A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FERNANDA HENRIQUES 2008/2009. Porquê assumiu a ideia de dominação masculina o aspecto de parecer ter sido tão completamente aceite? QUESTÃO ORIENTADORA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FERNANDA HENRIQUES 2008/2009. Porquê assumiu a ideia de dominação masculina o aspecto de parecer ter sido tão completamente aceite? QUESTÃO ORIENTADORA."— Transcrição da apresentação:

1 FERNANDA HENRIQUES 2008/2009

2 Porquê assumiu a ideia de dominação masculina o aspecto de parecer ter sido tão completamente aceite? QUESTÃO ORIENTADORA

3

4 Ser esposa e mãe de família, tal deve ser o papel da mulher. Este papel é suficientemente nobre e belo e deve preencher toda a sua existência; a mulher não deve, pois, invejar o homem porque ele é eleitor e procurar descer à arena política onde ela se arrisca a perder a sua graça e o seu encanto; a vaidade de possuir um diploma adquire se, muitas vezes, à custa da felicidade que lhe teria sido dada pela família, e transforma a mulher num ser sem sexo e, por isso, inútil. Dicionário médico para uso das famílias, 1890

5 Ser Mulher = é pertencer a um colectivo Ser Mulher = assumir o seu destino biológico e confinar o seu projecto pessoal a esse destino Ser Mulher = é ser menor Como foi possível dizer isto com legitimidade social, quase no final do século XIX?

6 Representação antropológica assimétrica Ao nível do pensamento dominante, ser homem e ser mulher não tem o mesmo valor

7 RELIGIÃO FILOSOFIA MEDICINA

8 A mulher é de natureza húmida, esponjosa e fria, enquanto o homem é seco e quente. O embrião fêmea solidifica se e articula se mais tarde: a razão disto consiste em que a semente da fêmea é mais fraca e mais húmida que a do macho. Hipócrates (V-IV aC) O que é mais quente é mais activo. O animal mais frio deve ser mais imperfeito do que o animal mais quente […]. Os melhores são aqueles que têm, simultaneamente, o sangue quente, fino e puro, o que produz, ao mesmo tempo, a coragem e a inteligência […]. O frio e o húmido originam a fraqueza e o disparate. Por isso, na espécie humana, o homem é mais perfeito do que a mulher. Galeno (II dC) -

9 MISOGINIA de Aristóteles DUPLICIDADE de PLATÃO

10 Posição dupla que tem em relação às MM por exemplo, no Timeu e na República A própria ambiguidade da figura Feminina na sua obra

11 PLATÃO e as Mulheres A questão da República Platão fez duas propostas de organização social e política: a da República e a das Leis Na primeira defende que, embora em termos de grupo, os HH sejam superiores às MM, há muitas MM melhores que muitos HH e, portanto, deveria dar-se às MM a possibilidade de usufruírem de uma educação capaz de as tornar possíveis governantes da cidade. Conhecendo a ideia platónica, de que só quem fosse praticante da filosofia poderia ser bom governante, a sua proposta para as MM, na Republica, tinha como suposto que elas, pelo menos algumas, poderiam chegar ao cume do saber que a filosofia representava e, assim, poderiam ser rainhas da cidade justa. Em As Leis, embora mais moderado, Platão continua a propor alguma intervenção cívica das MM. Mesmo em termos de utopia, não parece irrelevante que esta ideia tenha surgido uma vez na Grécia e que seja alvo de argumentação numa das mais conhecidas obras da literatura filosófica ocidental.

12 PLATÃO e as Mulheres A questão da República Acontece, porém, que a cultura ocidental aceitou como importante a obra, mas excluiu como ridícula ou descabida ou contra a natureza das coisas a parte da obra onde se defendia a possibilidade dupla do acesso das MM ao máximo do saber e ao máximo do poder.

13 PLATÃO e as Mulheres A questão da República análise da recepção académica da proposta de Platão, 1870 – 1970: tipos de hostilidade Equality as a non-issue: neglect of the proposals Women are different: the proposals as unnatural Women have better things to do: the proposals as undesirable Plato didnt reality mean it: the proposals as unintentional, unwelcome, or comic Natalie Harris Bluestone, Women in ideal society, Oxford/Hamburg/New York, Berg Publishers Limited, 1987, pp

14 PLATÃO e as Mulheres A questão da República Uma outra hostilidade significativa das pessoas que se apresentavam como estando do lado dos direitos das MM, mas que Consideravam que a proposta platónica ia demasiado longe (goes too far)

15 PLATÃO e as Mulheres A questão da República Depois de 1970 Há diferenças na recepção de Platão Mantêm-se ressonâncias de velhos modos de ler, sendo de realçar, de entre eles, a leitura de Allan Bloom que continua a manter uma interpretação eminentemente sexista da proposta platónica. Ibidem, pp. 154 e ss

16 PLATÃO e as Mulheres A questão da República Sem querer fazer de Platão defensor das MM, é necessário tomar consciência do que está em causa na proposta platónica: uma argumentação racional a favor do direito humano e da legitimidade filosófica de as MM poderem ascender ao saber maior e, em consequência, ao poder maior. Se tivermos em conta que mesmo nos dias de hoje esses direitos ainda não são pacificamente aceites, poderemos ter consciência de quão longe foi a ousadia platónica.

17 PLATÃO e as Mulheres Diotima de Mantineia Esto, Fedro, y demás amigos, dijo Diotima y yo quedé convencido; y convencido intento también persuadir a los demás de que para adquirir esta posesión difícilmente podría uno tomar un colaborador de la naturaleza humana mejor que Eros. Precisamente, por eso, yo afirmo que todo hombre debe honrar a Eros, y no sólo yo mismo honro las cosas del Amor y las practico sobremanera, sino que también las recomiendo a los demás y ahora y siempre elogio el poder y valentía de Eros, en la medida en que soy capaz. Considera, pues, Fedro, este discurso, si quieres, como un encomio dicho en honor de Eros o, si prefieres, dale el nombre que te guste y como te guste. [212b Término del Discurso de Sócrates, Banquete.

18 […] las notícias platónicas sobre Aspasia respondem a realidade histórica. Considero que esta es la mejor hipótesis para explicar lo que los críticos llaman reiterativamente el mistério o el enigma del Menéxeno. Por qué motivo la imensa maioria de autores modernos y algunos antiguos no solo no aceptan tal hipótesis, sino que ni tan sequiera la consideran digna de estudio, es já outra cuestión que nos llevaría a temas fundamentales en la historia ideológica de Occidente. José Solana DUESO, Aspasia de Mileto (trad e Edição). Testemonios y discursos, Barcelona, Anthropos, op. cit., pp. XL-XLI. PLATÃO e as Mulheres Aspásia

19 PLATÃO e as Mulheres Aspásia (de novo a recepção de Platão) Platão: Menexeno Aspásia aparece referida como mestre de retórica e autora de discursos Segundo Mary Ellen Waithe, os comentadores desta obra de Platão dividem-se em dois grandes grupos: o que considera que o Menexeno, embora pertença ao corpo das obras platónicas, é a sua única obra não filosófica, desprestigiando-a, portanto, para lhe retirar valor como fonte; e o grupo que, atribuindo também a obra a Platão, considera que o que nela se apresenta em relação a Aspásia é muito da própria Aspásia, e que Platão o escreve porque reconhece a reputação dela como filósofa/retórica, deixando, contudo, clara a sua desaprovação em relação à influência que os filósofos como ela tinham na Grécia. Mary Ellen WAITHE, op. cit., p. 76.

20 Aspásia: um lugar à mesa de The Dinner party

21 Aspásia de Mileto Na obra Aspásia de Mileto, Testemonios y discursos, o autor reúne 34 testemunhos, 17 dos quais referem a perícia retórica de Aspásia e outros ainda a sua ligação à filosofia. Para ele, é absolutamente legítimo pensar que Aspásia esteve ligada à filosofia e à arte de argumentar e, do seu ponto de vista, o processo de impiedade que foi movido contra ela só testemunha da sua importância e da sua relevância intelectual. José Solana põe mesmo a hipótese de que em redor de Péricles e do seu círculo se tenha desenvolvido um movimento de emancipação feminina que, ainda segundo a sua leitura, ajudaria a explicar não só o processo de Aspásia, mas também comédias como Lisístrata e Assembleia de MM.

22 MISOGINIA de Aristóteles

23 ARISTÓTELES TEXTOS Metafísica Política Geração dos animais Poética INTERPRETAÇÕES 1.Não há coerência entre a posição de A na Met e na Geração… ou na Política (Marguerite Deslauriers) 2.Há uma relação intrínseca entre as posições de Aristóteles (Prudence Allen)

24 ARISTÓTELES Sentido do quadro dos opostos apresentado na Met. MASCULINO Unidade Limite Luz bem FEMININO Pluralidade Indeterminado trevas mal

25 ARISTÓTELES Valorização desigual dos opostos ligados ao feminino e ao masculino No plano metafísico, macho e fêmea são princípios contrários, mas não recíprocos Feminino = Privação do Masculino Cfr: Mª José Vaz Pinto, o que os filósofos pensam sobre as MM: Platão e Aristóteles Cynthia Freeland (ed), Feminist Interpretation of Aristote

26 ARISTÓTELES A ideia de Cidadão e a Universalidade do Masculino tomado como neutro Celia Amorós, na apresentação de uma colectânea de estudos sobre a conceptualização do feminino na filosofia grega, depois de afirmar que desde muito cedo há uma conceptualização ideológica do feminino que a contrapõe a um suposto universal neutro, diz duas coisas fundamentais: a) […] aquilo que é pensado como o genérico humano apresenta-se num plano de abstracção que neutraliza os opostos sexuais […]. Contudo, não de tal maneira que aquilo que é proposto ao nível da abstracção do neutro possa ser comunicável no masculino ou no feminino: constituir-se-á como o masculino, que assumirá, deste modo, o neutro e assim, não se porá a si mesmo como o masculino, e sim como o próprio genérico humano b) Ao ficar do lado do diferente, do outro-diferente-do-neutro, e sendo o neutro o pensado enquanto neutro – e vice-versa, na medida em que se tornará neutro enquanto pensado -, o feminino tornar-se-á o não-pensado. Eulalia Pérez Sedeño (org.), Conceptualización de lo femenino en la filosofia antigua, Madrid, siglo XXI, 1994, vii

27 ARISTÓTELES Numa obra dedicada a este tema, Amparo Moreno separa sexismo de androcentrismo para mostrar que a concepção herdada da Política de Aristóteles acerca do suposto universal homem, não só exclui todas as mulheres, como também muitos homens. Afirma ela que a conceptualização de Homem que Aristóteles forjou, nomeadamente no livro I da Política, referia-se a aner-andros, ou seja, ao homem feito, ao que assumiu os valores próprios da virilidade, crendo-se, por isso, com direito a impor-se sobre outras e outros. Amparo Moreno, La otra politica de Aristóteles, Barcelona, Icaria, 1988, 18

28 A filosofia grega é, pois, a nossa herança e o nosso destino. Acolhê-la, na órbita da relevância da consciência histórica como estruturante do pensar, obriga, necessariamente, a ressignificá-la ou, pelo menos, a tentar fazê-lo, procurando nela os ruídos ao pensamento dominante que recebemos e nem sempre questionamos o suficiente.

29 A HERANÇA GREGA Q - O que é que herdámos da Grécia, sem reflectirmos no seu processo de constituição, tomando-o como natural? R - A ideia do universal neutro, com tudo o que lhe vem associado. Q – O que é que recusámos liminarmente? R - A proposta platónica Q - O que é que denegrimos ou minimizámos? R- a existência atestada da importância de algumas figuras femininas, como é o caso de Safo e de Aspásia Q - O que é que ignorámos ou não aceitámos como herança ? R – Alguns insólitos da Cultura Grega, se tivermos em conta a depreciação do feminino, como por exemplo: –A importância do feminino na transmissão do saber – Hesíodo (Teogonia) e Parménides (Poema) –A importância da figura feminina na configuração das questões-limite que se põem ao ser humano, testemunhada pelas tragédias –O inesperado da proposta platónica de pensar a possibilidade de haver filósofas-raínhas ou dos exemplos de Lisístrata, de Assembleia de Mulheres e de Melanipa, a filósofa

30 AS MULHERES NOTÁVEIS DO MUNDO ANTIGO: MINIMIZAR DENEGRIR RIDICULARIZAR

31 SAFO: DIVINA ou MALVADA

32 ASPÁSIA: PROSTITUTA INSIGNIFICANTE ou RIDÍCULA

33 O SIMBÓLICO de TRÊS PEÇAS DE TEATRO INSÓLITAS

34 Lisístrata (411aC.) – recomeço da guerra entre Atenas e Esparta – a Ateniense Lisístrata convoca as mulheres da Grécia para se mobilizarem e porem fim à guerra, fazendo uma greve de sexo. Assembleia de Mulheres: as mulheres atenienses disfarçadas de homens, com Praxágora como chefe, tomam conta do poder e instauram um regime comunista.

35 INTERPRETANDO É notável que Aristófanes tenha escolhido desenvolver uma intriga com protagonistas femininas a propor soluções políticas em situações de crise É notável que em ambos os casos, tais figuras femininas tenham conseguido mobilizar-se, organizar-se e ocupar o espaço público que, teoricamente, lhes estava vedado. É, por isso, forçoso pôr uma de duas hipóteses: ou o próprio Aristófanes pensou por si mesmo a possibilidade que encenou – o que significa reconhecer que as mulheres poderiam desempenhar tais papeis ou, então, fez-se eco de outros ou outras que assim pensavam. Em qualquer dos casos parece assinalável que a força, o poder e a capacidade de mobilização e de acção pública das mulheres tenha sido posta em cena na Grécia do século V e tenha sido aplaudida pelos gregos.

36 Seduzida por Poseidon, Melanipa teve dois gémeos. Com medo de seu pai Éolo e por ordem do deus, pôs os filhos num estábulo. Descobertos os gémeos e levados a Éolo, este, considerando-os monstros, condenou-os a serem queimados vivos. Melanipa intervém, demonstrando, através de argumentos racionais, que as crianças não poderiam ser monstros e teriam de ter uma mãe humana e, finalmente, acaba reconhecendo ser ela a mãe. O pai cega-a e enclausura-a, mas decorridos 16 anos será libertada pelos filhos e pelo próprio pai, recuperando a vista.

37 INTERPRETANDO Mesmo sem entrar na discussão, extemporânea, da possível veia pré-feminista de Eurípedes, não se pode ignorar que ele escreveu esta peça e que essa situação tem de ter um significado no âmbito da representação das mulheres e das suas capacidades, no mundo grego. Assim, os elementos mencionados representam demasiada agitação no pensar dominante para se poder considerar liminarmente a situação das mulheres na Grécia apenas segundo o ângulo da dominação e da irrelevância cultural. Um levantamento mais sistemático e aprofundado mostraria, certamente, um maior colorido de perspectivas e uma nova lista de nomes para lá dos velhos conhecidos da literatura canónica.

38 BIBLIOGRAFIA de REFERÊNCIA Amorós, Celia (ed), Feminismo y Filosofia, Madrid, Síntesis, Allen, Sister Prudence R.S.M., The Concept of Woman, USA, William B. Eeermdmans Pub. Comp., Auffret, Sévérine, Melanipe la philosophe, Paris, Maison des Femmes, Bluestone, Natalie H., Women in ideal society, Oxford/Hamburg/New York, Berg Publ. Lted., Dueso, José Solana (trad e Ed.). Aspasia de Mileto Testemonios y discursos, Barcelona, 1994, AnthroposIriarte, Ana, Safo, Madrid, Ed. del Orto, Ferreira, Luísa Ribeiro(org), O que os filósofos pensam sobre as Mulheres, Lisboa, CF-UL, Freeland, Cynthia (ed), Feminist Interpretation of Aristote, Pennsylnania, The Pennsylnania State University Press, 1998., Henriques, Fernanda, Concepções filosóficas e representações do feminino: subsídios para uma hermenêutica crítica da tradição filosófica, Revista Crítica de Ciências Sociais (no prelo). Moreno, Amparo, La otra politica de Aristóteles, Barcelona, Icaria, MOSSÉ, Claude, La Mujer en la Grecia clásica, Madrid, Nerea, Sedeño, Eulalia Pérez(org.), Conceptualización de lo femenino en la filosofia antigua, Madrid, siglo XXI, Suárez, Amalia González, Aspasia, Madrid, Ed. del Orto, Waithe, Mary Ellen (ed.), A History of Women Philosophers, Dordrecht, Kluwer Academic Publ., v. 1,, Ward, Julie K. (ed), Feminism and Ancient Philosophy, New York and London, Routledge, 1996.


Carregar ppt "FERNANDA HENRIQUES 2008/2009. Porquê assumiu a ideia de dominação masculina o aspecto de parecer ter sido tão completamente aceite? QUESTÃO ORIENTADORA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google