A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Bactérias Gram negativas de grande relevância Odontológica Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz Bactérias Gram negativas de grande relevância Odontológica Prof.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Bactérias Gram negativas de grande relevância Odontológica Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz Bactérias Gram negativas de grande relevância Odontológica Prof."— Transcrição da apresentação:

1 Bactérias Gram negativas de grande relevância Odontológica Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz Bactérias Gram negativas de grande relevância Odontológica Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz

2 Aeróbios: Obrigatórios Microaerófilos Anaeróbios Facultativos Anaeróbios Obrigatórios Extremamente sensíveis Aerotolerantes GN oportunistas na cavidade bucal: Abscessos orofaciais Contaminantes secundários em infecções periapicais GN patógenos de processos infecciosos orofaciais: Gengivites, Periodontites Infecções periapicais Microbiota residente x microbiota transitória Fatores predisponentes do hospedeiro – oportunistas Higiene oral e homeostase

3 1 – Gram negativos anaeróbios 2 – Gram negativos anaeróbios facultativos - Enterobacteriaceae 3 – Bastonetes Gram negativos curvos 4 – Bastonetes Gram negativos não-fermentadores

4 Crescimento em condições de baixo potencial redox, relacionado com reduzida concentração de O2 SÉCULO XIX PASTEUR MUNDO ANAERÓBIO 1 – Gram negativos anaeróbios

5 Ocorrência Ecossistemas como solo, pântanos, sedimentos de lagos e rios, esgotos... Quase todos os sítios habitados do corpo: - trato gastrointestinal (especialmente no cólon) - trato geniturinário - pele - cavidade oral (mucosa e superfície dentária) Grupo ecologicamente significativo da microbiota residente Em alguns sítios :1 1 – Gram negativos anaeróbios

6 Divisão dos microrganismos quanto à sua necessidade de oxigênio Obrigatórios Microaerófilos Anaeróbios Facultativos Aeróbios Anaeróbios obrigatórios Só crescem em ausência de oxigênio atmosférico. Podem apresentar diferentes graus de tolerância ao oxigênio, o que torna o grupo heterogêneo. 1 – Gram negativos anaeróbios

7 ÂNIONS SUPERÓXIDO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO RADICAIS HIDROXILA Espécies Reativas do Oxigênio (EROs) Fluxo de EROs em eucariotos e procariotos aeróbios Letalidade do oxigênio para os sistemas biológicos e os mecanismos de defesa antioxidante 1 – Gram negativos anaeróbios

8 Estratégias de defesa: mecanismos antioxidantes Catalases e Peroxidases 1 – Gram negativos anaeróbios

9 Incapacidade de eliminação ou capacidade limitada de eliminar produtos do metabolismo do oxigênio molecular. Porque o oxigênio é letal para os anaeróbios? EROs em procariotos anaeróbios MORTE CELULAR Oxidação e lipídios, proteínas e DNA 1 – Gram negativos anaeróbios

10 A maioria dos microrganismos encontrados em infecções anaeróbicas são de origem endógena - caráter anfibiôntico (exceção Clostridium). A perda do suprimento sanguíneo em qualquer tecido pode induzir uma necrose local e/ou metabolismo anaeróbico pelas células daquele tecido, estabelecendo assim um Eh mais baixo => anaerobiose. Algumas vezes microrganismos aeróbios podem auxiliar na redução do ambiente pelo consumo de pequenas concentrações de oxigênio presente no ambiente. As infecções anaeróbicas podem apresentar-se de três maneiras: - Coleção de bactérias anaeróbias facultativas; - Coleção de anaeróbios facultativos e anaeróbios obrigatórios; - Coleção de uma ou mais espécies de anaeróbios obrigatórios. 1 – Gram negativos anaeróbios

11 Bactérias anaeróbias produtoras de pigmento negro Características gerais Componentes da microbiota residente da cavidade oral e do trato gastrintestinal de seres humanos e outros animais; Possuem grande importância nas infecções orais e possuem papel importante na patogênese da doença periodontal e nas infecções endodônticas; Associados também a infecções dos tecidos moles da região da cabeça e do pescoço, trato gastrintestinal, trato urogenital e trato respiratório superior. Bastonetes Gram negativos anaeróbios produtores de pigmento negro – formação de pigmento negro durante o crescimento bacteriano em cultura na presença de sangue. 1 – Gram negativos anaeróbios

12 Bactérias anaeróbias produtoras de pigmento negro Características gerais - Fe-porfirina - intermediário do grupo heme das hemácias, formado em condições ambientas mais alcalinas e na presença de moléculas de O 2. - Seu acúmulo na superfície das células está associada a proteção contra os efeitos nocivos dos radicais tóxicos do oxigênio, como o peróxido de hidrogênio Principais gêneros Tannerella Porphyromonas Prevotella 1 – Gram negativos anaeróbios

13 Tannerella - A maioria das espécies anteriormente caracterizadas neste gênero foi recentemente reclassificada proveniente do gênero Bacteroides (previamente Bacteroides forsythus). - Outras espécies de Bacteroides produtores de pigmento negro foram incluídas no nos gêneros Porphyromonas e Prevotella. - Frequentemente encontrado na placa dental subgengival em associação com os sítios de perda de inserção periodontal. Bacteroides forsythusTannerella forsythensis 1 – Gram negativos anaeróbios

14 Prevotella Prevotella intermedia - Anaeróbio estrito aerotolerante a curtos períodos de exposição ao oxigênio. - Bastonete curto fermentador que pode apresentar pleomorfismo (cocobacilo). - Associada a inflamação gengival moderada ou grave, gengivite ulcerativa necrosante aguda (GUNA) e periodontite crônica do adulto. Prevotella melaninogenica, Prevotella denticola e Prevotella loescheii - Anaeróbio estrito aerotolerante a curtos períodos de exposição ao oxigênio. - Seu papel nas doenças de cavidade oral não estão bem esclarecidos, embora não pareçam ser patógenos importantes. 1 – Gram negativos anaeróbios

15 Porphyromonas Porphyromonas gingivalis - Anaeróbio extremamente sensível ao oxigênio. - Bastonete curto não fermentador que pode apresentar pleomorfismo (cocobacilo). - Frequentemente isolada de amostras de placa subgengival de pacientes com doença periodontal. - Sua patogênese justifica-se pelo fato de raramente ser encontrado no sulco gengival associado aos tecidos periodontais sadios. 1 – Gram negativos anaeróbios

16 Porphyromonas Porphyromonas endodontalis - Anaeróbio estrito aerotolerante a curtos períodos de exposição ao oxigênio. - Isoladas inicialmente de abscessos odontogênicos graves associados a infecções endodônticas. - Possui entre seus fatores de virulência diferentes enzima proteolíticas, entre elas colagenase tipo IV, que poderiam estar associadas ao seu grande envolvimento nas infecções endodônticas. Porphyromonas asaccharolytica - Representa a espécie não fermentadora presente no gênero. - Não é frequentemente encontrada na cavidade oral, sendo mais importante em outras áreas do corpo, como o trato gastrintestinal. 1 – Gram negativos anaeróbios

17 Fusobacterium Características gerais Componentes da microbiota residente da cavidade oral e do trato gastrintestinal de seres humanos e outros animais. Juntamente com Veilllonella e Actinomyces, estão entre os microrganismos pioneiros na colonização do sulco gengival; Nos seres humanos são comumente isolados da microbiota da cavidade oral além da microbiota do trato respiratório superior, gastrintestinal e geniturinário feminino; Possuem grande importância nas infecções orais e extra-orais, sendo implicados na formação de abscessos principalmente no cérebro, pulmão, fígado, além de participar de sinusites e peritonites. 1 – Gram negativos anaeróbios

18 Fusobacterium Fusobacterium nucleatum - Principal espécie assacarolítica encontrada na cavidade oral de seres humanos; - Atua como ponte entre os colonizadores precoces e tardios do biofilme placa dental Fusobacterium necrophorum - Patógeno isolado da microbiota residente da cavidade oral, trato gastrintestinal e geniturinário de seres humanos e outro animais; - Além de lesões necróticas da cavidade oral, pode estar implicado na patogênese da doença periodontal, gengivite, além de abscessos e outras infecções anaeróbicas em outros sítios anatômicos em seres humanos e outros animais. 1 – Gram negativos anaeróbios

19 Veillonella São conhecidas sete espécies de Veillonella, das quais 3 espécies tem importância para os seres humanos: V. parvula, V. atypica e V. dispar; V. parvula e V. dispar possivelmente são importantes na etiologia da doença periodontal e têm sido isoladas de placa dental de pacientes com sintomas clínicos da doença. Cocos Gram negativos anaeróbios encontrados nos tratos respiratório e gastrintestinal de seres humanos outros animais. 1 – Gram negativos anaeróbios

20 Wolinella Ocorrem em números aumentados na placa dental subgengival em pacientes que apresentam periodontite do adulto, podendo estar envolvidas na patogênese desta doença. É um dos grupos predominantes junto aos bastonetes produtores de pigmento negro em alguns pacientes, na doenças periodontais. Podem ser encontrados também em canais radiculares infectados e é uma das espécies predominantes em placa subgengival de pacientes que apresentam AIDS. Bastonetes retos, curvos ou helicoidais Gram negativos anaeróbios, com flagelos polares, o que lhes garante um movimento rápido. 1 – Gram negativos anaeróbios

21 Aggregatibacter actinomycetencomitans Membros da microbiota residente humana da cavidade oral, isolados principalmente de periodontites e ocasionalmente de endocardites, além de diversas infecções focais. Em isolamento primário, cresce preferencialmente em anaerobiose Pode colonizar a cavidade oral de macacos, cães, gatos, e outros animais. Além dos fatores de virulência bacterianos como cápsula, fímbrias, LPS e enzimas hidrolíticas bacterianas, os produzem moléculas biologicamente ativas como leucotoxinas, fatores imunossupressores, inibidores da função de neutrófilos, inibidores de fibroblastos, etc. O LPS destas bactérias têm sido implicado na patogênese da doença periodontal, pois podem agir como mitógenos para células B e ativam o complemento. Além disso estimulam a reabsorção óssea com implicações na extensão da doença. 1 – Gram negativos anaeróbios (* aeróbio microaerofilo)

22 2 – Gram negativos anaeróbios facultativos - Enterobacteriaceae Bacilos Gram negativos 40 gêneros e + de 150 espécies Colonizam o intestino delgado ou o grosso: microrganismos entéricos; Poucas espécies infecções em humanos; 30-35% de todos casos de septicemia; Mais 70% das ITU; Muitas infecções intestinais;

23 Principais enterobactérias de importância médica Escherichia Salmonella Shigella Proteus Citrobacter Morganella Klebsiella Enterobacter Serratia Yersinia A maior parte dos representantes da família são patógenos oportunistas ou estão associados com infecções secundárias em lesões no trato urinário, respiratório e sistema circulatório. 2 – Gram negativos anaeróbios facultativos - Enterobacteriaceae

24 Manifestações clínicas Alguns representantes das enterobactérias são patógenos obrigatórios: Salmonella spp. Shigella spp. Yersinia spp. Algumas linhagens de Escherichia coli: ETEC = enterotoxigênica EIEC = enteroinvasiva EPEC = enteropatogênica EHEC = enterohemorágica EAEC = enteroagregativa UPEC = uropatogênica DAEC =difusamente agregativa 2 – Gram negativos anaeróbios facultativos - Enterobacteriaceae

25 Sepse por Gram negativos Infecções do trato urinário Pneumonias atípicas Endocardites Meningite neonatal: Peritonite bacteriana: Infecções abdominais e do trato gastrintestinal Abscessos oro-faciais 2 – Gram negativos anaeróbios facultativos - Enterobacteriaceae

26 Patógenos oportunistas hospitalares da família Enterobacteriaceae MicrorganismoSíndromes Klebsiella pneumoniae Pneumonia. Além disso, infecções extrapulmonares, incluindo enterite e meningite (em lactentes), infecções urinárias (em crianças e adultos) e septicemia. Enterobacter Infecções urinárias, septicemia e bacteremias. Serratia Infecções oportunistas, em particular pneumonia e septicemia. Citrobacter Infecções do trato urinário, meningite neonatal e abscessos cerebrais. Providencia Infecção do trato urinário, principalmente em pacientes com sondas ou queimaduras extensas. Morganella Infecção oportunistas no trato respiratório, trato urinário e pode infectar feridas em humanos. Proteus mirabilis infecções urinárias e infecções em feridas 2 – Gram negativos anaeróbios facultativos - Enterobacteriaceae

27 V. cholerae Agente etiológico do cólera Transmitido por contaminação fecal (água e alimentos) Reservatórios: Frutos do mar (camarão, ostra) 3 – Bastonetes Gram negativos curvos

28 Campylobacter Bastonetes G- curvos, microaerófilos. C. jejuni e C. coli Infecções são zoonóticas (cabras, galinhas e cachorros) Transmissão: via fecal-oral; consumo de água e alimentos contaminados Causa frequente de gastrenterites, especialmente crianças e lactentes autolimitada. Prevenção: preparo adequado de alimentos (aves, produtos lácteos), higiene pessoal e descarte adequado das fezes. 3 – Bastonetes Gram negativos curvos

29 Helicobacter H. pylori 85% das úlceras gástricas e 95% das úlceras duodenais. Habitat natural: Estômago humano: microrganismo é adquirido provavelmente por ingestão Transmissão: em geral na infância, membros da mesma família 3 – Bastonetes Gram negativos curvos

30 Pseudomonas Família Pseudomonadaceae Bastonetes G-, aeróbios estritos, não fermentadores Ubíquos – exigência nutricional simples - Capazes de crescer em água contendo apenas traços de nutrientes – favorece a persistência em ambientes hospitalares. Patógeno oportunista - Septicemia, pneumonia, infecções do TGU e infecções de ferimentos – queimados) Causa de 10 a 20% das infecções hospitalares. Resistência natural a um grande número antibióticos e anti-sépticos BGN pequenos, dispostos aos pares 4 – Bastonetes Gram negativos não-fermentadores


Carregar ppt "Bactérias Gram negativas de grande relevância Odontológica Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz Bactérias Gram negativas de grande relevância Odontológica Prof."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google