A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Capítulo 3 Análise do ambiente estratégico externo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Capítulo 3 Análise do ambiente estratégico externo."— Transcrição da apresentação:

1 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Capítulo 3 Análise do ambiente estratégico externo

2 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Todos os ambientes empresariais estão sujeitos a mudanças. Empresas de sucesso… Mantêm sua estratégia alinhada com as mudanças em seus ambientes e Antecipam as mudanças ativamente na demografia dos clientes, em tecnologias futuras, no potencial para novos produtos/serviços etc. e buscam reinventar seus setores. Mas… Muitos executivos não são capazes de enxergar mudanças relevantes em seu ambiente estratégico ou apreciar o impacto no futuro de seu negócio…

3 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição A principal mudança estratégica externa voltada para o século XXI Globalização. Demografia. Informação, tecnologia e conhecimento.

4 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição A competição se tornou global… Conforme a economia e a demografia das nações industrializadas forem amadurecendo, as oportunidades de crescimento nos mercados tradicionais diminuirão. A competição global apresenta ciclos econômicos sincronizados; aumentou o risco do negócio em todos os mercados; redefiniu as relações entre os setores público e privado; criou novos desafios estratégicos.

5 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Mas a globalização ainda é pouco entendida... Como um fenômeno/processo Existem muitos mitos a respeito da globalização Quanto a seu significado para o negócio A natureza dos desafios

6 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Três mitos sobre a globalização e uma conclusão…. Mitos O mundo se tornou verdadeiramente global. As principais dimensões da globalização são a econômica, a política e a tecnológica. A globalização é um jogo que não soma pontos. Conclusão: A globalização exige uma abordagem diferente…

7 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Mito 1 O mundo se tornou verdadeiramente global.

8 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Realidade: Medir a globalização… Quando se pode medir o que se fala e expressar isso em números, então sabe-se algo sobre o assunto. Lord Kelvin

9 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição O investimento/comércio global flui? Estados Unidos ou NAFTA União Européia Japão ou Ásia Em crescimento, mas pequeno como porcentagem do total Resto do mundo: Insignificante

10 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Negócio global? Uma prova da realidade… As 500 maiores corporações do mundo...* Estados Unidos: 192 Europa: 159 Japão: 88 Resto do mundo: 61 * Fonte: Fortune Global 500, 2003

11 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição O índice da globalização* Exemplos de perguntas: Até onde um país é global? A globalização está aumentando ou diminuindo? Qual é o impacto da Web na economia global? * Fonte: Foreign Policy Magazine, mar./abr Globalization Index TM. Copyright 2001, A.T. Kearney and Carnegie Endowment for International Peace.

12 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Pelo terceiro ano consecutivo, a Irlanda aparece como a nação mais global na pesquisa devido aos fortes vínculos econômicos e aos altos níveis de contato pessoal com o resto do mundo. A Europa Ocidental engloba 6 dos 10 países mais integrados globalmente. Os Estados Unidos ficaram entre os top 10, aparecendo em primeiro quanto ao número de servidores seguros e hosts de Internet per capita. Países da Europa Central e Oriental, a Australásia e o sudeste da Ásia também ficaram entre os primeiros. Integração econômica: comércio, investimento externo direto, fluxos de capital de portfólio e recebimentos de proventos. Conectividade tecnológica: usuários da Internet, hosts de Internet e servidores seguros. Contato pessoal: turismo e viagem internacional, tráfego telefônico internacional e transferências pessoais e remessas de valores (incluindo remessas de trabalhadores, compensação para funcionários e outras transferências de pessoa a pessoa e não-governamentais). Engajamento político: participação em organizações internacionais, contribuições financeiras e de pessoal para missões do Conselho de Segurança da ONU, tratados internacionais ratificados e transferências governamentais. Descobertas

13 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição A Irlanda aparece como a nação mais global Quem é o mais global?

14 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Mito 2 As principais dimensões da globalização são a econômica, a política e a tecnológica.

15 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Muitos assuntos da globalização têm sua origem na economia, na política ou na tecnologia. Exemplos: Investimento Externo Direto (IED), Regionalização

16 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Aspectos políticos do IED ainda têm um importante papel Visões políticas/ideológicas do IED. Custos/benefícios do IED para países de destino. Custos/benefícios do IED para países de origem. Políticas/opções do governo.

17 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Felizmente, a ideologia política do IED está mudando... Visão radical Nacionalismo pragmático Livre mercado Marxistas estabelecem que o IED não é desejável O IED tem custos/ benefícios; monitora/regula/avalia Economia clássica estabelece sem restrições

18 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Opções da política governamental Encorajar o IED (origem/destino): seguro de risco estrangeiro; ajuda de capital; subsídios/incentivos de impostos; pressão política. Desencorajar o IED (origem/destino): limitar a saída de capital; limitar a transferência de tecnologia; pressão política.

19 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Níveis da integração econômica União política União econômica Mercado comum União dos clientes Área de livre comércio NAFTA UE Nível de integração Área de livre comércio: todas as barreiras ao comércio de bens/serviços entre as nações membro retiradas. União dos clientes. Adicionalmente: política de negócio externo comum. Mercado comum. Adicionalmente: livre movimentação dos fatores de produção. União econômica. Adicionalmente: moeda comum, tributação harmonizada, políticas monetária e fiscal comuns. União política: Adicionalmente: coordenação burocrática acessível aos cidadãos das nações membro

20 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Mas outras dimensões estão se tornando cada vez mais importantes Negócios, IED, chamadas internacionais e fluxo da Internet servem como medidas úteis da interdependência global, mas… …nem todas as dimensões relevantes podem ser quantificadas por essa abordagem. Difusão de cultura e idéias. Forças além da capacidade das nações indiviaduais. Aquecimento global. Propagação de doenças infecciosas. Aumento de crime transnacional.

21 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Conceitos e efeitos contrários significantes desenvolveram… Aldeia global: necessidade de identidade. Preocupações ambientais. Justiça social e participação econômica. Regionalismo como uma defesa. Diminuição do poder dos estados percebida.

22 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Níveis de globalização versus expectativas de vida no nascimento Descoberta: pessoas de países mais globais tendem a viver mais. O mesmo se aplica quando apenas os países em desenvolvimento são examinados. Expectativa de vida

23 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Níveis de globalização versus níveis de participação religiosa. A integração global leva à secularização? Religião

24 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Níveis de globalização versus bem-estar das mulheres A globalização cria novas portunidades de trabalho para as mulheres? Sim. Bem-estar das mulheres

25 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição A globalização adquiriu uma nova dimensão Econômica Política Tecnológica Psicológica

26 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição A cultura é a manifestação mais visível da globalização, seja no que diz respeito ao surgimento de novas formas culturais (como a Disneylândia de Paris) ou à transformação de expressões culturais tradicionais em algo um pouco diferente (como os restaurantes McDonald's do Egito que servem o McFalafel). Globalização cultural?

27 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Mito 3 A globalização é um jogo que não soma pontos.

28 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Muitos aspectos econômicos da globalização ainda não são compreendidos Benefícios do comércio internacional? teorias mostram por que os países devem negociar produtos/serviços mesmo quando são capazes de produzi-los nacionalmente. Normas do comércio internacional? teorias mostram por que os países se especializam. Papel do governo? teorias ajudam a articular o papel da política governamental.

29 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição A evolução da teoria do comércio Pensamento inicial: Mercantilismo. Adam Smith: A teoria da vantagem absoluta, Ricardo: A teoria da vantagem comparativa, Teoria de Heckscher-Olin: século XX. Efeitos do ciclo de vida do produto. Nova teoria do comércio. Diamante de Porter: vantagem competitiva nacional.

30 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Pensamento inicial: Mercantilismo Tema básico: estimular as exportações, desestimular as importações (acumular ouro/prata). Principal ponto fraco: o comércio é visto como um jogo que não soma pontos. (Teorias posteriores mostraram que o comércio é um jogo que soma pontos.) Embora desacreditado como teoria, o pensamento mercantilista continua vivo: poder político = poder econômico = superávit da balança comercial...

31 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Adam Smith: vantagem absoluta Ataca a suposição do jogo que não soma pontos. Os países devem se especializar na produção de bens em que têm uma vantagem absoluta e trocar por outros com outros países.

32 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Ricardo: vantagem comparativa A teoria vai além de Adam Smith. Pergunta: O que acontece quando um país tem uma vantagem absoluta em todos os bens? R: Ainda faz sentido negociar, produzir apenas bens que podem ser os mais eficientes, trocar por outros... O princípio da vantagem comparativa

33 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Smith, Ricardo - Conclusões principais A produção potencial mundial é maior por meio do comércio não restrito em vez do restrito. Mantém-se mesmo ao abrandar suposições importantes: diminui o retorno da especialização; muda o investimento de recursos ou a eficiência dos recursos utilizados.

34 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Heckscher-Olin: explicação diferente, mesmo resultado Ricardo: vantagem comparativa origina-se de diferenças na produtividade. Heckscher-Olin: dotações de fator nacional são responsáveis. Quem está certo? Hecksher-Olin intuitivamente agradam, mas há um registro do caminho fraco ao explicar o comércio internacional (O paradoxo Leontief).

35 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Vernon: teoria do ciclo de vida do produto Conforme os produtos (mercados) amadurecem, tanto o local de vendas quanto a mudança da produção (ótima) afetam o padrão de exportações e importações. Para muitos, especialmente no que se refere a produtos tecnológicos, o padrão é o dos Estados Unidos. Outros países avançados. Nações em desenvolvimento.

36 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Nova teoria do comércio Origem: questionamento da suposição de diminuir o retorno da especialização. Em vez disso: a globalização estimula o aumento dos retornos da especialização? (economias de escala/escopo) O princípio da vantagem comparativa é enfraquecido pela vantagem do pioneiro? Pergunta: Isso estimula a política de negócio estratégico/ intervenção governamental?

37 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Diamante de Porter vantagem competitiva nacional Crescimento da nova teoria comercial. Foco em quatro atributos nacionais: dotação de fator; condições de demanda; setores de suporte e relacionados; estratégia, estrutura e rivalidade empresarial. Nota: Os governos podem influenciar os quatro.

38 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Determinantes da vantagem competitiva nacional: Diamante de Porter Estratégia, estrutura e rivalidade empresarial Condições de demanda Dotações de fator Setores relacionados e de suporte Oportunidade Governo

39 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Implicações para fazer negócio Localização da produção é uma importante variável. Ser pioneiro, embora arriscado, pode ter pagamentos substanciais. A política do governo pode ter importante influência na competitividade Tarifas Subsídios Cotas de importação (e restrições de exportação voluntárias) Requisitos de conteúdo local Políticas comerciais administrativas (obstáculos burocráticos)

40 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Demografia... Populações de nações em desenvolvimento estão ficando cada vez mais jovens; o Ocidente está envelhecendo rapidamente. Consequências: Duas forças de trabalho? Segmentação de mercado diferente? Pressões políticas públicas Questões de saúde Outras

41 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Informação, tecnologia e conhecimento O surgimento da economia do conhecimento. Consequências: Mudanças na natureza da oportunidade estratégica. Novos modelos de negócio Abundância em vez de escassez Localização reduzida (com exceção da distribuição) Mercado em vez de leis nacionais Mobilidade: capital humano

42 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Risco e incerteza: O conceito de arena de mudança Mudança esporádica Mudança contínua Ponto de inflexão estratégica (mudança descontínua) Sem mudança Forte Fraca Forças de mudança Forças de resistência

43 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Analisando a mudança: planejamento de cenário Quatro passos: 1. Definir os limites do esforço do planejamento. 2. Identificar as determinantes mais importantes do ambiente estratégico. 3. Construir um conjunto abrangente de cenários futuros. 4. Gerar previsões que permitam avaliar as implicações dos futuros alternativos para posturas e escolhas estratégicas.

44 Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Posturas estratégicas em relação à incerteza Modeladores: Impulsionam o setor em direção a uma estrutura que lhes seja benéfica. Adaptadores: Empresas que exibem uma postura mais reativa. Reserva-se o direito de arriscar: Empresas que fazem investimentos incrementais até que o ambiente se torne menos incerto.


Carregar ppt "Estratégia Uma visão executiva Pearson Education do Brasil 2ª edição Capítulo 3 Análise do ambiente estratégico externo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google