A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Melhores Práticas RUP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Melhores Práticas RUP."— Transcrição da apresentação:

1 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Melhores Práticas RUP

2 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Desenvolvimento Iterativo

3 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Por que desenvolver iterativamente? Riscos Tempo Requisitos Projeto Implementação Testes / Integração Cascata atrasa a resolução de riscos

4 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Por que desenvolver iterativamente? Riscos Tempo Iterativo Cascata Concepção Elaboração Construção Transição

5 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Desenvolvimento cascata atrasa a redução de riscos Início da integração 100% Tempo Progresso do projeto (% codificado) Deadline original Fonte: Software Project Management, Walker Royce

6 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Desenvolvimento iterativo antecipa a redução de riscos 100% Tempo Progresso do projeto (% codificado) Fonte: Software Project Management, Walker Royce Ciclo de vida tradicional Ciclo de vida iterativo

7 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Benefícios: Desenvolvimento iterativo lida com mudanças –Requisitos mudam Os usuários mudam de idéia durante o projeto –o contexto muda –aprende-se mais sobre o sistema, a tecnologia –Novas tecnologias podem ser incorporadas Como o produto é desenvolvido incrementalmente, uma nova tecnologia pode ser utilizada mesmo com o projeto em andamento

8 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Benefícios: O sistema é integrado contínua e progressivamente –A integração não ocorre em um grande big-bang no fim do projeto –Em Cascata, a integração do sistema pode levar 40% do esforço total no final do projeto –A integração é feita iterativamente em diversas etapas e trabalha com quantidades pequenas de elementos inicialmente

9 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Benefícios: Riscos são atacados cedo –Permite lidar e descobrir riscos cedo, ao invés de esperar pela última etapa do modelo Cascata –Cada iteração percorre todos os fluxos e exercita O uso de ferramentas A utilidade/limitação dos componentes de prateleira As habilidades (treinamento) das pessoas –Riscos conhecidos serão atacados e provados inofensivos enquanto novos riscos serão descobertos

10 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Benefícios: Aprendizado e melhoria –As equipes aprendem ao longo do projeto Diversas competências e especialidades são exercitadas a cada iteração Programadores, analistas, testadores, projetistas, etc. trabalham desde o início A necessidade de treinamento adicional ou ajuda externa é detectada cedo

11 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Benefícios: Aumenta reuso –O sistema é parcialmente projetado/implementado Facilita a identificação de partes reutilizáveis –Ao invés de ter de identificar todas as partes comuns de todo o sistema Facilita o uso de componentes de prateleira (COTS) –Várias iterações permitem selecionar e validar diversos produtos

12 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Benefícios: Produto mais robusto –Erros são corrigidos continuamente Falhas são detectadas e corrigidas desde as primeiras iterações –Problemas de desempenho são descobertos cedo, ao invés de identificá-los próximos da entrega –Funcionalidades críticas têm muitas oportunidades para serem testadas e melhoradas

13 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Benefícios: Prevê mudanças táticas –Por exemplo, permite lançar um produto com funcionalidades reduzidas, porém antes do concorrente

14 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Benefícios: Melhoria contínua de processo –A avaliação ao final da iteração analisa não apenas o progresso do projeto, mas também aspectos de melhoria de processo ou melhoria organizacional

15 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas Práticas: Desenvolvimento iterativo Com o modelo Cascata, tudo parecia sob controle até nos aproximarmos da entrega. Até que tudo desabava. Com a abordagem iterativa, é muito difícil esconder a verdade por tanto tempo.

16 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Arquitetura Baseada em Componentes

17 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes O que é arquitetura de software? –Organização da estrutura dos componentes mais significativos do sistema Que interagem através de interfaces São decompostos em componentes menores e outras interfaces. –É o projeto dos elementos que têm papel dominante para qualidades do sistema como desempenho ou extensibilidade, no longo prazo. –Um sistema complexo é mais que a soma de suas partes. Ele deve ter uma estrutura coerente (arquitetura) que unifique e organize as partes para permitir seu crescimento sem aumentar a complexidade.

18 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes No RUP –A arquitetura deve ser estabilizada na Elaboração Através de uma arquitetura implementável –Uma implementação parcial do sistema que demonstra a viabilidade da arquitetura –Como documentar a arquitetura? Através de diferentes visões > GUI Negócios Comunicação Dados BD Aplicação S.O. Middleware Hardware

19 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes No RUP –Visões da arquitetura Casos de uso Visão lógica Implementação Processo Distribuição GUI Segurança Dados Etc... Visões recomendadas pelo RUP

20 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes A descrição de arquitetura –Cada visão é um subconjunto dos modelos O documento da arquitetura deve ser uma reescrita dos modelos para torná-lo mais fácil de entender Stakeholders devem ser capazes de entender a arquitetura As visões são abstrações ou simplificações dos modelos que enfatizam as características mais importantes de cada modelo –Deve ser analisada, projetada, implementada e testada na Elaboração –Ao final da Elaboração, o arquiteto deve estar apto a afirmar: Eu sei que posso construir o resto do sistema sem encontrar nenhum problema técnico crítico.

21 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Visão de Casos de Uso –Ilustra os casos de uso e cenários arquiteturalmente importantes Como toda visão de arquitetura, é um subconjunto do modelo completo Extrato TransferênciaLogin

22 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Visão Lógica –Ilustra os subsistemas, pacotes ou classes arquiteturalmente relevantes –Tanto aspectos estruturais como aspectos dinâmicos são projetados –Pode envolver diagramas de Classes Estados e Interação Objetos Financeiro Estoque Contabilidade

23 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Visão Implementação –Captura decisões de implementação Diagrama de dependências entre subsistemas (relação de import) Organização dos componentes –Auxilia Na alocação das equipes (ou terceiros) que realizarão as atividades Na estimativa do tamanho do sistema Na descoberta de oportunidades de reuso Arquivo fonte > Executável

24 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Visão de Processos –Ilustra a decomposição do sistema em termos de processos relevantes arquiteturalmente –Inclui o mapeamento de classes e subsistemas em processos e threads –Representado por diagramas de classes e objetos que contenham processos ou threads Caixa Eletrônico ControladorGUI ConexãoServidor ControladorDispositivos

25 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Visão de Distribuição –Provê entendimento da distribuição física do sistema através de vários nós da rede –Os objetos responsáveis por controle de processamentos podem ser alocados a cada nó A capacidade do nó em processar o objeto e a capacidade de conexão dos nós (por exemplo, a largura da banda) devem ser considerados :Contribuinte :Cliente :Browser :ServidorReceita :Controle Transacao :Impressora :ServidorBD :Controle Declarações Internet Rede local

26 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Um processo ingênuo para definição de arquitetura –Primeiro, preocupe-se com a infra-estrutura geral O sistema deve seguir alguma norma, padrão, política ou lei? O sistema tem que se conectar com algum sistema legado? Será utilizado algum middleware? Quais serão os sistemas operacionais? Qual será o SGBD? Existe a necessidade de se conectar com um hardware específico? Se sim, quais são seus drivers? Descreva os nós e suas conexões (visão de distribuição) –Apenas um entendimento geral do domínio da aplicação é necessário

27 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Um processo ingênuo para definição de arquitetura –Depois, preocupe-se com a infra-estrutura específica da aplicação Quais os casos de uso mais relevantes? (Visão de Casos de Uso) Quais os processos mais importantes? (Visão de Processos) Como o sistema será modularizado (quais são os subsistemas)? (Visão Lógica) Qual a relação dos componentes de implementação e elementos de projeto? (Visão de Implementação)

28 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Um processo ingênuo para definição de arquitetura Aplicações Gerais Políticas Normas Leis Requisitos não-funcionais Sistemas legados Padrões Middleware SGBD Sistema Operacional Drivers Sistema de rede Aplicações Específicas Visão de Distribuição Visão de Casos de Uso Visão de Processos Visão Lógica Visão de Implementação

29 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Um processo ingênuo para definição de arquitetura –A cada projeto o processo pode dar ênfase a aspectos ou visões diferentes Depende do projeto –A arquitetura não é apenas documentada, mas implementada (arquitetura executável) A implementação e teste demonstram sua viabilidade –Desenvolve-se a arquitetura até se adquirir confiança que ela suporta casos de uso Hoje E suportará novos casos de uso no futuro –Enquanto a arquitetura não estiver estável, o projeto ainda não tem maturidade para iniciar a fase de Construção

30 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Arquiteturas não especificam todos os detalhes do sistema –Apenas dão uma perspectiva da organização geral do sistema –Estão relacionados com a estrutura dos componentes principais (de alto nível) do sistema, seu comportamento e qualidades como Usabilidade, desempenho, flexibilidade, reusabilidade, entendimento, extensibilidade, etc. As 5 visões podem não ser suficientes e completas em todos os projetos Mesmo quando a empresa possui um padrão de arquitetura –Isto não elimina a fase de projeto da arquitetura

31 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes O que é um componente? –"Um pedaço de software Não trivial Substituível Praticamente independente Com funcionalidade e escopo bem definidos." Rational –Por exemplo: módulo, pacote ou subsistema

32 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Desenvolvimento baseado em componentes –Buy, do not build! Fred Brooks Constrói sistemas através da integração de componentes de software previamente existentes Melhora a flexibilidade e manutenibilidade dos sistemas Potencialmente, reduz os custos de desenvolvimento e permite montar sistemas rapidamente –Aumenta o reuso evitando reescrita de código Escrita de código (programação) Escrita de código (programação) Montagem de software (componentização) Montagem de software (componentização)

33 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Componentes comerciais (COTS – Commercial Off-The-Shelf) VantagensDesvantagens Custo previsível (licença)Upgrade freqüente ou upgrade interrompido Amplamente utilizada, tecnologia madura Pagamentos adiantados Disponível imediatamenteTaxas freqüentes de manutenção Existe uma empresa dedicada ao suporte Dependência com o fornecedor Independência de hardware/software Eficiência pode ser sacrificada Rico em funcionalidadesRestrições de funcionalidades

34 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Componentes comerciais (COTS – Commercial Off-The-Shelf) VantagensDesvantagens Não há controle sobre upgrades ou sobre a manutenção Algumas (ou várias) funcionalidades podem consumir recursos desnecessariamente Confiabilidade ou estabilidade podem ser inadequados Incompatibilidade com outros fornecedores Fonte: Software Project Management Walker Royce

35 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Queremos o melhor dos dois mundos Componentes Arquitetura bem documentada e definida em termos de

36 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Arquitetura + Componentes –Uma arquitetura modular permite Isolar Projetar Desenvolver Testar Integrar componentes bem definidos –Alguns componentes podem ser desenvolvidos para se tornarem reusáveis nos próximos projetos –Muitos componentes podem ser encontrados na indústria –Evolução no desenvolvimento de software

37 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Arquitetura baseada em componentes Boas arquiteturas são –Flexíveis Reuso significativo Clara divisão de trabalho entre os times Melhora manutenibilidade e extensibilidade Encapsulamento de hardware e dependências de sistemas –Baseadas em componentes Reuso ou customização de componentes existentes Escolha de componentes de prateleira Evolução incremental dos software existentes

38 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Controle de Mudanças

39 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Controle mudanças Contexto atual –Vários desenvolvedores –Diferentes equipes –Equipes em diferentes locais Trabalhando juntas –Em várias iterações –Em vários releases –Em vários produtos –Em diferentes plataformas Sem controle de mudanças, o desenvolvimento pode facilmente degenerar para o caos.

40 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Controle mudanças Deve-se ter procedimentos bem definidos –Melhora a alocação de recursos baseado em determinadas prioridades ou riscos –Se usado em uma abordagem iterativa, permite contínuo monitoramento de mudanças e, conseqüentemente, rápida descoberta de problemas

41 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Controle mudanças Benefícios –O fluxo de mudanças de requisitos é bem definido e repetível –Requisição de mudanças permite uma comunicação mais eficiente –Áreas de trabalho isoladas diminuem as interferências entre equipes trabalhando em paralelo –Estatísticas sobre taxa de alterações de artefatos fornecem uma boa métrica para avaliar o status do projeto –A propagação da mudança é avaliada e controlada –Mudanças podem ser mantidas em um sistema robusto e configurável

42 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Gerência de Requisitos

43 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos O que é um requisito? –Especifica o que deve ser implementado. Descreve o comportamento do sistema, uma propriedade ou atributo. Ian Sommervile e Pete Sawyer (Requirements Engineering – A Good Practice Guide) –Uma condição ou capacidade com a qual o sistema deve ter conformidade. Rational Gerência de requisitos –Abordagem sistemática para Levantar, organizar e documentar requisitos Estabelecer e manter um acordo entre o cliente e os desenvolvedores a respeito de mudanças de requisitos

44 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Requisitos e suas dependências Requisitos Stakeholders Documentos da organização Projeto

45 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Problemas com requisitos? –Requisitos não são sempre óbvios –Possuem diferentes fontes –Existem diferentes tipos e em diferentes níveis de detalhe –O número de requisitos pode se tornar intratável –Relacionam-se com outros requisitos e outros documentos e pessoas –Possuem propriedades únicas. Não são todos igualmente importantes nem fáceis de implementar –Podem estar relacionados a diferentes interesses de diversos stakeholders –Requisitos mudam

46 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Como contra-atacar? Analise o problema –Entenda o problema por trás dos requisitos e proponha soluções em alto nível –Chegue a um acordo com todos os envolvidos no projeto em relação ao problemas reais da organização e sobre quem são os stakeholders –Defina o escopo da solução

47 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Como contra-atacar? Entenda as necessidades dos stakeholders –Possíveis fontes de requisitos Clientes, parceiros, usuários, especialistas do domínio –Temos que descobrir Quem são os stakeholders Como conseguir acesso a eles Qual a melhor abordagem para adquirir informações dos stakeholders –Ao final, uma lista de requisitos ou necessidades é produzida com prioridades relativas entre eles

48 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Como contra-atacar? Defina o sistema –Traduzir as necessidades dos stakeholders em um sistema a ser desenvolvido –Eventualmente pode-se implementar protótipos ou modelos de projeto relacionados aos requisitos mais importantes. –Produz-se como saída uma descrição do sistema

49 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Como contra-atacar? Gerencie o escopo do projeto –A priorização dos requisitos é fundamental Desenvolvedores devem manter-se focados em tarefas que atacam riscos ou estabilizam a arquitetura O escopo de cada iteração deve ser negociado com os stakeholders para garantir a resolução de riscos o mais cedo possível

50 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Como contra-atacar? Refine a definição do sistema –A definição detalhada do sistema deve ser apresentada de forma simples para que os stakeholders entendam, concordem e se comprometam com o documento –Deve conter Funcionalidades Conformidade com padrões, leis, regulamentos Requisitos não funcionais (usabilidade, confiabilidade, desempenho, etc.) –Utilize casos de uso Contam uma estória de como o sistema será utilizado Colocam requisitos em um contexto de uso e comunicam eficientemente requisitos com os stakeholders

51 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Como contra-atacar? Gerencie mudanças –Requisitos vão mudar –Mudanças causam Trabalho para implementar as mudanças Impacto em outros requisitos –Rastreamento Controle de mudanças é essencial Requisitos têm que estar estruturados de forma flexível e que seja fácil de estender Defina procedimentos claros para mudanças Identifique quais dependências são importantes rastrear

52 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Gerência de requisitos Como contra-atacar? Desenvolva baseado em casos de uso –Ao invés de ter uma lista de requisitos, organize-os na forma de uma estória que conte como se utiliza o sistema (casos de uso) –Contribui para completude e consistência –Facilita o entendimento e a visualização de um requisito do ponto de vista do usuário –Casos de uso fazem a ligação entre diversos fluxos (requisitos, análise e projeto, implementação, teste, planejamento e gerenciamento, implantação)

53 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Modelagem Visual

54 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Modelagem visual O que é um modelo? –Uma simplificação da realidade sob um determinado ponto de vista É necessário para auxiliar nosso entendimento de um sistema complexo UML (Unified Modeling Language) –Notação padrão para modelagem de software Especificação, visualização, construção e documentação –Contém diversos diagramas que exploram diferentes perspectivas de um sistema –Definido através do consórcio OMG (Object Management Group)

55 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Modelagem visual Capturam a estrutura e o comportamento de arquiteturas e componentes Mostram como os componentes se encaixam Podem abstrair ou detalhar componentes de acordo com o propósito do modelo Mantém consistência entre projeto e implementação Promove comunicação não ambígua em comparação com linguagem natural

56 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Verificação da Qualidade

57 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Verificação de qualidade Qualidade é uma característica identificada por –algo que satisfaz ou excede os requisitos –foi avaliado de acordo com medidas e critérios previamente definidos –foi produzido por um processo previamente definido

58 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Verificação de qualidade Qualidade é multi-dimensional –Confiabilidade Robustez, uso de recursos, integridade de código e estrutura –Funcionalidade Habilidade para executar os casos de uso como especificados –Desempenho Tempo de execução do sistema –Acesso a dados –Chamada de funções –Chamada ao sistema –Carga de dados em ambiente de produção –Progresso Casos de uso finalizados ou marcos alcançados –Variação Diferenças entre planejado e executado

59 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Boas práticas: Verificação de qualidade Qualidade não pode ser alcançada se não for –Descrita –Medida –Parte de um processo Qualidade pode ser medida de formas diversas –As métricas são definidas para se atingir as metas do projeto, da organização e do cliente Qualidade não é atingida por si só –Deve haver um processo implementado, usado e medido A gerência de qualidade no RUP é implementada em todos os fluxos, fases e iterações.

60 Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Melhores Práticas RUP


Carregar ppt "Faculdade 7 de Setembro – Sistemas de Informação Engenharia de Software – Prof. Ciro Coelho Melhores Práticas RUP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google