A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Disciplina: Sociologia Prof.ª Md:Mª Eugênia Peixoto Estudo do texto:A SOCIOLOGIA NO BRASIL ( do livro: Sociologia- introdução à ciência da sociedade, autora:Cristina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Disciplina: Sociologia Prof.ª Md:Mª Eugênia Peixoto Estudo do texto:A SOCIOLOGIA NO BRASIL ( do livro: Sociologia- introdução à ciência da sociedade, autora:Cristina."— Transcrição da apresentação:

1 Disciplina: Sociologia Prof.ª Md:Mª Eugênia Peixoto Estudo do texto:A SOCIOLOGIA NO BRASIL ( do livro: Sociologia- introdução à ciência da sociedade, autora:Cristina Costa) O desenvolvimento do pensamento sociológico no Brasil obedeceu às condições de desenvolvimento do capitalismo e da inserção do país na ordem mundial,como resultado de um longo processo que teve como suporte as condições sócio-históricas do capitalismo na Europa, a partir do Renascimento.

2 A cultura colonial Reflete a herança cultura jesuítica e o lento processo de formação do Estado nacional. Os jesuítas exerceram durante três séculos o monopólio sobre a educação, o pensamento culto e a produção artística que aqui se desenvolveram.

3 A cultura colonial A cultura religiosa foi um importante instrumento de colonização. Implantou-se uma Cultura Erudita e Religiosa (Os produtores da chamada cultura erudita fazem parte de uma elite social, econômica, política e cultural e seu conhecimento ser proveniente do pensamento científico, dos livros, das pesquisas universitárias ou do estudo em geral (erudito significa que tem instrução vasta e variada adquirida sobretudo pela leitura). A arte erudita e de vanguarda é produzida visando museus, críticos de arte, propostas revolucionárias ou grandes exposições, público e divulgação).

4 A cultura colonial Cultura Erudita e Religiosa- baseado na retórica e em princípios universalizantes ( é a que é legitimada e transmitida pelas escolas e outras instituições). Seus efeitos foram aniquilar a cultura indígena, submeter as populações escravas e distinguir as camadas cultas

5 A cultura e as classes intermediárias no século XVIII No séc.XVIII, a mineração trouxe algumas transformações sociais, alterando a sociedade colonial até então dividida em dois grandes grupos: -os donos de terra (os administradores) -os escravos

6 A cultura e as classes intermediárias no século XVIII Surgiram novas ocupações: -comerciantes, artífices,criadores de animais,funcionários da administração que controlavam a extração de minérios e sua exportação, e outras. Essa camada intermediária livre e sem propriedades,precede o surgimento da burguesia-consumidora da erudição da cultura européia.

7 A cultura da corte e o século XIX Em 1808 houve a transferência da corte joanina para o Brasil. Introduzida na colônia a cultura portuguesa da época,resultante das influências do humanismo neoclassista francês (movimento cultural europeu, do século XVIII e parte do século XIX, que defende a retomada da arte antiga, especialmente greco-romana, considerada modelo de equilíbrio, clareza e proporção. O movimento, de grande expressão na escultura, pintura e arquitetura, recusa a arte imediatamente anterior - o barroco e o rococó, associada ao excesso, à desmedida e aos detalhes ornamentais)

8 Cultura Escolástica Cultura escolástica_era a filosofia ensinada nas escolas da época (que vai do começo do século IX até o fim do século XVI) pelos mestres, chamados, por isso, escolásticos. As matérias ensinadas nas escolas medievais eram representadas pelas chamadas artes liberais, divididas em trívio - gramática, retórica, dialética - e quadrívio - aritmética, geometria, astronomia, música

9 A cultura da corte e o século XIX Destinava-se a descrever a colônia por meio de estudos naturalistas, que recebiam o nome genérico de história natural,e a recrutar, as classes intermediárias, intelectuais, dispostos a servir à corte e às classes dominantes. Continuava sendo uma cultura alienada, ditada pelas formas européias, além de garantir o domínio do poder imperial.

10 A cultura da corte e o século XIX Apesar dos movimentos intelectuais e literários que tratavam de questões políticas e sociais no Brasil, a terra e a nação surgiram como objeto, como tema, nunca como pensamento crítico desenvolvido a partir das condições próprias da nação,caracterizava uma forma de alienação, responsável pelo tardio desenvolvimento da ciência no Brasil.

11 O ADVENTO DA BURGUESIA A burguesia surgiu com o desenvolvimento das atividades comerciais,de exportação e a expansão capitalista do início do século, revolucionaram o modo de pensar, capaz de transformar a antiga colônia numa nação capitalista.

12 O ADVENTO DA BURGUESIA A burguesia emergente necessitava de um saber mais nacional e pragmático, menos universalista e dependente da estrutura social colonial. Procurava-se combater o analfabetismo, homogeneizar os valores e o discurso, criar um sentimento de patriotismo que levasse a mudanças reais na estrutura social.

13 O ADVENTO DA BURGUESIA A Primeira Guerra Mundial e a crise que a sucedeu fizeram crescer o poder econômico e político da burguesia nacional

14 A GERAÇÃO DE 30 A década de 30 se norteou por algumas preocupações gerais entre a intelectualidade: Interesse pela descoberta do Brasil verdadeiro, em oposição ao Brasil colonizado e estudado sob a visão etnocêntrica da Europa O desenvolvimento do nacionalismo, como sentimento capaz de unir as diversas camadas sociais.

15 A GERAÇÃO DE 30 A valorização do cientificismo- como principal forma de conhecer e explicar a nação- e um grande anseio por modernizar a estrutura social brasileira. A sociologia como conhecimento sistemático e metódico da sociedade só aparece na década de 30.

16 A GERAÇÃO DE 30 Fundação da Escola Livre de Sociologia e Política, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, em São Paulo, e da Ação Integralista Brasileira (1932) Intelectuais da chamada geração de 30,foram Caio Prado Júnior, Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Hollanda e Fernando de Azevedo

17 A GERAÇÃO DE 30 Na década de 30, grandes mudanças ocorreram no Brasil: a crise da política defendida pelas oligarquias agrárias, o crescimento da burguesia, o incremento da industrialização e a centralização do poder com o golpe de 1937, que instaurou o Estado Novo no país. Surgiram pensadores de influência marxista ou liberal.

18 A GERAÇÃO DE 30 Foram criados inúmeros ministérios e institutos-antigos bacharéis de direito, engenharia e medicina, com conhecimentos gerais de ciências sociais e humanas foram encaminhados para o funcionalismo público.

19 A GERAÇÃO DE 30 Surgiram os pensadores de direita, ideólogos do integralismo, tais como Plínio Salgado, que via com desconfiança não só o movimento modernizador da sociedade como também o liberalismo e o marxismo. Suas idéias conservadoras exaltavam a ordem, a disciplina e a tradição, bem como o autoritarismo do Estado.

20 A DÉCADA DE 40 A Segunda Guerra Mundial foi o divisor de águas na história da civilização ocidental, responsável pela emergência e pela consagração dos EUA e da então URSS como potências mundiais. Acordos definiram as regiões do planeta que ficariam sob o controle político e ideológico dos EUA ou da URSS, determinando a divisão do mundo em dois blocos político-econômicos rivais e inconciliáveis.

21 A DÉCADA DE 40 Na década de 40, o país adquiria consciência de sua complexidade e de sua particularidade. Tudo favorecia a superação de uma cultura que buscara sempre se identificar com as metrópoles econômicas e culturais européias. As artes, a ciência se debruçava sobre o Brasil, valorizando seus aspectos mais específicos e minoritários.

22 A DÉCADA DE 40 O pensamento sociológico, como forma de pensar a nação brasileira e desenvolver uma consciência crítica sobre nossa realidade, adquiriu nessa década uma importância cada vez maior. As análises sobre as desigualdades sociais, etnias, políticas indigenistas, regionalismos, tradições, transição e mudança extrapolaram os limites da disciplina e foram incorporadas pela geografia, pela história e até pela filosofia.

23 A DÉCADA DE 50 A década de 50 é marcada por dois importantes pensadores, responsáveis pela formação de duas grandes correntes do pensamento social brasileiro: -Florestan Fernandes Celso Furtado

24 A DÉCADA DE 50 Florestan Fernandes, unia a teoria à prática, sendo o que ele próprio chamava de sociólogo militante, foi influenciado por Marx. Segundo Florestan, a sociedade podia ser estudada pelos padrões ou estrutura, isto é, os fundamentos da organização social pelos dilemas (conjunturas históricas), que eram contradições geradas pela dinâmica interna da estrutura.

25 A DÉCADA DE 50 Florestan Fernandes é o principal ele entre uma geração de importantes catedráticos e uma nova geração que surgia nos anos 50. Suas grandes preocupações, no campo da sociologia, além da reflexão teórica, foram o estudo das relações sociais e da estrutura de classes da sociedade brasileira, o capitalismo dependente e o papel do intelectual.

26 A DÉCADA DE 50 Celso Furtado foi o grande inovador do pensamento econômico, não só no Brasil, como também em toda a América Latina. É apontado como o fundador da economia política brasileira. Propõe uma interpretação histórica da realidade econômica e, em especial, do subdesenvolvimento, entendidos como fruto de relações internacionais.

27 A DÉCADA DE 50 Celso Furtado foi defensor da idéia de que o subdesenvolvimento não correspondia a uma etapa histórica das sociedades rumo ao capitalismo, mas se tratava de uma formação econômica gerada pelo próprio capitalismo internacional. A principal crítica que se faz a seu pensamento é ter servido de ideologia para a burguesia nacional, em especial, durante a política desenvolvimentista adotada por Juscelino Kubitschek.

28 DARCY RIBEIRO E A QUESTÃO INDÍGENA Romancista, etnólogo e político, Darcy superou sua formação acadêmica. Em seus estudos, a questão indígena relacionava-se a uma ampla análise do desenvolvimento industrial e do processo civilizatório a partir dos centros hegemônicos, quer dentro do próprio país, quer a partir das relações internacionais.

29 DARCY RIBEIRO E A QUESTÃO INDÍGENA Sua atuação foi sempre a de um antropólogo militante que, seguindo a linha marxista, condenou toda ortodoxia, buscou as raízes históricas da situação das populações indígenas e procurou saídas estratégicas.

30 O GOLPE DE 1964 O golpe militar de 1964 – implantou nova ditadura no Brasil e teve como ideário o desenvolvimento capitalista, o apoio ao capitalismo norte- americano e a repressão às tentativas de transformação da ordem estabelecida-teve duras repercussões junto ao desenvolvimento das ciências sociais e à estruturação desses cursos universitários no País.

31 O GOLPE DE 1964 Entre os anos 40 e 60, a sociologia produziu inúmeros trabalhos denunciando as desigualdades sociais e as relações de domínio e opressão internas e externas. Os mais diversos estudos buscavam a conscientização da população e a luta pelo desenvolvimento de formas mais democráticas e igualitárias de vida social, desde os estudos voltados para a ação sindical até aqueles que procuravam introduzir mudanças na educação. O pensamento crítico e revelador dos conflitos sociais.

32 O GOLPE DE 1964 Boa parte da sociologia refletia a opção por uma ideologia revolucionária e socialista, tendência que se sedimentava à medida que se faziam mais fortes os laços de dependência do país em relação ao imperialismo norte-americano. O confronto entre a universidade e o regime militar chegou a extremos em todo o País com passeatas, embates físicos, manifestações, ocupações de prédios, espancamentos, prisões e mortes.

33 O GOLPE DE 1964 Com a decretação do Ato Institucional nº5 (AI-5), em dezembro de 1968, que implantou a ditadura no País, os principais nomes da sociologia no Brasil foram sumariamente aposentados e impedidos de lecionar. Muitos foram exilados, outros se exilaram, passando a publicar seus trabalhos no exterior.

34 AS CIÊNCIAS SOCIAIS PÓS-64 Núcleos de pesquisas independentes foram formados, como o Cebrap ( Centro Brasileiro de Análise e Planejamento),o CERU (Centro de Estudos Rurais e Urbanos), o CESA ( Centro de Estudos de Sociologia da Arte) e o CER (Centro de Estudos da Religião)

35 AS CIÊNCIAS SOCIAIS PÓS-64 Nos anos 80, com a abertura política, surgem outros partidos e antigas alianças se reproduzem sob nova roupagem. Muitos cientistas sociais decidem deixar a cátedra para ingressar na política propriamente dita. O PT ( Partido dos Trabalhadores) foi o que mais se beneficiou com essa nova atuação de nossos cientistas.


Carregar ppt "Disciplina: Sociologia Prof.ª Md:Mª Eugênia Peixoto Estudo do texto:A SOCIOLOGIA NO BRASIL ( do livro: Sociologia- introdução à ciência da sociedade, autora:Cristina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google