A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Secretaria de Estado da Educação DISSEMINAÇÃO DAS POLÍTICAS CURRICULARES E DE GESTÃO ESCOLAR DA SEED / PR NRE – ITINERANTE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Secretaria de Estado da Educação DISSEMINAÇÃO DAS POLÍTICAS CURRICULARES E DE GESTÃO ESCOLAR DA SEED / PR NRE – ITINERANTE."— Transcrição da apresentação:

1 Secretaria de Estado da Educação DISSEMINAÇÃO DAS POLÍTICAS CURRICULARES E DE GESTÃO ESCOLAR DA SEED / PR NRE – ITINERANTE

2 SEED / NREC - Núcleo Regional da Educação de Curitiba MÉTODO, METODOLOGIA E PRÁXIS PEDAGÓGICA NRE – ITINERANTE

3 SHEILA MARIZE TOLEDO PEREIRA Chefe do Núcleo Regional de Educação de Curitiba EQUIPE PEDAGÓGICA – NREC Sandra M. Rigoni (Coordenação Equipe Pedagógica - NREC) Adriana Tessaro Will (Setor Portão) Carolina Martins Pinto Rodrigo (Setor Cajuru) Elaine Cristina Nascimento (Setor Boqueirão) Flávia Regina de Oliveira Nazar (Setor Pinheirinho) Luciene Guiraud (Setor Bairro Novo) Silvana F. Zonatto (Setor Centro) SEED / NREC - Núcleo Regional da Educação de Curitiba

4 NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA Capacitação dos profissionais da educação, nos meses de abril a junho; Disseminação das políticas curriculares e de gestão escolar da SEED / PR; Oficinas de todas as disciplinas da Educação Básica, fundamentos da organização do trabalho pedagógico, oficinas de educação inclusiva e educação e trabalho; Certificação e bolsa auxílio. Apresentação Apresentação

5 Intenção... Analisar (perceber) em que medida a prática pedagógica tem sido justificada ou fundamentada por uma concepção de mundo, homem e escola: que interesses, que ideais, que concepções sustentam a prática pedagógica; Oferecer subsídios ao pedagogo na integração e fundamentação da sua prática, entendendo-o como mediador da ação pedagógica no interior da escola. MÉTODO, METODOLOGIA E PRÁXIS PEDAGÓGICA NRE ITINERANTE - CURITIBA

6 Carolina Martins Pinto Rodrigo Especialista em Educação / Organização do Trabalho Pedagógico – UFPR O MÉTODO NO MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA

7 - O MÉTODO NO MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO Filme: O Clube do Imperador PIRES, Marília Freitas de Campos. O Materialismo Histórico Dialético e a Educação. (Texto extraído e adaptado de Interface-Comunicação, Saúde, Educação. São Paulo: UNESP, agosto, 1997). FRIGOTTO, Gaudêncio. Enfoque da Dialética Materialista Histórica da Pesquisa Educacional. (Texto apresentado no Encontro Regional de Pesquisa Sudeste, Vitória, 11/09/1987). Roteiro para estudo dos textos. NRE ITINERANTE - CURITIBA

8 EPISTEMOLOGIA - Do grego episteme - ciência - Ciência – conhecimento - Estudo do conhecimento - Estuda a origem, a estrutura, os métodos e a validade do conhecimento (filosofia do conhecimento).CONHECIMENTO - O conhecimento é o resultado de uma relação entre dois pólos (SUJEITO e OBJETO); - A compreensão das práticas educacionais (OBJETO) à luz desse fundamental teórico e filosófico, permite à nós, educadores (SUJEITOS), apreendê-las e intervir em sua organização; CONHECIMENTO NRE ITINERANTE - CURITIBA

9 Do grego methodos, met'hodos, que significa, literalmente, caminho para se chegar a um fim; Do grego methodos, met'hodos, que significa, literalmente, caminho para se chegar a um fim; Em Filosofia, modus da obtenção do conhecimento; Em Filosofia, modus da obtenção do conhecimento; Investigação da realidade; Investigação da realidade; MÉTODO NRE ITINERANTE - CURITIBA

10 O método está vinculado a uma concepção de realidade, de mundo e de vida; O método está vinculado a uma concepção de realidade, de mundo e de vida; MÉTODO TEORIA MÉTODO TEORIA A reflexão utiliza-se de elementos teóricos. Neste sentido o método pode ser chamado de caminho. Neste caminho, o veículo utilizado é a teoria. A reflexão utiliza-se de elementos teóricos. Neste sentido o método pode ser chamado de caminho. Neste caminho, o veículo utilizado é a teoria. O método constitui-se numa espécie de mediação do processo de apreender, revelar, expor a estruturação, o desenvolvimento e a transformação dos fenômenos sociais. O método constitui-se numa espécie de mediação do processo de apreender, revelar, expor a estruturação, o desenvolvimento e a transformação dos fenômenos sociais. NRE ITINERANTE - CURITIBA MÉTODO

11 Estudo / características dos métodos disponíveis; Estudo / características dos métodos disponíveis; Procedimentos; Procedimentos; Etapas de um processo utilizado para chegar a uma determinada finalidade; Etapas de um processo utilizado para chegar a uma determinada finalidade; A metodologia, é a via mediada pelos recursos (meio / técnicas) e ferramentas (instrumentos e utensílios). A metodologia, é a via mediada pelos recursos (meio / técnicas) e ferramentas (instrumentos e utensílios). METODOLOGIA NRE ITINERANTE - CURITIBA

12 Uma análise da história do pensamento humano vai nos indicar duas grandes linhas de construção filosófica (Vieira Pinto), duas concepções acerca do desenvolvimento do mundo (Mao-Tse-Tung), duas concepções fundamentais ou duas possíveis ou duas dadas pela história (Lenin), concepções opostas sobre o mundo, a realidade e seu conjunto – uma metafísica e outra dialética materialista. (FRIGOTTO, 1987). MATERIALISMO NRE ITINERANTE - CURITIBA

13 A história dos homens que se concretiza (materialidade, concreticidade); A história dos homens que se concretiza (materialidade, concreticidade); Tudo o que é concreto, que se opõe ao metafísico (para além da matéria); Tudo o que é concreto, que se opõe ao metafísico (para além da matéria); Em relação à explicação dos fenômenos, o materialismo está em oposição ao idealismo (plano das idéias). Em relação à explicação dos fenômenos, o materialismo está em oposição ao idealismo (plano das idéias). MATERIALISMO NRE ITINERANTE - CURITIBA

14 Relativo à construção e às transformações da humanidade; História concreta dos homens, Conhecimentos relativos à humanidade, segundo o lugar, a época e o ponto de vista escolhidos (recorte histórico). HISTÓRICO NRE ITINERANTE - CURITIBA

15 Origem na Grécia (aproximadamente 490 – 430 a. C.); Origem na Grécia (aproximadamente 490 – 430 a. C.); Arte do diálogo, ou a arte de, no diálogo, demonstrar uma tese por meio de uma argumentação; Arte do diálogo, ou a arte de, no diálogo, demonstrar uma tese por meio de uma argumentação; A partir de Heráclito – 540 a. C., é incorporada à concepção de dialética a idéia de que, o modo de compreendermos a realidade é essencialmente contraditória e em permanente transformação - realidade é um constante devir, na qual prevalece a luta dos opostos: frio – calor, vida – morte, bem – mal, saúde – doença... A partir de Heráclito – 540 a. C., é incorporada à concepção de dialética a idéia de que, o modo de compreendermos a realidade é essencialmente contraditória e em permanente transformação - realidade é um constante devir, na qual prevalece a luta dos opostos: frio – calor, vida – morte, bem – mal, saúde – doença... A questão que deu origem à dialética é a explicação do movimento, da transformação das coisas (método de investigação da realidade). A questão que deu origem à dialética é a explicação do movimento, da transformação das coisas (método de investigação da realidade). DIALÉTICA NRE ITINERANTE - CURITIBA

16 TESE ANTÍTESE (o fim depende do início) SÍNTESE A tese é uma afirmação ou situação inicialmente dada. A antítese é uma oposição à tese. Do conflito entre tese e antítese surge a síntese, que é uma situação nova que carrega dentro de si elementos resultantes desse embate. A síntese, então, torna-se uma nova tese, que contrasta com uma nova antítese gerando uma nova síntese, em um processo em cadeia infinito. DIALÉTICA NRE ITINERANTE - CURITIBA

17 (...) quero demarcar primeiramente a dialética materialista histórica enquanto uma postura, ou concepção de mundo; enquanto um método que permite uma apreensão radical (que vai à raiz – fundamentos, origem) da realidade e, enquanto práxis, isto é, unidade de teoria e prática na busca da transformação e de novas sínteses no plano do conhecimento e no plano da realidade histórica.(FRIGOTTO, 1987) (...) quero demarcar primeiramente a dialética materialista histórica enquanto uma postura, ou concepção de mundo; enquanto um método que permite uma apreensão radical (que vai à raiz – fundamentos, origem) da realidade e, enquanto práxis, isto é, unidade de teoria e prática na busca da transformação e de novas sínteses no plano do conhecimento e no plano da realidade histórica.(FRIGOTTO, 1987) MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA

18 Método ligado ao marxismo (luta de classes); Método ligado ao marxismo (luta de classes); Entende que a dialética não é uma doutrina; Entende que a dialética não é uma doutrina; O que os indivíduos são, depende das condições materiais de produção; O que os indivíduos são, depende das condições materiais de produção; Para ser materialista histórica, a dialética tem que dar conta da totalidade, do específico, do singular e do particular; Para ser materialista histórica, a dialética tem que dar conta da totalidade, do específico, do singular e do particular; Os fenômenos sociais não são determinados a priori e nem se esgotam em si mesmos, mas são construídos historicamente. Os fenômenos sociais não são determinados a priori e nem se esgotam em si mesmos, mas são construídos historicamente. MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA

19 Para fins de explicação didática, FRIGOTTO apresenta o Materialismo Histórico Dialético sobre três enfoques: Para fins de explicação didática, FRIGOTTO apresenta o Materialismo Histórico Dialético sobre três enfoques: a) enquanto postura ou concepção de mundo; b) enquanto método de investigação e análise da realidade; c) enquanto práxis. MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA

20 a) O materialismo histórico dialético enquanto postura / concepção de mundo: Entende o plano das idéias como reflexo do mundo exterior (reflexo não é toda a realidade, pois ele é subjetivo, apreende apenas uma parte da realidade); Entende o plano das idéias como reflexo do mundo exterior (reflexo não é toda a realidade, pois ele é subjetivo, apreende apenas uma parte da realidade); Atingir as leis de organização, desenvolvimento e transformação dos fatos sociais); Atingir as leis de organização, desenvolvimento e transformação dos fatos sociais); MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA

21 Não se restringe à concepção determinista (o que é, é e o que não é, não é); Não se restringe à concepção determinista (o que é, é e o que não é, não é); Não existe método alheio à uma concepção de realidade; Não existe método alheio à uma concepção de realidade; MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA

22 b) O materialismo histórico dialético como um método de análise / investigação da realidade: Na perspectiva materialista histórica, o método está vinculado a uma concepção de realidade, de mundo e de vida no seu conjunto. A questão de postura, neste sentido, antecede ao método. Na perspectiva materialista histórica, o método está vinculado a uma concepção de realidade, de mundo e de vida no seu conjunto. A questão de postura, neste sentido, antecede ao método. Como se produz concretamente um determinado fenômeno social? Quais as leis sociais históricas, quais as forças reais que o constituem enquanto tal? Como se produz concretamente um determinado fenômeno social? Quais as leis sociais históricas, quais as forças reais que o constituem enquanto tal? lei da modificação --> superação e transformação --> crítica e construção do conhecimento novo; lei da modificação --> superação e transformação --> crítica e construção do conhecimento novo; nova síntese do plano do conhecimento e da ação. nova síntese do plano do conhecimento e da ação. MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA

23 Tratar a coisa em si, no plano concreto, e não no plano abstrato; Tratar a coisa em si, no plano concreto, e não no plano abstrato; Atributo da realidade, e não do pensamento; Atributo da realidade, e não do pensamento; DETOUR (para apreender a lei dos fenômenos na sua concretude, na sua totalidade concreta); DETOUR (para apreender a lei dos fenômenos na sua concretude, na sua totalidade concreta); Pensar no real a ser transformado (o concreto pensado). Pensar no real a ser transformado (o concreto pensado). MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA

24 c) O materialismo histórico dialético enquanto práxis (unidade entre teoria e ação): Reflexão teórica sobre a realidade: refletir, pensar, analisar a realidade com o objetivo de transformá-la; Reflexão teórica sobre a realidade: refletir, pensar, analisar a realidade com o objetivo de transformá-la; O método dialético (estratégias, técnicas e instrumentos) e a concepção de realidade, de mundo, de homem, não devem ser descolados da ação --> qual o sentido necessário de nossas reflexões das práticas educacionais? O método dialético (estratégias, técnicas e instrumentos) e a concepção de realidade, de mundo, de homem, não devem ser descolados da ação --> qual o sentido necessário de nossas reflexões das práticas educacionais? A serviço de quem dispendemos a análise crítica dos fenômenos educacionais, se não para a produção de conhecimento como sustentação de uma ação prática mais consistente? A serviço de quem dispendemos a análise crítica dos fenômenos educacionais, se não para a produção de conhecimento como sustentação de uma ação prática mais consistente? MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA

25 FRIGOTTO, Gaudêncio. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. Simpósio sobre Diferentes Enfoques Teóricos na Pesquisa Educacional brasileira. Espírito Santo: Vitória, 1987, PIRES, Marília Freitas de Campos. O Materialismo Histórico Dialético e a Educação. (Texto extraído e adaptado de Interface-Comunicação, Saúde, Educação. São Paulo: UNESP, agosto, 1997). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA

26 A realidade é um constante devir, na qual prevalece a luta dos opostos: frio – calor, vida – morte, bem – mal, saúde – doença, etc. Um se transformando no outro. Tuda muda tão rapidamente, que não é possível banhar- se duas vezes no mesmo rio: na segunda vez o rio não será mais o mesmo e nós já teremos também mudado. A realidade é um constante devir, na qual prevalece a luta dos opostos: frio – calor, vida – morte, bem – mal, saúde – doença, etc. Um se transformando no outro. Tuda muda tão rapidamente, que não é possível banhar- se duas vezes no mesmo rio: na segunda vez o rio não será mais o mesmo e nós já teremos também mudado. HERÁCLITO HERÁCLITO NRE ITINERANTE - CURITIBA NRE ITINERANTE - CURITIBA

27 Nada do que foi será De novo do jeito que já foi um dia, Tudo passa, tudo sempre passará A vida vem em ondas, como o mar, Num indo e vindo infinito. Tudo que se vê não é Igual ao que a gente viu há um segundo, Tudo muda o tempo todo no mundo Não adianta fugir, nem mentir pra si mesmo. Agora, há tanta vida lá fora Aqui dentro, sempre Como uma onda no mar. Lulu Santos


Carregar ppt "Secretaria de Estado da Educação DISSEMINAÇÃO DAS POLÍTICAS CURRICULARES E DE GESTÃO ESCOLAR DA SEED / PR NRE – ITINERANTE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google