A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DURKHEIM: roteiro INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO MÉTODO MÉTODO CONCEITOS CONCEITOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DURKHEIM: roteiro INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO MÉTODO MÉTODO CONCEITOS CONCEITOS."— Transcrição da apresentação:

1 DURKHEIM: roteiro INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO MÉTODO MÉTODO CONCEITOS CONCEITOS

2 DURKHEIM INTRODUÇÃO

3 O QUE É A SOCIEDADE? DIFERENCIAÇÃO SOCIAL: funcional e de esferas INTEGRAÇÃO SOCIETÁRIA COMUNIDADE SOCIEDADE FRAGMENTADA COMUNIDADES FRAGMENTADAS ESTADO-NAÇÃO COESÃO, SOLIDARIEDADE, COOPERAÇÃO, CONFLITO

4 REPRESENTAÇÃO COLETIVA E UMA FILOSOFIA SOCIAL ESTRUTURA SOCIAL INSTITUIÇÕES INDIVÍDUOS, SUAS AÇÕES E MOTIVAÇÕES O QUE É A SOCIEDADE?

5 TRÊS MODELOS EXPLICATIVOS COLETIVISMO-METODOLÓGICO INDIVIDUALISMO-METODOLÓGICO INDIVIDUALISMO-TEÓRICO MODELO DA AÇÃO RACIONAL TRANSFORMADA EM TEORIA SOCIAL: auto-consciência, auto- interesse, etc.

6 MODELO 1 O Sr. X, um industrial importante que, segundo testemunhas, parecia ter bebido quando deixou o restaurante depois de uma almoço de negócios, bateu com seu carro numa árvoreO Sr. X, um industrial importante que, segundo testemunhas, parecia ter bebido quando deixou o restaurante depois de uma almoço de negócios, bateu com seu carro numa árvore. (Jornal K)

7 MODELO 2 Os dois automobilistas, que tinham entrado face à face na estrada de três pistas, fizeram insistentes sinais com o farol um para o outro. Mas, apesar disto nenhum dois desviou-se para uma das outras pistas. O choque não pôde ser evitado. Os dois automobilistas, que tinham entrado face à face na estrada de três pistas, fizeram insistentes sinais com o farol um para o outro. Mas, apesar disto nenhum dois desviou-se para uma das outras pistas. O choque não pôde ser evitado. (Jornal M)

8 DOIS MODELOS EXPLICATIVOS Modelo 1 Esquema Causal Comportamento do Motorista Estado de Embriaguez Fato A explicado por um conjunto de outros fatos (B,C,D,....N) anteriores à AÇÃO!

9 DOIS MODELOS EXPLICATIVOS Modelo 2 Intenções e Representações dos Atores sobre os meios que têm disponíveis para a Ação. Modelo 2 Intenções e Representações dos Atores sobre os meios que têm disponíveis para a Ação. Comportamento do Motorista Escolha Motivação Objetivo + Condições Objetivas da Ação

10 MODELO 1 Determinista. Fatores determinam o COMPORTAMENTO DOS AGENTES. MODELO 1 Determinista. Fatores determinam o COMPORTAMENTO DOS AGENTES. MODELO 2 Composição ou justaposição de AÇÕES DOS SUJEITOS. MODELO 2 Composição ou justaposição de AÇÕES DOS SUJEITOS. O SENTIDO SUBJETIVO PELO AGENTE NÃO É RELEVANTE NA EXPLICAÇÃO. O SENTIDO SUBJETIVO VISADO PELO ATOR INTERESSA FUNDAMENTALMENTE À EXPLICAÇÃO.

11 DURKHEIM: OBRAS ( ) Divisão do Trabalho Social Regras do Método Sociológico Suicídio. Um Estudo Sociológico Algumas Formas de Classificação Primitiva Formas Elementares da Vida Religiosa.

12 DURKHEIM e sua Época Terceira República Francesa. Terceira República Francesa. Três Fatores. Três Fatores. Crises Políticas: instabilidade, insurreições e guerras. Crises Políticas: instabilidade, insurreições e guerras. Revolução Industrial. Revolução Industrial. Desenvolvimento das Ciências Naturais e das Matemáticas. Desenvolvimento das Ciências Naturais e das Matemáticas.

13 PROGRAMA CIENTÍFICO Criar novo sistema científico e moral que se harmonizasse com a ordem industrial emergente. Criar novo sistema científico e moral que se harmonizasse com a ordem industrial emergente. a humanidade foi abandonada sobre a terra às suas únicas forças e não pode senão contar consigo mesma para dirigir os seus destinos.

14 DURKHEIM MÉTODO

15 Os fatos sociais devem ser tratados como coisa. Os fatos sociais devem ser tratados como coisa. Modos de agir, pensar e sentir exteriores aos indivíduos e dotados de poder de coerção pelo se impõe a todos que pertencem à sociedade. Totalidade não redutível às partes. Individual X Coletivo Social X psicológico.

16 DURKHEIM: método É coisa todo objeto do conhecimento que a inteligência não penetra de maneira natural, tudo aquilo sobre a qual não podemos formular uma noção adequada por simples processo de análise mental, tudo que o espírito não pode chegar a compreender senão sob condição de sair de si mesmo, por meio da observação e da experimentação, passando progressivamente dos caracteres mais exteriores e mais imediatamente acessíveis para os menos visíveis e mais profundos.

17 Fato Social = Coisa Fato Social = Coisa Coisa = Realidade Exterior Coisa = Realidade Exterior Coisa X Ideia Coisa X Ideia Conhecer = Sair de si mesmo Conhecer = Sair de si mesmo Observação e Experimentação Observação e Experimentação Real Visível X Real Profundo Real Visível X Real Profundo Sensação X Representação Sensação X Representação Representação X Conceitos Representação X Conceitos

18 OBJETIVISMO e REPRESENTAÇÕES SOCIAIS.... as representações formuladas no decorrer da vida, tendo sido efetuadas sem método e sem crítica, estão destituídas de valor científico e devem ser afastadas..... as representações formuladas no decorrer da vida, tendo sido efetuadas sem método e sem crítica, estão destituídas de valor científico e devem ser afastadas. Como alcançar o conhecimento objetivo do fato social?

19 RPRESENTAÇÕES SOCIAIS As representações são obras do homem. As representações são obras do homem. Decorrem de instituições sociais herdadas. Decorrem de instituições sociais herdadas. Consciência confusa, vaga e geralmente inexata sobre a natureza da nossa ação no mundo. Consciência confusa, vaga e geralmente inexata sobre a natureza da nossa ação no mundo..... Acreditamos agir desinteressadamente e o fazemos de maneira egoísta; acreditamos obedecer ao ódio, e cedemos ao amor; cremos obedecer à razão e somos escravos de preconceitos irrefletidos,.....etc.

20 OBJETIVISMO Que condições tornam possível a objetividade nas ciências sociais? Mesmo modelo científico-natural de objetividade? Ciência da sociedade livre de julgamento de valores e pressupostos político-sociais? Como?

21 OBJETIVISMO e REPRESENTAÇÕES SOCIAIS Pré-Noções da Realidade Conceitos Explicativos

22 OBJETIVISMO DA SOCIOLOGIA OBSERVAÇÃO E EXPLICAÇÃO CAUSAL x JULGAMENTOS DE VALORES.

23 O POSITIVISMO DE DURKHEIM concepção físico-química realidade nova V isão do fato social através na concepção físico-química: as propriedades das partes são diferentes das propriedades do todo. A combinação das partes produz uma realidade nova, assim como os átomos produzem a molécula.

24 DURKHEIM: método Os fatos sociais devem ser explicados por fatos sociais. Os fatos sociais devem ser explicados por fatos sociais.

25 OBJETIVISMO DA SOCIOLOGIA Método Positivo O bservação, Indução e Experimentação. Proposições Momológicas Leis que estabelecem relações constantes no tempo e no espaço entre fenômenos.

26 DURKHEIM CONCEITOS

27 ORDEM SOCIAL: fundamentos D urkheim concentrou sua atenção sobre os problemas morais. Origem da moralidade? Função e efeitos da moralidade na coesão social.

28 OBJETO DA SOCIOLOGIA Ordem Moral : crenças e sentimentos coletivas ou representações sociais. Ordem Moral : crenças e sentimentos coletivas ou representações sociais. Mecanismos de Integração e Regulação: família, escola, profissão, etc. Mecanismos de Integração e Regulação: família, escola, profissão, etc.

29 INTEGRAÇÃO SOCIAL ORDEM MORAL ( crenças e sentimentos coletivos) ou REPRESENTAÇÕES SOCIAIS. MORFOLOGIA SOCIAL

30 ORDEM MORAL E INTEGRAÇÃO SOCIAL ação coercitiva moral Coesão social ação coercitiva moral da sociedade sobre os indivíduos.

31 ORDEM MORAL E INTEGRAÇÃO SOCIAL

32 ORDEM MORAL E A COESÃO SOCIAL ORDEM MORAL OU CONSCIÊNCIA COLETIVA SOLIDARIEDADE COESÃO SOCIAL

33 ORDEM MORAL E SOLIDARIEDADE S olidariedade é um princípio. S olidariedade é um princípio. S ão as formas concretas e visíveis de solidariedade - as regras morais de comportamento - que se impõem sobre os membros da sociedade através da coerção que devem ser tomadas como coisas. S ão as formas concretas e visíveis de solidariedade - as regras morais de comportamento - que se impõem sobre os membros da sociedade através da coerção que devem ser tomadas como coisas. O s membros da sociedade não produzem as regras, quando nascem elas já existem como tal. O s membros da sociedade não produzem as regras, quando nascem elas já existem como tal.

34 AS FORMAS DE SOLIDARIEDADE Natureza da Sociedade Processo de Individuação Relação do Indivíduo com a sociedade Tipos de Solidariedade Crenças e sentimentos comuns. FracoDiretaMECÂNICA Sistema de funções especializadas unificadas pelas relações sociais Forte Indireta. Intermediada pelos grupos especializados ORGÂNICA

35 ORDEM MORAL SOLIDARIEDADE Sociedade é qualquer grupo social dotado de coesão. Sociedade é qualquer grupo social dotado de coesão. A substância da coesão é fornecida pela solidariedade. A substância da coesão é fornecida pela solidariedade. A sociedade é solidariedade. A sociedade é solidariedade. Onde há menos solidariedade, há menos sociedade. Onde há menos solidariedade, há menos sociedade. A solidariedade é um conceito abstrato, essência, é um princípio que, em si, não existe. A solidariedade é um conceito abstrato, essência, é um princípio que, em si, não existe. O que existe são formas concretas de solidariedade. O que existe são formas concretas de solidariedade.

36 DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE... onde a sociedade repousa o mais completamente possível sobre a divisão social do trabalho, ela não se resume a uma poeira de átomos justapostos, entre os quais só se possa estabelecer contatos exteriores e passageiros. Seus membros estão unidos por laços que se estendem bem além dos breves momentos em a troca se realiza. Cada função que eles exercem é, constantemente dependente das outras e forma com elas um sistema solidário.... onde a sociedade repousa o mais completamente possível sobre a divisão social do trabalho, ela não se resume a uma poeira de átomos justapostos, entre os quais só se possa estabelecer contatos exteriores e passageiros. Seus membros estão unidos por laços que se estendem bem além dos breves momentos em a troca se realiza. Cada função que eles exercem é, constantemente dependente das outras e forma com elas um sistema solidário.

37 DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO, SOLIDARIEDADE E ANOMIA...se a divisão social do trabalho não produz solidariedade, é porque as relações dos órgãos não estão regulamentadas, estão em estado de anomia. Densidade Moral. Densidade Moral. Densidade Moral e Distância Física. Densidade Moral e Distância Física. Densidade Moral e Densidade Material. Densidade Moral e Densidade Material. Segmentação da Sociedade Segmentação da Sociedade

38 Volume da população. Volume da população. Concentração Territorial. A Cidade. Concentração Territorial. A Cidade. Aumento das Comunicações e dos Transportes. Aumento das Comunicações e dos Transportes.

39 DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO DENSIDADE MORAL

40 Se a sociedade ao se condensar determina a divisão social do trabalho, esta por sua vez, aumenta a condensação da sociedade.Se a sociedade ao se condensar determina a divisão social do trabalho, esta por sua vez, aumenta a condensação da sociedade.

41 Não dissemos que o crescimento e a condensação das sociedades permitem, mas sim que necessitam de uma divisão maior do trabalho. Esta não é instrumento pelo qual aquele se realiza: é sua causa determinante.Não dissemos que o crescimento e a condensação das sociedades permitem, mas sim que necessitam de uma divisão maior do trabalho. Esta não é instrumento pelo qual aquele se realiza: é sua causa determinante.

42 O DIREITO E A SOLIDARIDADE Repressivas. I nfligem ao culpado uma dor, uma privação. Repressivas. I nfligem ao culpado uma dor, uma privação. Restitutórias. F azem com que as coisas e as relações pertubadas sejam restabelecidas a seu anterior estado, levando o culpado a reparar o dano causado. Restitutórias. F azem com que as coisas e as relações pertubadas sejam restabelecidas a seu anterior estado, levando o culpado a reparar o dano causado.

43 O INDIVÍDUO E A SOLIDARIEDADE S urge o Individualismo Moral. Individualismo Moral X Egoísmo. Individualismo produto da Ordem Moral.

44 O INDIVÍDUO E A SOLIDARIEDADE Na medida em que a sociedade ocupa um lugar menor, abre-se espaço para o desenvolvimento das dessemelhanças, da individuação. Daí a idéia de que a individuação é um processo intimamente ligado ao desenvolvimento da divisão do trabalho.

45 O INDIVÍDUO E A SOLIDARIEDADE A DST e o processo de diferenciação de funções A DST e o processo de diferenciação de funções A DST é fato social e seu principal efeito não é aumentar o rendimento das funções divididas, mas produzir solidariedade. A DST é fato social e seu principal efeito não é aumentar o rendimento das funções divididas, mas produzir solidariedade.

46 O INDIVÍDUO, SOLIDARIEDADE E ANOMIA Problemas de controle social. Problemas de controle social. O controle social perde eficácia. O controle social perde eficácia. O valores estão ausentes ou em conflito. O valores estão ausentes ou em conflito. Os indivíduos não estão adequadamente socializados. Os indivíduos não estão adequadamente socializados. Ou os fins não estão ajustados às oportunidades. (R. Merton) Ou os fins não estão ajustados às oportunidades. (R. Merton)

47 O INDIVÍDUO E A SOLIDARIEDADE DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO DENSIFICAÇÃO DA SOCIEDADE INDIVIDUALISMO MORAL POSSIBILIDADE DE ANOMIA PAPEL DS INSTITUIÇÕES

48 FIM

49 SOLIDARIEDADE E ANOMIA O Suicídio (1897) O Suicídio (1897) Nesta obra, Durkheim ao preocupar-se com as causas do suicídio está discutindo a integração social, mesmo que seja do seu lado negativo, da patologia social. Nesta obra, Durkheim ao preocupar-se com as causas do suicídio está discutindo a integração social, mesmo que seja do seu lado negativo, da patologia social. P atologias não são monstruosidades, pois todas as sociedades as possuem, logo é um fenômeno normal. P atologias não são monstruosidades, pois todas as sociedades as possuem, logo é um fenômeno normal.

50 SOLIDARIEDADE E ANOMIA P ara Durkheim, aqueles que buscaram explicar o suicídio a partir da consideração de casos isolados, não chegaram a sua causa geradora que é, segundo ele, exterior aos indivíduos. P ara Durkheim, aqueles que buscaram explicar o suicídio a partir da consideração de casos isolados, não chegaram a sua causa geradora que é, segundo ele, exterior aos indivíduos.

51 SOLIDARIEDADE E ANOMIA A s taxas variam e os suicídios podem ser classificados em egoísta, anômico e altruísta. A s taxas variam e os suicídios podem ser classificados em egoísta, anômico e altruísta. O suicídio anômico é aquele que se deve a um estado de desregramento social, no qual as normas estão ausentes. Este é o estado de anomia. O suicídio anômico é aquele que se deve a um estado de desregramento social, no qual as normas estão ausentes. Este é o estado de anomia.

52 SOLIDARIEDADE E ANOMIA N o suicídio altruísta o indivíduo se coloca a disposição da sociedade. N o suicídio altruísta o indivíduo se coloca a disposição da sociedade. N o suicídio egoísta que ele discute a questão da integração, na medida em que identifica que a depressão, a melancolia, a sensação de desamparo moral provocados pela desintegração social, tornam-se a causa do suicídio egoísta. N o suicídio egoísta que ele discute a questão da integração, na medida em que identifica que a depressão, a melancolia, a sensação de desamparo moral provocados pela desintegração social, tornam-se a causa do suicídio egoísta.

53 SOLIDARIEDADE E ANOMIA D urkheim procurará demonstrar de que modo o conjunto desses fenômenos poderá ser tomado como um fato novo e suis generis, resultante de fatores de origem social que ele chama de correntes suicidogêneas, verdadeiros estímulos que atuariam sobre os indivíduos possibilitando que eles procurem a própria morte. D urkheim procurará demonstrar de que modo o conjunto desses fenômenos poderá ser tomado como um fato novo e suis generis, resultante de fatores de origem social que ele chama de correntes suicidogêneas, verdadeiros estímulos que atuariam sobre os indivíduos possibilitando que eles procurem a própria morte.

54 SOLIDARIEDADE E ANOMIA c ada grupo social tem uma inclinação coletiva para o suicídio, e desta derivam as inclinações individuais. Mas a influência das conjunturas particulares de cada um – que são, em geral, tomadas por causas imediatas do suicídio – não passam de ressonânciais do estado moral da sociedade. c ada grupo social tem uma inclinação coletiva para o suicídio, e desta derivam as inclinações individuais. Mas a influência das conjunturas particulares de cada um – que são, em geral, tomadas por causas imediatas do suicídio – não passam de ressonânciais do estado moral da sociedade.

55 SOLIDARIEDADE E ANOMIA A coesão e vitalidade das instituições às quais o indivíduo está ligado, a intensidade com que se manifesta a solidariedade em seu grupo religioso, a solidez dos laços que unem o indivíduo a sua família e a força dos sentimentos que o vinculam à sociedade política contribuem para preservá-lo de cometer suicídio. A coesão e vitalidade das instituições às quais o indivíduo está ligado, a intensidade com que se manifesta a solidariedade em seu grupo religioso, a solidez dos laços que unem o indivíduo a sua família e a força dos sentimentos que o vinculam à sociedade política contribuem para preservá-lo de cometer suicídio.

56 SOLIDARIEDADE E ANOMIA P ortanto, para Durkheim as sociedades religiosa, doméstica e política podem exercer sobre o suicídio uma influência moderadora. Ao se constituírem em grupos fortemente integrados, essas instituições protegem seus membros. P ortanto, para Durkheim as sociedades religiosa, doméstica e política podem exercer sobre o suicídio uma influência moderadora. Ao se constituírem em grupos fortemente integrados, essas instituições protegem seus membros.

57 Durkheim: conclusões D urkheim esteve atento para o surgimento de novas crenças, ideais e representações gerados em períodos revolucionários ou de grande intensidade social, capazes de extinguir o frio moral pelo qual passavam as sociedades industriais. D urkheim esteve atento para o surgimento de novas crenças, ideais e representações gerados em períodos revolucionários ou de grande intensidade social, capazes de extinguir o frio moral pelo qual passavam as sociedades industriais. R efere-se a seu tempo como uma época de profunda perturbação, onde as sociedades são obrigadas a renovar-se e a procurar-se laboriosamente e dolorosamente. Seus velhos ideais e divindades estão morrendo e os homens encontram-se num período de frio, de mediocridade moral. R efere-se a seu tempo como uma época de profunda perturbação, onde as sociedades são obrigadas a renovar-se e a procurar-se laboriosamente e dolorosamente. Seus velhos ideais e divindades estão morrendo e os homens encontram-se num período de frio, de mediocridade moral.

58 Durkheim: conclusões O legado de Durkheim está em ver a sociedade como ordem moral.Neste sentido os conceitos fundamentais de sua sociologia são: O legado de Durkheim está em ver a sociedade como ordem moral.Neste sentido os conceitos fundamentais de sua sociologia são: integração social ; integração social ; regulação social ; regulação social ; socialização. socialização.

59 Durkheim: conclusões N ão há conduta humana anterior a existência da vida em sociedade que não esteja no interior de algum padrão de regulação social, isto é, de regras de comportamento compartilhado que implicam regras de reciprocidade.Não há indivíduo que não seja socializado no sistema de crenças e sentimentos compartilhados coletivos. Não há sociedade sem coesão social. N ão há conduta humana anterior a existência da vida em sociedade que não esteja no interior de algum padrão de regulação social, isto é, de regras de comportamento compartilhado que implicam regras de reciprocidade.Não há indivíduo que não seja socializado no sistema de crenças e sentimentos compartilhados coletivos. Não há sociedade sem coesão social.

60 Durkheim: conclusões A sociedade para Durkheim é, antes de tudo, um conjunto de idéias e é por meio de suas consciências que os homens se ligam. As crenças e sentimento coletivos são o nós vital de qualquer sociedade. A sociedade para Durkheim é, antes de tudo, um conjunto de idéias e é por meio de suas consciências que os homens se ligam. As crenças e sentimento coletivos são o nós vital de qualquer sociedade. P ortanto, a sociedade tem por função manter a civilização: seu papel essencial é o de tornar possível o advento da humanidade. P ortanto, a sociedade tem por função manter a civilização: seu papel essencial é o de tornar possível o advento da humanidade.

61 FIM

62 DURKHEIM e sua Época Durkheim ( ): Terceira República. Instabilidade política e guerras civis. Durkheim ( ): Terceira República. Instabilidade política e guerras civis. A sociedade européia percebida como pouco integrada e cheia de contradições. A sociedade européia percebida como pouco integrada e cheia de contradições. Família e religião: enfraquecimento. Necessidade de criar um novo sistema científico e moral que se harmonizasse com a ordem industrial emergente. Família e religião: enfraquecimento. Necessidade de criar um novo sistema científico e moral que se harmonizasse com a ordem industrial emergente.


Carregar ppt "DURKHEIM: roteiro INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO MÉTODO MÉTODO CONCEITOS CONCEITOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google