A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UABVI Comunicação 1ª sessão 13 de março de 2013 18, 20 e 21 de março de 2013 Maria Filomena Capucho - UCP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UABVI Comunicação 1ª sessão 13 de março de 2013 18, 20 e 21 de março de 2013 Maria Filomena Capucho - UCP."— Transcrição da apresentação:

1 UABVI Comunicação 1ª sessão 13 de março de , 20 e 21 de março de 2013 Maria Filomena Capucho - UCP

2 Informações essenciais Contactos Skype - fcapucho Telemóvel – (das 9.30 às 21.30) Maria Filomena Capucho - UCP

3 Maria Filomena Capucho3 Sumário da sessão 1. Apresentação dos alunos 2. Apresentação do Programa e das formas de avaliação 3. Como escrever um relatório Os diferentes tipos de relatório Relatórios de aula

4 4. Noções básicas de comunicação Linguagem, língua, discurso e comunicação: definição de conceitos Linguagem verbal, linguagem paraverbal e linguagem não-verbal caracterização; complementaridade(s) Maria Filomena Capucho - UCP

5 5. Do quadro comunicacional de Jakobson a um modelo de interacção sociocomunicativa (ou do telégrafo à orquestra) funções da comunicação: informação e relação o postulado da impossibilidade da não- comunicação 6. Gestão de conflitos : as noções de Face e de Lugar (Goffmann, 1973) estratégias de negociação Maria Filomena Capucho - UCP

6 Apresentação dos alunos Se eu fosse… Responde ao mini-teste Adivinha de quem se trata Maria Filomena Capucho - UCP

7 Uma proposta de Programa Estrutura metodológica Conteúdos Formas de avaliação Programação Bibliografia Maria Filomena Capucho - UCP

8 Relatórios O que é um relatório? Finalidades Tipos Relatórios científicos Relatórios de aulas Relatórios de estágios Maria Filomena Capucho - UCP

9 Fases de escrita Reunir dados Planificar o texto Escrever o texto Formatar o texto Reler o texto Corrigir Rever o texto final Maria Filomena Capucho9

10 10 Reunir dados Organizar apontamentos Procurar bibliografia adaptada Tomar notas

11 Planificar o texto Introdução Finalidades Objectivos Conteúdos Estrutura Desenvolvimento Tópicos Conclusão Bibliografia Maria Filomena Capucho - UCP

12 Escrever o texto Ser claro, rigoroso e sintético Utilizar um registo cuidado: evitar coloquialismos, utilizar termos científicos, usar formas impessoais Usar frases curtas Manter o mesmo tempo verbal Estabelecer relações lógicas Usar pontuação adequada Maria Filomena Capucho - UCP

13 Maria Filomena Capucho13 Formatar o texto A capa O índice As diferentes partes – títulos e subtítulos A formatação da bibliografia (regras Vancouver – cf. ficheiros disponibilizados)

14 Reler o texto Reler o texto em voz alta Preocupar-se com a clareza e a lógica do que é escritoa clareza e a lógica Evitar redundâncias e repetiçõesredundâncias e repetições Reformular as frases sem verboas frases sem verbo Reformular as frases longasas frases longas Usar os corretores ortográficos Maria Filomena Capucho - UCP

15 Sitografia elaboracao-de-Relatorios-das-aulas-praticas elaboracao-de-Relatorios-das-aulas-praticas m m _centre/reportw.pdf _centre/reportw.pdf maines/module8/prendreredigertravail.html maines/module8/prendreredigertravail.html Maria Filomena Capucho - UCP

16 Corrigir Depois de identificados os problemas (que se podem ir assinalando no texto – com cores diferentes, com comentários à margem), corrigir, um por um, os erros detetados Maria Filomena Capucho - UCP

17 Rever o texto final Depois de corrigir os erros, reler o texto, procurando aspectos que possam ter passado despercebidos Percorrer o texto à procura de erros ortográficos ainda assinalados pelo word. Reler, uma terceira vez, o texto final Maria Filomena Capucho - UCP

18 Comunicação, linguagem, língua e discurso Distinção entre conceitos O que é a linguagem? Maria Filomena Capucho - UCP

19 Língua Norma vs uso Variantes e implicações sociais Correção vs adequação Maria Filomena Capucho - UCP

20 Discurso Discurso e discursos Implicações sociológicas Rituais e scripts comunicacionais Maria Filomena Capucho - UCP

21 Linguagem verbal, linguagem paraverbal e linguagem não-verbal Linguagem verbal – utiliza palavras; é constituída por signos Linguagem paraverbal – sons que acompanham produção verbal Linguagem não-verbal – outros códigos de comunicação que não utilizam a palavra Proxémica Quinésica Maria Filomena Capucho - UCP

22 Maria Filomena Capucho22 Do quadro comunicacional de Jakobson…

23 Maria Filomena Capucho23 O Modelo de Jakobson 6 componentes na comunicação verbal: o destinador (emissor) utilizando um código para transmitir uma mensagem a um destinatário (receptor), através de um contacto (canal) situado num contexto específico

24 Maria Filomena Capucho24 E… A existência destas 6 componentes seria suficiente para o sucesso da comunicação - desde que a mensagem chegue ao destinatário sem ruídos e que este possua o mesmo código que o destinador, só será necessário descodificá-la.

25 Maria Filomena Capucho25 Logo… Estamos perante uma conceção telegráfica da comunicação

26 Maria Filomena Capucho26 …a um modelo de interação sociocomunicativa

27 Maria Filomena Capucho27 A Escola de Palo Alto... le terme communication recouvre lensemble des dimensions de notre monde réel qui résultent du fait que des entités en général avant tout, bien évidemment, des hommes entrent en relation les unes avec les autres et se mettent à agir les unes sur les autres. Watzlawick ( 1991 : 228)

28 Maria Filomena Capucho28 Implicações De um modelo do tipo «telegráfico», passamos à conceção da comunicação enquanto «orquestra», onde cada indivíduo é um participante que toca uma partitura que lhe é específica.

29 Maria Filomena Capucho29 O postulado da impossibilidade da não-comunicação É impossível não comunicar

30 Maria Filomena Capucho30 Il suffit de la présence dautrui pour que tout comportement, actif ou passif, intentionnel ou pas, présente un caractère communicationnel et constitue une communication. Comme il ny a pas de non-comportement, on ne peut non plus ne pas communiquer. Watzlawick (1991 : 19)

31 Maria Filomena Capucho31 As dimensões da comunicação Qualquer ato comunicacional comporta necessariamente duas dimensões: A dimensão de transmissão de conteúdos (qualquer ato é suposto transmitir uma informação) A dimensão relacional, respeitante às relações estabelecidas pelos interlocutores na relação comunicativa. (cf. Watzlawick, 1991 : 20).

32 Maria Filomena Capucho32 A noção de Face Diretamente relacionada com a auto- imagem, mais precisamente com a auto-imagem positiva que cada um deseja apresentar aos outros (e a si mesmo) e manter.

33 Maria Filomena Capucho33 Definição … la valeur sociale positive quune personne revendique effectivement à travers la ligne daction que les autres supposent quelle a adoptée au cours dun contact particulier. La face est une image du moi délinée selon certains attributs sociaux approuvés, et néanmoins partageable. Goffman (1974 : 9)

34 Face negativa e face positiva Brown & Levinson (1978, 1987) propõem uma distinção entre face positiva e face negativa. Maria Filomena Capucho34

35 Face positiva A face positiva é a necessidade de apresentar e manter uma auto-imagem positiva, de ser amado e de se fazer amar e respeitar, de estabelecer laços com os outros Maria Filomena Capucho35

36 Face negativa A face negativa é o desejo de not to impose and not to be imposed. (Diamond, 1996 : 20), ou seja, de preservar o território de cada um dos parceiros, a sua intimidade pessoal. Maria Filomena Capucho36

37 A noção de Lugar O lugar diz respeito às posições relativas dos interlocutores, dentro de um eixo de poder vs solidariedade Maria Filomena Capucho37

38 FTAs Qualquer ato realizado no decurso de uma interação é suscetível de constituir uma ameaça para uma e/ou outra das faces de cada um dos parceiros, ou seja, qualquer ato é suscetível de constituir um Face Threatening Act (FTA), expressão introduzida por Brown & Levinson (1978, 1987). Maria Filomena Capucho38

39 FFAs Simultaneamente, para reduzir os conflitos interpessoais, os interlocutores produzem FFAs (Face Flattering Acts), simetricamente opostos aos FTAs Maria Filomena Capucho39

40 A noção de negociação Dado que o sentido é co-construído, todo o ato comunicativo é um ato de negociação; corresponde à cooperação entre os interlocutores, seja ela colaborativa ou conflituosa Para reduzir os conflitos, a eficácia das estratégias de negociação é fundamental Maria Filomena Capucho - UCP

41 Bibliografia aconselhada CAPUCHO, M.F. (2003). Communication verbale et non-verbale. In Maigret, E. (2003). Communication et Médias. Paris: Les notices – La documentation Française. Maria Filomena Capucho - UCP


Carregar ppt "UABVI Comunicação 1ª sessão 13 de março de 2013 18, 20 e 21 de março de 2013 Maria Filomena Capucho - UCP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google