A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Liturgia é o cume para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, a fonte de onde emana toda a sua força. (SC 10)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Liturgia é o cume para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, a fonte de onde emana toda a sua força. (SC 10)"— Transcrição da apresentação:

1 A Liturgia é o cume para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, a fonte de onde emana toda a sua força. (SC 10)

2 LITURGIA A palavra LIT-URGIA é de origem grega, composta de duas raízes: Liet / leos / laos = povo, público e Ergomai (ergom) = operar, produzir (obra), ação, trabalho, ofício, serviço... Leitourghía (Liturgia) = serviço prestado ao povo ou em favor do povo. Repetindo a Igreja guarda a sua identidade O RITO A Liturgia se apresenta como um conjunto de ritos = RITUAL

3 Todos nós devemos aprender melhor a liturgia, não como algo exótico, mas como o coração de nosso ser cristão (Papa Bento XVI)

4 Para fazer memória do Mistério a liturgia se utiliza de três ritmos: DIÁRIO - Liturgia das Horas / Ofício Divino das Comunidades SEMANAL – Em cada Domingo celebra-se a Páscoa do Senhor ANUAL – Ciclo Pascal e Ciclo do Natal e Tempo Comum

5

6

7

8

9 SOLENIDADES: dias mais importantes; começa com as primeiras vésperas do dia anterior. FESTAS: celebradas nos limites do dia natural. MEMÓRIAS: Recordação da vida dos santos: - Obrigatórias – DEVEM ser celebradas; - Facultativas – PODEM ser celebradas. COMEMORAÇÕES: as memórias obrigatórias que ocorrem nos dias de semana da Quaresma e nos dias de 17 a 24/12, podem ser celebradas como memórias facultativas. Nota: Por não ter caráter de solenidade, festa ou memória, o Dia de Finados (02/11) é uma comemoração.

10 LECIONÁRIO SANTORAL Utilizado nas festas e algumas memórias dos Santos(as). DOMINICAL – Domingos e algumas festas: Ano A: São Mateus; Ano B: São Marcos; Ano C: de São Lucas; Nota: O Evangelho de São João é proclamado em algumas solenidades e alguns domingos do Ano B. LECIONÁRIO SEMANAL Divide-se em ano par e ano ímpar. O Evangelho tem ciclo anual e as Leituras ciclo bienal. LECIONÁRIOSLECIONÁRIOS

11 AS PARTES DA MISSA (IGMR 46-90) RITOS INICIAIS INICIAIS (introdução e preparação) - Precedem a Liturgia da Palavra e tem a finalidade de fazer com que os fiéis constituam uma comunhão e se disponham a ouvir a Palavra de Deus e celebrar a Eucaristia.

12 1.Entrada – Com o povo já reunido o sacerdote entra com os ministros (canta o canto de entrada); 2.Saudação ao Altar ao povo reunido – Inclinação profunda e beijo ao Altar; feita a saudação ao povo, introduz-se então os fiéis na Missa do dia 3.Ato Penitencial – confissão geral e absolvição do sacerdote; 4.Kyrie (Senhor tende piedade); 5.Glória – Hino de louvor; 6.Oração do dia (Coleta) – o sacerdote convida o povo a rezar (silêncio)... O povo formula interiormente seus pedidos.

13 LITURGIA DA PALAVRA 1.Silêncio – favorece a meditação; 2.Leituras Bíblicas – Por elas é preparada a mesa da Palavra de Deus; 3.Salmo Responsorial – responde a leitura e deve ser tomado do lecionário; 4.Sequência – Cantada na Páscoa e Pentecostes; 5.Aclamação – Aleluia ou canto conforme tempo litúrgico; 6.Homilia – é indispensável para unir a vida cristã. 7.Profissão de Fé – resposta à Palavra de Deus anunciada nas Leituras e explicada pela Homilia; 8.Oração Universal – pelas necessidades da Igreja; pelos poderes públicos e salvação do mundo; pelos que sofrem necessidades; pela comunidade local.

14 1.Jesus tomou o pão... – preparação dos dons: preparação do altar, procissão dos dons, incensação dos dons e do altar, lavabo, oração sobre as oferendas. 2.Jesus deu graças ao Pai... – Oração Eucarística – centro e ápice de toda celebração (IGMR 78). Do diálogo do Prefácio até a Doxologia final (Amém). 3.Partiu o pão e deu a seus discípulos – fração do pão e comunhão dos fiéis – momento culminante da refeição pascal. LITURGIA EUCARÍSTICA

15 1.Preparação dos dons – são levadas ao altar as oferendas que se converterão no Corpo e Sangue do Senhor: Preparação do altar (Corporal, purificatório, missal, cálice...); Oferendas (pão, vinho e ofertas); Canto das oferendas (acompanha a procissão das oferendas). 2.Oração sobre as oferendas. LITURGIA EUCARÍSTICA

16 3.Oração Eucarística: O sentido é que toda assembléia se uma com Cristo na proclamação das maravilhas de Deus e na oblação do sacrifício. (IGMR 78) Elementos que compõe a Oração Eucarística: Ação de graças; Aclamação; Epiclese; Narrativa da Instituição e Consagração; Anamnese; Oblação; Intercessões; Doxologia Final.

17 4.Ritos da Comunhão – Ritos preparatórios para a Comunhão 5.Oração do Senhor – O Pai Nosso, embolismo e doxologia; 6.Rito da Paz – A Igreja implora a paz para si mesma e para todos. 7.Fração do Pão – Cordeiro – o sacerdote coloca uma parte da hóstia no cálice. 8.Comunhão.

18 RITOS FINAIS (Encerramento): 1.Avisos - (breves comunicações); 2.Saudação e Benção do Sacerdote; 3.Despedida do Povo - pelo Diácono ou pelo Sacerdote; 4.Beijo no Altar - Sacerdote e Diácono; 5.Inclinação profunda ao Altar - Sacerdote, Diácono e demais Ministros.

19 RITOS INICIAIS Liturgia da Missa Liturgia das Horas / Ofício Divino das Comunidades Procissão; Canto de Aber- tura; Sinal da Cruz; Saudação Inicial; Acolhida; Introdução ao Mistério celebrado; Aspersão com água ou Rito Penitencial; Glória; Oração do Dia Refrão meditativo; Abertura do Ofício; Introdução ao Mistério Celebrado; Recordação da Vida; Hino; Salmos e Cânticos Bíblicos CELEBRAÇÃO DOMINICAL DA PALAVRA DE DEUS (GLP III) RITOS FINAIS Avisos; canto; benção e despedida Avisos, canto, benção e despedida

20 LITURGIA DA PALAVRA Liturgia da Missa Liturgia das Horas / Ofício Divino das Comunidades 1ª Leitura; Salmo Respon- sorial; 2ª Leitura; Acla- mação; Evangelho; Homi- lia; Profissão de Fé; Ora- ção dos Fiéis 1ª Leitura; Salmo Respon- sorial; 2ª Leitura; Aclama- ção; Evangelho; Homilia; Profissão de Fé; Oração dos Fiéis LOUVOR OU AÇÃO DE GRAÇAS Pode ser feito com Salmos, hinos, cânticos bíblicos, orações litânicas, louvação popular. Não se oferta pão e vinho; não faz Oração Eucarística e nem canta o Cordeiro (Fração do Pão) e o louvor não pode ser substituído por Adoração ao Santíssimo.

21 Louvor ou Ação de Graças Simples (sem Comunhão) Liturgia da Missa Liturgia das Horas / Ofício Divino das Comunidades Louvação; Oração ou canto; Pai Nosso; Abraço da Paz; Oração final (conclusão). Cântico Evangélico; Pai Nosso; Oração Final. Louvor ou ação de graças com Comunhão Eucarística Liturgia da Missa Liturgia das Horas / Ofício Divino das Comunidades Após as Preces: Louva- ção; Entrada do SS. Sacramento; Pai Nosso; Abraço da Paz; Eis o Cordeiro de Deus Comu- nhão (canto); Silêncio; Oração Louvação (cântico evangé- lico); Entrada do SS. Sacramento; Pai Nosso; Abraço da Paz; Eis o Cordeiro de Deus; Comu- nhão (canto); Silêncio; Oração

22 ELEMENTOS FUNDAMENTAIS 1- O ALTAR (IGMR ) É onde se torna presente o sacrifício da cruz sob os sinais sacramentais (cf, IGMR 296), o centro de nossa fé cristã, é a mesa do Senhor, centro da ação de graças que se realiza pela Eucaristia. Ele é o ponto de convergência, o centro das ações litúrgicas, o lugar da mais alta dignidade; Deve ser fixo e não pode ser um móvel qualquer, deve ser nobre, belo, digno, plasticamente elegante. Nada se sobrepõe ao ALTAR (GLP 5).

23 Para realçá-lo, deve ser usada apenas uma toalha branca, colocada de modo que caia nas laterais, sem escondê-lo totalmente; Velas, cruz processional e flores sejam colocadas, preferencialmente, ao lado para não dificultar as ações litúrgicas e favorecer a visualização dos sinais do pão e do vinho. Sobre ele podem ser colocadas somente: O Evangeliário – do início da celebração até a proclamação do Evangelho; O cálice com a patena, o cibório (se necessário), o corporal, o purificatório, a pala e o missal – desde a apresentação das oferendas até a purificação dos vasos.

24 2- AMBÃO (IGMR 309) - (ambão do grego anabaino = subir) – requer um lugar condigno de onde possa ser anunciada a Palavra e para onde se volte espontaneamente a atenção dos fiéis no momento da Liturgia da Palavra (IGMR 309). Cristo está presente pela sua palavra, pois é Ele mesmo que fala quando se lêem as Sagradas Escrituras na igreja (SC 7). NOTA: O Círio Pascal deve ser colocado ao lado do ambão no Tempo Pascal e nas celebrações de Batismo e Crisma.

25 Toda presidência litúrgica é sinal de Cristo Cabeça da Igreja ( GLP 3.4) 3- O LUGAR DOS FIÉIS (IGMR 311) - a assembléia litúrgica é o próprio corpo de Cristo, cujos membros somos nós. E isto significa que, como tal, deve tratar-se de uma assembléia altamente participativa (cf. SC 14). 4- CADEIRA DA PRESIDÊNCIA (IGMR 310) - O sacerdote que preside a Eucaristia é o sinal sacramental de Cristo Jesus. A cadeira do sacerdote celebrante deve manifestar a sua função de presidir a assembléia e dirigir a oração (IGMR 310).

26 DECORAÇÃO (IGMR 292) - manifeste o caráter festivo de forma sóbria, evitando os excessos. Nunca sobrepondo o altar, o ambão ou os outros lugares sagrados. OUTROS ASPECTOS A natureza e beleza do local e de todas as alfaias alimentam a piedade dos fiéis e manifestam a santidade dos mistérios celebrados. (IGMR 294)

27 OUTROS ASPECTOS VESTES LITÚRGICAS (IGMR ) Todo ministro - presbítero, diácono, leitor, ministro extraordinário da comunhão, coroinha e acólito, tem sua veste própria e esta deve ser sóbria, de forma que neutralize a individualidade. Importa que as próprias vestes sagradas contribuam para a beleza da ação sagrada. (IGMR 335) A diversidade de funções na celebração eucarística manifesta-se exteriormente pela diversidade das vestes sagradas. (IGMR 335)

28 Que minha oração suba até Vós como a fumaça do incenso, que minhas mãos estendidas para Vós, sejam como a oferenda da tarde. ( cf. Salmo 140, 2) O USO DO INCENSO NA MISSA (IGMR ) Ritos Iniciais: a.Durante a procissão de entrada, à frente da Cruz; b.No início da Missa para a incensar a Cruz e o Altar; Rito da Palavra: a.Na procissão do Evangelho e em Sua proclamação; Rito Sacramental: a.As Oferendas; b.A Cruz; c.O Altar; d.O Sacerdote; e.O povo.

29 -Com três ductos (impulso horizontal) do turíbulo: SS. Sacramento, Relíquias da Santa Cruz e imagens do Senhor expostas à veneração pública, Oferendas para o Sacrifício da Missa, Cruz do Altar, Evangeliário, Círio Pascal, Sacerdote e Povo. -As oferendas são incensadas com três ductos ou traçando com o turíbulo o sinal da cruz sobre elas, antes da incensação da cruz e do altar. FORMAS DE INCENSAÇÃO:

30 -Com dois ductos: relíquias e imagens dos Santos expostas à veneração pública, mas somente uma vez, após a incensa do altar. -Com simples ictus (ligeiro movimento de oscilação) o altar: a.Se este estiver separado da parede, o sacerdote o incensa andando ao seu redor; b.Se não estiver separado da parede, incensa primeiro a parte direita do altar e depois a. c.Se a cruz estiver sobre o altar ou junto dele, é incensada antes do altar, quando o sacerdote passa diante dela. Antes e depois da incensação, faz-se uma inclinação profunda para a pessoa ou coisa incensada, exceto ao altar e às ofertas para o sacrifício da Missa. (IGMR 277)

31 O ministro da exposição - padre ou o diácono que deverão estar revestidos de túnica e estola. Para a Benção usa-se a capa e o véu de ombros. Ambiente - A exposição faz-se sobre o altar; a quantidade de velas é a mesma usada na missa. as flores devem ser colocadas ao lado do altar e, recomenda-se, por em lugar visível o Lecionário, para relacionar a Palavra com a Eucarística. Adoração Eucarística - Não há um roteiro a ser seguido. A proposta é: Silêncio, entrega, recordação da vida, meditação da Palavra, agradecimento e louvor ao Senhor, Oração do Pai Nosso. O CULTO DO MISTÉRIO EUCARÍSTICO FORA DA MISSA (GLP II; 13.9) A adoração eucarística, pessoal ou comunitária, deve brotar da celebração do memorial da Páscoa do Senhor e a Ele conduzir (GLP)

32 MINISTÉRIOS LITÚRGICOS (GLP VIII) – Ministérios Ordenados - Ministérios Instituídos - Ministérios Confiados A ação litúrgica e a participação ativa da assembléia são realizadas através de ministérios: Todos, quer ministros ordenados, quer fiéis leigos, exercendo suas funções e ministérios, façam tudo e só aquilo que lhes compete. (IGMR 91 (58)

33 FUNÇÕES DO POVO DE DEUS Os FIÉIS – Sacerdócio régio. Os ACÓLITOS – prepara o altar e os vasos sagrados e é ministro extraordinário da Comunhão. O LEITOR – profere as leituras, exceto o Evangelho. O SACRISTÃO – cuida dos livros litúrgicos e paramentos. O COMENTARISTA – faz as explicações exortações (nunca deve ficar no ambão da Palavra).

34 FUNÇÕES DO POVO DE DEUS MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA SAGRADA COMUNHÃO – ajudam a distribuir a Comunhão; leva a Comunhão aos enfermos; na ausência do padre ou diácono expõe o SS. Sacramento, sem dar a benção; acompanha os velórios e oficiam as exéquias, dão a benção aos idosos e doentes.

35 Liturgia é uma ação sagrada, através da qual, com ritos, na Igreja e pela Igreja, se exerce e prolonga a obra sacerdotal de Cristo, que tem por objetivos a santificação dos homens e a glorificação de Deus. (SC 7) Pastoral Litúrgica Diocesana Diocese de Teixeira de Freitas/Caravelas


Carregar ppt "A Liturgia é o cume para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, a fonte de onde emana toda a sua força. (SC 10)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google