A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Teoria tricromática de Young-Helmholtz ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Teoria tricromática de Young-Helmholtz ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Teoria tricromática de Young-Helmholtz ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO

2 É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

3 Dispersão da luz Prisma Luz Branca Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta v

4

5 COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul São Puras: Não se Formam Pela Combinação de Outras Cores COR Luz: As Secundátrias São: Ciano, Magenta e Amarelo São Formadas Pela Adição das Primárias: Ciano,= Verde + Azul Magenta = Vermelho + Azul Amarelo = Vermelho, + Verde A Soma das Três = Branco

6 COR Pigmento: As Primárias São: Ciano, Magenta e Amarelo As Secundárias São: Vermelho, Verde e Azul São Formadas Pela Subtração das Primárias: Vermelho = Magenta – Amarelo Verde = Ciano – Amarelo Azul = Magenta – Ciano A Subtração das Três = Preto

7 A cor de um corpo A cor de um corpo depende da luz que é refletida por ele. Por exemplo o livro da figura abaixo quando iluminado por luz branca absorve todas as cores com excessão da luz vermelha que é refletida: Luz Branca Somente a luz vermelha é refletida

8 Exemplos : Luz branca A camisa reflete a luz vermelha Luz Branca O calção reflete a luz azul Luz branca

9 Luz vermelha Enxergamos a camisa vermelha Luz Azul Enxergamos o calção preto Enxergamos a camisa preta Enxergamos o calção azul

10 Luz monocromática Azul

11 Sombra Sombra e Penumbra Sombra Penumbra Fonte de luz puntiforme Objeto Opaco Fonte de luz extensa Anteparo Objeto Opaco Anteparo Sombra - Região não iluminada Penumbra - Região parcialmente iluminada

12 O olho Humano Esclerótida Músculos Ciliares Córnea Íris Pupila Humor Aquoso Cristalino Humor Vítreo Nervo Óptico Retina

13

14 CÓRNEA Parte mais anterior do olho É totalmente transparente Não contém vasos sanguíneos O recebimento de oxigênio e nutrientes é feito pelas lágrimas e pelo humor aquoso, por difusão A sua principal função é convergir as imagens para a retina Seu poder refrativo não pode ser alterado fisiologicamente

15 ESCLERA Parte branca dos olhos A sua principal função é proteção das estruturas internas do olho, tais como coróide e retina Nela são inseridos os músculos externos responsáveis pela movimentação do globo ocular

16 ÍRIS R esponsável pela coloração dos olhos Em seu centro a Íris possui um orifício chamado pupila Evita aberrações (geométrica e cromática) PUPILA Regula a entrada de maior ou menor luminosidade Pupila normal Pupila dilatada (Midríase)

17 CRISTALINO Lente biconvexa É avascular É responsável juntamente com a córnea pela convergência das imagens para a retina Encontra-se sustentado pelos ligamentos suspensores Pode mudar de forma por contração dos músculos ciliares Catarata – cristalino fica opaco

18 CORÓIDE Fica localizada entre a esclera e retina É a responsável pela nutrição da esclera e retina, pois é composta principalmente por vasos sangüíneos. HUMOR VÍTREO Estrutura que mantém a forma dos olhos E composto de uma substância gelatinosa, transparente, que preenche a cavidade posterior dos olhos

19 RETINA Formada por células fotosensíveis: Cones – responsáveis pela visão colorida e pela resolução espacial Bastonetes – visão noturna, mais abundante na retina A porção mais central da retina responsável pela visão de cores e de detalhes é chamada de mácula Na mácula localiza-se a Fóvea, que concentra o maior número de cones O eixo visual liga a fóvea ao centro óptico do cristalino

20 O que é? É uma perturbação da visão colorida, determinada geneticamente, caracterizada pela falta de reconhecimento de uma ou várias cores. É resultado de um defeito na retina, nas células responsáveis pela percepção das cores – os cones. DALTONISMO

21 Quando foi descoberto? Foi descoberto em 1794 por John Dalton ( ), químico e físico britânico que formulou a teoria atômica e que apresentou a primeira descrição da anomalia da qual ele próprio sofria.

22 Teoria tricromática de Young-Helmholtz Segundo a teoria a retina possui três espécies de células sensíveis – os cones. Cada cone é composto por pigmentos sensíveis a um dos três comprimentos de onda de luz, sendo o cone sensível ao vermelho o Protan, o sensível ao verde, o Deutan e o sensível ao azul, o Tritan. As cores primárias combinadas são capazes de originar todos os outros tons cromáticos.

23 Normalizada humano típico cone celular respostas (S, M e L tipos) para monocromática estímulos espectrais Desenvolvimento das teorias da visão de cores

24

25 Como se faz a verificação? O Dr. Shinobu Ishihara ( ), professor emérito da Universidade de Tókio, desenvolveu, em 1917, uma série de testes para testar deficiências na percepção de cores. Os testes devem ser efetuados em um recinto com iluminação natural. TESTE DE ISHIHARA permite concluir se o daltonismo é do tipo protanóide ou deuteranóide. Baseia-se na análise de lâminas formadas por pontos coloridos nas quais aparece um número em determinada cor.

26 1

27 2

28 3

29 4

30 5

31 6

32 7

33 8

34 9

35 10

36 11

37 12

38 13

39 14

40 15

41 16

42 17

43 18

44 19

45 20

46 21

47 22

48 23

49 24

50 25

51


Carregar ppt "Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Teoria tricromática de Young-Helmholtz ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google