A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso de especialização em Engenharia Elétrica com Ênfase em Análise de Sistemas de Energia e Automação e Controle de Processos (Curto-Circuito) Prof.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso de especialização em Engenharia Elétrica com Ênfase em Análise de Sistemas de Energia e Automação e Controle de Processos (Curto-Circuito) Prof."— Transcrição da apresentação:

1 Curso de especialização em Engenharia Elétrica com Ênfase em Análise de Sistemas de Energia e Automação e Controle de Processos (Curto-Circuito) Prof. Ghendy Cardoso Jr. UFPA/NESC/GSEI

2 Aplicação O estudo de curto-circuito em sistemas elétricos normalmente ocorre no processo de planejamento e projeto do sistema, bem como em fases posteriores já no sistema existente, como parte de rotinas de ampliações, mudanças e ajustes necessários. UFPA/NESC/GSEI

3 Finalidade Valores máximos (primeiro ciclo): Capacidade de interrupção de fusíveis e CBs de BT; Capacidade momentânea de CBs de MT e AT (> 1 kV) Dimensionamento de componentes solicitações dinâmicas e efeitos térmicos decorrentes do curto-circuito; Possibilitar o dimensionamento de disjuntores; Permitir ajustes e coordenação de relés de proteção. especificação de pára-raios. Valores mínimos (interrupção e 30 ciclos): Capacidade de interrupção de CBs de MT e AT (> 1 kV) Ajustes da proteção (relés temporizados) UFPA/NESC/GSEI Estimar valores máximos e mínimos das correntes de curto-circuito

4 Tipos de curto-circuito Aberturas mono e bipolar UFPA/NESC/GSEI

5 Análise dos defeitos UFPA/NESC/GSEI 1.O defeito FFF, do ponto de vista da estabilidade, é o + crítico 2.Defeito FF tem sempre intensidade inferior a do FFF 3.Curto FT e FFT tendem serem + severos a medida que Z0 diminui 4.Geralmente, sistemas industriais (2,4 -34,5 kV) a IccFT < IccFFF 5.Na alta tensão a relação entre IccFT e IccFFF varia.

6 Hipóteses simplificadoras Transmissão e subtransmissão Despreza-se as resistências; Admite-se impedância nula no ponto de defeito; Despreza-se as correntes de carga; Admite-se que todas as tensões geradas estejam em fase e sejam iguais em módulo. Desprezar Zs de CBs, TCs, conexões, etc. UFPA/NESC/GSEI

7 Teoremas básicos Teorema da superposição Permite levar em conta a corrente de carga do sistema antes da falta (alta precisão). Teorema de Thevènin Para o cálculo da Icc. I cc = V th Z th + z f UFPA/NESC/GSEI

8 Simetria e assimetria das Icc UFPA/NESC/GSEI Icc simétrica Icc assimétrica V=Vm*sem (wt+α) â V no inst. curto â da Zth no ponto de defeito

9 Exemplo: UFPA/NESC/GSEI Uma tensão alternada de 60Hz, valor eficaz de 100V é aplicada a um circuito RL série, pelo fechamento de uma chave. A resistência é de 10 ohms e a indutância de 0,1 H. a) Qual é o valor da componente dc da corrente, ao fechar a chave se, nesse instante, o valor instantâneo da tensão for de 50V? b) Qual é o valor instantâneo da tensão que produz a componente dc de valor máximo ao fechar a chave? c)Qual é o valor instantâneo da tensão que resulta na ausência de qualquer componente dc ao fechar a chave? d)Se a chave for fechada quando o valor instantâneo da tensão é zero, determine a corrente instantânea 0,5; 1,5; e 5,5 ciclos após? V=Vm*sem (wt+α)

10 Componentes das Icc UFPA/NESC/GSEI Icc real (parcialmente assimétrica)

11 Componentes das Icc UFPA/NESC/GSEI a) X (até 0,1s); b) X (até 0,5s – 2s); c) Xs; d) Componente dc. e) Componente de C-C

12 UFPA/NESC/GSEI Contribuições das fontes de curto-circuito

13 UFPA/NESC/GSEI Exemplo: Considere que a Icc simétrica RMS = 50,000 A, com fator de potência de curto-circuito = 15% X/R = Ip = Is x Mp (Coluna 3 – da tabela) Ia = Is x Mm (Coluna 4 – da tabela) Ver Mp e Mn na tabela Is = 50,000 A RMS Simétrico Ip = 50,000 x = 115,450 A Ia = 50,000 x = 66,500 A RMS Assimétrico t = tempo em ciclos Iass,pico = Kpico.Isim Iass = Kass.Isim t = tempo em ciclos

14 A medida que X/R aumenta, Imax aumenta Imax sempre ocorre dentro do 1º ciclo p/ X/R=0,1 Imax ocorre em torno de 0,26 ciclos. p/ X/R15 Imax ocorre em torno de 0,5 ciclos.

15 UFPA/NESC/GSEI O disjuntor deve ser dimensionado para interromper a corrente existente no tempo de separação dos contatos Rated interrupting Time (ciclos) Opening time (ciclos) Contact parting time (ciclos) Capability factor (*) ,0 1,5 2,5 3,5 1,5 2,0 3,0 4,0 1,3 1,2 1,1 1,0 * p/ ½ ciclo e X/R = 15

16 UFPA/NESC/GSEI Tipos de estudo InstanteANSI/IEEE Inicial1º cicloValor inicial da Icc (eficaz simétrico) Picoclosing and latchingDimensionamento de disjuntores (>1 kV) Icc (instantâneo) Interrupçãointerrupting dutyIcc no instante de separação dos contatos do CB (eficaz simétrico) Longa duração 30 ciclos (relés temporizados Icc após tempo relativamente longo (eficaz)

17 UFPA/NESC/GSEI

18

19 Curto-circuito trifásico Não provoca desequilíbrio; Classificado como simétrico; Cálculo efetuado por fase; Considerar o circuito equivalente de seq. +.

20 Transformação Y - delta UFPA/NESC/GSEI

21 Mudança de topologia x Icc UFPA/NESC/GSEI

22 Considere que a carga na barra 2 é suportada para perda de um elemento do sistema: Todas as LTs em serviço Icc 2 = -j20 pu Saída da LT 2-3 Icc 2 = -j10 pu Na distribuição: Saída do trafo 2-4 perda de todas as cargas do alimentador; Com o sistema normal Icc 9 = -j0,23 pu Perda de um dos geradores Icc 9 = -j0,229 pu Logo, o SD vê a fonte quase como uma fonte de Z constante. Pouco sensível às mudanças sofridas pelo sistema de transmissão. UFPA/NESC/GSEI

23 Exemplo: Gerador: 30 MVA, 13,8 kV, Xd=15% T1: 35 MVA, 13,2 /115 Yaterrado kV, X=10% LT1: X1=80 Ω T2: 35 MVA, 115 Yaterrado / 13,2 kV, X=10% m1: 20 MVA, 12,5 kV, Xd = 20% m2: 10 MVA, 12,5 kV, Xd = 20% Determine as tensões de fase e linha na barra k, em kV? UFPA/NESC/GSEI

24 Influência da corrente de carga Um alternador e motor síncrono têm para valores nominais 30 MVA, 13,2 kV e ambos possuem X=20%. XLT = 10% na base dos valores nominais da máquina. O motor está consumindo 20 MW com cosΦ=0,8 em avanço e tensão terminal 12,8 kV, quando ocorre uma falta 3Φ entre seus terminais. Determine a I no alternador, no motor e na falta? Conclusão: A corrente de curto circuito é a mesma, com ou sem carga, o que muda é a contribuição das linhas

25 Curto-circuito 3Φ por Zbus = UFPA/NESC/GSEI

26 Para um curto-circuito na barra 3 = De modo geral para uma falta na barra K: UFPA/NESC/GSEI

27 Curto-circuito 3Φ por Zbus Determine o Icc 3Φ na barra 2? Determine as contribuições nas linhas? Determine as contribuições dos geradores? UFPA/NESC/GSEI

28 Componentes simétricas Teorema de Fortescue (1918) Qualquer grupo desequilibrado de n fasores associados, do mesmo tipo, pode ser resolvido em n grupos de fasores equilibrados, denominados componentes simétricas dos fasores originais. Para sistema trifásico n = 3 Seq. + Seq. – Seq. 0 {

29 UFPA/NESC/GSEI [ F ] Equação de síntese Equação de análise

30 Considerações sobre Comp. Seq. 0 1)Não existem componentes simétricas de seqüência zero se for nula a soma dos fasores que constituem o sistema trifásico desequilibrado original; 2)Não existem componentes de seq. 0 nas tensões de linha; 3)A soma das tensões de fase não é necessariamente = 0 e portanto estas tensões podem conter comp. seq. 0; 4)A corrente de seqüência 0 só existe se houver um circuito fechado no qual possa circular. UFPA/NESC/GSEI

31 Considerações sobre Comp. Seq. 0 UFPA/NESC/GSEI

32 Considerações sobre Comp. Seq. 0 UFPA/NESC/GSEI

33 Considerações sobre Comp. Seq. 0 UFPA/NESC/GSEI

34 Modelagem de componentes Modelos de linhas de transmissão LT curta LT média LT longa UFPA/NESC/GSEI

35 Modelagem de componentes Modelo de geradores UFPA/NESC/GSEI

36 Modelagem de componentes Modelo transformadores Seqüência + Seqüência - UFPA/NESC/GSEI

37 Modelagem de componentes Modelo transformadores Seqüência 0 UFPA/NESC/GSEI

38 Modelagem de componentes Modelo transformadores de 3 enrolamentos Seqüência + e - Seqüência 0 UFPA/NESC/GSEI

39 Modelagem de componentes Modelo transformadores reguladores Seqüência + e - Seqüência 0

40 UFPA/NESC/GSEI Modelagem de componentes Modelo transformadores reguladores Seqüência + e - Seqüência 0

41 UFPA/NESC/GSEI Curto-circuito F-T Condições de contorno: Ifb = Ifc = 0 Vfa = Zf. Ifa

42 UFPA/NESC/GSEI Gerador: Yn 30 MVA, 13,8 kV, Xd1=15%, X2=15%, X0=5%, Xn=31,51% T1: 30 MVA, 13,8 kV /120 kV Yn, X=7,86% LT1: 30 MVA, 120 kV, X1=16,66%, X0=52,10% T2: 30 MVA, 120 kV Yn / 13,8 kV, X=7,86% m1: Yn 30 MVA, 13,8 kV, Xd1 = 24,60%, X2=24,60%, X0=6,15%, Xn=20% m2: Y 30 MVA, 13,8 kV, Xd1 = 49,20%, X2=49,20%, X0=12,30% Determine as tensões de fase e linha na barra k, em kV? Exemplo:

43 UFPA/NESC/GSEI Influência da corrente de carga Gerador: Yn 7,5 MVA, 4,16 kV, Xd1=10%, X2=10%, X0=5%, Xn=6% T1: 7,5 MVA, 4,16 kV Yn / 600 V, X=10% m1: Yn 7,5 MVA, 600 V, Xd1 = 30%, X2=30%, X0=6%, Xn=3% Antes da falta: motor 5000 HP, cosΦ=0,85 atrasado, η=88% Determine as contribuições do gerador e motor p/ C-C FT em D (considere a influência da carga)?

44 UFPA/NESC/GSEI Curto-circuito FF Condições de contorno: Ifa = 0 Ifb+Ifc = 0 Vfb – Vfc = Zf. Ifb

45 UFPA/NESC/GSEI Exemplo: Gerador: Yn 30 MVA, 13,8 kV, Xd1=15%, X2=15%, X0=5%, Xn=31,51% T1: 30 MVA, 13,8 kV /120 kV Yn, X=7,86% LT1: 30 MVA, 120 kV, X1=16,66%, X0=52,10% T2: 30 MVA, 120 kV Yn / 13,8 kV, X=7,86% m1 : Yn 30 MVA, 13,8 kV, Xd1 = 24,60%, X2=24,60%, X0=6,15%, Xn=20% m2: Y 30 MVA, 13,8 kV, Xd1 = 49,20%, X2=49,20%, X0=12,30% Determine as tensões de fase e linha na barra k, em kV? Exemplo:

46 Curto-circuito FF-T Condições de contorno: Ifa = 0 Vfb = Zf. Ifb + ZG.(Ifc + Ifb) Vfc = Zf. Ifc + ZG.(Ifc + Ifb) UFPA/NESC/GSEI

47 Exemplo: Gerador: Yn 30 MVA, 13,8 kV, Xd1=15%, X2=15%, X0=5%, Xn=31,51% T1: 30 MVA, 13,8 kV /120 kV Yn, X=7,86% LT1: 30 MVA, 120 kV, X1=16,66%, X0=52,10% T2: 30 MVA, 120 kV Yn / 13,8 kV, X=7,86% m1: Yn 30 MVA, 13,8 kV, Xd1 = 24,60%, X2=24,60%, X0=6,15%, Xn=20% m2: Y 30 MVA, 13,8 kV, Xd1 = 49,20%, X2=49,20%, X0=12,30% Determine as tensões de fase e linha na barra k, em kV? UFPA/NESC/GSEI

48 Cálculo de curtos-circuitos assimétricos por Zbus Curto-circuito F-T (equações para um defeito na barra k, fase a) Cálculo das tensões nas barras UFPA/NESC/GSEI

49 Cálculo de curtos-circuitos assimétricos por Zbus Curto-circuito FF (equações para um defeito na barra k, fases bc) Cálculo das tensões nas barras UFPA/NESC/GSEI Cálculo da corrente de defeito no ponto de defeito Lembrando que:

50 Curto-circuito FF-T (equações para um defeito na barra k, fases bc + terra) Cálculo das tensões nas barras UFPA/NESC/GSEI Cálculo da corrente de defeito no ponto de defeito

51 Exemplo: Gerador: Yn ; Xd1 = X2 = X0=15%, Xn=5% T1: /Yn ; X=5% LT1: X1= X2 = 25%, X0 = 75% T2: Yn / / Yn, Xp = Xs = Xt = 4% Calcule as Icc FT, FF, FFT por Zbus? UFPA/NESC/GSEI

52 Abertura monopolar Condições de contorno: I a E = 0 V b ED = 0 V c ED = 0 UFPA/NESC/GSEI

53 Exemplo: Determine a tensão na fase a quando ocorrer uma abertura monopolar do disjuntor que conecta a barra 1 no transformador 1-2. UFPA/NESC/GSEI G1 (Yn) : X1 = X2 = 10 %, X0 = 10 %, Xn = 10% G2 (Yn) : X1 = X2 = 7,5 %, X0 = 3 %, Xn = 2% T1 (/Yn) : X1 = 4,545 % T2 (Yn/Yn) : X1 = 20 % T3 (Yn/Yn) : X1 = 12 % LT1: X1 = 2,2 + j28,78 %, X0 = 26,4 + j132,2 % LT2: X1 = 2,2 + j28,78 %, X0 = 26,4 + j132,2 % LT3: X1 = 1,5 + j19,62 %, X0 = 18 + j84 %

54 Abertura bipolar Condições de contorno: V a ED = 0 I b E = 0 I c E = 0 UFPA/NESC/GSEI

55 Arquivo de dados para programa de cálculo de curto-circuito UFPA/NESC/GSEI

56

57 FIM Obrigado! Prof. Ghendy Cardoso Junior, Dr. Eng. Universidade Federal do Pará NESC - Núcleo de Energia, Sistemas e Comunicações GSEI - Grupo de Sistemas de Energia e Instrumentação (0xx91)


Carregar ppt "Curso de especialização em Engenharia Elétrica com Ênfase em Análise de Sistemas de Energia e Automação e Controle de Processos (Curto-Circuito) Prof."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google