A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ARGUMENTAÇÃO. Aqui é Plínio Marcos, bandido também. Atenção, malandragem! Eu não vou pedir nada, só vou dar um alô. Te liga aí! Aids é uma praga que rói.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ARGUMENTAÇÃO. Aqui é Plínio Marcos, bandido também. Atenção, malandragem! Eu não vou pedir nada, só vou dar um alô. Te liga aí! Aids é uma praga que rói."— Transcrição da apresentação:

1 ARGUMENTAÇÃO

2 Aqui é Plínio Marcos, bandido também. Atenção, malandragem! Eu não vou pedir nada, só vou dar um alô. Te liga aí! Aids é uma praga que rói até os mais fortes. E rói devagarinho, deixa o corpo sem defesa contra a doença. Quem pega essa praga está ralado de verde e amarelo, do primeiro ao quinto, sem vaselina. Não tem doutor que dê jeito. Nem reza brava. Nem choro, nem vela. Nem ai Jesus. Pegou Aids, foi pro brejo...Agora, sento o aroma da perpétua: Aids passa pelo esperma e pelo sangue. Entendeu? Pelo esperma e pelo sangue. Eu Não estou te dando este alô pra te assombrar. Então, se toca! Não é porque tu tá na tranca que virou anjo. Muito pelo contrário, cana dura deixa o cara ruim. Mas é preciso que cada um se cuide. Ninguém pode valer pra ninguém esse negócio de Aids.

3 Então, já viu, transar, só de acordo com o parceiro e de camisinha. Tu aí que é metido a esculachar os outros, metido a ganhar o companheiro na força bruta, na congesta: pára com isso, senão tu vai acabar empesteado. Aids não toma conhecimento de macheza, pega pra lá e pega pra cá. Pega em homem, pega em bicha, pega em mulher, pega em roçadeira. Pra essa peste não tem bom: quem bobeia fica premiado. E fica um tempão sem saber...Daí, o mais malandro, no dia de visita, recebe mamão com açúcar da família e manda pra casa o Aids. E não é isso que tu quer, né, vago mestre? Então, te cuida! Sexo, só com camisinha.

4 Quem descobre que pegou a doença se sente no prejuízo e quer ir à forra, passando pros outros. Sexo, só com camisinha. Não tem escolha, transar, só com camisinha. Quanto a tu, mais chegado ao pico...Estou sabendo que ninguém corta o vício só por ordem da chefia. Mas escuta bem, vago mestre, a seringa é o canal pro Aids. No desespero, tu não se toca, não vê, não quer nem saber. Ás vezes, a seringa vem até com um pingo de sangue e tu mete ela direto em ti. Às vezes ela parece que vem limpona e vem com a praga. E tu, na afobação, mete ela direto na veia. Aí, tu dança. Tu, que se diz mais tu, mas não pode agüentar a tranca sem pico, te cuida. A farinha que tu cheira e a erva que tu barrufa enfraquecem o corpo e deixa tu chué da cabeça e dos peitos, e aí tu fica moleza pro Aids. Mas o pico é canal direto pra essa praga que está aí.

5 Então, malandro, se cobre! Quem gosta de tu é tu mesmo. A saúde é como liberdade. A gente só da valor pra ela quando ela já era. Plínio Marcos, Ei Amizade. Texto apresentado para os detentos na Casa de Detenção, em Sao Paulo).

6 A que o texto se propõe? Persuadir os detentos a se prevenirem da AIDS.Persuadir os detentos a se prevenirem da AIDS. ConscientizarConscientizar

7 Estratégias para isso Voz do texto se apresenta como um detento.Voz do texto se apresenta como um detento. Pontos no texto referem-se ao cotidiano, ao universo presente nas casas de detenção e penitenciárias.Pontos no texto referem-se ao cotidiano, ao universo presente nas casas de detenção e penitenciárias. Linguagem utilizada: gírias, oralidade leva a uma maior proximidade com o público alvo.Linguagem utilizada: gírias, oralidade leva a uma maior proximidade com o público alvo.

8 COMUNICAÇÃO Comunicar não é só transmitir informações, uma mensagem. É fazer o outro crer. Agir sobre o outro. Não é só um ato de fazer saber, mas fazer crer e fazer fazer.

9 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EMISSOR RECEPTOR Alguém que fala/escreve (1a pessoa) - EU Alguém que escuta/lê (2a pessoa) - TU MENSAGEM (O diálogo, texto) Traz uma idéia, visão de mundo que o emissor quer que o receptor faça ou acredite.

10 ARGUMENTO (...) razão, raciocínio que conduz à indução ou dedução de algo;(...) razão, raciocínio que conduz à indução ou dedução de algo; prova que serve para afirmar ou negar um fato;prova que serve para afirmar ou negar um fato; recurso para convencer alguém, para alterar-lhe a opinião ou o comportamento (...)recurso para convencer alguém, para alterar-lhe a opinião ou o comportamento (...) Fonte: Dicionário Houaiss Vem do latim argumentum, onde a raiz argu- significa fazer brilhar, iluminar.

11 Argumento é o procedimento linguístico que visa a persuadir, a fazer o receptor aceitar o que lhe foi comunicado, a levá-lo a crer no que foi dito e fazer o que foi proposto.

12 TIPOS DE ARGUMENTO 1.Argumento de autoridade

13 O FIO DO BIGODE Para nossos avós, o fio do bigode garantia a palavra empenhada. Não precisava de tabelião, firma reconhecida e testemunhas. Depilou, negócio fechado. Os bigodes rarearam, a palavra não. A Terra é filha da palavra, reza o Gênesis. O Evangelho segundo São João recorda: No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. Padre Vieira tem na agulha bala certeira: Palavras sem obras são tiro sem bala: atroam, mas não ferem. A funda de Davi derrubou o gigante, mas não o derrubou com o estalo, senão com a pedra. Para os súditos confiantes palavra de rei não volta atrás. O adágio prevalece para os presidentes da República, que são os reis de plantão durante os respectivos mandatos. O fraco rei faz fraca a forte gente. Secularmente adverte Camões. [...] Presidente Collor: esse negócio de palavra é fogo. Com fogo não se brinca, principalmente chefe de governo. FOLHA DE SÃO PAULO, 18 NOVEMBRO 1991, p. 1-3

14 Argumento de autoridade Citar autores renomados, autoridades num certo domínio do saber.Citar autores renomados, autoridades num certo domínio do saber. Usar citações mostra que o falante conhece bem o assunto que está discutindo, porque já leu o que sobre este assunto já pensaram outras pessoas.Usar citações mostra que o falante conhece bem o assunto que está discutindo, porque já leu o que sobre este assunto já pensaram outras pessoas.

15 TIPOS DE ARGUMENTO 1.Argumento de autoridade 2.Argumento baseado no consenso

16 A educação é a base do desenvolvimento. Os investimentos em pesquisa são indispensáveis, para que um país supere sua condição de dependência.

17 Argumento baseado no consenso O que todo mundo já sabe.O que todo mundo já sabe. Cuidado: evitar lugares-comuns:Cuidado: evitar lugares-comuns: O brasileiro é insolente A AIDS é um castigo de Deus Só o amor constrói

18 TIPOS DE ARGUMENTO 1.Argumento de autoridade 2.Argumento baseado no consenso 3.Argumentos baseados em provas concretas

19 É o que acaba de fazer, com dinheiro da Central de Medicamentos, Antonio Carlos dos Santos, presidente dessa estatal apanhado em flagrante de compras irregulares com custo bilionário. O leitor que me desculpe, mas se trata, ainda, da compra de litros de inseticida por Cr$ ,00, ao preço, portanto, de Cr$ ,00 por litro. Notícia cuja veracidade está comprovada no Diário Oficial de 19 de Abril e na nota de empenho com que o presidente da Ceme liberou a verba. FOLHA DE SÃO PAULO, 14 MAIO 1991, P.1-5

20 Argumentos baseados em provas concretas Opiniões pessoais (abstrato) têm pouco valor se não vierem acompanhadas de fatos (concreto). Ex: campanhas políticas. A administração Fleury foi ruinosa para o Estado de São Paulo (abstrato).

21 A administração Fleury foi ruinosa para o Estado de São Paulo porque deixou dívidas, junto ao Banespa, de 8,5 bilhões de dólares, porque deixou de pagar os fornecedores, porque acumulou dívidas de bilhões de dólares, porque inchou a folha de pagamento do Estado com nomeações de afilhados políticos, porque desestruturou a administração pública. (Concreto)

22 EVITAR GENERALIZAÇÕES Basta um caso ao contrário para derrubar qualquer generalização.Basta um caso ao contrário para derrubar qualquer generalização. Todo político é corrupto. Nenhum europeu toma banho Generalizar sem dados, ou com dados insuficientes, revelam nossos tabus e preconceitos.Generalizar sem dados, ou com dados insuficientes, revelam nossos tabus e preconceitos.

23 Não tomar o que é acidental, isto é, acessório ou ocasional como se fosse essencial, inerente, necessário.Não tomar o que é acidental, isto é, acessório ou ocasional como se fosse essencial, inerente, necessário. Exemplos: citar um erro médico, e dizer que todos os médicos são charlatães.

24 Cuidado com frases como… Político não presta.Político não presta. Brasileiro não sabe votar.Brasileiro não sabe votar. Pobre não gosta de trabalhar.Pobre não gosta de trabalhar. Engenheiro é bitolado.Engenheiro é bitolado. Artista vive em outro mundo.Artista vive em outro mundo. Jornal só conta mentira.Jornal só conta mentira. Funcionário público não trabalha.Funcionário público não trabalha. Roqueiros são todos drogados.Roqueiros são todos drogados.

25 Frases como essas, se aparecerem numa redação; ou numa apresentação oral formal (seminário) vão revelar um autor acrítico, bobo, preso a lugares-comuns num universo cultural muito pobre.

26 TIPOS DE ARGUMENTO 1.Argumento de autoridade 2.Argumento baseado no consenso 3.Argumentos baseados em provas concretas 4.Argumentos com base no raciocínio lógico

27 Além de ser mais chique, do ponto de vista ideológico, o seminário é mais cômodo para ambos os lados: nem o professor prepara a aula, nem o aluno estuda, e ambos entram com sua cota de participação crítica. O mais grave é que onde esse processo se instalou não há como revertê-lo, pois as facilidades se transformam em direito adquirido. (...)

28 Já que o mundo passa por uma histeria de volta ao passado, ao menos em relação ao que parecia futuro nos anos 60, talvez fizéssemos bem em rever grande parte das mudanças do ensino neste 30 anos. Porque os resultados, mesmo nas boas escolas, não parecem encorajadores. A ideologia do ensino crítico está produzindo gerações de tontos. A lassidão, o vale- tudo, a falta de autoridade professoral desestimula a própria rebeldia do estudante.

29 Argumentos com base no raciocínio lógico Relações de causa e consequênciaRelações de causa e consequência CUIDADOS: Muito fácil fugir do tema.CUIDADOS: Muito fácil fugir do tema. Do ponto de vista lógico, é falho. Porém, fugir do tema às vezes tem força de persuasão. Ex: políticos querendo sair pela tangente.Do ponto de vista lógico, é falho. Porém, fugir do tema às vezes tem força de persuasão. Ex: políticos querendo sair pela tangente.

30 CUIDADO: TAUTOLOGIAS O fumo faz mal à saúde porque prejudica o organismo.O fumo faz mal à saúde porque prejudica o organismo. Essa criança é mal-educada porque os país não lhe deram educação.Essa criança é mal-educada porque os país não lhe deram educação.

31 TIPOS DE ARGUMENTO 1.Argumento de autoridade 2.Argumento baseado no consenso 3.Argumentos baseados em provas concretas 4.Argumentos com base no raciocínio lógico 5.Argumento baseado na competência linguística

32 5. Argumentos com base na competência linguística: Não sou biólogo e tenho que puxar pela memória dos tempos de colegial para recordar a diferença entre uma mitocôndria e uma espermatogônia. Ainda lembro bastante para qualificar a canetada de FHC de defecatio maxima (este espaço é nobre demais para que nele se escrevam palavras de baixo calão, como em latim tudo é elevado...). FOLHA DE SÃO PAULO, algum dia em 1994.

33 Argumentos com base na competência linguística O modo de dizer as coisas dá credibilidade ao que se diz. Usar um português muito formal pode impressionar seu interlocutor/leitor. Fi-lo porque qui-lo (Jânio Quadros)

34 Referências Bibliográficas PLATÃO, Francisco Savioli & FIORIN, José Luis. Lições de texto.PLATÃO, Francisco Savioli & FIORIN, José Luis. Lições de texto.


Carregar ppt "ARGUMENTAÇÃO. Aqui é Plínio Marcos, bandido também. Atenção, malandragem! Eu não vou pedir nada, só vou dar um alô. Te liga aí! Aids é uma praga que rói."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google