A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DO DIAGNÓSTICO À ALTA: O TRABALHO DO CIRURGIÃO. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DO DIAGNÓSTICO À ALTA: O TRABALHO DO CIRURGIÃO. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO."— Transcrição da apresentação:

1 DO DIAGNÓSTICO À ALTA: O TRABALHO DO CIRURGIÃO

2 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO

3

4 DO DIAGNÓSTICO À ALTA HOSPITALAR ƒ. o correto diagnóstico; ƒ. a oportuna decisão operatória; ƒ. o adequado preparo pré-operatório; ƒ. o ato cirúrgico; ƒ. o pós-operatório; ƒ. a alta hospitalar; ƒ. a alta ambulatorial.

5 Diagnóstico > Opção pelo tratamento cirúrgico/definição do gráu de urgência > Definição do porte e risco operatório > Definição do momento operatório (data e horário da operação) > Recepção e internação > Transporte ao centro cirúrgico > Posicionamento do paciente na mesa operatória > Procedimento anestesiológico > Procedimento operatório > Reversão anestésica > Transporte ao centro de recuperação > U.T.I. nos casos mais graves > Liberação para o quarto/enfermaria > ALTA HOSPITALAR

6 DECISÃO PELA OPERAÇÃO ƒ. A doença, na fase presente, requer tratamento operatório? ƒ. Existem alternativas não operatórias? São menos eficientes? Foram discutidas com o paciente? ƒ. O paciente tem condições físicas, psíquicas e sociais para enfrentar a operação proposta? ƒ. Os prováveis benefícios da operação são superiores aos riscos corridos?

7 DECISÃO PELA OPERAÇÃO ƒ. A equipe cirúrgica e auxiliar tem condições para executar com segurança a intervenção cirúrgica e controlar o pós-operatório? ƒ. O hospital programado tem condições para oferecer segurança ao paciente? ƒ. Não existem impedimentos éticos ao que se propõe? ƒ. Este é o momento oportuno para a operação?

8 Fatores envolvidos na opção pelo tratamento cirúrgico/definição do gráu de urgência FATORES LIGADOS AO PACIENTE. FATORES LIGADOS À OPERAÇÃO. FATORES LIGADOS À DOENÇA. FATORES LIGADOS À EQUIPE CIRÚRGICA E AUXILIAR. FATORES LIGADOS AO HOSPITAL E CENTRO CIRÚRGICO. ASPECTOS SÓCIO-ECONÔMICOS.

9 FATORES LIGADOS À OPERAÇÃO 1 - TEMPO DE OPERAÇÃO Pequeno porte – em média até 1h. Médio porte – em média 1-2h Grande porte – em média > 2h A.M.B. Porte I – duração média de 0-2h Porte II – duração média de 2-4h Porte III – duração média de 4-6h Porte IV – duração média maior que 6h.

10 FATORES LIGADOS À OPERAÇÃO 1 - TEMPO DE OPERAÇÃO Pequeno porte – em média até 1h. Médio porte – em média 1-2h Grande porte – em média > 2h A.M.B. Porte I – duração média de 0-2h Porte II – duração média de 2-4h Porte III – duração média de 4-6h Porte IV – duração média maior que 6h.

11 FATORES LIGADOS À OPERAÇÃO 2 – POTENCIAL INFECCIOSO * Operações limpas. * Operações potencialmente contaminadas. * Operações contaminadas. * Operações sujas.

12 FATORES LIGADOS À OPERAÇÃO 3 – GRAU DE URGÊNCIA * Operações eletivas * Operações de urgência. * Operações de emergência.

13 Alta hospitalar ALTA HOSPITALAR NEM SEMPRE É ALTA DEFINITIVA


Carregar ppt "DO DIAGNÓSTICO À ALTA: O TRABALHO DO CIRURGIÃO. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google