A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A IGREJA NA IDADE MÉDIA. A Origem do Clero Medieval Edito de Tessalônica (391): oficialização do cristianismo como religião oficial do Império Romano;

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A IGREJA NA IDADE MÉDIA. A Origem do Clero Medieval Edito de Tessalônica (391): oficialização do cristianismo como religião oficial do Império Romano;"— Transcrição da apresentação:

1 A IGREJA NA IDADE MÉDIA

2 A Origem do Clero Medieval Edito de Tessalônica (391): oficialização do cristianismo como religião oficial do Império Romano; Apesar da crise do Império, o poder da Igreja continuou ampliando-se, devido à alianças feitas com tribos bárbaras; Estas alianças possibilitaram aos membros da Igreja participarem dos governos dos novos reinos e influenciasse diretamente o sistema feudal; Com a ampliação do poder, a Igreja passou a ser a maior detentora de terras da Idade Média e influenciadora direta da vida medieval.

3 Estrutura Eclesiástica na Idade Média CLERO SECULAR

4 Clero secular: responsável pelas coisas da vida; Clero regular: monges e abades – responsáveis pela valorização da espiritualidade, da oração e do respeito à regras como caridade, castidade e pobreza; Era responsabilidade do clero regular converter os bárbaros e desenvolver a cultura;

5 O crescimento do clero secular era visualizado através da domínio temporal do poder na Itália e o controle científico cultural que havia na época; A doação do território de Ravena, de Pepino, o Breve (Reino dos Francos), à Igreja é outra mostra da ascensão do poder desta instituição; A única resistência que a Igreja encontrou na Alta Idade Média foi o Cisma do Oriente, que deu origem à Igreja Ortodoxa.

6 Movimentos Reformistas Séc. IX, monges do mosteiro de Cluny passaram a questionar atos de alguns clérigos: venda de indulgências, a vida mundana e a intromissão de nobres e reis em assuntos da Igreja passaram a ser condenados – Sacro Império Romano – Germânico; 1073: Gregório VII, ex monge de Cluny, é eleito Papa e passa a adotar os princípios de sua ordem; Mudanças definidas pelo novo papa não foram aceitas pelo imperador Henrique IV (Sacro Império Romano – Germânico), causando desentedimentos, como: Questão da Investiduras, que gerou a excomunhão de Henrique IV

7 Após guerras e conflitos, foi assinada a Concordata de Worms (1122), bispos passariam a ser escolhidos pelo papa e pelo rei; Cisma do Ocidente (séc XIV): quebra da unidade da Igreja; Rei francês, Felipe, o belo, rompe relações com a Igreja e enfraquece completamente o papa Bonifácio VIII; Surgem nesse momento as heresias – movimentos que se opunham ao ideário católico; Algumas heresias se destacaram: valdenses – autonomia dos fiéis junto ao clérigo; albigenses – modo de vida do clero e ensinamentos da Igreja.

8 Medidas da Igreja visando minimizar os movimentos heréticos: Cruzadas dos Albigenses; Santo Ofício da Inquisição; No final da Idade Média, o enfraquecimento do sistema feudal, juntamente com as contestações junto à Igreja seriam os fatores fundamentais para a ocorrência da Reforma Protestante.

9 AS CRUZADAS

10 Transformações na Europa Centro Ocidental Baixa Idade Média Crescimento populacional exagerado – aumento na produção de alimentos; Aumento da população representou uma forma para recrutamento para conquistas, como a Expansão Germânica para o leste, a Guerra de Reconquista e as Cruzadas;

11 Fatores que levaram às Cruzadas 1 - Crescimento populacional – marginalização e miséria passou a atingir os filhos mais novos dos nobres, que sem posses, eram obrigados à integrarem cargos da Igreja ou a se tornarem cavaleiros; Entretanto, a marginalização se mostrou mais intensa aos servos, que passaram a ser desprezados à medida que as inovações técnicas alteravam a sociedade de consumo para a sociedade de mercado; Muitos servos passaram a ocupar aldeias e centros urbanos, onde exerciam atividades diversas, enquanto muitos outros passaram a integrar a marginalidade (bandoleiros).

12

13 Este excedente de população marginalizada, durante este período da Baixa Idade Média, serviu como contingente para a formação de exércitos, que garantiriam suas sobrevivências através das Cruzadas; 2 – Apoio dos Bizantinos: ameaça do avanço dos turcos faz com que Constantinopla volte a se aproximar de Igreja, muito enfraquecida na época pela Querela das Investiduras; 3 – Aumento da participação das cidades italianas no comércio com o Oriente; 4 – Libertação do Santo Sepulcro das mãos dos Infiéis.

14

15 O Movimento (1096 – 1270) Cruzada dos Mendigos (1096): composta por populares marginalizados, unicamente, e caracterizou- se pelo misticismo impregnado na época. Foram massacrados pelos turcos; 1 Cruzada (1096 – 1099) – Cruzada dos Nobres: única cruzada que obteve sucesso e conseguiu reconquistar Jerusalém; Surgimento da Ordem dos Templários; 2 Cruzada (1147 – 1149) – marcada pela reorganização dos turcos e pelo fracasso dos europeus; 3 Cruzada (1189 – 1192) – Cruzada dos Reis - Ricardo, Coração de Leão(Inglaterra), Felipe Augusto (França) e Frederico I (Sacro Império) lideraram este movimento, onde Ricardo sem obter sucesso,somente fez um acordo com o Sultão Saladino, que após vencê- lo, permitiu a peregrinação de cristãos à Jerusalém.

16 4 Cruzada (1202 – 1204) – Cruzada Comercial: marcada pelo saque dos cristãos europeus à Constantinopla, fundando o Reino Latino de Constantinopla, que foi retomado pelos turcos em 1261; Cruzada das Crianças(1212): Igreja determinou que somente as almas puras poderiam libertar Jerusalém, mas a Cruzada não se efetivou e as crianças acabaram vendidas como escravas; As demais cruzadas (5, 6, 7 e 8) não representaram grandes êxitos, apenas acordos diplomáticos.

17


Carregar ppt "A IGREJA NA IDADE MÉDIA. A Origem do Clero Medieval Edito de Tessalônica (391): oficialização do cristianismo como religião oficial do Império Romano;"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google