A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR II. Elementos que influenciam a compra 1. Condicionantes internos explicativos do comportamento do consumidor 1.1 Necessidades,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR II. Elementos que influenciam a compra 1. Condicionantes internos explicativos do comportamento do consumidor 1.1 Necessidades,"— Transcrição da apresentação:

1

2 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR II. Elementos que influenciam a compra 1. Condicionantes internos explicativos do comportamento do consumidor 1.1 Necessidades, motivações e desejos A necessidade A carência As motivações Os desejos

3 Quando realizamos uma compra, dependendo do produto que queremos adquirir, podemos desenvolver diferentes mecanismos de decisão. No entanto, existe um factor comum a todos os mecanismos de decisão: a influência que exercem sobre esse processo variáveis internas ou externas. A sua influência é tanto maior quanto mais complexa é a tomada de decisão de compra. As variáveis internas e externas poderão ser de vária ordem: Estruturas internas do consumidor II. Elementos que influenciam a compra COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Carência Necessidade Motivação Desejos Percepção Atitude Aprendizagem Personalidade Estruturas externas do consumidor Economia Demografia Cultura Classes sociais Grupos sociais Grupos de referência Família Líderes de opinião

4 Qualquer um de nós pode fazer uma lista de objectos desejados e pelos quais estaríamos dispostos a fazer sacrifícios. Diz-se que a pessoa que está nesta situação está motivada. No campo das Ciências Sociais, encontramos vários termos como necessidades, desejos, impulsos, instintos, motivações... Para o mesmo estado de espírito. No entanto, nem todos os termos são sinónimos, mas todos se aplicam a uma força interna que influencia o comportamento do indivíduo com o objectivo de procurar um qualquer tipo de satisfação. O ponto de vista do estudo do comportamento do consumidor consiste em identificar as forças e mecanismos subjacentes a estas forças. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 1. Condicionantes internos explicativos do comportamento do consumidor Os investigadores propuseram uma visão homeostática do ser humano: em estado de repouso, o indivíduo encontra-se em equilíbrio e não orienta o seu comportamento para nenhuma acção em particular. Mas o equilíbrio pode quebrar- se devido a um estímulo, interno ou externo. Neste caso, o indivíduo dá origem a um conjunto de comportamentos susceptíveis de satisfazer essa necessidade emergente. Uma vez cumprido esse objectivo, a tensão desaparece e volta ao estado de equilíbrio.

5 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 1. Condicionantes internos explicativos do comportamento do consumidor Divergem também quanto à utilização de conceitos: carências, necessidades, motivações, desejos e implicações... Apesar daqueles conceitos terem significados sinónimos, não não iguais. Podemos agrupar todas as teorias seguintes num grande grupo teórico, que estuda as forças internas que influem no comportamento do consumidor – as teorias da motivação. Apesar de todos os investigadores estarem de acordo no que se refere à existência de forças internas que interferem no comportamento do indivíduo, divergem quando se trata de identificar a natureza e dinâmica destes processos.

6 Todos nós, em diferentes momentos ao longo da vida sentimos carências... Sentimos que precisamos de preencher um vazio ou insuficiência. A partir desse momento temos uma necessidade, que tentaremos satisfazer da forma mais rápida e eficiente possível. Quando a exigência de satisfação é muito elevada procuramos toda a informação que for preciso para alcançar o nosso objectivo, de maneira que aparece em nós uma motivação. Após aquela fase, a nossa necessidade adquire um nome, ou seja, percebemos que a nossa carência só pode ser satisfeita com um determinado produto concreto, aqui já estamos perante os desejos. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 1.1 Necessidades, motivações e desejos

7 A carência pode definir-se como uma deficiência fisiológica sentida de forma irracional que se não for satisfeita pode pôr em perigo a vida do indivíduo. Em muitas ocasiões confunde-se o conceito de carência com o de necessidade, o que conduz a muitos erros em termos de marketing. Pois, o que em algumas sociedades pode parecer uma necessidade básica, noutras não será encarada como tal, não se considerando que aquela necessidade é essencial à sobrevivência. A carência afecta o nível mais básico da vida do indivíduo, está ligada à componente mais irracional e animal que existe em nós. Assim podemos distinguir vários tipos de carência: Movimento COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR A carência Alimentos Líquidos Ar puro Descanso

8 Quando se chega a um determinado grau de carência, quando esta é muito intensa, transforma-se numa necessidade. A carência transformar-se-á em necessidade dependendo da resistência de cada indivíduo e das suas experiências no que respeita à satisfação de determinadas necessidades. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades As necessidades têm uma raiz biológica, mas podem estar condicionadas pelo meio social. O que é considerado necessário num país, pode não ter importância nenhuma noutro. O marketing actua sobre as necessidades criando produtos para satisfazê-las, portanto deve estar dependente do mercado para detectar as novas necessidades que possam surgir. Por outro lado, as necessidades constituem a base do posicionamento do produto. Serão as necessidades os factores orientadores dos objectivos da publicidade e da comunicação da empresa.

9 Freud foi, provavelmente o primeiro investigador a ressalvar a importância da não-racionalidade do homem dando conta das motivações inconscientes não directamente observáveis mas dedutíveis através de análise que podem influenciar o comportamento humano. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades Segundo Freud a criança vem ao mundo movida por desejos instintivos os quais se esforça por satisfazer através de diferentes meios, como gritos ou mímica. A criança dá-se conta rapidamente que não pode obter uma satisfação imediata das suas necessidades. O estado de frustração leva-a a pôr em acção mecanismos mais subtis de gratificação. À medida que cresce, o seu funcionamento psíquico complexifica-se. Uma parte do seu ser psíquico continua a ser o lugar das motivações e impulsos internos, Outra parte, o eu constitui-se como centro da busca de saídas que podem levar à satisfação das suas necessidades. Uma terceira parte, o super eu canaliza os instintos em manifestações socialmente aceitáveis, com o objectivo de evitar sentimentos de culpabilidade ou de vergonha.

10 A culpabilidade e a vergonha que um indivíduo experimenta em relação aos seus desejos, e particularmente aos desejos sexuais, provoca a repressão daqueles. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades Os desejos são, então negados ou expressos através de processos da projecção, que consiste em querer ser como as pessoas pelas quais temos admiração. Podem ser também expressos em processos de sublimação que consistem em deslocar uma descarga de energia num terreno aceite socialmente. A influência da perspectiva freudiana no marketing e na publicidade tem sido considerável, ao nível das ideias e dos métodos. No terreno comercial, o mérito das teorias deste autor foi o de tornar relevante a dimensão simbólica e não só funcional do consumo. As pessoas não compram os produtos apenas pelas suas prestações mas também pelo que significam socialmente pela sua forma, cor, nome/marca...

11 Muitos dos discípulos de Freud conservaram a noção das motivações inconscientes (necessidades) mas centraram-se em instintos diferentes dos apontados pelo autor, nomeadamente os sexuais. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades Adler, por exemplo ressalvou a importância do complexo de inferioridade, nascido do estado de dependência que caracteriza a primeira infância. Horney assinalou o papel importante que desempenha a ansiedade. Estes estudos motivacionais trouxeram ao comportamento do consumidor informações importantes. Estudos revelaram que a compra de automóveis desportivos esconde um complexo de inferioridade, ou que compramos produtos de marcas conhecidas para diminuir o risco de compra.

12 Nos finais dos anos 30, o psicólogo Henry Murray propôs uma lista de 28 necessidades fundamentais, das quais as mais importantes são: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades 1.Necessidade de adquirir: desejo de possuir produtos ou serviços; 2.Necessidade de realização: de superar obstáculos, de exercer responsabilidades, de lutar para conseguir algo a longo prazo... 3.Necessidade de exibição: desejo de atrair a atenção dos outros, de emocionar, de surpreender... 4.Necessidade de dominar: influenciar ou controlar os outros, persuadir, proibir, dirigir, de organizar a vida em grupo... 5.Necessidade de afiliação: necessidade de fazer amigos, de pertencer a grupos... 6.Necessidade de brincar/divertir: evitar tensões através do divertimento; 7.Necessidade de ordem: necessidade de organizar, de ser limpo, de ser preciso e escrupuloso...

13 Nos finais dos anos 30, o psicólogo Henry Murray propôs uma lista de 28 necessidades fundamentais, das quais as mais importantes são: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades 8. Necessidade de reconhecimento: necessidade de suscitar favores, de ressaltar os seus valores, de procurar distinção Necessidade de deferência: necessidade de admirar e seguir por vontade própria um superior, de cooperar com um líder, de servir; 10. Necessidade de autonomia: desejo de resistir a influências ou coacções, de desafiar a autoridade e de procurar a liberdade; 11. Necessidade de agressão: atacar e injuriar, de provocar dano, de acusar, de castigar... Este tipo de listas são bastante úteis. Propõem pistas explicativas do consumo de produtos, ou também para analisar a estrutura de um mercado.

14 Das múltiplas classificações que se realizaram sobre as necessidades, a mais simples e conhecida é a de Abraham Maslow. O autor procurava explicar porque certas necessidades impulsionam o ser humano num momento determinado. Este facto levou-o a estabelecer uma hierarquia entre elas. As necessidades segundo Maslow, aparecem de forma sucessiva, começando pelas mais elementares ou inferiores, de tipo fisiológico. À medida que se vão satisfazendo em determinado grau, vão aparecendo outras de nível superior, de natureza mais psicológica. O acesso dos indivíduos às necessidades de nível superior depende do seu nível de bem-estar. Todas as pessoas têm necessidades básicas, no entanto, não significa que cheguem a ter necessidades de auto-realização. Por outro lado, a ordem que Maslow estabelece não é totalmente rigorosa, já que pode dar-se o caso de haver indivíduos que preferem sacrificar a satisfação de necessidades básicas por outras de ordem superior. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades

15 A teoria de Maslow baseia-se em três hipóteses: 1.O indivíduo tem numerosas necessidades. Estas são de importância diferente e podem ser hierarquizadas. 2.O indivíduo procura em primeiro lugar a satisfação da necessidade que lhe parece mais importante. 3.Uma necessidades deixa de existir (pelo menos durante algum tempo) depois da sua satisfação e o indivíduo procura, neste caso, a satisfação da necessidade seguinte. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades O autor propõe a seguinte classificação das necessidades: 1.Necessidades fisiológicas 2.Necessidades de segurança 3.Necessidades de pertença 4.Necessidades de estima 5.Necessidades de auto-realização.

16 Maslow distingue cinco tipos de necessidades: Hierarquia das necessidades segundo Maslow COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades AUTO-REALIZAÇÃO Necessidades para a realização pessoal SEGURANÇA Necessidades de protecção, ordem PERTENÇA E AMOR Necessidades de afecto, pertença a um grupo e aceitação ESTIMA Necessidades para auto-respeito, reputação e prestígio FISIOLÓGICAS Necessidades de alimentação, movimento, descanso

17 Necessidades fisiológicas São as primeiras que aparecem no ser humano. A sua satisfação é fundamental para a sobrevivência do indivíduo. Muitas delas são ignoradas porque são quotidianas, porém, são a base de muitas actividades económicas, e não se podem satisfazer põem em perigo a vida do indivíduo. Têm uma correspondência com as carências e são as seguintes: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades Necessidade de movimento: é básica para a sobrevivência tanto na sua dimensão inconsciente como consciente. Necessidade de ar puro: a satisfação da necessidade de respirar é feita de forma inconsciente, porém não é menos importante. Necessidade de alimentação: é uma das necessidades mais evidentes. Necessidade de temperatura adequada: é a necessidade de abrigo para certas zonas mais frias ou de ventilação nas zonas mais quentes. Necessidade de descanso: esta função permite ao organismo recuperar as energias que gastou durante o dia e descansar tanto física como mentalmente. Necessidade sexo: apesar de não ser uma necessidade básica para a sobrevivência do indivíduo é-o para a sobrevivência social pois determina a sobrevivência da espécie. Assumiu uma grande importância para a publicidade.

18 Necessidades de segurança Estas necessidades aparecem quando as anteriores estão satisfeitas. Não procuram a satisfação imediata, mas centram a sua satisfação no futuro. Têm a ver com o facto de o ser humano procurar, de todas as formas, preservar a sua integridade física e psicológica. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades

19 Necessidades de pertença e amor Uma vez satisfeitas, em certa medida as necessidades fisiológicas e de segurança, surgem as afectivas. Estas necessidades levam o indivíduo a relacionar-se com os outros membros da sociedade, procurando afecto ou algum tipo de relacionamento com o outro. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades

20 Necessidades de estima Como afirma Maslow, todas as pessoas normais sentem a necessidade ou desejo de uma avaliação estável, firmemente baseada e alta da sua personalidade, necessitam de auto-respeito e de apreço dos outros. Estas necessidades levam, por um lado, a um desejo de força, realização, suficiência, domínio, competência, confiança, independência e liberdade; e por outro, a um desejo de prestígio, reconhecimento, importância ou apreço. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades Maslow argumenta que a satisfação destas necessidades conduz a sentimentos de auto-confiança, de ser útil e necessário. Mas a frustração das mesmas produz sentimentos de inferioridade, debilidade que, por sua vez, dão lugar a reacções desanimadoras e inclusivamente neuróticas.

21 Necessidades de auto-realização É o nível mais alto das necessidades que só será atingido, segundo o autor, depois das necessidades fisiológicas, de segurança, de pertença e de estima, encontrarem, de certa forma uma satisfação aceitável. Supõe a realização integral do potencial próprio. Pode manifestar-se tanto em aspectos de desenvolvimento físico, como psicológico ou social. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades

22 Em muitas ocasiões, através dos esforços de marketing, uma necessidade que não tinha sido ainda reconhecida pelo indivíduo de forma consciente, pode tornar-se latente. O marketing pode sugerir ao indivíduo que o produto ou serviço que lhe oferece vai resolver os seus problemas e satisfazer a suas necessidades. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações Conhecer qual é o motivo que move o consumidor é vital para desenhar as estratégias de comunicação que vão tornar consciente essa necessidade.

23 As motivações associam-se muitas vezes às necessidades e desejos, no entanto, existem diferenças substanciais. A necessidade converte- se num motivo quando alcança um nível adequado de intensidade. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações Pode definir-se a motivação como a busca de satisfação da necessidade, que diminui a tensão ocasionada por ela. Também as motivações estão muito ligadas às necessidades, uma mesma necessidade pode dar lugar a distintas motivações e vice- versa. Por exemplo, uma necessidade fisiológica, como a de alimentar- se, pode originar uma motivação fisiológica, ou passar a uma motivação de estima, quando a sua satisfação é feita num restaurante de luxo e não num restaurante vulgar.

24 O comportamento motivado provem, normalmente, de uma necessidade não satisfeita e obtém-se através de diversos incentivos que podem estar representados por produtos, serviços ou pessoas. Os incentivos que motivam os consumidores face à acção podem ser positivos ou negativos: os consumidores movem-se face aos positivos e tentam evitar os negativos. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações O estudo da motivação tenta responder à questão: o que é que leva realmente o consumidor a inclinar-se pela compra de tal produto? O papel do marketing aqui é muito importante, pois pode não criar necessidades, mas pode detectar as motivações e orientar o seu processo de busca da satisfação da necessidade face a determinados produtos.

25 Existem diversas classificações das motivações, uma delas é a de Maslow. A classificação para as motivações coincide com a classificação do mesmo autor para as necessidades, ou seja: -Motivações fisiológicas; -Motivações de segurança; -Motivações de pertença e amor; -Motivações de estima; -Motivações de auto-realização. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações

26 Existem outras classificações baseadas em binómios contrários: -Motivações fisiológicas ou psicológicas: os motivos fisiológicos orientam-se para a satisfação de necessidades biológicas ou corporais, tais como a fome ou a sede. As motivações psicológicas centram-se na satisfação de necessidades anímicas, como o saber, a amizade, etc. -Motivações racionais ou emocionais: os motivos racionais associam- se, geralmente, com características observáveis ou objectivas do produto, tais como o tamanho, o consumo, a duração, o preço, etc. Os emocionais relacionam-se com sensações subjectivas, como o prazer ou o prestígio que se espera que derivem do bem ou serviço adquirido. Assim, por exemplo, a compra de um automóvel define-se tanto com critérios objectivos (preço, potência...) como subjectivos (comodidade, modernidade...). COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações

27 -Motivações Primárias ou selectivas: os motivos primários dirigem o comportamento de compra face a produtos genéricos, tais como um televisor, comida, etc. Os selectivos contemplam os anteriores e guiam a eleição entre marcas e modelos dos produtos genéricos ou entre estabelecimentos que os vendem. -Motivações Conscientes ou Inconscientes: Os motivos conscientes são os que o consumidor percebe que influenciam na sua decisão de compra, enquanto que os inconscientes são os que influenciam na decisão sem que o comprador se aperceba disso. O comprador pode não ser consciente de alguns motivos porque não quer admitir a verdadeira razão da sua escolha. Assim por exemplo, o comprador de um automóvel Mercedes ou BMW não admite que o comprou por motivos de prestígio mas porque precisava de um carro potente e rápido. Noutros casos, pode mesmo não haver uma consciência dos motivos das escolhas, por exemplo não sabemos explicar porque gostamos mais de determinadas cores do que de outras. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações

28 -Motivações positivas ou negativas: Os motivos positivos levam o consumidor à consecução dos objectivos desejados, enquanto que os negativos levam-no comprar para evitar as consequências não desejadas. Os motivos positivos exercem um domínio nas decisões de compra, mas em alguns casos, os motivos negativos são os que mais influenciam. Um exemplo, de força negativa é o temor, que tem um papel decisivo na aquisição de seguros, para prevenir as consequências de incêndios, roubos ou a perda da própria vida. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações

29 Uma mesma necessidade pode dar lugar a motivações diferentes, e diferentes motivações podem tentar satisfazer necessidades diferentes. Por outro lado, o indivíduo experimenta, em cada momento, numerosos desejos e necessidades de natureza contraditória ou cuja satisfação simultânea é impossível. Daí que muitos investigadores tenham centrado o seu estudo nos mecanismos que o indivíduo utiliza para resolver estas situações, nomeadamente a mudança de atitude, a agressão ou a resolução de conflitos. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações - conflitos

30 Se os desejos de um indivíduo não podem ser satisfeitos imediatamente, observa-se normalmente uma mudança ou adaptação das convicções daquele indivíduo para compatibilizar as suas acções com os seus desejos. Por exemplo, alguns estudos demonstraram que os fumadores viciados são mais cépticos na crença de que fumar pode provocar cancro do pulmão do que um não fumador. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As motivações - conflitos Para facilitar a compreensão destes processos, os psicólogos da motivação distinguiram três classes de conflitos: 1.O conflito que opõe pelo menos dois desejos positivos mutuamente exclusivos; 2.A ambivalência de uma situação que apresenta ao mesmo tempo factores de atracção e de repulsa; 3.A eleição entre duas ou mais situações negativas.

31 Quando a busca da satisfação das necessidades se dirige face a um produto ou serviço específico, estamos a falar de desejo. O desejo é uma motivação com nome próprio. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Os desejos/implicação Alguns autores preferem o termo implicação que pode ser definida da seguinte forma: A implicação é um estado não observável de motivação, de excitação ou interesse. É criada por um objecto ou uma situação específica e pressupõe comportamentos: certas formas de busca do produto, de tratamento da informação e da tomada de decisão. O desejo/implicação pode afectar só ao nível do produto genérico (por exemplo, o desejo de umas batatas fritas), dirigir-se a uma marca em concreto, ou indicar um lugar específico de consumo.

32 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Os desejos/implicação Os desejos diferenciam-se das necessidades genéricas que são estáveis e limitadas em número, pelo contrário aqueles são múltiplos, alteráveis e continuamente influenciados pelas forças sociais. Esta é a ideia que subjaz à criação de uma marca de prestígio, no cuidado com as embalagens dos produtos, a decoração do ponto de venda, etc. As necessidades pré-existem à oferta do mercado, no entanto, os desejos podem ser produto do mercado. O objectivo do marketing é criar desejos nos indivíduos, tornar os produtos atraentes e disponíveis para o consumidor.

33 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Os desejos/implicação Todos estes elementos podem naturalmente ser utilizados de forma proveitosa para as empresas. No plano estratégico, uma empresa utilizará a noção de implicação para segmentar o seu mercado e posicionar os seus produtos. A implicação/desejos de um indivíduo afecta directamente o seu comportamento em todo o processo de compra. Por exemplo, um consumidor implicado informa-se de antemão e avalia de maneira mais crítica as informações postas à sua disposição, tal como é mais exigente na escolha do local de compra e no relacionamento com o pessoal de vendas. Inclusivamente, a sua insatisfação gerada em relação às expectativas comporta um grau de descontentamento maior do que o do cliente menos motivado, portanto menos informado.

34 As necessidades são carências sentidas pelo indivíduo. Existem algumas necessidades consideradas básicas: as fisiológicas. À medida que se vão satisfazendo estas necessidades, surgem outras de carácter mais elevado. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR As necessidades convertem-se em motivação quando se tornam conscientes e impulsionam o indivíduo para a acção. As necessidades pré-existem no indivíduo e não são criadas pelo marketing, as motivações, pelo contrário, podem receber a sua influência e conduzir o indivíduo à satisfação da necessidade. Quando a motivação tem nome próprio e é dirigida a um bem específico, falamos de de desejo. A este nível a publicidade e as acções promocionais têm um papel importante, pois canalizam as necessidades dos indivíduos face a certa marca. A hierarquia das necessidades é útil para efeitos de marketing porque permite centrar os esforços publicitários ao nível da necessidade e facilita o posicionamento dos produtos.

35 Existem algumas técnicas utilizadas pelos marketeers para estudar a motivação. As mais conhecidas são as seguintes: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR TÉCNICAS DE ASSOCIAÇÃO: pode subdividir-se em duas técnicas: Associação de palavras: Os indivíduos associam uma palavra a um grupo de palavras. Associação sucessiva de palavras: os consumidores respondem a uma lista de palavras associando cada uma com a primeira que lhes vem à cabeça. As respostas são analisadas para ver se existem associações positivas ou negativas. Quando se mede também o tempo de resposta (latência da resposta) averigua-se também a emoção na resposta. Estas técnicas abordam a memória semântica, mais do que as motivações e utilizam- se para provas de nomes de marca e publicidade.

36 Existem algumas técnicas utilizadas pelos marketeers para estudar a motivação. As mais conhecidas são as seguintes: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR TÉCNICAS DE TERMINAÇÃO: existem aqui também duas técnicas distintas. Terminação de uma frase: dá-se um início de uma frase para que a pessoa complete. Por exemplo As pessoas que compram um Mercedes Terminação de uma história: funciona da mesma forma que a primeira. As respostas são analisadas para determinar quais os temas e conceitos chave que são associados a determinado produto ou serviço.

37 Existem algumas técnicas utilizadas pelos marketeers para estudar a motivação. As mais conhecidas são as seguintes: COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO: aqui temos 3 testes possíveis: Técnica de desenhos animados: os consumidores preenchem o espaço dedicado às palavras e pensamentos de um personagem de desenhos animados. Técnica da terceira pessoa: os consumidores respondem porque é que a maioria das pessoas, a maior parte das mulheres, todos os jovens compram determinado produto. Técnica de resposta à imagem: Os consumidores constroem uma história acerca de uma imagem onde está uma pessoa a comprar ou utilizar determinado produto. A análise tem como objectivo os mesmos que os das técnicas de terminação.

38


Carregar ppt "COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR II. Elementos que influenciam a compra 1. Condicionantes internos explicativos do comportamento do consumidor 1.1 Necessidades,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google