A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

E.E.E.M. BERNARDO VIERA DE MELLO Tibete Paloma, Simone, Luana, Marcely Marques.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "E.E.E.M. BERNARDO VIERA DE MELLO Tibete Paloma, Simone, Luana, Marcely Marques."— Transcrição da apresentação:

1 E.E.E.M. BERNARDO VIERA DE MELLO Tibete Paloma, Simone, Luana, Marcely Marques

2 O Tibete é hoje uma província incorporada na República Popular da China, considerada por esta como região autónoma. Possui uma área de aproximadamente 1,2 milhões de quilômetros quadrados (com uma pequena parte, ainda a ser definida, de controle e domínio da Índia). Taiwan (República da China) também reivindica o domínio total da região. Sobre a questão da soberania tibetana, o governo da República Popular da China e o governo do Tibete em exílio discordam quanto à legitimidade de sua incorporação pela China.

3 História A história do Tibete teve início há cerca de anos. Em 127 a.C. uma dinastia militar fixou-se no vale de Yarlung e passou a comandar a região, perdurando-se esta situação por oito séculos. Por centenas de anos "belicistas" o Tibete investiu sobre terras vizinhas.127 a.C.vale de Yarlung Este comportamento mudou em 617, quando o imperador Songtsen Gampo - 33º rei do Tibete – começou a transformar a civilização feudo-militar em um império mais pacífico. Seu reinado durou até 701, e seu legado foi imenso: criou o alfabeto tibetano; escreveu e estabeleceu o sistema legal tibetano (baseado no princípio moral segundo o qual é valorizada a proteção do meio-ambiente e da natureza); favoreceu o livre exercício religioso do budismo, e; construiu vários templos (dentre eles destacam-se o Jokhang e o Ramoche).617Songtsen Gampo feudo701alfabeto tibetanomeio-ambiente naturezabudismoJokhang Ramoche

4 Política A Administração Central Tibetana (ACT), oficialmente a Administração Central Tibetana de Sua Santidade o Dalai Lama, é um governo em exílio encabeçado por Tenzin Gyatso, o décimo-quarto Dalai Lama, que reclama ser o governo legítimo por direito do Tibete. É comum ser chamado de Governo Tibetano no Exílio.exílio Tenzin GyatsoDalai Lama

5 Geografia O Tibete está localizado no Planalto tibetano, a região mais alta do mundo. A maior parte da cadeia de montanha do Himalaia encontra-se no Tibete. Seu pico mais conhecido, o Monte Everest, se encontra na fronteira entre Nepal e Tibete. A altitude média é de cerca de m no sul e m no norte.Planalto tibetanoHimalaiaMonte EverestNepal A atmosfera é severamente seca por nove meses ao ano, e o índice de queda de neve é extremamente baixo devido as massas de ar seco que chegam na região

6 O Tibete histórico consiste de diversas regiões: Amdo (A mdo) no nordeste, anexado pela China às províncias de Qinghai, Gansu e Sichuan.QinghaiGansuSichuan Kham (Khams) no leste, divisa entre Sichuan, norte de Yunnan e Qinghai. Yunnan Kham ocidental, parte da Região Autônoma do Tibete Ü-Tsang (dBus gTsang) (Ü no centro, Tsang no centro- oeste, e Ngari (mNga' ris) no extemo oeste), parte da Região Autônoma do Tibete.

7 Economia Em 2006, o Produto Interno Bruto(PIB) está previsto para atingir 29 bilhões de RMB, contra menos de 12 bilhões de RMB em A rápida expansão da economia tibetana resulta do investimento, consumo e comércio exterior. Em 2006, o valor do investimento nos ativos fixos do Tibet superou 23 bilhões de RMB. O consumo aumentou mais nos setores turístico, automobilístico, habitação e lazer. Além disso, a abertura ao tráfego da ferrovia Qinghai- Tibet e do aeroporto também contribuíram para o crescimento de comércio exterior do Tibet.

8 Língua tibetana A língua tibetana é falada em todo o vasto plateau tibetano, e também no Butão, partes do Nepal e norte da Índia (como em Sikkim). É normalmente classificada como uma língua tibeto-birmanesa, da família das línguas sino-tibetanas. A língua tibetana inclui numerosos dialetos regionais, que em geral são inteligíveis entre si.língua tibetanaButãoNepal ÍndiaSikkim línguas sino-tibetanas A diferenciação entre o tibetano entre outras línguas himalaias são muitas vezes indefinidas. Em geral, os dialetos da parte central do Tibete como o lassa, o kham, o amdo, e outras áreas próximas são considerados dialetos tibetanos, enquanto outras,

9 como o dzonga, siquimês, a língua sherpa e a língua ladakhi, são consideradas separadas por razões políticas. Tendo em vista esse entendimento dos dialetos e formas do tibetano, o tibetano "padrão" é falado por cerca de seis milhões de pessoas no plateau tibetano, bem como por mais de 150 mil de falantes em exílio na Índia e em outros países.dzongasiquimêslíngua sherpalíngua ladakhi

10 Arte do Tibete Arte tibetana se refere à arte do Tibete e outros atuais ou antigos reinos do Himalaia (Butão, Ladakh, Nepal, e Sikkim). A arte tibetana é primeiramente e fundalmentalmente uma forma de arte sacra, refletindo a forte influência do Budismo tibetano nessas culturas.arteTibeteHimalaiaButão LadakhNepalSikkim arte sacraBudismo tibetanoculturas

11 Música A música do Tibet é música que tem origem nos povos que constituem hoje o território ocupado pelos chineses. Sofre uma influência dos povos da Índia, Butão, Nepal, entre outros.músicachinesesÍndiaButãoNepal

12 A bandeira do Tibete foi introduzida em 1912 pelo 13º Dalai Lama que fundiu as bandeiras militares de várias províncias pa-ra resultar a atual. Desde então serviu co-mo bandeira militar Tibetana até Ho-je permanece o emblema da Administração Tibetana sediada em Dharamsala na Índia. Como símbolo do movimento de indepen- dência Tibetano foi banido na República Popular da China incluindo a região autô-noma do Tibete, que corresponde à antiga área controlada pelo governo tibetano em Lassa, bem como outras áreas no Tibete.Tibete191213ºDalai LamaDharamsala ÍndiaLassa Bandeira do Tibete

13


Carregar ppt "E.E.E.M. BERNARDO VIERA DE MELLO Tibete Paloma, Simone, Luana, Marcely Marques."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google