A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PERSONAGENS GERAÇÃO DO DESERTO GUIDO WILMAR SASSI.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PERSONAGENS GERAÇÃO DO DESERTO GUIDO WILMAR SASSI."— Transcrição da apresentação:

1 PERSONAGENS GERAÇÃO DO DESERTO GUIDO WILMAR SASSI

2 ATENÇÃO: Há, na obra, personagens históricos e ficcionais. Porém mesmos os históricos passam por uma escritura ficcional, ou seja, suas características e ações dizem respeito a um enredo traçado pelo autor. A intenção de cada um dos atos é a visão posta pelo narrador, criando assim um universo não para julgamento pessoal, mas para a manutenção da coerência interna da obra.

3 JOÃO MARIA DE AGOSTINHO (DAGOSTINI) Figura histórica. Era é primeiro monge. Andava descalço ou de alpercata. Os cabelos e a barba compridos e brancos. Possuía olhos bondosos e o rosto sereno. Vestia roupas simples, de brim, toda remendada. Tinha um barrete na cabeça, feito de pele de bicho. Debaixo do braço carregava uma caixinha, com umas imagens de santos, da sua devoção, e os apetrechos do chimarrão (só tomava chimarrão nem café nem leite e não comia carne gostava muito de couve). Não gostava de muita gente a seu redor Mandava que fossem trabalhar em casa, que fossem rezar em casa.

4 SÃO JOSÉ SÃO JOSÉ MARIA (MIGUEL LUCENA DE BOAVENTURA ) Figura histórica. Era o segundo monge. Era desertor do exército antes de aparecer como monge. José Maria era baixo e corpulento, pernas e braços curtos, em desproporção com o tronco avantajado. Era feio: barbas Iongas, o nariz grande e chato, os Iábios grossos, os dentes podres e encardidos. Não possuía olhar bondoso e sereno do outro monge. Zangava-se facilmente, era colérico e vingativo. Gostava de bebida de álcool, de dinheiro e de mulheres a seu redor. Ao contrário de João Maria, este gostava de estar rodeado de muita gente. "O outro era mais de rezar... um profeta. Este também é de reza, mas veio também para reunir o povo. Também rezava, fazia curas e dava remédios.

5 COCO Era par de França. Mulato baiano que se alia ao bando de José Maria. Foi morto acidentalmente por Ricarte Branco, seu amigo.

6 URGEL DE DANOA (GEGÉ) Era par de França. Foragido da cadeia de Campos Novos, era um homem valente. Sua vida modifica após duvidar do poder do monge, de rasgar o patuá e de descobrir que o bálsamo milagroso do monge não funciona, após machucar-se levemente. Então ocorre um ataque dos soldados, ele, antes bravo, quase morre de medo e se torna um covarde até mesmo em casa. É casado com Carolina que, após o incidente, trai a ele com todo o reduto. Acaba cometendo suicídio.

7 LAURO MACHADO DE OLIVEIRA (LIVEIRA) Era par de França. Perdera os pais e irmãos na disputa pela terra, para a Companhia de Colonização. Casou-se com Júlia no reduto e teve dois filhos: Tadeu e Gracinda (a menina morre de tifo no final da história, os pais são mortos pelos soldados. Tadeu, seu filho, é o único sobrevivente da família.

8 BOCA RICA Era par de França. Era um gaúcho bem apessoado, bonito, simpático, valente e que fazia sucesso com a mulherada. Possuía esse nome por ter muitos dentes de ouro. Era casado com Belmira, a mulher mais bonita do reduto. Por castigar Doquinha com varadas nas nádegas nuas, após seus pequenos roubos no reduto, tornou-se alvo de seu ódio e inveja.

9 DOQUINHA Começa o enredo como um ladrãozinho barato, mas percebendo o aumento de poder de Adeodato, aproxima-se dele e se faz seu amigo. Quando aquele se torna o chefe do reduto Doquinha passa a exigir regalias que são sempre satisfeitas. Tem inveja de Boca Rica e acaba matando-o. Aproxima-se da mulher do rival, primeiro para vingar-se dele fazendo-a traí-lo, o que não ocorre. Depois de assassinar Boca Rica e já apaixonado por Belmira sem ser correspondido, fica impotente ao tomá- la a força. Acaba sendo morto pelos soldados.

10 RICARTE BRANCO Era par de França. Era homem muito corajoso, mas que nunca havia matado ninguém. Sofre com crises de consciência por seus dois pecados inconfessáveis: o desvirginamento de Ana (vestal do monge e o assassinato acidental de Coco). O primeiro crime: desvirgina Ana quando foi recrutado a levá-la em segurança para outro reduto (ambos já se amavam em segredo)e acaba se casando com ela. O segundo crime: A pressão por marcar na coronha o número de soldados mortos começa a perturbá-lo. Um dia, mata acidentalmente o amigo, Coco, mas não fala a ninguém sobre o assunto.

11 RICARTE PRETO Era par de França. Era um negro corajoso que se juntara ao bando de José Maria.

12 ELIAS DE MORAIS Figura histórica. Era um homem justo, que receitava remédios, dava conselhos e realizava casamentos. No começo do enredo, ele crê na ideologia política do Monge e em seu poder religioso, embora com ressalvas, pois é relativamente instruído. Por isso seu prestígio aumenta no reduto e ele rapidamente assume funções de contador (guarda livros) de mentor e curandeiro (após a morte de José Maria), Torna-se o chefe do reduto, porém o excesso de funções e a crescente descrença fazem com que não tome atitude frente aos desmandos de Adeodato.

13 ADEODATO Figura histórica. Era homem vil e torpe. Ele se usa do poder de forma ditatorial. No início do enredo é Ministro da Guerra do reduto. Com a morte de José Maria, divide com Elias o poder sobre os jagunços. Mostra-se egoísta corrupto e extremamente sensual tomando para si qualquer mulher que desejasse. O reduto fecha os olhos para sua fraqueza carnal. Seu autoritarismo e acaba causando muitas mortes e desgraças na aldeia.

14 MANÉ RENGO Era um homem bondoso e justo. É casado com Luzia, ambos foram expulsos de suas terras pela Companhia Colonizadora. Tornam-se amigos, protetores e compadres de Liveira e Júlia. Batizam seus filhos, Tadeu e Gracinda. No caminho de um reduto para o outro, encontram um menino órfão Valentim e adotam-no. Mané funciona no enredo como a consciência do leitor, pois em seu diálogo com Liveira, mais ingênuo, pontua os desmandos de Adeodato com deboche. É amigo sincero de Elias que só para ele revela seus temores.

15 GASPARINO MELO É pequeno proprietário de terras e está falido, por não poder competir com a Lumber.

16 SEU ZEBINHO EUZÉBIO FERREIRA DOS SANTOS (SEU ZEBINHO) Figura histórica. Tem grande poder religioso no início do enredo, por ser avô das primeiras virgens cedidas a José Maria. Tais meninas de onze ou doze anos dividiam o catre do monge e lhe serviam de intermédio entre ele e o povo. Foi morto por ordem de Adeodato, porque este dizia que estava dando azar ao reduto. O real motivo é que com a morte de José Maria, o poder de Seu Zebinho poderia crescer. Adeodato aproveita-se do crime contra as virgens cometido pelo filho mais velho de seu Zebinho, para eliminá-lo.

17 MANUEL FERREIRA DOS SANTOS Figura histórica. É filho de Euzébio: primeiro chefe após a morte de José Maria. E deposto do cargo por ter estuprado meninas virgens do reduto. Estava no caminho de Adeodato pelo poder.

18 TAVINHO É o cego que se junta ao bando. Sua função é a de trovador, pois canta e toca bem. Servia também de espião para o reduto, pois nem mesmo um soldado desconfiaria de um pobre cego, ainda mais se este lhes distraísse. É conduzido de um lugar para outro entre os acampamentos por Tibúrcio, o leproso. Por fim, a amizade é estremecida pela mesquinhez dos dois e com a morte de Tibúrcio, o cego passa a profanar túmulos à procura do cadáver do leproso que Tavinho sabe, escondia dinheiro nas ombreira do paletó. Esse personagem possui referência direta a Bíblia: Jesus curou doentes, tais como cegos e Ieprosos.

19 TIBÚRCIO É um leproso abandonado pela família. Torna-se o guia do cego Tavinho. Tibúrcio toma o dinheiro de soldos de um soldado morto, esconde nas ombreiras de seu paletó. Por medo de ser denunciado (dinheiro da República ou por avareza, não conta a Tavinho sobre a fortuna e passa ase esbaldar com guloseimas quando o outro dorme. Quando morre, o cego Tavinho desenterra seu cadáver à procura do dinheiro (Para isso profana muitos outros sepulcros). Tavinho encontra o dinheiro, mas se perde do reduto e morre ao tentar voltar. Esse personagem possui referência direta a Bíblia: Jesus curou doentes, tais como cegos e Ieprosos.

20 VELHA DELMINDA Era a parteira e a costureira do reduto. Trazia consigo uma profunda tristeza: sua filha moça ainda se suicidara graças aos estupros feitos pelos filhos do coronel Ananias pouco antes da formação do reduto. É ela que conduz as rezas durante o eclipse (profetizado por José Maria)

21 ZEFERINA E NENÊ São mãe e filho. Eram loucos ou tinham alguma limitação mental. Aparecem no reduto como mendigos, mas querem trocar pedrinhas (que acreditam ser preciosas). Com o tempo, instalam-se definitivamente no acampamento e dividem sua pobreza com sonhos e histórias de magia e bravura. O filho morre ao ir caçar o "burro de ferro" (trem) com a intenção da entregar a cabeça à filha do imperador do Sertão em troca da mão dessa moça por quem ela se apaixonara. Por Brincadeira, o Imperador fizera a Nenê a proposta: a cabeça de dez peludos. Zeferina ouvindo sobre o trem, julgou que a cabeça dele fosse ainda mais honrosa como dote pela filha do imperador.

22 MANUEL ALVES DE ASSUNÇÃO ROCHA Figura histórica. Era fazendeiro, amigo dos jagunços, por quem é nomeado o Imperador do Sertão. Por Brincadeira, o Imperador fizera a Nenê a proposta: a cabeça de dez peludos. Mas pode-se entender que a moça estava prometida para o ex-promotor de Canoinhas, Juca Tavares.

23 CHICO VENTURA Figura histórica. Era fazendeiro, amigo dos jagunços: doava-lhes alimentos. Tinha poder político na região e era opositor do Coronel Chiquinho, chefe político de Curitibanos (cidade inimiga de José Maria)

24 TEODORA Figura histórica. Foi a primeira virgem do reduto. Tinha onze anos da idade e era neta da Euzébio. Com a morte deste, perde seu posto.

25 MARIA ROSA Figura histórica. Outra das virgens do reduto: chefiava o reduto da Caraguatá. Adeodato a achava menos controlável do que Ana que era dócil.

26 ANA Figura histórica. É outra virgem do reduto. É uma moça da temperamento histérico; entrava em transe, debatia-se e espumava pela boca (provavelmente epilética), proferindo palavras sem nexo. Apaixona-se por Ricarte Branco, com quem se casa após engravidar. Sente a perda suas visões ao se deitar com o com o moço.

27 FREI MANUEL Figura histórica. É a autoridade religiosa do reduto após a morte de José Maria. É corrupto e assecla de Adeodato, encontra assim justificativas místicas para todas os desmandos de Adeodato.

28 CORONEL CHIQUINHO (FRANCISCO DA ALBUQUERQUE) Figura histórica. Foi Intendente de Curitibanos. É o fazendeiro inimigo dos jagunços: comandou diversos ataques a esses homens, chama a força da Florianópolis para atacar os fanáticos. Foge com a família e tem sua casa invadida pelos jagunços.

29 JUCA TAVARES Figura histórica. Foi promotor de Canoinhas, defensor dos direitos de Santa Catarina. Foi ele quem levou o povo de José Maria para as terras de Curitibanos, em Taquaruçu, na fazenda de Chico Ventura. Manuel Alves de Assunção Rocha Há indícios, no enredo, de que tenha cortejado a filha de Manuel Alves de Assunção Rocha, o Imperador do sertão. No início do enredo ele já não é mais promotor e tem planos de ingressar na política.

30 FORÇAS DO EXÉRCITO Coronel João Gualberto, General Setembrino, Coronel Estillac Leal e Capitão Potiguara chefes da guarda (todos, personagens verídicos que atuaram na história da Guerra do Contestado).


Carregar ppt "PERSONAGENS GERAÇÃO DO DESERTO GUIDO WILMAR SASSI."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google