A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Elaborado para: Sebrae Por: Diferencial Pesquisa de Mercado Abril de 2010 Sebrae Estudo do Ambiente Econômico e Institucional dos Municípios do Programa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Elaborado para: Sebrae Por: Diferencial Pesquisa de Mercado Abril de 2010 Sebrae Estudo do Ambiente Econômico e Institucional dos Municípios do Programa."— Transcrição da apresentação:

1 1 Elaborado para: Sebrae Por: Diferencial Pesquisa de Mercado Abril de 2010 Sebrae Estudo do Ambiente Econômico e Institucional dos Municípios do Programa de Desenvolvimento Bom Sucesso do Sul Imbaú Carlópolis Munhoz de Mello Relatório Imbaú Relatório Imbaú

2 2 Sumário I – Introdução 03 II – Características Sócio-Demográficas e Econômicas de Imbaú 12 III –Análise dos Aspectos Gerais do Município 44 IV –Como São os Estabelecimentos em Imbaú?76 V –Como os Estabelecimentos da Cidade de Imbaú Atuam?94 VI –Ambiente Econômico e Organizacional103 VII –Apoio Institucional aos Empreendedores123 VIII –Avaliação do Ambiente Econômico e Social de Imbaú139 IX –Conclusões171

3 Introdução Introdução, Metodologia e Amostra 1

4 4 O Sebrae está inserido em um novo projeto que visa fortalecer municípios em desenvolvimento do estado do Paraná, aplicando esforços e programas para que as condições de empreender e ter sucesso na condução das empresas melhore, e com isto, o município passe a gerar mais emprego e renda com as consequentes melhorias sociais. Neste projeto, o Sebrae opera como articulador, fazendo a ponte com as entidades municipais, estaduais e federais, públicas ou privadas, a fim de que trabalhem juntas em projetos que aproximem a instituição de seus objetivos com este programa. Para contribuir com estes programas de desenvolvimento, é necessário estabelecer uma estratégia para os municípios e um conjunto de ações pontuais que removam barreiras ao desenvolvimento e potencializem oportunidades naturais destes municípios. Para estabelecer os planos de ação, é fundamental conhecer a realidade econômica e institucional de cada município, a fim de obter o melhor resultado das ações aplicadas. Para isto, o Sebrae contratou este estudo, que aborda diversos aspectos da realidade econômica do município de Imbaú. Apresentação do Estudo

5 5 Público-Alvo Para os públicos pesquisados foram eleitos: Instituições presentes no local; Líderes comunitários e empresariais; Agentes relevantes do poder público; Empresários, autônomos, empreendedores e produtores rurais em geral.

6 6 Apresentação do Estudo Objetivo do Estudo Intensificar o conhecimento do ambiente econômico e institucional do município de Imbaú; Identificar agentes locais do desenvolvimento, grupos organizados de trabalho, lideranças; Levantar dados cadastrais de empreendedores dos setores mais importantes da região, sejam eles formais ou em processo de formalização, privilegiando aqueles mais organizados; Detectar oportunidades e vazios econômicos do município e da região estudada como um todo; Identificar a que os agentes locais mais associam o município (produtos, eventos, pontos turísticos ou outro ícone que possa ser ponto de partida para o desenvolvimento).

7 7 Áreas de Investigação Características Sócio-Demográficas e Econômicas de Imbaú: evolução da população, número de empresas formais, número de funcionários, PIB e PIB per capita, dados de produção agrícola, entre outros; Aspectos Gerais do Município de Imbaú: aspectos gerais da economia do município, setores mais aquecidos, setores em crescimento, setores em desenvolvimento na cidade, ambiente institucional etc.; Como são os Estabelecimentos em Imbaú?: setor de atuação dos estabelecimentos, gênero e idade dos empreendedores, tempo de atuação como empreendedores e ano de fundação dos estabelecimentos; Como os Estabelecimentos da Cidade de Imbaú Atuam?: situação legal, atividade principal, principais produtos ou serviços, número de funcionários; Ambiente Econômico e Organizacional: controle do estabelecimento, faturamento, percepção de queda ou aumento do faturamento nos últimos anos e motivos, principais dificuldades na condução e administração do estabelecimento; Apoio Institucional aos Empreendedores: recebimento de apoio institucional, tipos de contato realizado com o Sebrae, motivos para procurar o Sebrae, associações e parcerias; Avaliação do Ambiente Econômico e Social de Imbaú: Vantagens e dificuldades por estarem instalados no município, percepção de setores mais e menos aquecidos, oportunidades de desenvolvimento, necessidade de mão de obra etc.

8 8 Metodologia Coleta, Organização e Análise de Dados Secundários Foram coletados, organizados, tratados e analisados centenas de dados secundários. As informações abordam dados demográficos e de infraestrutura como: população, escolaridade, taxa de alfabetização, área territorial, densidade demográfica, índice de desenvolvimento humano, número de empregados e de empresas. Dados econômicos como: PIB, PIB per Capita, produção agrícola, receitas municipais, finanças públicas, potencial de consumo, entre outros. As principais fontes consultadas foram: RAIS - Relação Anual das Informações Sociais do MTE IBGE – principalmente os dados do Banco de Dados da SIDRA (Sistema IBGE de Recuperação Automática) Atlas do Desenvolvimento Humano IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social Brasil em Foco – Target Marketing

9 9 Metodologia Entrevistas em Profundidade com os Principais Agentes Econômicos e Institucionais A entrevista em profundidade segue um roteiro previamente definido pelo instituto de pesquisa e pelo contratante, é previamente agendada com o entrevistado, devendo ocorrer no escritório ou local do entrevistado, seu conteúdo é gravado, transcrito e posteriormente analisado. Foram realizadas 7 entrevistas com lideranças e instituições do município. Entre estes entrevistados, estão representantes de entidades atuantes, os principais empreendedores e representantes do poder público.

10 10 Metodologia Pesquisa Quantitativa As entrevistas com empresários e empreendedores foram realizadas em seus estabelecimentos ou propriedades e em pontos de fluxo, que permitiram abordar empresários circulando na cidade. Foram realizadas 155 pesquisas entre os dias 09 e 20 de novembro de 2009.

11 11 Amostra Para se detectar mudanças de comportamento entre os segmentos de interesse, são apontadas diferenças de comportamento quando elas são estatisticamente relevantes, através de teste Z para diferenças de proporções, bi-caudal, com 90% de confiança, que corresponde a um teste unicaudal com 95% de confiança. O comportamento do segmento sempre é comparado com os demais segmentos de sua subdivisão. Os segmentos utilizados foram assim divididos: Tipo de Área Urbana – 127 Rural - 28 Gênero do Entrevistado Masculino – 103 Feminino - 52 Tempo de Atuação dos Empreendedores* Menos experientes (até 15 anos) – 85 Mais experientes (mais de 15 anos) – 63 * Sete entrevistados não informaram o tempo de atuação como empreendedor.

12 Características Sócio-Demográficas e Econômicas de Imbaú Dados Demográficos, Econômicos e de Desenvolvimento 2

13 13 Dados Demográficos O município de Imbaú está localizado no centro do estado do Paraná, mais especificamente na microrregião de Telêmaco Borba, que é composta por 6 municípios. Para referência, os dados apresentados neste capítulo serão, em sua maioria, comparados com os dados da microrregião de Telêmaco Borba e com os dados do Estado do Paraná.

14 14 Dados Demográficos Municípios Pertencentes à Microrregião de Telêmaco Borba População

15 15 Dados Demográficos 18% Fonte: IBGE - Cidades e BDE - IPARDES (IBGE - Censo) * Não existem dados para datas antes de 2000, pois o município foi fundado em O município de Imbaú registrou um aumento de 18% na população em Enquanto isto, o estado e a microrregião de Telêmaco Borba cresceram apenas 7,5% e 5,6%, respectivamente. População Microrregião de Telêmaco Borba Estado do Paraná Crescimento5,6%7,5% População de Imbaú– 2000 e 2007

16 16 Dados Demográficos Participação da População Rural e Urbana em Imbaú – 2007 Fonte: Brasil em Foco % Pop. Urbana Município de Imbaú Microrregião de Telêmaco Borba Estado do Paraná 62% 70%84% % Pop. Rural 38% 30%16% Enquanto a microrregião de Telêmaco Borba possui 30% da população na área rural e no estado apenas 16%, a cidade de Imbaú atinge 38% da sua população residindo na área rural da cidade.

17 17 Dados Demográficos Densidade Demográfica (hab/km 2 ) – 2000 a 2007 Fonte: IBGE-IPARDES * Não existem dados para datas antes de 2000, pois o município foi fundado em Área territorial do município de Imbaú: 330,154 km² Ano de 2007 Microrregião de Telêmaco Borba Paraná Densidade demográfica1651

18 18 Dados Demográficos Fonte: BDE-IPARDES e IBGE * PEA é a soma das pessoas a partir de 10 anos de idade que estão trabalhando mais as pessoas que estão desempregadas que estão procurando emprego. A PEA de 2007 foi estimado com base no crescimento da população de 2000 para Por exemplo, Imbaú teve um crescimento populacional de 18%. Assim esse será o crescimento da PEA O dado significa que, em Imbaú, existem 2,52 habitantes para cada cidadão economicamente ativo Dados Demográficos Microrregião de Telêmaco Borba Paraná População Estimada População Economicamente Ativa (PEA) Relação População e PEA2,442,06 A relação entre população e população economicamente ativa mostra o quanto existem geradores de renda para apenas consumidores de renda. Quanto menor a relação, mais dinâmica é a economia da área analisada. Neste sentido, Imbaú esta acima do estado do Paraná e da microrregião de Telêmaco Borba. População e PEA* (População Economicamente Ativa) – 2007

19 19 Dados Demográficos Fonte: BDE-IPARDES (IBGE), RAIS-MTE Empregos Formais e PEA (População Economicamente Ativa) – 2007 Em Imbaú, existem 4,9 potenciais candidatos para cada emprego formal. Empregos Formais - PEA Microrregião de Telêmaco Borba Paraná População Economicamente Ativa (PEA) Empregados Formais Relação Empregos Formais e PEA 2,22,1 A relação entre a PEA e os empregos formais mostra o quanto a população economicamente ativa conta com empregos formais, ou empregos de carteira assinada para sua subsistência. Quanto menor esta relação, mais empregos existem para cada potencial trabalhador, e consequentemente mais renda a cidade pode gerar. Também por este indicador, nota-se que Imbaú apresenta uma relação um pouco mais elevada que o estado e a Microrregião de Telêmaco Borba.

20 20 Dados Demográficos Empregos Formais e PEA (População Economicamente Ativa) – 2007 Cidade Relação entre PEA e Empregos Formais Doutor Ulysses1,8 Munhoz de Mello2,0 Bocaiúva do Sul2,3 Cerro Azul2,4 Rio Branco do Sul2,4 Itaperuçu2,8 Adrianópolis2,8 Bom Sucesso do Sul3,1 Tunas Paraná3,2 Carlópolis3,6 Imbaú4,9 Fonte: BDE-IPARDES (IBGE), RAIS-MTE

21 21 Dados Demográficos Número de Eleitores – 2000 e 2008 Fonte: BDE-IPARDES (Tribunal Regional Eleitoral – TRE, Tribunal Superior Eleitoral - TSE ) Ano de 2000 Município de Imbaú Microrregião de Telêmaco Borba Estado do Paraná Ano de Variação 32% 7%12%

22 22 Dados Demográficos Número de Domicílios no Município de Imbaú – 2000 e 2007 Fonte: Para os dados de BDE-IPARDES (IBGE) e para os dados de TARGET Número médio de habitantes por domicílio: 2,98 Número médio de habitantes por domicílio: 3,78 O número de domicílios está diminuindo, mas o número de pessoas por família cresceu 27% entre 2000 e O número de habitantes por domicílio em Imbaú é maior que na microrregião de Telêmaco Borba e também do estado do Paraná. Ano de 2007 Microrregião de Telêmaco Borba Paraná População Domicílios Habitantes por Domicílio 3,493,28

23 23 Dados Demográficos Fonte: Brasil em Foco – 2007 Classe Econômica – 2007 Na cidade de Imbaú 15% dos domicílios são das classes AB, valor abaixo da microrregião de Telêmaco Borba, com 18%, e muito abaixo do estado do Paraná, onde esse percentual é de 34%. Classe Econômica Microrregião de Telêmaco Borba Paraná Classe A1%6% Classe B17%28% Classe C47%43% Classe D29%21% Classe E5%2% População AB Imbaú: 15% Telêmaco Borba: 18% Paraná: 34%

24 24 Dados Econômicos PIB a Preços Correntes do Município de Imbaú – 2007 Fonte: BDE-IPARDES Nota: PIB a preços correntes e o valor do PIB global expresso em moeda corrente, resultante da multiplicação do valor constante por um índice de preço. PIB (em R$ mil) R$ R$ R$ PIB per capita (R$/Hab) R$ R$ R$ O PIB de Imbaú representa 0,04% do PIB do estado Os dados mostram que a geração de riquezas por habitante em Imbaú é inferior que a registrada na cidade de Telêmaco Borba e no Paraná Município de Imbaú Cidade de Telêmaco Borba Estado do Paraná

25 25 Dados Econômicos Fonte: BDE-IPARDES * Inclui administração. saúde e educação pública PIB a Preços Básicos dos Setores de Agropecuária, Indústria e Serviços (em R$ 1 mil) Participação de cada setor na economia do Município: 57% 14% PIB dos Setores Microrregião Telêmaco Borba % de cada Setor Paraná % de cada Setor Adminitração pública ,4% ,9% Serviços ,3% ,6% Agropecuária ,3% ,5% Impostos ,4% ,3% Indústria ,9% ,3% 33% 22% 7%

26 26 Dados Econômicos Dados de Produção de Imbaú Fonte: IBGE-IPARDES * O Rendimento Médio é a relação entre a quantidade produzida (em toneladas) dividida pela área colhida (em hectare). ** O Valor Médio é a relação entre o valor total da produção dividido pela quantidade produzida. Produção AgrícolaImbaú Microrregião de Telêmaco Borba Paraná Participação na Micro Participação no Paraná Milho Quantidade Produzida (t) ,4%0,05% Rendimento Médio (t/ha)*5,106,535,34 Soja Quantidade Produzida (t) ,2%0,04% Rendimento Médio (t/ha)*2,702,952,97 Tomate Quantidade Produzida (t) ,6%1,1% Rendimento Médio (t/ha)* 70,00 70,3962,06 Produção de SilviculturaImbaú Microrregião de Telêmaco Borba Paraná Participação na Micro Participação no Paraná Madeira em Tora (m³) ,0%1,0% Madeira para Papel e Celulose (m³) ,4%2,3% Madeiras para Outras Finalidades (m³) ,0%0,2% Produção de Origem AnimalImbaú Microrregião de Telêmaco Borba Paraná Participação na Micro Participação no Paraná Mel Quantidade Produzida (Kg) ,0%0,3% Valor Total (R$ 1.000,00)R$ 45R$ 752R$ Valor médio por Kg** (R$1,00)R$ 0,003 R$ 0,005

27 27 Dados Econômicos Quantidade de Soja e Milho Produzidos entre os Anos de 2000 e 2008 – em m³ Fonte: IBGE-IPARDES De 2000 parar 2008 o município de Imbaú registrou aumento na produção de feijão e de trigo. O feijão apresentou crescimento de 204%, já o trigo apresentou um crescimento de 1090% no mesmo período.

28 28 Dados Econômicos Quantidade de Madeira em Tora Produzida entre os Anos de 2000 e 2008 – Em Metros Cúbicos Fonte: IBGE-IPARDES De 2000 parar 2008 o município de Imbaú registrou um crescimento de 28% na produção de madeira em tora.

29 29 Dados Econômicos Número de Estabelecimentos Agropecuários com Tratores Imbaú Estabelecimentos com tratoresEstabelecimentos sem tratores Cidade de Telêmaco BorbaParaná Média de tratores por estabelecimento: 20,71* Média de tratores por estabelecimento: 1,23 Média de tratores por estabelecimento: 1,49 * Em Telêmaco Borba as principais atividades econômicas estão relacionadas à empresa Klabin S.A., que possui em seu parque de tratores 115 veículos, o que eleva abruptamente a média de tratores por estabelecimento do município. Fonte: IBGE

30 30 Dados Econômicos Número de Contratos e Montante do Crédito Rural do Pronaf* e 2009 Fonte: SAF – MDA *Pronaf – Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar. Montante a preços correntes Número de contratosMontante (R$ 1,00) Valor médio dos contratos % Imbaú %R$ 8.619R$ R$ 4.309R$ Paraná %R$ R$ R$ 2.094R$ Participação do município no Paraná 0,002%0,09%0,004%0,07% Na cidade de Imbaú, entre os anos de 2000 e 2009, houve um grande aumento, 3.700%, no número de contratos do Pronaf, já no estado do Paraná foi registrada queda de 23%. O valor médio dos contratos na cidade de Imbaú no ano de 2009 foi 15% menor que o valor médio no Paraná.

31 31 Dados Econômicos Fonte: TARGET-2007 * Este ranking inclui todos os 399 municípios que integram o estado do Paraná. Potencial de Consumo de Imbaú (em R$ 1 mil) Posição de Imbaú no Ranking Estadual de Consumo*: Potencial de Consumo Urbano R$ R$ R$ R$ R$ R$ Município de Imbaú Microrregião de Telêmaco Borba Estado do Paraná Potencial de Consumo Rural Potencial de Consumo Total R$ R$ R$ º 80% urbana e 20% rural Imbaú corresponde a 4,55% da microrregião e 0,04% do estado Imbaú corresponde a 8,55% da microrregião e 0,16% do estado 5,02% da microrregião e 0,05% do estado

32 32 Dados Econômicos Fonte: RAIS – MTE Número de Estabelecimentos Formais a 2008 Participação de empresas com pelo menos 1 funcionário no total: 39% 40% 33% Número de Empresas Microrregião de Telêmaco Borba Paraná Total de empresas Total de empresas com pelo menos 1 funcionário Participação38% Em 2008, 39% das empresas possuíam pelo menos 1 funcionário registrado. Valor próximo ao registrado na microrregião de Telêmaco Borba e no estado do Paraná 38%

33 33 Dados Econômicos Fonte: RAIS – MTE Crescimento do Número de Empresas Formais com Pelo Menos 1 Funcionário – 2005 a % Crescimento do Número de Empresas Formais de 2005 a 2008 Imbaú: 26% Microrregião de Telêmaco Borba: 13% Estado do Paraná: 13% A cidade de Imbaú teve um crescimento de 26% quanto ao número de empresas com pelo menos 1 funcionário entre 2005 e % 2%

34 34 Dados Econômicos Crescimento do Número de Empregos Formais* – 2005 a % Crescimento do Número de Empregos Formais de 2005 a 2008 Imbaú: 14% Microrregião de Telêmaco Borba 8% Estado Paraná: 19% Imbaú registrou um crescimento de 14% no número de empregados formais entre 2005 e 2008, crescimento este maior que o registrado na microrregião, porém menor que o registrado no estado do Paraná. 5% 4% *Fonte: RAIS – MTE **Fonte: SIBEC – Sistema de Benefícios ao Cidadão / Caixa Econômica Federal Paraná: Imbaú: Número de Famílias Beneficiadas pelo Bolsa Família** - Janeiro 2010

35 35 Dados Econômicos Fonte: RAIS – MTE *Número de funcionários por empresa Crescimento do Tamanho Médio das Empresas* – 2005 a 2008

36 36 Distribuição das Empresas e Funcionários por Setores no Município de Imbaú Dados Econômicos Fonte: RAIS – MTE * Média de funcionários por empresa. Considerando apenas as empresas com pelo menos 1 funcionário. *Esta seção compreende as atividades que, por sua natureza, são normalmente realizadas pela Administração Pública e, como tal, são atividades essencialmente não-mercantis, compreendendo a administração geral (o executivo, o legislativo, a administração tributária etc., nas três esferas de governo) e a regulamentação e fiscalização das atividades na área social e da vida econômica do país; as atividades de defesa, justiça, relações exteriores etc.; e a gestão do sistema de seguridade social obrigatória Setor Empresas Número de Funcionários Tamanho Médio das Empresas* Total Com pelo menos 1 funcionário Industria Construção civil Comércio Serviços Agropecuária, extração vegetal, caça e pesca Administração Pública* Total Participação da Administração Pública no total de funcionários 29% Percentual de Funcionários Públicos em Algumas Capitais Florianópolis – 42% Munhoz de Mello – 42% Brasília – 41% Bom Sucesso do Sul – 27% Curitiba – 23% São Paulo – 20% Carlópolis – 20%

37 37 Distribuição das Empresas e Funcionários por Setores no Município de Imbaú Dados Econômicos Setor Indústria Empresas Número de Funcionários Tamanho Médio das Empresas* Total Com pelo menos 1 funcionário Indústria de produtos minerais não metálicos Indústria metalúrgica 3133 Indústria da madeira e do mobiliário Indústria química de produtos farmacêuticos, veterinários, perfumaria etc Indústria têxtil do vestuário e artefatos de tecidos 1111 Indústria de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico 4144 Total Fonte: RAIS – MTE * Média de funcionários por empresa. Considerando apenas as empresas com pelo menos 1 funcionário.

38 38 Distribuição das Empresas e Funcionários por Setores no Município de Imbaú Dados Econômicos Setor Comércio Empresas Número de Funcionários Tamanho Médio das Empresas* Total Com pelo menos 1 funcionário Comércio Atacadista Produtos alimentícios2263 Madeira e produtos derivados Comércio Varejista Hipermercados e supermercados3295 Minimercados, mercearias e armazéns Produtos alimentícios em geral2122 Combustíveis para veículos automotores42168 Material elétrico3111 Vidros1122 Ferragens, madeira e materiais de construção Móveis, colchoaria e artigos de iluminação53165 Tecidos e artigos de cama, mesa e banho4242 Livros, jornais, revistas e papelaria1122 Artigos recreativos e esportivos5111 Produtos farmacêuticos para uso humano e veterinário 4372 Cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 1111 Artigos do vestuário e acessórios Calçados e artigos de viagem1122 Comércio varejista de outros produtos novos não especificados anteriormente Total Fonte: RAIS – MTE * Média de funcionários por empresa. Considerando apenas as empresas com pelo menos 1 funcionário.

39 39 Dados Econômicos Fonte: RAIS – MTE Escolaridade da Mão de Obra no Município de Imbaú – 2005 e Ensino médio Ensino superior Ensino fundamental completo Ensino fundamental incompleto 4% 18% 50% 27% A escolaridade dos funcionários de Imbaú está em ascensão. O número de funcionários com ensino fundamental incompleto caiu 15% em 3 anos. Ano de 2008 Microrregião de Telêmaco BorbaParaná Ensino fundamental incompleto27%18% Ensino fundamental completo23%14% Ensino médio42%48% Ensino superior ou pós9%19% Mas ainda carece de gerar ocupações para mão de obra de nível superior. 4% 23% 35% 38%

40 40 Dados Econômicos Fonte: RAIS – MTE *Considerando o salário mínimo brasileiro em dezembro de 2008, R$ 415,00 Faixa Salarial* dos Empregados – 2008 A maioria dos trabalhadores de Imbaú recebem entre 1 e 1,5 salários mínimos por mês, ou seja, entre R$ 415,00 e R$ 622,50. Apenas 8% da população da cidade recebe mais de 3 salários. Ano Microrregião de Telêmaco Borba Paraná Até 1 salário mínimo3%4% De 1,01 a 1,5 salários mínimos33%32% De 1,51 a 3 salários mínimos42%40% Mais de 3 salários mínimos22%24%

41 41 Dados de Desenvolvimento Taxa de Alfabetização do Município de Imbaú – 2002 e 2007 Ano Microrregião de Telêmaco Borba Paraná %88% %91% Variação3,0%3,4% 2,6% A taxa de alfabetização de Imbaú está crescendo. Passou de 76% pata 78% em 5 anos, ou seja, 2,6%, porém a microrregião de Telêmaco Borba e o estado do Paraná cresceram no mesmo período 3% e 3,4% respectivamente. Fonte: TARGET

42 42 Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Imbaú – 1991 e 2000 Dados de Desenvolvimento Ano Cidade de Telêmaco Borba Paraná 19910,7040, ,7670,787 Variação9%11% 13% Com esse IDH, Imbaú, em 2000 ocupa a 395º posição do ranking dos 399 municípios do estado, uma posição acima da ocupada em O IDH de Imbaú não é superior ao registrado no estado como um todo e também ao da cidade de Telêmaco Borba. NOTA: Apesar da cidade de Imbaú ter sido fundada em 1997, a região fazia parte de um setor censitário em 1991, tornando possível o cálculo do IDH. Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

43 43 Posição no Ranking Estadual* Dados de Desenvolvimento Cidade Ranking de Consumo** Ranking do IDH*** Ranking de População**** Bom Sucesso do Sul Carlópolis Imbaú Munhoz de Mello * Este ranking incluí todos os 399 municípios que integram o estado do Paraná. ** Fonte: TARGET – 2007 *** Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil – 2000 **** Fonte: IBGE - Cidades e BDE - IPARDES (IBGE - Censo)

44 Análise dos Aspectos Gerais do Município Localização, Acessos, Principais Características e Atividades Econômicas 3

45 45 Análise dos Aspectos Gerais do Município Localização do Município Imbaú está localizada a cerca de 217 km da capital Curitiba e 28 km de Telêmaco Borba, principal Município da Microrregião da qual faz parte. A cidade é privilegiada por estar dentro do corredor econômico do Paraná, graças a BR-376, conhecida como Rodovia do Café, que corta o município e o coloca exatamente na metade do caminho entre Curitiba e o Norte do Paraná. Além disso, há também a PR-160 ou Rodovia do Papel, que liga Imbaú até o município de Telêmaco Borba gerando um desenvolvimento econômico pela presença de madeireiras e outras empresas do ramo. A cidade foi oficialmente desmembrada de Telêmaco Borba em 1997, é um município novo que ainda está se desenvolvendo, atualmente a população está em torno de habitantes. Este capítulo traz as informações coletadas com as lideranças do município. Em alguns casos, as informações foram comparadas com dados do IBGE e da pesquisa realizada com empreendedores do município.

46 46 Análise dos Aspectos Gerais do Município A Silvicultura e o Setor Madeireiro A produção florestal e comercialização de toras de pinus e eucalipto é a principal atividade da cidade. Cerca de 70% de sua produção é destinada in natura à Klabin, indústria de papel localizada no município de Telêmaco Borba. O restante divide-se entre a comercialização das toras para outras empresas, a transformação da madeira por serrarias da cidade e a produção, em menor escala, de carvão vegetal. Além disto, os resíduos produzidos pelas serrarias, cavaco e serragem, e os galhos e copas da arvores extraídas, são destinados a Klabin para a produção de biomassa, fonte de energia renovável. Produção de cavacos de madeira, fonte de energia limpa utilizada para alimentar fornalhas e caldeiras em indústrias Cultivo de Pinus e Eucalipto já ocupa cerca de 40% da extensão territorial do município de Imbaú

47 47 Análise dos Aspectos Gerais do Município A Silvicultura e o Setor Madeireiro De uma maneira geral, apesar do segmento contribuir com a geração de impostos e propiciar alternativas de renda para famílias rurais, não gera produtos de alto valor agregado, nem uma boa quantidade de empregos nem absorve ou desenvolve mão de obra qualificada. Entre as lideranças locais, há a opinião de que a atividade poderia ser mais bem aproveitada, se a cadeia de madeira pudesse ser adensada, com a instalação de segmentos tanto a jusante, como a montante. Pensando principalmente nisto, a prefeitura cogitou a criação de um parque industrial na divisa do município com Telêmaco Borba, através da aquisição de terreno da Klabin, porém as negociações estagnaram. A implementação de uma indústria moveleira na cidade é vista pelas lideranças como oportunidade para adensar a cadeira da madeira.

48 48 A Klabin é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil. Com 109 anos de existência, possui 18 unidades industriais (17 no Brasil e 1 na Argentina), produzindo papéis e cartões para embalagens, caixas de papelão ondulado, sacos industriais e madeira em toras. Em Imbaú suas atividades estão concentradas somente no reflorestamento e é possível notar certa dependência do município com relação à Klabin. O patrimônio da empresa corresponde hoje a 31% da área total de Imbaú, dentre áreas próprias e arrendadas*, sendo que apenas 38% deste patrimônio é tomado por áreas cultivadas. Um dos maiores motivos desta atividade ser hoje uma das principais da cidade é o Programa de Fomento Florestal da Klabin, detalhado no próximo slide. Análise dos Aspectos Gerais do Município A Silvicultura e a Klabin – A Dependência em Torno de Apenas Uma Grande Empresa na Região 31% da extensão territorial de Imbaú pertence a Klabin * Os contratos de arrendamento possuem modelos diversos. O prazo de duração varia de 14 a 21 anos e são praticados em áreas acima de 100 hectares. Visão aérea da unidade florestal da Klabin, situada em Telêmaco Borba e municípios vizinhos, que possui km ²

49 49 O programa que conta hoje com 405 produtores participantes em Imbáu, consiste na formação de parcerias com pequenos e médios proprietários de áreas rurais a fim de formar florestas de corte. Os parceiros recebem mudas de árvores e têm garantida a compra da produção de madeira. Trata-se de uma forma da empresa terceirizar a produção florestal e dedicar-se à produção de papel. A companhia fornece assistência técnica bem como toda tecnologia para produção. A seleção dos beneficiários fica a cargo da EMATER. Além disso, a Klabin atua como avalista junto ao Banco Itaú e linhas de crédito como o PRONAF, para pequenos agricultores que não teriam condições de conseguir empréstimos bancários, abrindo perspectivas para que eles possam fazer parte de sua cadeia produtiva. A dívida do fomentado para com a Klabin é paga com parte da madeira resultante do projeto financiado. Esta conversão vem tornando-se um risco para a região, já que toda atividade está sujeita a ciclos econômicos, além do foco permanecer em atividades de baixo valor agregado. Análise dos Aspectos Gerais do Município A Silvicultura e a Klabin – A Dependência em Torno de Apenas Uma Grande Empresa na Região Distribuição das Áreas Ligadas a Klabin em Imbaú – Km² (Próprias, Arrendadas e Fomentadas) Patrimônio Klabin – Área Total PróprioArrendadoFomento Relação Patrimônio x Município 78,0223,94- 31% Reflorestado – Área Cultivada PróprioArrendadoFomento Relação Plantio x Município 28,7010,0540,0524% 51% das áreas reflorestadas para a Klabin em Imbaú fazem parte do Programa de Fomento Florestal. Cerca de 75% dos produtores de Imbaú aderiram ao programa de fomento florestal*. * Fonte: IBGE – Censo Agropecuário 2006 e Klabin S.A.

50 50 Análise dos Aspectos Gerais do Município Setor Madeireiro – Oportunidade de Adensamento da Cadeia A silvicultura é importante como geradora de impostos, mas há a percepção por parte das lideranças que a atividade poderia gerar mais valor ao município com a inclusão de mais etapas do processo. É necessário portanto tentar melhorar o aproveitamento da cadeia da madeira, através da utilização do Pinus para uma série de finalidades que podem potencializar a atividade na região. 2. Pinus para uso na Construção Civil 1. Fabricação de Móveis Rústicos de Pinus Tratado 3. Artesanato em Pinus 4. Fabricação de Paletes de Madeira Reflorestada Foram identificadas as seguintes alternativas para adensamento da cadeia da madeira na região:

51 51 Análise dos Aspectos Gerais do Município Setor Madeireiro – Oportunidade de Adensamento da Cadeia Para se pensar em uma indústria moveleira é preciso ter em mente que boa parte dos móveis hoje produzidos são em MDF. Agregar uma empresa deste segmento seria algo complicado, dados os investimentos e o número reduzido de empresas concorrendo neste mercado. Uma das maneiras de se desenvolver esta atividade de forma economicamente viável em Imbaú seria a fabricação de moveis rústicos feitos a partir do pinus tratado. Linha de móveis rústicos feitos com pinus da Móveis Ripke localizada no município de Pinhalzinho, Santa Catarina Em Pinhalzinho, Santa Catarina, a empresa Móveis Ripke destaca-se neste mercado através de sua linha de móveis rústicos feitos a partir de pinus tratado. Uma das empresas responsáveis pelo fornecimento da tecnologia que permite tratar madeiras menos nobres como o pinus, dando a ele aspecto esteticamente superior, é a Treated Wood Brazil, em Ponta Grossa. Madeira de pinus tratada pela TW Brazil, que fornece à matéria prima aspecto esteticamente superior 1. Fabricação de Móveis Rústicos de Pinus Tratado

52 52 Análise dos Aspectos Gerais do Município Setor Madeireiro – Oportunidade de Adensamento da Cadeia O emprego da madeira do gênero Pinus na construção civil ainda é pequeno, mas vem ganhando força dada sua grande oferta e custo reduzido, quando comparada a madeiras tidas como mais resistentes, porém de origem nativa, portanto matérias-primas menos abundantes e por isto mais caras. Para sua aplicação se faz necessário o processo de tratamento da madeira, como já ilustrado no segmento de móveis rústicos. No entanto, mesmo sendo necessário o emprego desta tecnologia, o uso do Pinus na construção civil permanece mais acessível. Para Imbaú, surgiriam várias oportunidades, pois depois de incorporado o processo de tratamento do Pinus, seria possível atuar nas duas frentes, móveis rústicos e madeira serrada reflorestada para uso em construções, em esquadrias e forrações, coberturas, escoramentos, andaimes etc. No entanto, seria necessário também investir nas serrarias de Imbáu, capacitando-as especialmente na área comercial, para que possam atuar também fora do município. 2. Pinus para uso na Construção Civil Esquadrias e Forrações Coberturas

53 53 Análise dos Aspectos Gerais do Município Setor Madeireiro – Oportunidade de Adensamento da Cadeia O artesanato de madeira seria uma oportunidade de geração de empregos para as mulheres, pessoas de baixa renda. Os produtos poderiam ser comercializados na própria rodovia, que oferece vantagem competitiva para a cidade. A Josely Artefatos de Madeira, criada em 1985, em Pedreira, São Paulo, é um dos exemplos de empresas especializadas em artesanato em pinus. Porta patês em pinus produzido pela Josely Artefatos de Madeira. 3. Artesanato em Pinus Um dos principais usos de madeira serrada é na fabricação de paletes. Sua produção a partir do Pinus é relativamente simples e com grande potencial de mercado. 4. Fabricação de Paletes de Madeira Reflorestada Paletes de pinus produzidos pela JM Paletes, em Abadiânia, Goiás.

54 54 Análise dos Aspectos Gerais do Município Setor Madeireiro – Oportunidade de Adensamento da Cadeia à Jusante Ainda falando-se em termos de oportunidades é necessário também tentar melhorar o aproveitamento da cadeia da madeira à jusante, analisando que tipos de serviços são demandados nas florestas. Segundo estudos realizados pela própria Diferencial, a cerca da cadeia da madeira e móveis, dentre as principais atividades que geralmente são desenvolvidas no segmento florestal, foi detectado que as maiores possibilidades de terceirização encontram-se nos serviços de poda e desbastes. Um serviço que inclua, também, a construção de aceiros em torno das árvores, e de manutenção de estradas rurais, realizado com qualidade e a preços competitivos pode se tornar uma opção viável. PodaPoda Controle da formiga Controle da vespa da madeira (syrex) Inventário da floresta Prevenção de incendios AceiramentoAceiramento Formação de mudas DesbasteDesbaste Abertura e conservação de estradas rurais Gestão ambiental Principais oportunidades Oportunidades secundárias

55 55 Análise dos Aspectos Gerais do Município Existe a intenção de que a atividade evolua e dê origem a uma cadeia produtiva mais adensada; Trata-se de uma atividade importante para a geração de riqueza e renda para o município; A presença de uma unidade da Klabin na região é um fator positivo, pois é garantia de pagamento aos produtores, além da empresa prestar assistência técnica e até fomento através da intermediação de empréstimos bancários; Fortalezas e Fraquezas da Silvicultura Fortalezas Dependência de apenas uma grande empresa na região, o que leva a cidade a estar sujeita a ciclos econômicos; Por causa da assistência oferecida pela Klabin e pela sedução de vender a uma grande empresa, muitos agricultores estão deixando de produzir alimentos e outros produtos agropecuários para se dedicar à produção florestal; A atividade praticamente não agrega valor. A maioria da madeira sai em toras, sem beneficiamento, e abastece indústrias, especialmente a Klabin, em Telêmaco Borba; Fraquezas

56 56 Análise dos Aspectos Gerais do Município A Agropecuária no Município Na comunidade Charqueada de Baixo, produtores iniciaram o cultivo de Alface Hidropônica, produto com boa demanda nos grandes centros. Sua dificuldade vem sendo atingir uma escala comercial de produção. A expansão da produção florestal comprometeu o setor agropecuário, que hoje está restrito a uma pequena base responsável pela produção de hortifrutigranjeiros, leite, grãos e mel. Segundo relatos, existem exemplos de comunidades trabalhando em regime de cooperação, mas a atividade ainda encontra-se em estágio de baixo valor agregado. Cultivo de hortifrutigranjeiros: o volume mais expressivo de produção de hortifrutigranjeiros está nas localidades de Areia Preta e Jacutinga. Nestas comunidades produtores formaram pequenos grupos de trabalho para distribuição de seus produtos em feiras realizadas no centro de Imbaú e Telêmaco Borba. Porém sua escala de produção não é adequada para abastecer os municípios, o que configura um desafio para a cidade, já que o comércio local acaba tendo de recorrer ao Ceasa. Além disto, a vizinha Telêmaco Borba não produz nada do que consome por apresentar um elevadíssimo grau de urbanização, cerca de 90%, o que se configura em uma oportunidade de atuação para os produtores de Imbaú.

57 57 Análise dos Aspectos Gerais do Município A Agropecuária no Município Cultivo de grãos: a atividade concentra-se em cerca de 15 produtores de médio e grande porte e 35 famílias do assentamento Guanabara. Os produtores maiores trabalham com o cultivo de milho, soja e trigo, escoando sua produção através do entreposto da Batavo, que fica no próprio município. Já as famílias assentadas estão focadas no cultivo do milho e comercializam sua produção através do programa Compra Direta do Governo Federal. Em ambas as situações há presença de beneficiamento em seus estágios primários, no entanto os produtos deixam o município com baixíssimo valor agregado. Bovinocultura de leite: esta atividade é também composta por pequenos produtores, em sua maioria nas comunidades Campina Juca Pedro, Charqueadinha e Assentamento Guanabara. O leite é outro exemplo de cadeia desintegrada. Sua produção, segundo dados do IBGE, vem registrando sucessivas quedas nos últimos 8 anos e o produto é comercializado em sua totalidade in natura, ou seja, sem agregar valor, para laticínios particulares de outros municípios. Há relatos também de que uma pequena parcela desta produção é comercializada in natura dentro da própria cidade para moradores que recebem na porta de suas casas leite cru envasado em garrafas pet reutilizadas.

58 58 Análise dos Aspectos Gerais do Município A Agropecuária no Município Apicultura: a atividade é composta por pequenos produtores espalhados pelo município e pode-se dizer que é outro claro exemplo de cadeia desintegrada. O potencial da rica flora das áreas florestais abundantes no município é subutilizado e a atividade é pouco difundida. Ao passo que a cidade vizinha, Ortigueira, é uma das quatro maiores produtoras de mel do estado, Imbaú apresenta uma evidente falta de organização na cadeia. Dentre os apicultores, poucos são os exemplos daqueles que agregam valor à sua produção, desde o beneficiamento que dá origem a produtos como o mel, a própolis, a geléia real e o pólen, passando para a transformação do mel em alimentos. Desde 2005, a Klabin vem desenvolvendo em Telêmaco Borba um programa de responsabilidade social voltado a Apicultura, que vem apresentando resultados interessantes pela qualidade do mel produzido e rendimentos produtivos acima da média estadual. Em um raro exemplo dentre os produtores, foi possível localizar um apicultor que desenvolve a atividade de maneira organizada, beneficiando, armazenando e comercializando sua produção de maneira independente

59 59 Análise dos Aspectos Gerais do Município A Agropecuária e o Assentamento Guanabara O Assentamento Guanabara foi criado oficialmente em 1998 e conta com hectares ocupados por 35 famílias ligadas ao MST. Dentro da agricultura familiar do município, é a única comunidade vista como sinônimo de organização. São exploradas pelos assentados lavouras de subsistência, além de avicultura, suinocultura e bovinocultura de leite com venda de excedentes para o programa Compra Direta do Governo Federal. Dentre as atividades desenvolvidas no assentamento, destaca-se o projeto relacionado à criação de uma unidade de beneficiamento de sementes de milho, encabeçado pela UEPG com recursos cedidos pela SETI (Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Paraná), contando com a participação de sete famílias do assentamento que exploram coletivamente uma área de 150 hectares. Em função deste projeto, as famílias participantes criaram a APROCID (Associação de Produção e Comercialização Irmã Doroty). Moradias das famílias que trabalham coletivamente no Assentamento Guanabara e fazem parte da APROCID.

60 60 Análise dos Aspectos Gerais do Município A Agropecuária e o Assentamento Guanabara Fora a APROCID existem outros dois grupos de trabalho não formalizados, mas que também contam com algum tipo de ajuda do governo. Em vias gerais, foi possível notar através de depoimentos das lideranças que há uma forte articulação das esferas governamentais em prol do assentamento, que conta com maquinário e implementos agrícolas próprios. Além de orientações e acompanhamento específicos. Embora o auxilio das esferas governamentais seja importante para o desenvolvimento das atividades, a conversão da atividade da comunidade Guanabara em geração de emprego e renda passa por um tratamento mais comercial, fazendo com que produtores e líderes busquem novos e atrativos mercados para seus produtos. Reunião de trabalho para discussão referente ao projeto Unidade de Beneficiamento de Sementes de Milho.

61 61 Análise dos Aspectos Gerais do Município A Agropecuária e o Entreposto da Cooperativa Batavo Atualmente a cooperativa Batavo conta com mais de 500 cooperados divididos em 19 municípios e 13 entrepostos. Suas atividades estão concentradas nos mercados de soja, milho, feijão, produção de sementes, pecuária de leite e suínos. Em Imbaú, a Batavo, possui um entreposto responsável pelo recebimento, armazenagem e secagem de grãos de cerca de 20 produtores da região, sendo 13 destes de Imbáu, que juntos somam uma quantia média de 30 mil toneladas de grãos de milho, soja e trigo ao ano. Ao contrário do que ocorre na maioria dos entrepostos, na unidade presente na cidade de Imbaú não são ofertados aos membros serviços de assistência técnica e comercialização de insumos. Isto porque o número de associados nesta região é muito pequeno e sua produção corresponde a cerca de 4% do volume total de grãos da Batavo. Ou seja, a demanda não justifica um mix maior de serviços em uma região que está trocando a produção agrícola pela florestal. O quadro de funcionários deste entreposto é composto por 22 profissionais, sendo 12 efetivos e outros 10 terceirizados que respondem a cargos administrativos e operacionais. A exemplo do que se verifica em diversas empresas do município, a Batavo também reclama da escassez de mão de obra qualificada para ocupação destes postos. Uma série de serviços ofertados aos associados da Batavo, como a comercialização de insumos, não estão disponíveis no entreposto de Imbaú.

62 62 Análise dos Aspectos Gerais do Município As lideranças estão conscientes de que as produções agrícola e pecuária poderiam gerar maiores ganhos ao município caso fossem transformadas localmente; O desenvolvimento da apicucultura apresenta um grande oportunidade para Imbaú, que tem exemplos vitoriosos em municípios vizinhos como Ortigueira e Telêmaco Borba; Existem tímidas iniciativas para beneficiamento de grãos; Presença de um entreposto de uma das mais importantes cooperativas do estado; Fortalezas e Fraquezas da Produção Agrícola Fortalezas Propriedades pequenas, familiares, com pouca infra-estrutura e máquinas; Boa parte dos produtos não é beneficiada e transformada na cidade, sendo necessário mandá-los para os municípios vizinhos para passarem por este processo; Não existe a organização dos produtores em torno de associações e cooperativas; Êxodo rural decorrente do crescimento da extração e plantio da madeira; O entreposto da Batavo não oferece serviços complementares nem possui unidades de transformação; Fraquezas

63 63 Análise dos Aspectos Gerais do Município Emprego e Mão de Obra da Cidade A população da cidade precisa se deslocar para trabalhar em Telêmaco Borba, pois as ocupações existentes são de baixa qualificação, braçal, ou então no comércio, que é o grande empregador do município. Entretanto, segundo as lideranças locais, quando existe uma demanda por posições mais qualificadas, Imbaú tem dificuldade de suprir, sendo então necessário buscar profissionais de municípios vizinhos. A educação existente na cidade é apenas regular, indo até o ensino médio. Não existem cursos profissionalizantes ou técnicos. Esta situação levou o IFPR (Instituto Federal do Paraná), em Telêmaco Borba, a contribuir reservando vagas em seus cursos para os moradores da cidade. Mas fora isto, verifica-se ainda uma grande dificuldade em desenvolver mão de obra qualificada no próprio município, principalmente nas áreas de gestão, vendas, atendimento e técnica industrial.

64 64 Com sede no município de Guaíba, Rio Grande do Sul, a empresa possui outras duas unidades, sendo uma delas em Imbaú, às margens da Rodovia BR 376 e a outra no estado de São Paulo. A unidade paranaense é responsável pela produção e comercialização de coagulantes para tratamento de água e efluentes, como o ácido clorídrico, o hipoclorito de sódio e a soda cáustica. Sendo que tais produtos são vendidos principalmente para a Klabin, em Telêmaco Borba, que os utiliza tanto no tratamento de seus efluentes, como na produção de celulose. Toda matéria prima empregada neste processo é oriunda de outros municípios. O quadro de colaboradores permanentes desta filial é composto por 17 moradores do município de Imbaú, todos eles com ensino médio e técnicos químicos, pois este é um dos pré-requisitos para o cargo. O que segundo depoimentos do profissional de recursos humanos da matriz é um fator dificultador, já que no município não existem escolas para capacitação nesta área, sendo necessário aos interessados buscar tal curso em Telêmaco Borba. Além deste tipo de mão de obra, a Guaíba também utiliza serviços de segurança patrimonial e manutenção da própria cidade, mas com a ressalva de que estas áreas também apresentam carência de profissionais e empresas qualificadas. O que reitera a questão da qualificação da mão de obra como um dos desafios a serem enfrentados por Imbaú. Análise dos Aspectos Gerais do Município Guaíba Química – A Situação de Uma das Empresas que Sofrem Com a Falta de Profissionais Qualificados em Imbaú Curso de segurança no trabalho promovido na unidade Imbaú. Uma das iniciativas da empresa visando o aprimoramento de seus colaboradores.

65 65 A Concessionária de Rodovias Integradas S/A, RodoNorte, é uma empresa do Grupo CCR que opera o Lote 5 do Anel de Integração do Paraná. Fundada em 1997, está sediada na cidade de Ponta Grossa. Administra 567 quilômetros de rodovias no Paraná, formando o corredor de escoamento de um dos principais pólos de produção agrícola do Estado. Em Imbaú, a empresa possui uma praça de pedágio na BR 376, Km 377, na saída para Ortigueira, ocupando relativa importância na economia local, graças à arrecadação de impostos. Já no que diz respeito à geração de renda e capital humano, a empresa contribui muito menos do que poderia. Seu quadro de efetivos nesta unidade é composto por 30 pessoas, divididas entre a cobrança do pedágio e a pesagem de veículos pesados, sendo que nenhuma delas é moradora do município de Imbaú. A RodoNorte somente gera postos de trabalho para o município em serviços braçais, através de empresas terceirizadas que contratam de maneira temporária mão de obra para limpeza e manutenção da rodovia. Análise dos Aspectos Gerais do Município RodoNorte – A Situação de Uma das Empresas que Sofrem Com a Falta de Profissionais Qualificados em Imbaú Em 2008, a concessionária RodoNorte repassou cerca de R$ 826 mil em impostos (ISS) para o município de Imbaú. A realização de obras na rodovia também rende recursos para o município, porém a mão de obra local poderia ser melhor aproveitada.

66 66 Análise dos Aspectos Gerais do Município Fortalezas e Fraquezas do Emprego e Mão de Obra da Cidade Os estabelecimentos comerciais vem gerando um maior número de empregos para a cidade; Há expectativa de que um APL do setor madeireiro venha a ser implantado na região para trabalhar em conjunto com o IFPR em Telêmaco Borba, que irá reservar vagas em seus cursos para Imbaú; Apesar de pequena, a cidade conta com unidades de empresas de bom porte, como a Guaíba, RodoNorte, Batavo, que podem absorver mão de obra mais qualificada; Fortalezas Não existem esforços permanentes de formação de mão de obra, como cursos técnicos e ou mesmo uma agenda fixa de cursos específicos; As empresas ainda precisam buscar mão de obra de maior qualidade em cidades vizinhas, principalmente para áreas técnicas, de gestão, atendimento e vendas; O desemprego é uma preocupação, provavelmente ocasionado pela atividade madeireira e pelo êxodo rural decorrente da ocupação de terras para implantação de reflorestamento de Pinus e Eucalipto; A população precisar viajar para Telêmaco Borba para estudar e trabalhar. Fraquezas

67 67 Análise dos Aspectos Gerais do Município Comércio e Serviços da Cidade Imbaú possui uma oportunidade bastante clara de promover um grande desenvolvimento econômico por meio de seu comércio, em virtude de sua localização geográfica. No entanto, seu comércio é fraco, com várias empresas, mas pouca variedade e baixíssima sofisticação. Segundo citações, de empreendedores e lideranças, há falta de alguns itens como calçados e roupas. Além disso, as fachadas das lojas são mal cuidadas, dando a clara impressão de desorganização. Também, segundo os entrevistados, falta mão de obra qualificada e treinada para a atividade comercial e de serviços, o que prejudica o atendimento na cidade. Além disto, falta organização e união dos empreendedores do setor para a execução de ações promocionais e de divulgação em conjunto, a realização de cursos voltados à gestão empresarial, atendimento e vendas, entre outras medidas que visam o fortalecimento da atividade. Mas no fundo, nada vai adiantar, nenhuma melhoria vai surtir real efeito enquanto a cidade não tiver uma agência bancária. O fato dos moradores de Imbaú terem que se deslocar para Telêmaco Borba para sacar seus pagamentos, fazer depósitos etc., faz com que naturalmente eles comprem na cidade maior. Este gargalo impede o desenvolvimento do comércio.

68 68 Análise dos Aspectos Gerais do Município Comércio e Serviços da Cidade – O Ambiente Institucional A ACEIM (Associação Comercial e Empresarial de Imbaú), que a princípio seria uma manifestação da presença de capital social entre os comerciantes, enfrenta sérias dificuldades em integrar as empresas. São apenas 32 associados, num total de 143 empresas com pelo menos um funcionário. Ou seja, com um índice de congregação de 22%, fica bastante claro que a ACEIM precisa ser fortalecida. Embora a entidade possua um relacionamento cordial com o poder público, que inclusive cedeu a sala onde está sediada a associação, além de isentá-la de impostos, não foram detectados projetos conduzidos em conjunto. De maneira independente, a associação anualmente conduz campanhas promocionais de fim de ano, com as mensalidades cobradas de seus membros, sorteando vários prêmios numa tentativa de fazer com que a população gaste seu dinheiro no próprio comercio da cidade. No entanto, os já citados motivos, como a falta de uma agência bancaria em Imbaú, além da falta de qualificação do comércio, fazem com que a população continue comprando em Telêmaco Borba. Evento de final de ano promovido pela ACEIM, com sorteio de prêmios e apresentação de músicos regionais para a população, ocorre há dois anos. Porém, o número de empresas participantes ainda é muito pequeno.

69 69 Análise dos Aspectos Gerais do Município Comércio e Serviços da Cidade – Oportunidade de Converter a Região em uma Referência de Hospedagem e Alimentação O principal vetor de desenvolvimento para Imbaú é sua localização geográfica. O fato de estar exatamente no meio do caminho entre Curitiba e o Norte pioneiro deveria ser melhor aproveitado, mas para isto ocorrer, os estabelecimentos hoje localizados às margens da rodovia devem passar por um processo de padronização, a fim de que apresentassem um nível mínimo de qualidade. O município de Registro, São Paulo, é um bom exemplo disto, pois é ponto de parada obrigatório para aqueles que viajam de Curitiba para o estado de São Paulo. Lá é possível encontrar uma restaurantes de qualidade, postos de serviços e uma cadeia que se organiza no entorno da rodovia. Imbaú deve se espelhar nisto, tornando-se referência em serviços de hospedagem e alimentação na região, divulgando estes serviços ao longo da rodovia. Vai ou vem do Norte? Não deixe de parar em Imbaú. Restaurante do Posto Graal Petropen, em Registro, é um dos pontos mais requisitados para quem vai de Curitiba à São Paulo. A região destaca-se por ser ponto de parada obrigatória para quem transita entre São Paulo e Curitiba.

70 70 Análise dos Aspectos Gerais do Município Fortalezas e Fraquezas do Comércio da Cidade Apesar de pouco estruturado, o comércio de Imbaú é numeroso e emprega boa parte da população do município; Posição geográfica do município, que fica às margens da BR-376, oferece uma grande oportunidade de desenvolvimento; Fortalezas A área de serviços é pouco desenvolvida; Perda de clientes para Telêmaco Borba, que possui um melhor comércio e é favorecida pela ausência de agências bancárias em Imbaú; Os estabelecimentos hoje localizados às margens da rodovia não são padronizados, não apresentam um nível mínimo de qualidade esperada; A participação de empreendedores na ACE local é bastante reduzida; A disponibilidade de mão de obra qualificada, pronta para atendimento no comércio e serviço é limitada Fraquezas

71 71 Análise dos Aspectos Gerais do Município Formada por assentados da Fazenda Guanabara que cultivam de modo coletivo uma área de aproximadamente 150 hectares, administrada por sete famílias. Possuem dois tratores e alguns implementos agrícolas, adquiridos com auxilio de microcrédito fundiário e apoio do governo municipal. Seus trabalhos estão voltados à criação de uma unidade de beneficiamento com auxílio da UEPG, para seleção e padronização de sementes de milho. APROCID – Associação de Produção e Comercialização Irmã Doroty Criada em 2007, conta atualmente com 32 associados. Sua sede está em uma sala comercial cedida pela prefeitura. Atualmente seus esforços estão concentrados em campanhas promocionais de fim de ano entre os membros da associação. ACEIM – Associação Comercial e Empresarial de Imbaú Ambiente Institucional – Entidades

72 72 Análise dos Aspectos Gerais do Município Criada em 1925, atualmente a cooperativa conta com mais de 500 cooperados divididos em 19 municípios e 13 entrepostos. Em Imbaú, a Batavo, possui um entreposto responsável pelo recebimento, armazenagem e secagem de grãos de cerca de 20 produtores da região, sendo 13 destes de Imbaú. Cooperativa Agroindustrial Batavo Ambiente Institucional – Entidades

73 73 Análise dos Aspectos Gerais do Município Áreas Geográficas Importantes da Cidade Tibagi Telêmaco Borba Reserva Centro Agricultores Comércio Silvicultura Pecuária 1.Assentamento Guanabara: 35 famílias trabalham na produção de hortifrutigranjeiros e leite para abastecer o programa compra direta. 2.Charqueada de Baixo: cerca de 3 mil pessoas residem neste distrito, que conta com 8 estabelecimentos comerciais, na maioria mercearias atuando de maneira informal. 3.Posto de Pedágio (BR 376, Km 377): pertencente a concessionária Rodo Norte, responsável por numerosas contratações na região, através de terceirizadas, para serviços de limpeza, conservação e manutenção na rodovia. Ortigueira

74 74 Análise dos Aspectos Gerais do Município Resumo das Atividades Econômicas do Município Pouca variedade de comércio e serviço Concorrência com o centro da cidade vizinha Telêmaco Borba, que é favorecida pela ausência de agências em Imbaú Perda de clientes para Telêmaco Borba devido ao deslocamento de mão-de- obra Falta mão-de-obra qualificada para o comércio e serviços Associação Comercial não conta com a participação dos comerciantes Pouca variedade de comércio e serviço Concorrência com o centro da cidade vizinha Telêmaco Borba, que é favorecida pela ausência de agências em Imbaú Perda de clientes para Telêmaco Borba devido ao deslocamento de mão-de- obra Falta mão-de-obra qualificada para o comércio e serviços Associação Comercial não conta com a participação dos comerciantes Comércio e Serviço Grandes áreas de reflorestamento de pinus e eucalipto Atividade que apresenta o maior crescimento Baixa agregação de valor, pois a maior parte da madeira é retirada da cidade em toras Gera poucos empregos para a cidade Grandes áreas de reflorestamento de pinus e eucalipto Atividade que apresenta o maior crescimento Baixa agregação de valor, pois a maior parte da madeira é retirada da cidade em toras Gera poucos empregos para a cidade Silvicultura

75 75 Análise dos Aspectos Gerais do Município Resumo das Atividades Econômicas do Município Pequenos produtores concentrados em algumas comunidades Pequenas propriedades familiares Os produtos são enviados para outras cidades para serem beneficiados e transformados Áreas de reflorestamento forçando a saída dos agricultores Apenas uma associação formada por 7 famílias assentadas Pequenos produtores concentrados em algumas comunidades Pequenas propriedades familiares Os produtos são enviados para outras cidades para serem beneficiados e transformados Áreas de reflorestamento forçando a saída dos agricultores Apenas uma associação formada por 7 famílias assentadas Agricultura Pecuária leiteira Leite é comercializado in natura, ou seja, sem agregar valor Inexistência de entidades ou associações Pecuária leiteira Leite é comercializado in natura, ou seja, sem agregar valor Inexistência de entidades ou associações Bovinocultura

76 Como são os Estabelecimentos em Imbaú? Setor de Atuação dos Estabelecimentos, Gênero e Idade dos Empreendedores, Tempo de Atuação como Empresários, Ano de Fundação dos Estabelecimentos e Tamanho dos Estabelecimentos Rurais 4

77 77 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Setor de Atuação dos Estabelecimentos Entrevistados Base: 155 Agropecuária – 16% Comércio – 39% Indústria – 4% Serviços – 41%

78 78 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Principal Atividade Desenvolvida 44% Serviços Setor de Atuação Restaurante e lanchonete Assistência mecânica 6% Produção de grãos 13 3 Agropecuária Setor de Atuação Apicultura 1 Indústria Setor de Atuação Madeireira Extração de minérios 1 Base: 25* Base: 61 Base: 63 Base: 6* * Valores expressos em números absolutos devido a baixa representatividade da base. Produção de frutas e hortaliças 3 Serralheria Metalurgia Fabricação de tijolos Indústria têxtil Gênero alimentícios 38% 11% Comércio Setor de Atuação Roupas

79 79 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Localização do Estabelecimento Base: 155 O Estabelecimento está Localizado na Área Rural ou Urbana da Cidade?

80 80 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Gênero dos Empreendedores Base: 155

81 81 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Gênero dos Empreendedores Municípios Percentual de Mulheres Empreendedoras em Cada Cidade Bocaiúva do Sul 42% Bom Sucesso do Sul 37% Cerro Azul 36% Imbaú 34% Tunas do Paraná 34% Itaperuçu 32% Rio Branco do Sul 31% Adrianópolis 30% Munhoz de Mello 30% Carlópolis 29% Dr. Ulysses 28%

82 82 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Idade dos Empreendedores Base: 142* Média de 40 anos Mediana: 40 anos Média Interna**: 40 anos * Total de entrevistados que informaram a idade. ** Média interna considerando 80% dos casos. Refere-se ao cálculo da média obtida excluindo os valores extremos, sendo 10% dos valores mais altos e 10% dos valores mais baixos. O entrevistado mais velho possui 71 anos O entrevistado mais novo possui 19 anos

83 83 Municípios Idade Média dos Empreendedores Bom Sucesso do Sul 46 anos Adrianópolis 46 anos Munhoz de Mello 45 anos Bocaiúva do Sul 43 anos Carlópolis 43 anos Rio Branco do Sul 42 anos Cerro Azul 41 anos Dr. Ulysses 41 anos Imbaú 40 anos Tunas do Paraná 40 anos Itaperuçu 39 anos Caracterização Geral dos Estabelecimentos Idade dos Empreendedores

84 84 Área Sexo Base: Caracterização Geral dos Estabelecimentos Idade Média dos Empreendedores – Por Segmentos

85 85 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Tempo de Experiência como Empreendedor Base: 141* Média 9 anos de experiência Mediana: 7 anos Média Interna**: 8 anos * Total de entrevistados que informaram o tempo de atuação como empreendedor. ** Média interna considerando 80% dos casos. Refere-se ao cálculo da média obtida excluindo os valores extremos, sendo 10% dos valores mais altos e 10% dos valores mais baixos. O empreendedor com menor tempo de atuação no mercado possui 1 mês de experiência O empreendedor com maior tempo de atuação no mercado possui 40 anos de experiência

86 86 * Total de entrevistados que informaram o tempo como empreendedor. Base: Caracterização Geral dos Estabelecimentos Tempo de Experiência como Empreendedor – por Segmentos Área Sexo

87 87 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Grau de Instrução dos Empreendedores Base: 152* * Total de entrevistados que informaram a escolaridade.

88 88 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Grau de Instrução dos Empreendedores Municípios% de Empreendedores com Nível Superior Adrianópolis 16% Carlópolis 14% Munhoz de Mello 13% Tunas do Paraná 11% Bocaiúva do Sul 10% Bom Sucesso do Sul 9% Rio Branco do Sul 9% Imbaú 9% Dr. Ulysses 8% Itaperuçu 6% Cerro Azul 3%

89 89 * Total de entrevistados que informaram o tempo como empreendedor. Base: * Caracterização Geral dos Estabelecimentos Área Sexo Grau de Instrução – Percentual de Empreendedores com Ensino Superior Empreendedor

90 90 10 anos é a idade média dos Estabelecimentos Caracterização Geral dos Estabelecimentos Ano em que o Estabelecimento Começou a Atuar no Mercado Base: 145* Mediana: 7 anos Média Interna**: 8 anos * Total de entrevistados que informaram o ano de fundação do estabelecimento. ** Média interna considerando 80% dos casos. Refere-se ao cálculo da média obtida excluindo os valores extremos, sendo 10% dos valores mais altos e 10% dos valores mais baixos. O estabelecimento mais antigo tem 45 anos O estabelecimento mais novo tem 1 ano

91 91 Área Sexo Base: Caracterização Geral dos Estabelecimentos Idade Média dos Estabelecimentos – Por Segmentos

92 92 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Tamanho dos Estabelecimentos Rurais (em hectares paulista) Base: 20* Mediana: 24,2 ha Média Interna**: 30,41 ha O maior estabelecimento possui 360,0 ha *Total de entrevistados que possuem estabelecimentos em área rural e que informaram o tamanho do estabelecimento. Valores expressos em números absolutos devido a baixa representatividade da base. ** Média interna considerando 80% dos casos. Refere-se ao cálculo da média obtida excluindo os valores extremos, sendo 10% dos valores mais altos e 10% dos valores mais baixos. 1 hectare paulista = m² 52,05 ha é o tamanho médio dos Estabelecimentos Rurais O menor estabelecimento possui 0,4 ha

93 93 Caracterização Geral dos Estabelecimentos Tamanho dos Estabelecimentos Rurais (em hectares paulista) Municípios Tamanho Médios dos Estabelecimentos Rurais (ha) Itaperuçu77 Bom Sucesso do Sul68 Imbaú52 Dr. Ulysses33 Adrianópolis31 Carlópolis29 Rio Branco do Sul24 Munhoz de Mello20 Bocaiúva do Sul14 Cerro Azul12 * A média de Tunas do Paraná (301 ha) não foi apresentada, pois foi informada por apenas dois entrevistados.

94 Como os Estabelecimentos da Cidade de Imbaú Atuam? Situação Legal, Atividade Principal, Principais Produtos ou Serviços, Número de Pessoas que Trabalham 5

95 95 Forma de Atuação dos Estabelecimentos Situação Legal dos Estabelecimentos Sua Empresa é Formalizada? Se Formalizada, Qual Registro Possui? Base: 140** * DAF – Declaração de Aptidão ao Pronaf ** Total de entrevistados que informaram se a empresa é formalizada. 63% das empresas possuem formalização oficial

96 96 Forma de Atuação dos Estabelecimentos Conhecimento da Lei que Criou a Figura do Micro Empreendedor Individual 26% Não tem interesse em formalizar 35 empresas não possuem qualquer formalização 74% tem interesse em formalizar 71% Não conhecem o MEI* 29% conhecem o MEI* 9 teriam interesse em aproveitar a lei para se formalizar * Lei do Micro Empreendedor Individual 1 não tem interesse em aproveitar a lei para se formalizar

97 97 Forma de Atuação dos Estabelecimentos Total de Pessoas que Trabalham no Estabelecimento Atualmente* Média de 4 pessoas Mediana: 2 pessoas Média Interna***: 3 pessoas Contando com o Senhor, Quantas Pessoas Trabalham no Estabelecimento, Considerando Proprietários, Familiares, Funcionários Fixos e Prestadores de Serviços? Base: 144** *Considerando o mês de novembro de 2009, quando foi iniciada a coleta. ** Total de entrevistados que souberam responder o total de pessoas que trabalham no estabelecimento atualmente. ***Média interna considerando 80% dos casos. Refere-se ao cálculo da média obtida excluindo os valores extremos, sendo 10% dos valores mais altos e 10% dos valores mais baixos. Área Urbana: 4 funcionários Área Rural: 3 funcionários

98 98 Forma de Atuação dos Estabelecimentos Média de Pessoas que Trabalham no Estabelecimento Comparativo Novembro de 2009 e Dezembro de 2008 Base: 118*Base: 154** *Total de entrevistados que informaram o número de pessoas ocupadas na empresa em ** Total de entrevistados que souberam responder o total de pessoas que trabalham no estabelecimento atualmente. 0%

99 99 Forma de Atuação dos Estabelecimentos Base: 406 pessoas que trabalham em 95 empresas que possuem familiares em seus quadros. Participação de Familiares no Quadro de Pessoas Ocupadas do Estabelecimento Qual o Percentual de Familiares e Não Familiares do Total de Pessoas que Trabalham na Empresa? Resultado combinado indica 24,8% de funcionários pertencentes à família em todo o segmento Base: 153* * Total de entrevistados que responderam se existe ou não familiares trabalhando no estabelecimento. Atualmente, Existem Familiares que Fazem Parte do Quadro de Pessoas que Trabalham no Estabelecimento?

100 100 Forma de Atuação dos Estabelecimentos Participação de Familiares no Quadro de Pessoas Ocupadas do Estabelecimento Percentual de Funcionários Pertencentes à Família em Todo o Segmento Municípios Percentual de funcionários Imbaú 24,8% Bom Sucesso do Sul 21,4% Carlópolis 21,3% Munhoz de Mello 13,3%

101 101 Forma de Atuação dos Estabelecimentos Situação de Alguns Documentos Exigidos aos Estabelecimentos * Total de entrevistados que responderam e onde se aplica a documentação exigida ao estabelecimento. ** Embora a base não seja representativa, os valores foram expressos em percentuais para possibilitar análise comparativa. Documentos Exigidos Alvará da PrefeituraVistoria do bombeiro Munhoz de Mello CarlópolisImbaú Bom Sucesso do Sul Munhoz de Mello CarlópolisImbaú Bom Sucesso do Sul Está em dia com o documento 66%86%66%84%58%49%43%85% Está com o documento em andamento 7%3%12%2%--9%4% Não tem o documento 27%12%22%14%42%51%48%11% Base* **554447

102 102 Forma de Atuação dos Estabelecimentos Situação de Alguns Documentos Exigidos aos Estabelecimentos * Total de entrevistados que responderam e onde se aplica a documentação exigida ao estabelecimento. Documentos Exigidos Fiscalização da Saúde Munhoz de Mello CarlópolisImbaú Bom Sucesso do Sul Está em dia com o documento 85%88%68%89% Está com o documento em andamento 2%-7%4% Não tem o documento 13%12%25%7% Base*

103 Ambiente Econômico e Organizacional Controle do Estabelecimento, Faturamento, Percepção de Queda ou Aumento de Faturamento nos Últimos anos e Motivos, Principais Dificuldades na Condução e Administração do Estabelecimento 6

104 104 Estimativa**do Faturamento dos Estabelecimentos no Ano de 2009 Ambiente Econômico e Organizacional Base: 84* * Total de entrevistados que informaram o faturamento. ** Vale ressaltar que a pesquisa foi realizada em dezembro de 2009, portanto os dados de faturamento para 2009 são estimativas dos empreendedores para o ano. Média de R$ 241 mil Mediana: R$ 58 mil Média Interna***: R$ 93 mil O maior faturamento é de R$ 6,5 milhões O menor faturamento é de R$ 4 mil Faturamento Médio Área Urbana: R$ 256 mil Área Rural: R$ 142 mil *** Média interna considerando 80% dos casos. Refere-se ao cálculo da média obtida excluindo os valores extremos, sendo 10% dos valores mais altos e 10% dos valores mais baixos.

105 105 Estimativa** do Faturamento dos Estabelecimentos no Ano de 2009 Ambiente Econômico e Organizacional Faturamento Mediano* (R$) Municípios Base Faturamento Mediano* (R$) Área Rural Empreendedor menos experiente Empreendedor mais experiente Imbaú8458 mil80mil73 mil48 mil Bom Sucesso do Sul5635 mil30 mil43 mil30 mil Carlópolis9735 mil28 mil36 mil30 mil Munhoz de Mello6015 mil 17 mil15 mil * Foram utilizados os faturamentos medianos devido a heterogeneidade dos valores citados pelos entrevistados.

106 106 Evolução no Faturamento Médio Anual dos Estabelecimentos – 2008 e 2009 Ambiente Econômico e Organizacional Base: 70* O faturamento médio das empresas do município apresentou uma queda de 9%. - 9% * Total de entrevistados que informaram a estimativa de faturamento para ambos os anos. Base: 70*

107 107 Base: 99* Evolução do Faturamento Anual dos Estabelecimentos Em Relação ao Faturamento de 2007, o Senhor diria que em 2008 seu Estabelecimento Registrou: Ambiente Econômico e Organizacional * Total de entrevistados que informaram a evolução do faturamento de 2007 para Percentual Médio de Crescimento: 24% Percentual Médio de Queda: 23%

108 108 Evolução do Faturamento Anual dos Estabelecimentos 2007 – 2008 – Por Segmentos Ambiente Econômico e Organizacional Área 40% 41% Urbana Rural 38% 52% Empreendedor 48% 33% Menos experiente Mais experiente 37% Crescimento Queda Estagnação 19% 10% 19% 16% 47% Entre 2007 e 2008 a queda no faturamento foi mais percebida na área urbana.

109 109 Motivos para o Aumento do Faturamento dos Estabelecimentos Base: 39* Ambiente Econômico e Organizacional * Total de entrevistados que informaram ter crescimento no faturamento de 2007 para 2008.

110 110 Motivos para a Queda do Faturamento dos Estabelecimentos Ambiente Econômico e Organizacional * Valores expressos em números absolutos devido ao tamanho da base. Total de entrevistados que informaram ter queda no faturamento de 2007 para Base: 16*

111 111 Base: 112** Ambiente Econômico e Organizacional Em Relação ao Faturamento de 2008, o Senhor diria que em 2009 seu Estabelecimento Registrará: * Vale ressaltar que a pesquisa foi realizada em dezembro de 2009, portanto os dados de faturamento para 2009 são estimativas dos empreendedores para o ano. ** Total de entrevistados que informaram a evolução do faturamento de 2008 para 2009 Percentual Médio de Crescimento: 28% Percentual Médio de Queda: 35% Cidades % de Estabelecimentos que Registraram Crescimento Bom Sucesso do Sul48% Munhoz de Mello48% Rio Branco do Sul47% Adrianópolis45% Bocaiúva do Sul45% Cerro Azul43% Itaperuçu40% Carlópolis37% Imbaú31% Tunas do Paraná29% Dr. Ulysses23% Expectativa do Faturamento Anual dos Estabelecimentos / 2009*

112 112 Ambiente Econômico e Organizacional Área 31% 41% Urbana Rural 32% 41% Empreendedor 35% 31% Menos experiente Mais experiente 27%Crescimento Queda Estagnação 28% 27% 35% 23% 50% * Vale ressaltar que a pesquisa foi realizada em dezembro de 2009, portanto os dados de faturamento para 2009 são estimativas dos empreendedores para o ano. Expectativa do Faturamento Anual dos Estabelecimentos / 2009*

113 113 Motivos para Expectativa do Aumento do Faturamento dos Estabelecimentos Base: 35* Ambiente Econômico e Organizacional Assim como em 2008, o motivo do crescimento no faturamento deve-se a melhora na economia em geral do país *Total de entrevistados que informaram ter queda no faturamento de 2008 para 2009.

114 114 Ambiente Econômico e Organizacional Motivos para Expectativa da Queda do Faturamento dos Estabelecimentos Base: 32* * Total de entrevistados que informaram motivos para queda no faturamento de 2008 para 2009.

115 115 Ambiente Econômico e Organizacional Comparativo de Crescimento entre 2008 e 2009 Ano de 2008Ano de 2009 Percentual Empreendimentos que Registraram Crescimento 39%31% Crescimento Médio 24%28%

116 116 Principais Dificuldades que Afetam o Negócio Atualmente Ambiente Econômico e Organizacional Alguma Dificuldade ou Desafio Afeta o seu Negócio Atualmente? Base: 155 Base: 133* * Total de entrevistados que passam por alguma dificuldade ou desafio que afetou o seu negócio Quais Dificuldades?

117 117 Principais Dificuldades que Afetam o Negócio Atualmente – Por Segmentos Ambiente Econômico e Organizacional Área Rural Área Urbana Existência ou surgimento de fortes concorrentes (32%) Sazonalidade do mercado (17%) Profissionais sem qualificação (14%) Dificuldade de acesso ao crédito (13%) Dificuldade de acesso a crédito(32%) Existência ou surgimento de fortes concorrentes (23%) Baixo Crescimento (18%) Aumento das exigências para liberar o financiamento (14%)

118 118 Ambiente Econômico e Organizacional Possui Dificuldades na Condução e Administração do Estabelecimento? Principais Dificuldades Enfrentadas na Condução e Administração do Estabelecimento Base: 155 Base: 109* Quais Dificuldades? * Total de entrevistados que possuem alguma dificuldade na condução e administração do estabelecimento.

119 119 Principais Dificuldades Enfrentadas na Condução e Administração do Estabelecimento – por Segmentos Ambiente Econômico e Organizacional Problemas com capital de giro (36%) Falta de clientes (29%) Problemas financeiros (23%) Área Rural Problemas financeiros (61%) Problemas com capital de giro (22%) Má administração do negócio (22%) Falta de qualificação dos funcionários (11%) Área Urbana

120 120 Incidência dos Principais Problemas de Gestão no Município e Outras Cidades de Referência Ambiente Econômico e Organizacional Municípios Problemas de Capital de Giro Problemas Financeiros Falta de Qualificação de Funcionários Munhoz de Mello28%33%12% Imbaú24%20%9% Itaperuçu20%39%7% Doutor Ulysses17%27%2% Rio Branco do Sul17%25%6% Cerro Azul15%33%6% Bocaiúva do Sul15%25%12% Carlópolis15%17%19% Adrianópolis15%13%6% Tunas do Paraná13%25%13% Bom Sucesso do Sul9%17%7% NOTA: Percentuais calculados pela base total de respondentes.

121 121 Ambiente Econômico e Organizacional Existe Alguma Solução ou Medida que Venha a Solucionar as Dificuldades do seu Estabelecimento? Fatores que Ajudariam a Enfrentar as Dificuldades na Condução do Estabelecimento Base: 155 Base: 132* Quais Soluções? * Total de entrevistados que sugeriram soluções para as dificuldades encontradas em seus estabelecimentos. Sebrae (77%), SENAI (3%)

122 122 Fatores que Ajudariam a Enfrentar as Dificuldades na Condução do Estabelecimento – por Segmentos Ambiente Econômico e Organizacional Área Rural Área Urbana Captação e fidelização de clientes (49%) Injeção de capital próprio ou financiado (40%) Orientação de instituições especializadas (25%) Contratação de novos funcionários (6%) Injeção de capital próprio ou financiado (50%) Orientação de instituições especializadas (35%) Captação e fidelização de clientes (10%)

123 Apoio Institucional aos Empreendedores Recebimento de Apoio Institucional, Tipos de Contato Realizado com o Sebrae, Motivos para Procurar o Sebrae, Associações e Parcerias 7

124 124 Principais Instituições das Quais Recebeu Apoio ou Orientações Apoio aos Empreendedores Em sua Trajetória como Empreendedor, o Senhor Recebeu Apoio ou Orientação de Alguma Instituição? Base: 155 Base: 155* De Quais Instituições Recebeu Apoio ou Orientação? * Manteve-se a base total para detectar-se a penetração de cada instituição entre os empreendedores.

125 125 Percentual de Empreendedores que Receberam Auxilio de Instituições em Várias Cidades e Segmentos Apoio aos Empreendedores Cidade Percentual de Empreendedores que Receberam Apoio Munhoz de Mello35% Itaperuçu30% Carlópolis27% Bom Sucesso do Sul25% Adrianópolis21% Imbaú17% Doutor Ulysses17% Cerro Azul15% Rio Branco do Sul14% Bocaiúva do Sul13% Tunas Paraná10%

126 126 Principais Instituições das Quais Recebeu Apoio ou Orientações Apoio aos Empreendedores Área Empreendedor Base: Percentual de Entrevistados que Receberam Apoio ou Orientação – Por Segmentos Sexo

127 127 Já Teve Contato com o Sebrae, Mesmo que por Telefone ou Site? Base: 155 Contato com o Sebrae Apoio aos Empreendedores

128 128 Contato com o Sebrae Apoio aos Empreendedores Percentual de Entrevistados que já Tiveram Contato com o Sebrae, Mesmo que por Telefone ou Site Por Segmentos Área Empreendedor Sexo Base:

129 129 Apoio aos Empreendedores Principais Benefícios ou Serviços que o Fariam Procurar pelo Sebrae Base: 77* * Total de entrevistados que já tiveram algum contato com o Sebrae. Técnicas de Plantio (2) Atendimento e Vendas (2) Quais Cursos? Administrativa (2) Em que Áreas? Quais Benefícios ou Serviços que o Fariam se Aproximar Mais do Sebrae?

130 130 Apoio aos Empreendedores Apoio ou Orientação que Mais Favoreceria o Estabelecimento – Estimulado Que Orientações e Apoios o Senhor Acredita que Irá Ajudá-lo Administrar Melhor sua Empresa e Obter Sucesso nos seus Negócios? Base: 155

131 131 Apoio aos Empreendedores Parcerias com Outros Estabelecimentos Possui Parceria com Outros Estabelecimentos? Que Tipo de Parceria Mantém com Outros Estabelecimentos? Compras em conjunto. 8 citações Base: 155 Base: 13* Treinamento de mão-de- obra 3 citações * Total de entrevistados que possuem parcerias. Valores expressos em números absolutos devido ao tamanho da base. Esforços de vendas em conjunto. 4 citações

132 132 Cidade Percentual de Empreendedores que Realizaram Parcerias Carlópolis18% Tunas Paraná17% Bom Sucesso do Sul 15% Munhoz de Mello14% Itaperuçu13% Rio Branco do Sul11% Doutor Ulysses10% Bocaiúva do Sul10% Imbaú 8% Adrianópolis 8% Cerro Azul 8% Percentual de Empreendedores que Realizaram Parcerias em Várias Cidades e Segmentos Apoio aos Empreendedores

133 133 Apoio aos Empreendedores Parcerias com Outros Estabelecimentos Área Empreendedor Sexo Base: Percentual de Entrevistados que Possuem Parceria com Outros Estabelecimentos – por Segmentos Reduzidíssimo Capital Social na Cidade

134 134 Apoio aos Empreendedores Seu Estabelecimento é Afiliado a Alguma Associação ou Sindicato? Participação em Associações A que Tipos de Instituições seu Estabelecimento é Afiliado? Base: 35* * Total de entrevistados que são associados a alguma associação ou sindicatos. Base: 155

135 135 Apoio aos Empreendedores Participação em Associações Área Empreendedor Sexo Base: Percentual de Entrevistados que são Afiliados a Alguma Associação ou Sindicato – Por Segmentos

136 136 Apoio aos Empreendedores Participação em Associações Percentual de Entrevistados que são Afiliados a Alguma Associação ou Sindicato – Por Municípios Municípios % Itaperuçu39% Bom Sucesso do Sul37% Munhoz de Mello31% Cerro Azul30% Imbaú23% Bocaiúva do Sul21% Rio Branco do Sul17% Dr. Ulysses17% Carlópolis16% Adrianópolis15% Tunas do Paraná10%

137 137 Apoio aos Empreendedores Seus Colaboradores são Vinculados a Alguma Entidade ou Sindicado de Classe? Participação em Associações Qual Sindicato? Sindicato dos trabalhadores rurais de Telêmaco Borba 1 citação Base: 155 * Valor expresso em número absoluto. Base: 1*

138 138 Apoio aos Empreendedores Percentual de Colaboradores que Pertencem a Alguma Entidade ou Sindicato de Classe Participação em Associações Total Á rea UrbanaRural Bom Sucesso do Sul9%5% 13% Carlópolis7% 8% Munhoz de Mello6% 10% 2% Imbaú1% 4%

139 Avaliação do Ambiente Econômico e Social de Imbaú Vantagens e Dificuldades por Estarem Instalados no Município, Percepção de Setores Mais e Menos Aquecidos, Oportunidades de Desenvolvimento, Necessidade de mão de obra etc. 8

140 140 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Dificuldades Enfrentadas pelo Estabelecimento por Estar Localizado no Município Base: 155 Base: 111* Enfrenta Alguma Dificuldade Pelo fato de estar Localizado no Município? Quais Dificuldades? * Total de entrevistados que acreditam enfrentar alguma dificuldade.

141 141 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Dificuldades Enfrentadas pelo Estabelecimento por Estar Localizado no Município Área Empreendedor Sexo Base: Percentual de Entrevistados que Acreditam Enfrentar Dificuldades por Estarem Localizados no Município - Por Segmentos

142 142 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Dificuldades Enfrentadas pelo Estabelecimento por Estar Localizado no Município – Por Segmento Área Urbana Pouco dinheiro em circulação na cidade, poucos clientes, pouco movimento (64%) Falta infraestrutura (16%) Área Rural Falta de boas estradas,melhores condições de logística (45%) Pouco dinheiro em circulação na cidade, poucos clientes, pouco movimento (36%)

143 143 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Vantagens Desfrutadas pelo Estabelecimento por Estar Localizado no Município Base: 155 Base: 114* Acredita que Desfruta de Alguma Vantagem por estar Neste Município? Quais Vantagens? * Total de entrevistados que acreditam desfrutar de alguma vantagem. Infraestrutura (2 citações) Auxílio com o transporte de produtos (2) Doação de terras (1)

144 144 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Vantagens Desfrutadas pelo Estabelecimento por Estar Localizado no Município Percentual de Entrevistados que Acreditam Desfrutar de Alguma Vantagem por Estarem Localizados no Município - Por Segmentos Base: Área Empreendedor Sexo

145 145 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Vantagens Desfrutadas pelo Estabelecimento por Estar Localizado no Município – Por Segmentos Área Urbana Boas condições de segurança, não tem violência (41%) Custo de vida baixo (40%) Concorrência na região é menor (33%) Área Rural Boas condições de segurança, não tem violência (40%)

146 146 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Setores da Cidade que Estão Mais Aquecidos na Percepção dos Empreendedores Base: 155

147 147 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Setores da Cidade que Estão com Maiores Dificuldades Base: 155 Base: 124* Acredita que Existem Setores da Cidade que Estejam Passando por Dificuldades? Quais Setores? * Total de entrevistados que acreditam que existem setores passando por dificuldades.

148 148 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Setores da Cidade que Estão com Maiores Dificuldades Percentual de Entrevistados que Acreditam que Existem Atividades na Cidade Passando por Dificuldades - Por Segmentos Base: Área Empreendedor Sexo

149 149 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Setores da Cidade que Estão com Maiores Dificuldades – Por Segmento Área Urbana Agricultura (43%) Calçados e roupas (19%) Comércio de gêneros alimentícios (11%) Área Rural Agricultura (80%) Turismo, turismo ecológico (8%) Serviços de alimentação (8%)

150 150 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Investimento em Setores Específicos Acredita que a Cidade Deveria Investir em Alguma Atividade Econômica Específica para Elevar as Condições de Crescimento e Desenvolvimento de toda a Economia Local? Que Atividades que Merecem uma Atenção Especial Para que Possam Crescer e Contribuir com o Desenvolvimento do Município? Base: 155 Base: 142* * Total de entrevistados que acreditam que a cidade deveria investir em algum setor específico.

151 151 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Investimento em Setores Específicos Percentual de Entrevistados que Acreditam que Algumas Atividades Merecem Atenção Especial para que Possam Contribuir com o Desenvolvimento do Município - Por Segmentos Base: Área Empreendedor Sexo

152 152 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Área Rural Área Urbana Setor madeireiro (36%) Educação (17%) Agricultura (14%) Agricultura (72%) Setor madeireiro (24%) Educação (16%) Atividades que Merecem Atenção Especial para Favorecer o Desenvolvimento da Cidade – Por Segmentos

153 153 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Oportunidades de Desenvolvimento do Município Base: 155 Quais São as Principais Oportunidades de Desenvolvimento do Município?

154 154 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Oportunidades de Desenvolvimento do Município – Por Segmentos Área 39% 41% Urbana Rural 36% 7% Empreendedor 40% 33% Menos experiente Mais experiente 37% Apoiar e incentivar as indústrias da região Investir em fábricas de móveis 40%

155 155 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Desafios a Serem Superados para que a Cidade Amplie seu Desenvolvimento Econômico Base: 155

156 156 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Necessidade de Deslocamento para Adquirir Itens fora da Cidade Na sua Percepção, a População Precisa se Deslocar para Adquirir Itens fora da Cidade? Para Compra de quais Produtos? Base: 155 Base: 87* * Total de entrevistados que acreditam que é necessário se deslocar para adquirir determinados itens. Arroz (2 citações) Feijão (4 citações)

157 157 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Necessidade de Deslocamento para Adquirir Itens fora da Cidade Municípios Percentual de Entrevistados que Acreditam que a População Precisa se Deslocar para Adquirir Itens fora da Cidade Munhoz de Mello 72% Bom Sucesso do Sul 60% Imbaú 56% Carlópolis 43%

158 158 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Necessidade de Deslocamento para Adquirir Itens fora da Cidade Percentual de Entrevistados que Acreditam que a População Precisa se Deslocar para Adquirir Itens fora da Cidade - Por Segmentos Base: Área Empreendedor Sexo

159 159 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Existem Produtos e Serviços que Abastecem o Varejo e que as Empresas da Cidade Poderiam Desenvolver no Próprio Município, mas que Hoje são Provenientes de Fora da Cidade? Base: 155 Quais Produtos? Base: 102* * Total de entrevistados que acreditam que existem produtos que as empresas poderiam desenvolver no próprio município. Desenvolvimento de Produtos e Serviços Dentro do Município Maçã (3) Feijão (12 ) Milho (4) Tomate (4 )

160 160 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Percentual de Entrevistados que Acreditam que Existem Produtos e Serviços que Abastecem o Varejo e que as Empresas da Cidade Poderiam Desenvolver no Próprio Município - Por Segmentos Desenvolvimento de Produtos e Serviços Dentro do Município Base: Área Empreendedor Sexo

161 161 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Qualificação da Mão de Obra Falta Algum Tipo de Mão de Obra no Município que Limite o Desenvolvimento ou Atrapalhe o Crescimento dos Estabelecimentos? Base: 155 Que Tipo de Mão de Obra? * Total de entrevistados que acreditam existir falta de algum tipo de mão de obra. Base: 97*

162 162 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Qualificação da Mão de Obra Percentual de Entrevistados que Acreditam que Exista Carência de Algum Tipo de Mão de Obra no Município que Limite o Desenvolvimento ou Atrapalhe o Crescimento dos Estabelecimentos - Por Segmentos Base: Área Empreendedor Sexo

163 163 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Qualificação da Mão de Obra Municípios Percentual de Entrevistados que Acreditam que Exista Carência de Algum Tipo de Mão de Obra no Município que Limite o Desenvolvimento ou Atrapalhe o Crescimento dos Estabelecimentos Carlópolis 79% Bom Sucesso do Sul 70% Imbaú 63% Munhoz de Mello 62% Bocaiúva do Sul 62% Itaperuçu 61% Rio Branco do Sul 61% Cerro Azul 56% Doutor Ulysses 54% Tunas do Paraná 54% Adrianópolis 42% PRECISA-SE

164 164 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Oferta de Empregos Acredita que Falta Emprego na Cidade? Base: 155 Especificamente para as Mulheres? Base: 155 Que Tipo de Emprego Poderia ser Gerado para a Ocupação das Mulheres no Município? Indústria têxtil (57%) Artesanato (14%) Fábrica de doces (8%) Vendas e atendimento (8%) Base: 87* * Total de entrevistados que acreditam que falta emprego para mulheres.

165 165 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Oferta de Empregos Municípios Acredita que falta emprego na cidade? Especificamente para as mulheres? Carlópolis 54%17% Bom Sucesso do Sul 17%7% Imbaú 85%56% Munhoz de Mello 55%31%

166 166 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Pela Sua Percepção, nos Últimos Anos a Cidade Está: Base: 155 Por que está Estagnada ou Regredindo? Falta de bons empregos na região (6 citações) Administração local não cuida do desenvolvimento da cidade (5 citações) Muitas pessoas saindo da cidade (3 citações) Municípios % de Crescendo Bastante Bom Sucesso do Sul 83% Munhoz de Mello 49% Imbaú 43% Carlópolis 37% Cerro Azul 21% Tunas do Paraná 13% Bocaiúva do Sul 12% Rio Branco do Sul 8% Itaperuçu 8% Adrianópolis 4% Dr. Ulysses -

167 167 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Pela Sua Percepção, nos Últimos Anos a Cidade Está: Crescendo bastante Está estagnada ou regredindo* Crescendo moderadamente Área 41% 50% Urbana Rural 50% 39% 9% 11% Empreendedor 39% Menos Experiente Mais Experiente 48% 8% 10% 43% 53% * Considerando a soma de Está estagnada e Está regredindo.

168 168 Avaliação do Ambiente Econômico e Social O que Falta para que a Cidade Possa Crescer Mais Base: 75* * Total de entrevistados que acreditam que a cidade cresce moderadamente O que o Senhor Acredita que Falta para que a Cidade Pudesse Crescer de forma mais Intensa?

169 169 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Principais Produtos Levados Para Outros Municípios Sem Beneficiamento ou Transformação Pecuária e Derivados – 23% Grãos – 14% Leite – 58% Gado – 44% Mel – 17% Aves – 3% Feijão – 13 Milho – 9 Soja – 9 Café – 3 Base: 22* Base: 36 Existem Produtos que são Extraídos no Município e Levados para Outros Municípios sem que Haja Nenhum Beneficiamento ou Transformação, ou seja, são Transformados em Produtos Acabados e Prontos para Vender em Outros Municípios? *Valores expressos em números absolutos devido a baixa representatividade da base. Madeira – 67% Base: 104

170 170 Avaliação do Ambiente Econômico e Social Reconhecimento da Cidade Base: 155 Na sua Opinião, em que o Município é Lembrado, ou seja, Existe Algum Produto, Serviço, Festa ou Comida Típica da Região?

171 Conclusões Principais Desafios e Objetivos a Seguir 9

172 172 Conclusões Ao longo deste relatório foi possível detectar várias informações referentes às características do município. O foco das conclusões será nos principais desafios e objetivos que devem ser seguidos para incrementar o desenvolvimento de Imbaú. O município de Imbaú possui alternativas e caminhos para o desenvolvimento econômico. As principais delas estão relacionadas a sua localização geográfica, o adensamento da cadeia produtiva da madeira e ao fortalecimento do comércio local, promovendo a retenção do consumo de bens e serviços da população na própria cidade. Outras atividades surgem também como oportunidades, como a apicultura e a produção de alimentos. Entretanto, para promover o desenvolvimento a cidade precisa enfrentar uma série de desafios, um dos maiores, atrair uma agência bancária, pois sem ela a população continuará comprando em Telêmaco Borba.

173 173 Conclusões Localização privilegiada Fortalecimento do Comércio Silvicultura Empregos e qualificação da mão de obra Transformação de Alimentos Apicultura Grandes Oportunidades e Desafios para Imbaú

174 174 Conclusões Está claro para as lideranças que a localização geográfica do município é seu principal vetor de desenvolvimento; Já existem estabelecimentos que se desenvolvem a partir desta dinâmica, incluindo hotéis, mas não existe uma padronização, uma garantia de qualidade para quem está viajando; Uma maneira de potencializar o desenvolvimento da cidade é efetivamente padronizar estes estabelecimentos, via treinamento e investimentos dos seus proprietários, gerando, com o passar do tempo, o hábito das pessoas pararem para se hospedar e obter serviços em Imbaú; A idéia é que quem viaja já planeje uma parada em Imbaú por ter a confiança de que encontrará bons serviços; Adicionalmente, produtos locais poderiam ser comercializados nestes estabelecimentos, pois trata-se de uma feira permanente, com visitantes de todas as regiões do estado. Localização privilegiada

175 175 Conclusões É necessário qualificar os estabelecimentos locais, lançar programas tipo Varejo Mais, treinar a mão de obra e elevar o capital social, ampliando significativamente a participação na ACE local; Campanhas coletivas para a geração de incentivos à compra na cidade poderão ser também lançadas; Mas no fundo, nada vai adiantar, nenhuma melhoria vai surtir real efeito, enquanto não for resolvido o gargalo que impede o desenvolvimento do comércio, que é a ausência de uma agência bancária. Caso contrário a população continuará comprando em Telêmaco Borba. Fortalecimento do Comércio

176 176 Conclusões Com o desenvolvimento do comércio a oferta de empregos irá aumentar, num círculo virtuoso; Mas para que essas vagas sejam preenchidas, será necessário desenvolver mão de obra qualificada, no próprio município, que atenda às necessidades do comércio local; Se o próprio núcleo ao redor da rodovia passar por um processo de qualificação, serão demandados cozinheiros, garçons, atendentes, caixas, camareiras e outras profissões inerentes à esta cadeia; As maiores potencialidades de emprego nas maiores empresas também podem ser aproveitadas pelos moradores locais, para o que serão necessários processos de capacitação. Empregos e Qualificação da mão de obra

177 177 Conclusões A silvicultura é importante como geradora de impostos, mas há a percepção por parte das lideranças que a atividade poderia gerar mais valor ao município com a inclusão de mais etapas do processo; A questão que se coloca é: é possível pensar na instalação de uma industria moveleira ou então agregar mais valor?; Na indústria moveleira de escala comercial, boa parte dos móveis são produzidos com MDF. Agregar uma empresa deste segmento à região seria algo complicado, considerando volume do investimento, tempo de maturação e o número reduzido de empresas concorrendo neste mercado; É possível que isto ocorra sem altos investimentos, através de uma industria de móveis rústicos, feitos a partir de pínus tratado. Esta sim seria uma oportunidade economicamente viável que traria retorno a curto e médio prazo para Imbaú. O próprio tratamento de pinus agregaria valor à cadeia; Silvicultura

178 178 Conclusões Mas a cadeia da madeira não precisa ser apenas adensada com fábrica de móveis; O próprio tratamento de pinus oferece possibilidades de sua utilização na construção civil e no fabricação de paletes; O artesanato de madeira poderia ser alternativa de emprego e renda, utilizando para isto o canal de venda rodovia; Finalmente, outras funções complementares à cadeia podem ser desenvolvidas, como manejo, preparação de mudas e outras apontadas no início deste relatório. Silvicultura

179 179 Conclusões Transformação de alimentos A atividade agropecuária enfraqueceu com a chegada da Klabin e o desenvolvimento do reflorestamento no município. Dentre os poucos produtores que ainda operam com a produção de leite e hortifrutigranjeiros permanece a cultura de subsistência; O caminho para obter maior valor agregado e estimular os produtores é incorporar a transformação de alimentos através de capacitações para manuseio e transformação; A comercialização destes produtos não seria complexa, uma vez que a rodovia transforma Imbaú em uma espécie de feira continua.

180 180 Conclusões Apicultura No caso do mel, também é possível se pensar na ampliação da cadeia produtiva, com a inserção de atividades de beneficiamento que vão desde a separação do mel, pólen, geléia real e própolis à sua transformação em produtos derivados como bolachas, doces, geléias, sabonetes entre outros; Atualmente, existem somente 4 apiários realizando este tipo de trabalho, o que mostra que há espaço para o desenvolvimento de novas atividades neste segmento; Além disto, sua comercialização seria facilitada com o melhor aproveitamento da rodovia, o que não deve ser tomado como canal único.

181 181 Tarefas para o Desenvolvimento de Imbaú Atrair uma agência bancária; Capacitação do comércio, com início pelos estabelecimentos às margens da rodovia (padronização, atendimento mínimo); Campanha ao longo da rodovia divulgando os estabelecimentos e produtos da cidade, criando hábito dos motoristas pararem; Fortalecer ACE local para desenvolver campanhas de retenção de compras na cidade; Promover qualificação da mão de obra para melhorar o comércio e prestação de serviços e ocupar as melhores posições nas empresas de maior porte (desenvolver cursos de acordo com as necessidades destas empresas); Pleitear junto à Klabin um posto avançado de atendimento para que os produtores e envolvidos nesta cadeia possam tratar de seus temas e não ir até Telêmaco Borba;

182 182 Tarefas para o Desenvolvimento de Imbaú Capacitar comercialmente os produtores rurais para que possam reduzir sua dependência dos programas de compra do governo e se lancem a vender alimentos nas cidades vizinhas maiores e nos estabelecimentos da rodovia; Implantar grupo de trabalho (GEOR) na área do artesanato, especificamente desenvolvendo produtos a partir do pinus, a serem vendidos nos estabelecimentos da rodovia; Implantar grupo de trabalho (GEOR) voltado à apicultura, com especial atenção ao aparelhamento para beneficiamento e transformação; Atrair empresa de tratamento de pinus e fábricas de móveis rústicos para adensar a cadeia; Capacitar às serrarias para que sejam mais agressivas, atendendo a novos mercados, aproveitando o incremento da atividade da construção civil; Aplicação de programa de capacitação para serviços relacionados às florestas plantadas (serviços à jusante).


Carregar ppt "1 Elaborado para: Sebrae Por: Diferencial Pesquisa de Mercado Abril de 2010 Sebrae Estudo do Ambiente Econômico e Institucional dos Municípios do Programa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google