A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Objetivos: Fornecer subsídios teóricos básicos sobre Astronomia; Mostrar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Objetivos: Fornecer subsídios teóricos básicos sobre Astronomia; Mostrar."— Transcrição da apresentação:

1 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Objetivos: Fornecer subsídios teóricos básicos sobre Astronomia; Mostrar a importância do Aspecto científico da Doutrina Espírita; Citar subsídios teóricos doutrinários a respeito da temática Astronomia; Fazer uma análise de temáticas como: Pluralidade dos mundos habitados, transmigração dos espíritos, dimensões espirituais etc., Levar uma reflexão a respeito do nosso papel diante o Universo. O QUE É O TE? 1 2 Aula N°1 O Problema Cientifico, Filosófico e Religioso da Pluralidade dos Mundos Habitados, Os Grandes vultos Espíritas amantes da Astronomia. Conhecendo os corpos celestes do nosso sistema Solar ( O Sol, os planetas terrestres e jovianos, os satélites, anéis, asteróides,meteoros, meteoritos, planetoides e os cometas), A visão Espírita sobre a vida extraterrestre (Fundamentação Doutrinária) Uranografia Geral do Universo – Abordagem sobre o Livro A Gênese Conhecendo os corpos Celestes do Universo ( Tipos de Estrelas, Nebulosas,Quazares, Tipos de Galáxias, Cadáveres Estrelares – Buracos Negros, Pulsares e anãs brancas), o Nascimentos das galáxias, das nebulosas, das estrelas e dos planetas. Os Segredos da Astronomia e o Reconhecimento do Céu As teorias da Formação do Universo (Os Princípios Antropicos) e a visão Espírita (Cosmogenese Espírita) O Universo quântico e o Universo Espiritual. Conteúdo Sintético do Curso:

2 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo O Problema Científico, Filosófico e Religioso da Pluralidade dos Mundos Habitados O que é a realidade? Foi o primeiro problema da Filosofia, e há quem diga que ainda é o problema filosófico por excelência. Desde sempre o homem olhou à sua volta e interrogou-se: "Que é tudo isto?" O objeto da Filosofia são as idéias, não possuindo objeto determinado, dirigindo-se a quaisquer aspectos da realidade.O objeto da Filosofia são as idéias, não possuindo objeto determinado, dirigindo-se a quaisquer aspectos da realidade. O objeto da Ciência são os fatos concretos (uma parcela da realidade) que são provados através da Experimentação.O objeto da Ciência são os fatos concretos (uma parcela da realidade) que são provados através da Experimentação. A Ciência experimenta, a Filosofia indaga.A Ciência experimenta, a Filosofia indaga. As duas correntes ideológicas: Espiritualismo e Materialismo.As duas correntes ideológicas: Espiritualismo e Materialismo. Na antiguidade os seres procuram decifrar a realidade através de MODELOS.Na antiguidade os seres procuram decifrar a realidade através de MODELOS. Para o Espiritismo a realidade se faz manifesta em várias dimensões de vida.Para o Espiritismo a realidade se faz manifesta em várias dimensões de vida. 4 3

3 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Aula N°2 História da Astronomia e da idéia da pluralidade dos mundos habitados Astronomia é, provavelmente, a mais antiga entre todas as ciências. Os sumerianos foram os primeiros a cultivar a Astronomia. Parece justo reconhece-los como fundadores da Astronomia, apesar de terem sido também os criadores da Astrologia.Os sumerianos foram os primeiros a cultivar a Astronomia. Parece justo reconhece-los como fundadores da Astronomia, apesar de terem sido também os criadores da Astrologia. A Astronomia na China, como na Mesopotâmia, foi essencialmente religiosa e astrológica. Há dificuldade de reconstituir todo o conhecimento astronômico chinês, pois no ano 213 a.C. todos os livros foram queimados por decreto imperial. Os chineses previam os eclipses, pois conheciam sua periodicidade.A Astronomia na China, como na Mesopotâmia, foi essencialmente religiosa e astrológica. Há dificuldade de reconstituir todo o conhecimento astronômico chinês, pois no ano 213 a.C. todos os livros foram queimados por decreto imperial. Os chineses previam os eclipses, pois conheciam sua periodicidade. 5 6

4 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo A Astronomia egípcia, contudo, era bastante rudimentar, pois a economia egípcia era essencialmente agrícola e regida pelas enchentes do Nilo. Por esse motivo o ritmo de sua vida estava relacionado apenas com o Sol.A Astronomia egípcia, contudo, era bastante rudimentar, pois a economia egípcia era essencialmente agrícola e regida pelas enchentes do Nilo. Por esse motivo o ritmo de sua vida estava relacionado apenas com o Sol. O Rig Veda, livro sagrado indiano, de a.C., faz referências rudimentares sobre a Pluralidade dos Mundos.O Rig Veda, livro sagrado indiano, de a.C., faz referências rudimentares sobre a Pluralidade dos Mundos. Os sítios megalíticos, tais como os de Callanish, na Escócia, o círculo de Stonehenge, na Inglaterra, que data de 2500 a 1700 a.C, tratavam-se de observatórios lunares e solares.Os sítios megalíticos, tais como os de Callanish, na Escócia, o círculo de Stonehenge, na Inglaterra, que data de 2500 a 1700 a.C, tratavam-se de observatórios lunares e solares. Os Maias, na América Central, também tinham conhecimentos de calendário e de fenômenos celestes, e os polinésios aprenderam a navegar por meio de observações celestes. 7 8

5 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo A Astronomia Grega O ápice da Ciência Antiga se deu na Grécia, de 600 a.C. a 400 d.C., a níveis só ultrapassados no século XVI. Na Europa, a idéia da pluralidade dos mundos habitados já era admitida na aurora da filosofia, no século VI a.C. os filósofos gregos acreditavam que a vida era propriedade original e inalienável da matéria e consideravam o mundo ( aqui, entendido como terra e o Universo ) como eternamente vivo O Modelo da Escola de Pitágoras Eles desenvolveram um conceito geométrico do Universo, que tinha dez esferas concêntricas. O centro do Universo era ocupado por um fogo central. 9 10

6 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Orfeu, teólogo, poeta e o mais famoso músico da antiguidade, já era atribuída a introdução da idéia em Atenas, no século VI a.C.. Nos Hinos Órficos afirmava: Deus construiu uma terra imensa que os imortais chamam de Selene e os homens de Lua, na qual se eleva grande número de habitações, de montanhas e cidades Na Idade do Ouro ( a.C. ), Anaxágoras, ensinava em sua Da Natureza que os germes etéreos da vida, substâncias espermáticas invisíveis, são disseminadas em todos os mundos que dão origem aos seres vivos. Nesse sistema, afirmava-se que: (...) todos sos corpos celestes são habitados como a Terra e sobre eles formam-se homens e outros animais vivos (...).

7 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo O Modelo Heliocêntrico de Aristarco Aristarco construiu um modelo com duas hipóteses simplificadoras: 1. A Terra gira sobre si - o que explica o dia e a noite. (Outros fizeram essa sugestão, entre eles Heráclides). 2. A Terra gira ao redor do Sol e os outros planetas também. Isto explica o movimento aparente do Sol e dos planetas. Nos séculos seguintes, do V ao II a.C., Os maiores filósofos da escola Acadêmica e da escola de Alexandria negavam a idéia. Aristóteles restaurou a idéia da imobilidade da Terra no centro do Universo. Como o céu se apresentava de forma côncava ele achava que ele realmente era formado por matéria sólida ( daí firmamento = firme ). Este posicionamento levou a defender a idéia da incorruptibilidade dos céus, logo, impedindo admitir a pluralidade das existências.

8 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Os filósofos posteriores, entre os séculos III a II a.C., continuavam a ensinar a Pluralidade dos Mundos. Entre eles, Cláudio Ptolomeu ( 110 a.C.) e Lucrécio ), que na sua De Natura Rerum afirmava: (...) todo este Universo visível ( a Terra ) não é o único da natureza e devemos crer que existem em outras regiões do espaço, outras terras, outros seres e outros homens. Plotino, um dos maiores pensadores do Neoplatonismo que viveu no século IV ao ano de 270 a.C., projetou ainda mais a idéia da Pluralidade dos Mundos em sua Enéadas ao afirmar: E nós, afinal de contas, quem somos ? Talvez estivéssemos ali, antes que começasse a existir está criação, como seres humanos de outro tipo, ou incluso como uma espécie de deuses, de alma e mente puras, unidas com a totalidade do Universo como parte inteligíveis não separadas e desmembradas, mas sim em união com o todo!

9 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Durante a Idade Média, dominada pela filosofia escolástica, a terra foi considerada como centro do Universo e, conseqüentemente a vida não se concebia senão dentro da concepção estreita da Geocentrismo de Cláudio Ptolomeu, fixado por mais de anos. O homem era a criação máxima e única de Deus, e por isso deveria estar no centro do Universo. Esta idéia reafirmaria a incorruptibilidade dos céus. Uma frase dita por Tertulianos ( d.C ) percorreu séculos: Não temos necessidade de nenhuma ciência depois de Cristo, de nenhuma prova, depois do evangelho; quem crê, nada mais deseja. A ignorância é boa, em geral para que não se chegue a conhecer o que é inconveniente GEOCENTRISMO E HELIOCENTRISMO PTOLOMEUCOPÉRNICO

10 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo O Modelo Heliocêntrico de Copérnico O modelo de Copérnico é mais simples e próximo da realidade; ele é baseado no fato de que a Terra gira sobre si diariamente; que o centro da Terra não é o centro do Universo, mas simplesmente o centro dela e da órbita da Lua; que todos os corpos celestes giram ao redor do Sol, o qual é ou está próximo do centro do Universo; e que um corpo mais próximo do Sol viaja com velocidade orbital maior do que quando está distante. O Modelo Tychônico do Universo O modelo Tichônico era uma combinação do modelo de Ptolomeu e do de Copérnico. No centro do Universo estava a Terra, imóvel; o Sol girava ao redor da Terra e os planetas, esta é a diferença, giravam ao redor do Sol. GIORDANO BRUNO, ESPAÇO INFINITO ! Uno é o céu, o universo, o éter universal,, o espaço imenso onde tudo se agita e move. Nele há uma infinidade de astros, sóis, planetas (...) Há, também, numerosas Terras girando em torno de seus sóis, não piores nem menos habitados do que o globo terrestre(...) Eu acredito que não há nenhuma perfídia ou difamação em afirmar que o espaço pode ser infinito(...)

11 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Johannes Kepler e o modelo Final do Sistema Solar Os Planetas Se Movem Em Trajetórias Elípticas, Onde O Sol Ocupa Um Dos Focos. A Linha Reta Que Une O Planeta Ao Sol, Varre Sempre Áreas Iguais Em Tempos Iguais. A causa primária não pode ser considerada deficiente em qualidade, por isso o infinito é dotado de mundos(...) Todos esses astros devem ser animados e com vida! GIORDANO BRUNO 21 GALILEU GALILEI Eu Galileu Galilei, ajoelhado perante vós, tendo diante dos meus olhos os Santos Evangelhos, juro abandonar inteiramente a falsa opinião que o Sol é o centro do Universo e juro que no futuro nunca direi nem afirmarei verbalmente; mas se eu souber de algum herege, hei de denunciá-lo a este Santo Ofício. (...) Em Roma, no Convento de Minerva, 22 de Junho de

12 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo CRISTIAN HUYGENS Do final do século XVIII em diante, são vários os exemplos do triunfo do sistema heliocêntrico. Um dos primeiros a estabelecer esta idéia, de maneira suficientemente científica foi o astrônomo Cristian Huygens, revelada em sua obra Cosmothéoros, publicada no ano de Ensinava-se pela primeira vez a Astronomia planetária e mostrava em que condições os habitantes de diferentes planetas deveriam estar em sua superfície; e de outro lado, procurava estabelecer por argumentos que os homens extraterrestres são semelhantes a nós, físico, moral e intelectualmente No século XVIII surge a primeira corrente ideológica do pensamento contemporâneo, baseadas nas pesquisas de célebres astrônomos como Laplace ( ) e William Herschel ( ). Contudo, o maior impulso foi dado por Cammile Flammarion ( ) no Século XIX, à luz da fisiologia dos seres e da Astronomia. Flammarion tinha uma enorme simpatia por Kardec e via a pluralidade dos mundos não apenas como um implicação filosófica ou científica, mas, como necessidade por efeito de sua visão espírita do que lhe acercava. Cammile Flammarion

13 Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo ASTRONOMIA MODERNA Depois de 1919, após formulada A Teoria da Relatividade Geral, toda a Física e Astronomia sofreram um forte abalo devido às descobertas teóricas de Einstein. Nos anos seguintes a essas descobertas, com o avanço da tecnologia, o homem moderno pôde comprovar que tudo aquilo que ele concebia estava ainda incompleto, faltava e falta muito! As descobertas de observacionais de E.Hublle mostraram que as milhares de galáxias que conhecemos estão se afastando umas das outras a imensas velocidades. 25 Deus não joga dados com o mundo Deus é sutil, mas, não malicioso! 26


Carregar ppt "Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Curso de Astronomia A Luz do Espiritismo Objetivos: Fornecer subsídios teóricos básicos sobre Astronomia; Mostrar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google