A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

8 Estatística Aplicada Larson Farber Teste de hipóteses com duas amostras.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "8 Estatística Aplicada Larson Farber Teste de hipóteses com duas amostras."— Transcrição da apresentação:

1 8 Estatística Aplicada Larson Farber Teste de hipóteses com duas amostras

2 Testando a diferença entre duas médias (amostras grandes e independentes) Seção 8.1

3 Grupo de controle (placebo) Grupo experimental (tratamento) Para testar o efeito benéfico de um tratamento fitoterápico sobre a memória, você seleciona aleatoriamente duas amostras de pessoas; uma delas receberá o medicamento e a outra tomará um placebo. Um mês depois, os dois grupos são submetidos a um teste de memória e obtêm os resultados a seguir. A estatística teste resultante é 77 – 73 = 4. Essa diferença é significativa ou pode ser atribuída ao acaso (erro amostral)? Visão geral Amostra 1 Amostra 2

4 Os membros de uma amostra não têm relação com os membros da outra. Uma pessoa que recebeu o tratamento fitoterápico não estava relacionada nem podia ser emparelhada com outra no grupo de controle. Grupo experimentalGrupo de controle Amostras independentes x2x2 x1x1 x1x1 x1x1 x1x1 x1x1 x1x1 x1x1 x2x2 x2x2 x2x2 x2x2

5 Cada membro de uma amostra pode ser emparelhado a um membro da outra amostra. Nota antesNota depois A nota no teste de memória de cada pessoa da amostra podia ser registrada antes e depois do tratamento. Pode-se calcular a diferença para cada par. Amostras dependentes x1x1 x2x2 x1x1 x1x1 x1x1 x1x1 x1x1 x2x2 x2x2 x2x2 x2x2 x2x2

6 Para testar o efeito benéfico de um tratamento fitoterápico sobre a memória, você seleciona aleatoriamente uma amostra de 95 pessoas, as quais receberão o tratamento, e uma amostra de 105 pessoas que tomarão um placebo. Um mês depois, ambos os grupos submetem-se a um teste. A nota média do grupo experimental é de 77, com um desvio padrão de 15. No grupo de controle, a média é 73 e o desvio padrão, 12. Teste a alegação de que o tratamento fitoterápico melhora a memória a = 0,01. Aplicação

7 A hipótese nula H 0 em geral contém a condição de igualdade. (Não há diferença entre os parâmetros das duas populações.) A hipótese alternativa H a é verdadeira quando H 0 é falsa. = 0,01. Essa é a probabilidade de H 0 ser verdadeira e você a rejeitar. 1. Estabeleça as hipóteses nula e alternativa. (alegação) 2. Estabeleça o nível de significância.

8 A distribuição da estatística amostral é normal, já que as duas amostras são grandes. z Região de rejeição 2,33 3. Identifique a distribuição amostral. 5. Determine a região de rejeição. 4. Determine o valor crítico. 0 z0z0 Valor crítico z 0

9 z = 2,07 não cai na região de rejeição. Não rejeite a hipótese nula. O valor P é 0,019 > 0,01. Não rejeite H 0. Não há evidência suficiente para aceitar a alegação de que o tratamento fitoterápico aumenta a memória. 0 2,33 z Se as duas amostras são grandes, você pode usar s 1 e s 2 no lugar de e. 6. Determine a estatística teste. 7. Tome sua decisão. 8. Interprete sua decisão. 1,933 2,07 3,74 1,933

10 Testando a diferença entre duas médias (amostras pequenas e independentes) Seção 8.2

11 Quando você não pode colher amostras de 30 ou mais itens, você pode usar um teste t, se as duas populações forem normalmente distribuídas. A distribuição amostral depende do fato de as variâncias populacionais serem ou não iguais. Se as variâncias das duas populações são iguais, você pode combinar ou agrupar informação das duas amostras, a fim de formar uma estimativa agrupada do desvio padrão. g.l. = n 1 + n 2 – 2 O erro padrão é: Se as variâncias forem diferentes, o erro padrão será: E o g.l. será o menor entre n 1 – 1 e n 2 – 1. Testando a diferença entre médias (amostras pequenas)

12 Cinco pick-ups pequenas e oito SUVs realizaram testes de colisão a cinco milhas por hora. Para as pick-ups, o conserto do pára-choques custou em média US$ 1.520, com um desvio padrão de US$ 403. No caso dos SUVs, o conserto custou uma média de US$ 937, com um desvio padrão de US$ 382. Sendo = 0,05, teste a alegação de que o conserto de pára-choques das pick-ups custa mais que o dos SUVs. Suponha que as variâncias sejam iguais. Aplicação Pick-upSUV n s

13 1. Estabeleça as hipóteses nula e alternativa. 2. Estabeleça o nível de significância. 3. Identifique a distribuição amostral. = 0,05. Como as variâncias são iguais, a distribuição da estatística amostral é uma distribuição t com g.l. = – 2 = 11. (alegação)

14 t t0t0 0 1, Determine o valor crítico. 5. Determine a região de rejeição. 6. Determine a estatística teste. Se as variâncias forem iguais, determine o valor agrupado. 389,77 389,77(0,570) = 222,203

15 t = 2,624 cai na região de rejeição. Rejeite a hipótese nula. Há evidência suficiente para aceitar a alegação de que o conserto de pára-choques das pick-ups custa mais que o dos SUVs. 1,796 0 t 7. Tome sua decisão. 8. Interprete sua decisão. 222,203 2,624

16 Segundo uma imobiliária, não há diferença entre a renda média familiar de dois condomínios. A renda média de 12 famílias do primeiro condomínio é de US$ , com um desvio padrão de US$ No segundo condomínio, 10 famílias têm uma renda média de US$ , com um desvio padrão de US$ Suponha que as rendas sejam normalmente distribuídas e que as variâncias sejam diferentes. Teste a alegação sendo = 0,01. Aplicação

17 Como as variâncias são diferentes, a distribuição da estatística amostral é uma distribuição t com g.l. = 9. (A menor amostra tem 10 itens, e 10 – 1 = 9.) 1. Estabeleça as hipóteses nula e alternativa. 2. Estabeleça o nível de significância. 3. Identifique a distribuição amostral. (alegação) PrimeiroSegundo n s , , ,01

18 3,250–3,250 –t0–t0 t t0t Determine os valores críticos. 5. Determine as regiões de rejeição. 6. Determine a estatística teste , ( – ) 1129,6017 1,88

19 t = –1,881 não cai na região de rejeição. Não rejeite a hipótese nula. (O valor P é 0,087 > 0,01.) Não há evidência suficiente para rejeitar a alegação de que não há diferença entre as rendas familiares médias dos dois condomínios. –3,250 t 3, Tome sua decisão. 8. Interprete sua decisão.

20 Testando a diferença entre duas médias (amostras dependentes) Seção 8.3

21 A distribuição amostral de, a média das diferenças, é uma distribuição t com n – 1 graus de liberdade (n é o número de pares.) Se cada valor de uma amostra puder ser emparelhado com um valor da outra, as amostras serão dependentes. Calcula-se a diferença, d = x 1 – x 2, para cada par de dados. A diferença entre médias: amostras dependentes x1x1 x2x2 x1x1 x1x1 x1x1 x1x1 x1x1 x2x2 x2x2 x2x2 x2x2 x2x2

22 O desvio padrão de d é 3,39. A média das diferenças, d, é 59. A tabela abaixo mostra a freqüência cardíaca (em batidas por minuto) de cinco pessoas antes e depois de uma sessão de exercícios físicos. Há evidência suficiente para se concluir que o exercício acelera a freqüência cardíaca? Use. Indivíduo d Antes Depois ,05 3,39 Aplicação

23 (Como há cinco pares de dados, g.l.= 5 – 1 = 4.) 1. Estabeleça as hipóteses alternativa e nula. 2. Estabeleça o nível de significância. 3. Identifique a distribuição amostral. (alegação) A distribuição da estatística amostral é uma distribuição t com g.l. = 4. 0,05

24 2,132 t t0t Determine o valor crítico. 5. Determine a região de rejeição. 6. Determine a estatística teste. 38,92 3,39

25 t = 38,92 cai na região de rejeição. Rejeite a hipótese nula. O valor P é muito próximo de 0. Há evidência suficiente para aceitar a alegação de que o exercício acelera a freqüência cardíaca. t 2,132 t0t Tome sua decisão. 8. Interprete sua decisão.

26 Usando o Minitab Resultados impressos do Minitab O valor P é 0,0000. Como 0,0000 < 0,05, rejeite a hipótese nula. Test of = 0.00 vs > 0.00 Variable diff. N5N5 Mean StDev 3.39 SE 1.52 Mean 5 T P

27 Testando a diferença entre duas proporções Seção 8.4

28 A diferença entre proporções Se as amostras independentes colhidas de duas populações forem grandes o bastante,você pode aplicar um teste para verificar se há diferença entre as proporções populacionais p 1 e p 2. x 1 e x 2 representam o número de sucessos na primeira e na segunda amostra, respectivamente. n 1 e n 2 representam o tamanho da primeira e da segunda amostra, respectivamente. Proporção de sucessos em cada amostra. Como se supõe que as proporções sejam iguais, uma estimativa para o valor comum será: e

29 Teste z de duas amostras A média é p 1 – p 2 = 0 Se equivalem, cada um, a pelo menos 5, a distribuição amostral para é normal. e o desvio padrão: A estatística teste padronizada é:

30 Aplicação Ensino privado Ensino público Em um levantamento com alunos do ensino médio privado, 917 disseram ter fumado nos 30 dias precedentes. Já em um levantamento com alunos do ensino médio público, disseram ter fumado nos 30 dias precedentes. Sendo pode-se aceitar a alegação de que a proporção de alunos de escola privada que disseram ter fumado é inferior à proporção dos alunos do sistema público que disseram ter fumado? Use n 2 = x 2 = n 1 = x 1 = 917 0,01, 0,01. 0,268 0,293

31 A distribuição da estatística amostral é normal, já que cada um, a pelo menos 5. equivalem, 1. Estabeleça as hipóteses nula e alternativa. 2. Estabeleça o nível de significância. 3. Identifique a distribuição amostral. (alegação) ,420 8,551 0,283 e 0,717 0,00994

32 z Região de rejeição Valor crítico z 0 –2, Determine a região de rejeição. 4. Determine um valor crítico. 6. Determine a estatística teste. (0,268 – 0,293) 0, ,25 0, ,514

33 z = –2,514 cai na região de rejeição. Rejeite a hipótese nula. –2,33 0 Há evidência suficiente para aceitar a alegação de que a proporção de estudantes que fumou nos colégios privados é menor que a observada nos públicos. 7. Tome sua decisão. 8. Interprete sua decisão.


Carregar ppt "8 Estatística Aplicada Larson Farber Teste de hipóteses com duas amostras."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google