A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO C/ A MATÉRIA M.Sc.Leonardo Peres Físico Médico - Radioterapia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO C/ A MATÉRIA M.Sc.Leonardo Peres Físico Médico - Radioterapia."— Transcrição da apresentação:

1 INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO C/ A MATÉRIA M.Sc.Leonardo Peres Físico Médico - Radioterapia

2 FÓTONS IONIZANTES RAIOS X RAIOS GAMA fótons interage com átomos, liberando os elétrons de seus orbitais de repouso, que por sua vez vão depositar energia no tecido.

3 EXEMPLO DE UMA INTERAÇÃO DE UM FÓTON C/ A MATÉRIA

4 TIPOS DE FÓTONS Bremsstrahlung: (espectro contínuo), emitido na interação electron-nucleo. Raio X característico: (espectro discreto), emitido na transição de elétrons entre orbitais. Raios Gama: (espectro discreto), emitido nas transformações nucleares (decaimento nuclear). Radiação de Aniquilação: (discreto, tipicamente MeV), emitido na aniquilação de um pósitron com um elétron.

5 Photons Fótons são caracterizados por comp. de onda ( ), frequência ( ) ou energia (E), onde: E = h, and c = f Photons não tem massa ou carga

6 INTERAÇÕES C/ FÓTONS Os fótons possuem 4 interações básicas com a matéria: Efeito fotoelétrico Efeito Rayleigh efeito Compton Produção de pares

7 ENERGIA X NÚMERO ATÔMICO

8 incident photon of energy E EFEITO FOTOELÉTRICO

9 photoelectron T = E-B i incident photon of energy E EFEITO FOTOELÉTRICO

10 photoelectron E e = E-B i characteristic x ray (or Auger electron) incident photon of energy E O fóton incidente desaparece. o efeito é mais provável de acontecer com os elétrons das camadas mais internas. Raios X característicos ou Elétrons Auger (raio x característico causa outro efeito foto elétrico e libera e ou o foton-elétron e que pode liberar o e) são emitidos. probabilidade Z 4 e E -3

11 Espalhamento Coerente (Rayleigh) incident photon of energy E

12 Espalhamento Coerente (Rayleigh) outgoing photon of energy E incident photon of energy E O fóton incidente é espalhado em pequenos ângulos (mudança de direção implica em perda de energia). a energia não muda. probabilidade Z 2

13 incident photon of energy E Espalhamento Incoerente (Compton)

14 Compton electron T E-E-B i incident photon of energy E outgoing photon of energy E Espalhamento Incoerente (Compton) o fóton incidente é espalhado produção de Raio X característico e elétrons Auger probabilidade Z Camads externas

15 incident photon of energy E Produção de pares (no campo nuclear)

16 Produção de pares (no campo nuclear) incident photon of energy E positron, T + electron, T - E = T + + T - + 2mc 2 o fóton incidente desaparece mais provável de acontecer em elementos com alto Z E > 2 mc 2 probabilidade Z 2

17 incident photon of energy E Produção triplete (no campo gerado por elétrons)

18 Triplet Production (in field of atomic electrons) positron, T + electron, T - incident photon of energy E electron, T - o fóton incidente desaparece E > 4 mc 2 probabilidade Z E = T + + T - + T - + B i + 4mc 2

19 Interação de fótons na água water

20 Interação de fótons no chumbo Pb

21

22 ATENUAÇÃO Retirada de fótons do feixe NÃO ENERGIA!! Atenuação simples:

23 ATENUAÇÃO O é a soma das probabilidades de ocorrer as quatros interações estudadas para os fótons pp fe co + ra +

24 ATENUAÇÃO

25 CLASSIFICAÇÃO DAS UNIDADES UNIDADES FUNDAMENTAIS UNIDADES FUNDAMENTAIS 1. quatro grandezas básicas: massa, Todas as medidas físicas são baseadas em comprimento, tempo e corrente elétrica cujas as unidades são: kg, m, s, A 2. Corrente X Carga

26 CLASSIFICAÇÃO DAS UNIDADES UNIDADES DERIVADAS UNIDADES DERIVADAS São grandezas baseadas em varias combinações das quatro fundamentais. São grandezas baseadas em varias combinações das quatro fundamentais. Exemplos: velocidade (m/s), dose absorvida (m 2 /s 2 ), exposição (C/kg) e atividade (desintegrações/s ou simplesmente s -1 ) Exemplos: velocidade (m/s), dose absorvida (m 2 /s 2 ), exposição (C/kg) e atividade (desintegrações/s ou simplesmente s -1 )

27 GRANDEZAS RADIOLÓGICAS Excitation Distant approach to atom Involves distant outer orbital electrons Energy is transferred to atomic electrons Sufficient only to excite atom. i.e. electrons get promoted energy levels.

28 DETETORES DE RADIAÇÃO IONIZANTE As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível(detector). detectores de radiação: são os elementos ou dispositivos sensíveis a radiação ionizante utilizados para determinar a quantidade de radiação presente em um determinado meio de interesse. monitor de radiação: é o dispositivo que realiza a integração entre um detector e um sistema de leitura (medidor). Dosímetros: são detectores que indicam a radiação total a que uma pessoa foi exposta ou uma parte do corpo (como as mãos)

29 PROCESSOS FÍSICOS OU QUÍMICOS USADOS NA DETECÇÃO Ionization close approach to atom Involves inner orbital electrons Energy is transferred to atomic electrons Orbital electron ejected from atom. Remaining atom is said to be ionized (+charge) Recoil electron continues its path of destruction

30 DETECTORES A GÁS a radiação incidente no volume sensível (o gás) cria pares de íons que podem ser contados em um dispositivo de medida elétrica (eletrômetro). pode funcionar no modo pulso ou corrente.

31 DETECTORES A GÁS Os detetores a gás possuem eficiência dependente da tensão aplicada no volume do detector. o

32 DETECTOR À GÁS I - Os pares de íons recombinam-se e não há registro de pulso. II - Região das Câmaras de Ionização: Cessa a recombinação, todos os pares de íons são coletados. Ocorre a produção de pulsos independentes da tensão aplicada, mas proporcional a energia da radiação incidente. III - Região proporcional: pouco utilizada. Ocorre a aceleração dos íons produzidos pela radiação, que ionizam outras moléculas de gás. IV - Região pouco utilizada, pois a carga depende da tensão de forma não linear. V - Região do Geiger-Muller: o número de íons é grande devido a ionizações até quaternárias independentes da energia e do tipo da radiação. VI - Região de descarga elétrica contínua (avalanche). Não utilizamos equipamentos nesta região em radioproteção.

33 CAMARA DE IONIZAÇÃO As Câmaras de Ionização operam na Região II do gráfico: Os pares de íons produzidos no interior da câmara são coletados, e a quantidade de íons produzida depende da energia e do poder de ionização da radiação incidente. As câmaras de ionização são utilizadas para detecção de radiação α, β e fótons. Este equipamento é muito utilizado na prática de radioproteção principalmente para detecção de radiação secundária

34 DETECTOR PROPORCIONAL Os detectores proporcional operam na Região III do gráfico Após a interação da radiação ionizante no volume gasoso, ocorre a aceleração dos íons produzidos queionizam outras moléculas de gás não atingidas pela radiação, por isto, ocorre uma multiplicação do número de pares de íons originais por um fator constante (M). A quantidade de carga produzida, portanto, é multiplicada por M que por sua vez gera um pulso proporcional à energia da radiação. Devido a presença do fator M, os detetores proporcionais apresentam uma vantagem em relação as Câmaras de Ionização, pois existe um fator amplificador do sinal gerado no volume sensível gasoso. Estes detectores podem detectar altas taxas de contagens e discriminar partícula α na presença de β. Normalmente os detectores proporcionais são utilizados na monitoração de contaminação.

35 DETECTOR GEIGER Este tipo de detector opera na Região V. São muito utilizados, desde 1928, para avaliar níveis de radiação ambiente. Possuem alta sensibilidade e projeto eletrônico simplificado e robusto, são portáteis e de fácil manipulação. São versáteis na detecção de diferentes tipos de radiação, mas não permitem a discriminação do tipo de radiação e nem da energia, o que torna sua aplicação bastante limitada. Geralmente os GM são utilizados para detecção deradiação β e γ. Podemos encontrar no mercado sistemas de detecção GM devários tamanhos.

36 DETECTORES SEMI-CONDUTORES estado sólido ou semicondutor são bons condutores a baixa temperaturas e vão se tornando maus condutores com a elevação da temperatura. Os materiais semicondutores mais utilizados como meio detector de radiação ionizante é o Germânio e Silício. principal característica: alta resolução para determinar a energia da radiação incidente, desta forma, tem-se pequenas flutuação e menor incerteza na medida.

37 DETECTOR CINTILADOR Alguns materiais emitem luz quando irradiados chamamos esta luz de cintilação. A medida da luz emitida por cintiladores irradiados só foi possível após a descoberta das válvulas fotomultiplicadoras, em Usados em conjunto, cintilador e fotomultiplicadora, o detector é capaz de medir altas taxas de contagens. Estes detectores podem ser considerados os mais eficientes na medida de raios γ, além de possibilitar a medida de partículas α e β.

38 Water electronic FOTOMULTIPLICADORAS Mass Stopping Power

39 As vantagens e desvantagens dos cintiladores Principal vantagem: capacidade de registrar e indicar a energia da radiação incidente. Os cintiladores são muito sensíveis a variação de tensão aplicada a fotomultiplicadora e, portanto devem ser utilizados com equipamentos eletrônicos mais estáveis possíveis. Os cintiladores podem ser do tipo sólido ou líquido: - Sólidos: Utilizados em medidas de radiação γ por cristais cintiladores do tipo NaI(Tl),LiI(Eu), etc.. - Líquidos: Utilizados em medidas de radiação γ de baixa energia e de partículas β através de um veículo como o Tolueno.

40 Contador de líquido cintilador

41 DOSÍMETRO INTEGRADORES Os dosímetros integradores são instrumentos que indicam a exposição ou a dose absorvida a que um indivíduo foi submetido. Características ideais para o bom desempenho de um dosímetro integrador são: 1.A resposta da leitura dosimétrica deve ser independente da energia da radiação incidente; 2.A sensibilidade do dosímetro deve operar no intervalo de 2,5 C/kg (10mR) a 129kC/kg (500R); 3.medir toda a radiação recebida e possuir pequenas dimensões, leve e fácil manipulação; Os principais tipos de dosímetros integradores são: Filmes fotográficos, canetas dosimétricas e Termoluminescentes.

42 FILMES FOTOGRÁFICOS baseia-se no princípio de sensibilização de chapas fotográficas por interação da radiação com o filme. No caso dos dosímetros integrados do tipo filmes fotográficos a película de filme é acondicionada em uma embalagem que impede interferências ambientais tais como, luz e umidade. O filme (detector) é acondicionado em um porta dosímetro com filtros metálicos que sevem como atenuadores que permitem a identificação da energia, do tipo da radiação incidente e se a exposição é AP ou PA

43 FILMES FOTOGRÁFICOS Medidas dosimétricas indiretas: após a interação da radiação no filme, utiliza-se a densidade ótica produzida na emulsão fotográfica, após o processo de revelação em químicos, para determinar-se à medida dosimétrica. Este tipo de sensor permite avaliações de doses no Intervalo de 10 mR a 1800 mR, para fótons e possibilita dosimetria beta com energia superior a 400 keV, num intervalo entre 0,5 mGy (50 mrad) e 10 Gy (1000 mrad). Para isto, é necessária a calibração do sistema em função do tipo de filme utilizado e das condições de processamento dos filmes. (alta dep energética) Uma das vantagens deste tipo de detector é a de permitir a documentação do registro dosimétrico para várias análises desde que acondicionados em condições ambientais adequadas, pois o calor e substâncias químicas podem afetar a resposta do filme e danifica-lo.

44 CANETA DOSIMÉTRICA As canetas dosimétricas ou câmara de ionização de bolso possuem dimensões de uma caneta comum. No seu interior existe uma câmara de ionização acoplada a um capacitor que armazena as cargas produzidas no volume do detector. A carga armazenada no capacitor e medida após a exposição, através de um leitor externo. Este tipo de dosímetro integrador necessita de calibração prévia. Operam no intervalo de leitura entre 0 a 200 mR ( 51,6 C/kg) e com pouca precisão (15%, aproximadamente).

45 DOSÍMETRO TERMOLUMINESCENTE Termoluminescência: cristais irradiados com radiações ionizantes apenas emitem luz quando submetidos a uma taxa de aquecimento térmico. (explicar o processo) A quantificação da luz termoluminescente é feita por uma fotomultiplicadora acoplada ao sistema de aquecimento do material TL. A emissão de luz termoluminescente é representada por uma curva que relaciona luz emitida em função da temperatura de aquecimento e desta relação determinar a dose que incidiu previamente no detector. Nesta relação podem ocorrer vários picos de intensidade. A forma da curva de emissão depende dos tipos de cristal utilizado, da taxa de aquecimento e do tipo de leitora.

46 Curva TL

47 DOSÍMETRO TERMOLUMINESCENTE Características de um material TL para ser usado como detector: 1.Possuir elevada eficiência na emissão de luz; 2. Estabilidade à temperatura em que o material vai ser utilizado; 3. Combinação conveniente entre parâmetros de leitura e material TL; 4. Curva de emissão simples; 5.Resistência a variações ambientais, como: luz, umidade, gases etc. 6.Resposta leitura –linear com a dose. Vantagens do TLD em relação aos outros dosímetros: 1.TLD pode medir exposições entre 10-5 e 106 R; 2. Sensibilidade a radiação gama, alfa, beta, Raio X, uv, e alguns a nêutrons; 3.Facilidade de uso devido a seu tamanho reduzido, ou até em forma de pó; 4. Rápida leitura de dose; 5. Custo relativamente baixo e 6. Reuso após tratamento térmico específico. Desvantagem: desvanecimento e o manuseio com cuidado

48 FIM OBRIGADO!


Carregar ppt "INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO C/ A MATÉRIA M.Sc.Leonardo Peres Físico Médico - Radioterapia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google