rumores de cão de gato e passarinho ouço deitado no quarto às dez da manhã de um novembro no Brasil) Ferreira Gullar Sentido das palavras: - Objetos - Nas ruas das cidades - Na noite - No sofrimento do povo - No cotidiano

14 Poesia práxis (1961) Retomou a palavra; considerava a palavra um organismo vivo, que gera o outro; deve ser energética e dinâmica; com um conteúdo de importância; Pode ser transformada e reformulada pelo leitor, permitindo uma leitura múltipla. - Retirada a Importância dos sentimentos do eu-lírico. ação

15 O TOLO E O SÁBIO O sábio que há em você não sabe o que sabe o tolo que não se vê. Sabe que não se vê o tolo que não sabe o que há de sábio em você. Mas do tolo que há em você não sabe o sábio que você vê.

16 Opõe-se ao discurso; poesia isenta de palavras; apela para o campo visual, através do uso de cortes e colagens e signos não-verbais; Não existe a palavra, apenas a linguagem visual; Poemas mais para serem vistos do que lidos; Assemelha-se as técnicas das histórias em quadrinhos. Poesia Processo (1967)

17 José de Arimathéia

18 Moacir Cirne

19 Álvaro de Sá

20

21 1. Crescer, de Arnaldo Antunes 2. Versão/interferência de Moacy Cirne

22 A linguagem é marcada pela busca da descrição do cotidiano Linguagem simples Humor, ironia Desprezo à elite e sociedade Características das obras de Oswald de Andrade Eram, na maioria dos casos, rodadas em mimeógrafos e entregues de mão em mão (folhetos, jornais, revistas, comícios poéticos) Poesia dos anos 70 Poesia Marginal

23 PAULO LEMINSKI RAZÃO DE SER Escrevo. E pronto. Escrevo porque preciso, preciso porque estou tonto. Ninguém tem nada com isso. Escrevo porque amanhece, E as estrelas lá no céu Lembram letras no papel, Quando o poema me anoitece. A aranha tece teias. O peixe beija e morde o que vê. Eu escrevo apenas. Tem que ter por quê? Suprassumos da Quintessência O papel é curto. Viver é comprido. Oculto ou ambíguo, Tudo o que digo tem ultrasentido. Se rio de mim, me levem a sério. Ironia estéril? Vai nesse ínterim, meu intramistério.


Carregar ppt "Reflete a modernidade: - Industrialização acelerada - Vida urbana Haroldo de Campos; Augusto de Campos e Décio Pignatari."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google