A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ementário O Modelo de Objetos –Histórico da evolução das linguagens de programação, PE versus POO, fundamentos do modelo de objetos, a importância da modelagem,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ementário O Modelo de Objetos –Histórico da evolução das linguagens de programação, PE versus POO, fundamentos do modelo de objetos, a importância da modelagem,"— Transcrição da apresentação:

1 Ementário O Modelo de Objetos –Histórico da evolução das linguagens de programação, PE versus POO, fundamentos do modelo de objetos, a importância da modelagem, métodos OO Tecnologias para apoio a orientação a objetos UML- Unified Modeling Language A Linguagem Java –introdução, a sintaxe e estruturas de controle Vocabulário da Orientação a Objetos (Abordagem com Java)

2 Diagrama de Classe é a essência da UML (OMT e Booch) coleção de elementos declarativos de modelo, como classes, tipos e seus respectivos conteúdos e relações estruturar atributos e operações em classes é fundamental para o trabalho de modelagem através do enfoque da orientação a objetos

3 Agregação Multiplicidade Subclasses Superclasse Restrição Classe associativa Associação Operações Classe Atributos Generalização (herança) Visibilidade

4 Relacionamentos (1/4) ligam as classes/objetos entre si criando relações lógicas entre estas entidades tipos de relacionamentos: –generalização/ especificação (herança) –associação –agregação –dependência

5 Relacionamentos (2/4) Generalização/ especificação –indica relacionamento entre um elemento mais geral e um elemento mais específico (respectivamente, superclasse e subclasse) –também conhecido como herança ou classificação (por exemplo, um enfermeira é um tipo de pessoa)

6 Relacionamentos (3/4) Agregação –usada para denotar relacionamentos todo/parte –por exemplo, um Item de compra é parte de um Pedido Associação –é um relacionamento que descreve um conjunto de vínculos, onde cada vínculo é definido como uma conexão semântica entre tuplas de objetos –por exemplo, um Cliente possui Conta Corrente

7 Relacionamentos (4/4) Dependência –é um relacionamento entre elementos, um independente e outro dependente –uma modificação no elemento independente afetará diretamente os elementos dependentes do anterior –é um relacionamento de utilização

8 Elementos Chaves 1. Objeto 2. Classe 3. Atributo 4. Operação 5. Associação 6. Restrição 7. Classe de associação 8. Dependência 9. Interface 10. Normalização do modelo de classes

9 1. Objeto é uma unidade real ou abstrata, individualizada e identificável características básicas: –estado: características herdadas ou distintas –identidade (id.): propriedade que o distingue de todos os demais –comportamento: modo como age e reage a estímulos externos (passagem de mensagens)

10 2. Classe um conjunto de objetos que compartilham estrutura e comportamento comuns (Booch) se a classe possuir como instâncias classes em vez de objetos, ela será denominada de metaclasse abstração = seleção de alguns aspectos de domínio do problema para modelagem

11 Ao definir classes, é importante: Buscar equilíbrio entre funcionalidade e reutilização, resistindo-se ao desejo de criar classes grandes que abrangem tudo: –Classes grandes são mais difíceis de entender e reutilizar, assim a criação de classes de objetos que possuam propósitos bem definidos contribui significativamente na reutilização por outras aplicações. –Classes menos complicadas são mais fáceis de entender e manter, e se uma classe não puder ser explicada de forma simples ela é forte candidata a subdivisão em classes menores.

12 As classes são os blocos de construção mais importantes de qualquer sistema orientado a objetos.

13 Notação gráfica para declarar e usar Classes Nome da Classe atributo atributo: tipo do dado atributo: tipo do dado = valor inicial... operação () operação (lista de parâmetros) operação (lista de parâmetros): tipo de resultado...

14 Classes Nome da Classe atributos da classe (opcional) operações da classe (opcional) Indivíduo +incluirIndivíduo(códigoDoIndivíduo) +destruirIndivíduo(códigoDoIndivíduo) Indivíduo +códigoDoIndivíduo:long +sexo: M ou F +dataDoNascimento: data +incluirIndivíduo(códigoDoIndivíduo) +destruirIndivíduo(códigoDoIndivíduo) +códigoDoIndivíduo:long +sexo: M ou F +dataDoNascimento: data 1) 2) 3) 4) Variações

15 Nome da Classe (1/2) cada classe deve ter um nome que a diferencie de outras classes o nome é uma seqüência de caracteres o nome de uma classe deve ser único no pacote que a contém somente o nome da classe é conhecido como nome simples nome de caminho é o nome da classe, tendo como prefixo o nome do pacote a que essa classe pertence

16 Nome da Classe (2/2) Nomes Simples Nomes de caminho HelloWorld Cliente TButton Regras de Negócio::ValidaPedido Tabelas::Cliente Quick Report::TQuickRep

17 3. Atributo menor unidade que em si possui significância própria e interrelacionada com o conceito lógico da classe à qual pertence (equivale aos campos de um registro) uma propriedade nomeada de um tipo em síntese, armazena valores em células sintaxe padrão: Visibilidade nomeDoAtributo: TipoDeExpressão = ValorInicial {Propriedade}

18 Sintaxe padrão p/ atributos (1/2) nomeDoAtributo –é uma seqüência de caracteres de identificação começando tipicamente com letra minúscula –primeira letra de cada palavra em maiúscula –ex: nomeDoIndivíduo, limiteDeCréditoDoCliente TipoDeExpressão –depende da linguagem de programação e do tipo de implementação de um atributo

19 Sintaxe padrão p/ atributos (1/2) ValorInicial –é uma expressão que também depende da linguagem de programação Propriedade –descrição do atributo –tipo de dado –tipo de atributo –domínios de valores (valores mínimo e máximo)

20 + visibilidade pública (valor default) todos têm acesso # visibilidade protegida é acessível dentro da mesma classe e por classes ao longo do pacote no qual a classe é definida - visibilidade privada é acessível apenas por operações declaradas dentro da mesma classe Visibilidade de atributo (1/2)

21 Visibilidade de atributo (2/2) Cliente +códigoDoCliente #situação -limiteDeCrédito Nome do atributo Nome da classe Visibilidade pública Visibilidade protegida Visibilidade privada

22 4. Operação um serviço que é requisitado a um objeto como parte de seu comportamento em resposta a estímulos (procedimento algorítmico) –operação é algo invocado por um objeto (procedimento de chamada) –método é um corpo de procedimento sintaxe padrão: Visibilidade nomeDaOperação(Parâmetro): ExpressãoDeTipoDeRetorno {Propriedade}

23 Sintaxe padrão p/ operações (1/3) nomeDaOperação –é uma seqüência de caracteres de identificação começando tipicamente com letra minúscula –primeira letra de cada palavra em maiúscula –exemplos: obterNomeDoIndivíduo obterLimiteDeCréditoDoCliente

24 Sintaxe padrão p/ operações (2/3) Parâmetro –é uma lista de valores separados por vírgula –nome tipo: tipo-expressão = valor-padrão nome é o nome de um parâmetro formal tipo é in, out, ou inout, com padrão in tipo-expressão é a especificação de um tipo de implementação dependente da linguagem valor-padrão é uma expressão de valor opcional para o parâmetro

25 Sintaxe padrão p/ operações (3/3) ExpressãoDeTipoDeRetorno –é uma especificação dependente de linguagem de programação sobre o tipo de implementação do valor retornado pela operação Propriedade –indica valores de propriedade que se aplicam ao elemento classificação, pré-condição, pós-condição, tipo de execução, concorrência, transformação e estereótipo

26 Visibilidade para operações (1/2) definida da mesma forma que se define para os atributos. + visibilidade pública (valor default) # visibilidade protegida - visibilidade privada

27 Visibilidade de operação (2/2) Cliente +obterLimiteDeCrédito #bloquearCliente -cancelarCliente Nome da operação Nome da classe Visibilidade pública Visibilidade protegida Visibilidade privada

28 Organização de atributos e operações (1/2) Ao representar uma classe, não é preciso exibir todos os atributos e operações ao mesmo tempo. Na verdade, na maioria dos casos, isso não é possível (haverá um número muito grande de itens) nem é adequado (somente um subconjunto desses atributos e operações será relevante para uma determinada visão). Um compartimento vazio não significará necessariamente que não existam atributos ou operações, mas apenas foi decidido não mostrá- los.

29 Para especificar explicitamente a existência de mais atributos ou métodos do que os apresentados, terminar cada lista com reticências (...). Para melhor organização de listas extensas de atributos e operações cada grupo pode receber um prefixo com uma categoria descritiva, utilizando- se estereótipos. Por exemplo, organizando métodos construtores: > Create() Create(y, m, d: word) Organização de atributos e operações (2/2)

30 5. Associação é uma relação que descreve um conjunto de vínculos entre elementos de modelo uma associação representa que duas classes possuem uma ligação (link) entre elas: –conhecem uma a outra –estão conectadas com –para cada X existe um Y

31 Nomenclatura de associações quando duas classes, ou mesmo uma classe consigo própria, apresenta interdependência onde determinada instância de uma delas origina ou se associa a uma ou mais instâncias da outra a nomenclatura da associação depende do número de classes envolvidas: –unária (recursiva), binária (normal), n-ária

32 Associação unária associação reflexiva ou recursiva quando há um relacionamento de uma classe consigo própria conectando-se ambos os fins da associação a ela mesma (mas os dois fins são distintos) semanticamente representa a conexão entre dois objetos da mesma classe Marido Esposa é casado com Pessoa

33 Associação binária (normal) quando há duas classes envolvidas na associação de forma direta de uma para a outra ClientePedido 10..*

34 Associação n-ária é uma associação entre três ou mais classes FuncionárioQuesitoProjeto Avaliação * * *

35 Semântica da associação Classe AClasse B nome da associação papel-1papel-2 onde: nome da associação: usado para definir, ou qualificar, a natureza da relação entre as classes associadas papel-1, papel-2: mostram como uma classe é vista pela outra, ou, o papel desempenhado pela classe no relacionamento

36 Papéis em associação (1/3) Multiplicidade Ordenação Qualificador Agregação/ composição Navegabilidade Especificador de interface Mutabilidade Visibilidade Generalização

37 Papéis em associação (2/3) Classe AClasse B Classe CClasse D Possui 1 0..* {ordenado} Generalização Navegabilidade Composição Qualificador Agregação Nome do papel Restrição ou propriedade Multiplicidade

38 Papéis em associação (3/3) Nome da associação –a associação possui um nome que a representa, freqüentemente atribuído a um verbo –podem existir dois nomes, um para cada direção do relacionamento –um cliente possui conta corrente ClienteConta corrente Possui é Possuída por

39 Multiplicidade, ou cardinalidade (1/2) especifica a quantidade de correspondência de um objeto na classe [A] em objetos equivalentes na classe [B] –1exatamente um –*muitos (zero ou mais) –0..1opcional (zero ou um) –m..nseqüência especificada (5..11)

40 Multiplicidade, ou cardinalidade (2/2) Pessoas Empresa funcionário empregador 1..* * Multiplicidade Uma Pessoa é funcionário de nenhuma ou mais (*) Empresas. Cada Empresa possui um ou vários (1..*) Funcionários.

41 Papéis em associação Ordenação{ordenado} –se a multiplicidade é maior que um, o conjunto de elementos relacionados é ordenado ou não ordenado (padrão) Qualificador –é um atributo de associação ou uma estrutura de atributos cujos valores particionam um conjunto de objetos relacionados a um objeto por uma associação (reduz a multiplicidade)

42 Associação qualificada Pedido Pedido, item 0..1 Produto O qualificador Produto diz que em conexão com um pedido pode haver um item de pedido para cada ocorrência de produto. Conceitualmente, esse exemplo indica que não é possível haver dois itens de pedido para um mesmo produto. Para acessar um item de pedido em particular, é necessário identificar o produto como argumento.

43 Agregação Uma agregação é uma forma especial de associação utilizada para mostrar que um tipo de objeto é composto, pelo menos em parte, de outro em uma relação de todo/ parte. Pedido Pedido, item 1..*1 Tem TodoParte Agregação regular, relacionamento por-referência

44 Agregação de composição Indivíduo, endereço Tem TodoParte Indivíduo, complemento de endereço Agregação de composição, relacionamento por-valor É uma forma de agregação com uma forte propriedade e vida coincidente da parte com o todo. Na composição, ou relacionamento por-valor, o objeto todo declara uma instância real do objeto parte dentro do seu próprio corpo tornando o objeto parte fisicamente nele contido.

45 Navegabilidade Uma instância de uma classe pode navegar a instâncias de outra classe e vice-versa. Pedido 1* Cliente {ordenado} FonteAlvo sentido da navegação

46 Navegabilidade na agregação Todo Parte 1Parte * Navegabilidade unidirecional em agregação regular Navegabilidade bidirecional em agregação de composição

47 Papéis em associação (1/2) Especificador de Interface –define o comportamento exigido para habilitar a associação –nome de um classificador com a sintaxe: :nome-do-classificador Mutabilidade –se os vínculos são mutáveis podem ser somados, apagados e movidos –outras propriedades: congelado, somarSomente

48 Papéis em associação (2/2) Visibilidade –especificado por um indicador de visibilidade –(+, #, - ou palavra-chave explícita tal como {público}) Generalização –um relacionamento de taxinomia entre um elemento mais geral e um elemento mais específico que é completamente consistente com o primeiro elemento somando-o informação adicional especializada

49 Generalização Indica que uma classe mais geral, a superclasse, tem atributos, operações e associações comuns que são compartilhados por classes mais especializadas, as subclasses. Por sua vez, as subclasses herdam atributos, operações e associações da superclasse e agregam atributos e operações particulares ao elemento de especialização a que se referem.

50 Restrições para generalização/ especificação A B CN... {Restrição} Generalização {completo}: N é conhecido {incompleto}: N não é conhecido {disjunção}: B, C,..., N são mutuamente exclusivos {sobreposição}: B, C,... N podem ocorrer simultaneamente Subclasses (classes filha ou classes derivada) Superclasse (classe pai ou classe base)

51 Exemplo de generalização/ especificação com restrição Animal MamíferoAvePeixe {disjunção, incompleto}

52 Herança É o mecanismo de reutilização de atributos e operações definidos em classes gerais por classes mais específicas. Permite organizar tipos similares de classes de objetos em categorias hierárquicas, onde é permitida à classe de menor nível, que é uma especialização ou extensão de outra classe, compartilhar atributos e operações de classes superiores na hierarquia.

53 Redefinição de atributos e operações na herança Veículo terrestre partida() parada() Automóvel partida() parada() Caminhão partida() parada() Operações redefinidas pela subclasse Superclasse Subclasses {disjunção}

54 Herança múltipla Veículo terrestre Veículo aquático Veículo anfíbio {sobreposição, incompleto}

55 Agregação versus Generalização Pedido Pedido, item Agregação: Pedido, item é parte-de (ou atributo-de) Pedido Árvore Pinus Generalização: Pinus é um tipo-de Árvore

56 6. Restrição Uma restrição é um relacionamento semântico entre elementos de modelo que especifica condições e proposições que devem ser mantidas como verdadeiras, caso contrário o sistema descrito pelo método é nulo. Grupo de cidadãos idosos Pessoa * {pessoa.idade > 60} Restrição

57 Restrições predefinidas na UML Associação Auto Completo Disjunção Global Implícito Incompleto Local Ou Parâmetro Radiodifusão Sobreposição Voto

58 Restrição {Ou} Qualquer instância da classe só pode participar uma vez no máximo de uma das associações. Conta Corrente Indivíduo Organização 0..* 0..1 {Ou} Pertence

59 Restrição em linguagem natural Cliente Pedido 0..*1 Faz {Se nível de crédito for insuficiente então condição de pagamento deve ser à vista}

60 Linguagem de restrição de objeto A UML inclui uma especificação da linguagem OCL- Object Constraint Language para ser utilizada em definição de restrições dentro do metamodelo. Na UML, cada restrição é escrita em uma linguagem específica, embora também possa ser escrita em linguagem natural, tal como um comentário.

61 Sintaxe básica da OCL (1/2) item. seletor –O seletor é o nome de um atributo no item ou o nome de um papel de fim designado de um vínculo anexado ao item. item. seletor [ valor-de-qualificador ] –O seletor designa uma associação qualificada que qualifica o item. O valor-de-qualificador é um valor para atributo de qualificador.

62 Sintaxe básica da OCL (2/2) set -> select ( expressão-booleana ) –A expressão-booleana é escrita em termos de objetos dentro do conjunto. O resultado é o subconjunto de objetos no conjunto para o qual a expressão booleana é verdadeira. Exemplos: flight.pilot.training_hours > flight.plane.minimum_hours company.employees -> select (title = Manager and self.reports -> size > 10)

63 7. Classe de Associação Uma classe de associação é um elemento de modelagem que tem associação e propriedades de classe, podendo ser vista tanto como uma associação que tem propriedades de classe como uma classe que tem propriedades de associação. Classe A Classe B Nome da classe de associação atributos da classe de associação operações da classe de associação

64 8. Dependência Dependência indica a ocorrência de um relacionamento semântico entre dois ou mais elementos de modelo onde uma classe cliente é dependente de alguns serviços da classe fornecedora. Indica uma situação na qual uma mudança em um elemento (elemento independente) pode afetar outro elemento da dependência (elemento dependente).

65 Classe A Classe B FornecedorCliente Dependência

66 Dependências predefinidas na UML (1/2) Rastro –uma conexão histórica entre dois elementos que representam o mesmo conceito em níveis diferentes de significado Refinamento –um histórico ou conexão de derivação entre dois elementos com um mapeamento entre eles

67 Dependências predefinidas na UML (2/2) Uso –uma situação na qual um elemento requer a presença de outro para sua implementação correta ou funcionamento Ligação –uma ligação de parâmetros de modelo para valores reais visando criar um elemento não parametrizado

68 9. Interface Classe de implementação Interface É um especificador para operações externamente visíveis de uma classe ou um componente sem especificação de sua estrutura interna. Fornece um modo para dividir e caracterizar grupos de operações. Classe cliente dependência nome da interface

69 Interface especifica uma parte limitada do comportamento de uma classe real e não tem implementação formalmente eqüivale a uma classe abstrata sem atributos, estados ou associações, mas com um conjunto de operações abstratas designa a face externa de uma classe ou um pacote descreve as interações entre dois objetos

70 Classe AClasse B Fornecedor Cliente armazenável executável Classe C Fornecedor executável «interface» Executável {abstrado} executar() {abstrato} processar() {abstrato} «interface» Armazenável {abstrado} carregar() {abstrato} salvar() {abstrato} Classe A implementa a interface executável e armazenável Classe C implementa a interface executável Classe B usa a interface executável e armazenável de A e executável de C

71 10. Normalização do modelo de classes Normalização é um processo formal que examina os atributos de classes com o intuito de minimizar redundância em objetos específicos. A normalização causa a simplificação de atributos dentro das respectivas classes colaborando para a integridade e a estabilidade do modelo. O segredo das formas normais está em perceber que alguns atributos determinam o valor de outros.

72 Normalização do modelo de classes São mais necessárias para os modelos relacionais. Primeira, Terceira e Quarta Forma Normal. A Segunda não ocorre em banco de objetos –identificador único e universal ao objeto Uma estrutura de atributos não normalizada é dita estar na zerésima forma normal

73 1ª Forma Normal é verificada quando em determinadas estruturas de atributos, existem dados que se repetem várias vezes objetivo = remoção de grupos repetitivos

74 Exemplo para normalização de classes:

75 Classe pedido preliminar Pedido númeroDoPedido códigoDoCliente nomeDoCliente dataDoPedido códigoDoProduto[15] quantidadeDoProduto[15] descriçãoDoProduto[15]

76 Para atingir a 1ª forma normal verificar se há ocorrências repetitivas de atributos dentro da classe [A] analisada; destacar os atributos repetitivos e suas respectivas operações, criando uma nova classe [B] que absorverá esses itens; estabelecer a associação de agregação regular e multiplicidade ?..* ou ?..[número de ocorrências] entre as classes [A] e [B].

77 Resultado da 1ª forma normal Pedido códigoDoProduto quantidadeDoProduto descriçãoDoProduto númeroDoPedido códigoDoCliente nomeDoCliente dataDoPedido Pedido, item 1..*1

78 3ª Forma Normal objetivo = remoção de dependências transitivas dependência transitiva é a dependência indireta que um determinado atributo tem com o identificador do objeto através de um outro atributo explícito ou implícito do qual é diretamente dependente

79 Para atingir a 3ª forma normal verificar se a classe [C] analisada possui atributos que são dependentes de outros atributos nela contidos; destacar os atributos com dependência transitiva e suas respectivas operações, incorporando-os na classe [D]; eliminar os atributos obtidos por cálculo a partir de outros atributos da classe [C].

80 Resultado da 3ª forma normal Pedido quantidadeDoProduto númeroDoPedido dataDoPedido Pedido, item 1..*1 Cliente códigoDoCliente nomeDoCliente * 1 Produto códigoDoProduto descriçãoDoProduto * 1

81 4ª Forma Normal Curso Professor Livro texto CPL * * * Tendo como pré-requisito a terceira forma normal, a quarta forma normal busca remover dependências multivaloradas. classe de associação

82 Resultado da 4ª forma normal Curso Professor Livro texto * classe de associação *** Professor Curso Livro texto Curso

83 Referência Modelagem de Objetos através da UML - the Unified Modeling Language –José Davi Furlan –MAKRON Books, 1998 –Capítulo 2- Modelando com a UML, item 3. –pg


Carregar ppt "Ementário O Modelo de Objetos –Histórico da evolução das linguagens de programação, PE versus POO, fundamentos do modelo de objetos, a importância da modelagem,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google