A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SEMGE – AM SEMINÁRIO CRESCE BRASIL + ENGENHARIA + DESENVOLVIMENTO 6 A 8 DE DEZEMBRO DE 2007 MANAUS TRANSPORTES COLETIVOS URBANOS 2. VLT – VEÍCULO LEVE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SEMGE – AM SEMINÁRIO CRESCE BRASIL + ENGENHARIA + DESENVOLVIMENTO 6 A 8 DE DEZEMBRO DE 2007 MANAUS TRANSPORTES COLETIVOS URBANOS 2. VLT – VEÍCULO LEVE."— Transcrição da apresentação:

1 SEMGE – AM SEMINÁRIO CRESCE BRASIL + ENGENHARIA + DESENVOLVIMENTO 6 A 8 DE DEZEMBRO DE 2007 MANAUS TRANSPORTES COLETIVOS URBANOS 2. VLT – VEÍCULO LEVE SOBRE TRILHOS

2 LINHA DE VLT EM SUPERFÍCIE CONSIDERAÇÕES GERAIS SEÇÕES TÍCAS EM SUPERFÍCIE E CUSTOS UNITÁRIOS CUSTOS GLOBAIS MATERIAL RODANTE

3 C0NSIDERAÇÕES BÁSICAS CAPACIDADE DE OFERTA UMA LINHA EM VLT EM SUPERFÍCIE, EM PISTAS EXCLUSIVAS (TRAMWAY) SOMENTE COMPARTILHADA NOS CRUZAMENTOS COM O TRÁFEGO GERAL, TEM CAPACIDADE DE OFERTA ENTRE E USUÁRIOS / HORA SENTIDO NA LINHA, DE ACORDO COM A DEMANDA, O MATERIAL RODANTE, DENTRO DAS OPÇÕES INTERNACIONAIS, É PREVISTO COM LARGURAS DE 2,35, 2,40 OU 2,65 M, COM UMA OU MAIS UNIDADES (DE 6 A 8 PORTAS). O COMPRIMENTO DA UNIDADE (VAR.ENTRE 25 A 40M), EVIDENTEMENTE, CONDICIONA O COMPRIMENTO DAS PLATAFORMAS. A UNIDADE PODE SER DE ENTRADA BAIXA OU PISO BAIXO, EM ALTURAS QUE VARIAM ENTRE 30 A 40 CM DO TOPO DO BOLETO.

4 GERALMENTE, AS RESTRIÇÕES DE VELOCIDADE IMPOSTAS AO LONGO DO PERCURSO SÃO DE 60KM / H NOS TRECHOS EXCLUSIVOS E 30 KM / H NOS CRUZAMENTOS E NAS CHEGADAS DE ESTAÇÕES. OS MATERIAIS RODANTES, VLTS, PODEM VENCER GREIDES DE ATÉ 6% E CURVAS DE ATÉ 18,0M DE RAIO. ACIMA DE 6% DE RAMPA, SOMENTE MATERIAIS RODANTES SOBRE PNEUS, COM TRILHO CENTRAL DE GUIAGEM, SERIAM RECOMENDÁVEIS. SÃO UNIDADES DA TRAMSLOHR, QUE TAMBÉM FAZEM CURVAS COM 11,0 M DE RAIO.

5 SEÇÕES TÍPICAS E CUSTOS UNITÁRIOS APRESENTAMOS A SEGUIR ALGUMAS SEÇÕES TÍPICAS DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LINHA DE VLT EM SUPERFÍCIE E SEUS CUSTOS UNITÁRIOS, APONTANDO AS DIFERENÇAS RELATIVAS À IMPLANTAÇÃO DE UM CORREDOR DE ÔNIBUS COM PLATAFORMAS NO CANTEIRO CENTRAL E ULTRAPASSAGENS NOS PONTOS DE PARADA. AFORA A FAIXA DA VIA PERMANENTE E ALGUMAS ALTERA- ÇÕES POSSÍVEIS NAS PLATAFORMAS, AS DEMAIS ÁREAS DE IMPLANTAÇÃO DOENTORNO SÃO IDÊNTICAS.

6 SEÇÃO TÍPICA DA VIA PERMANENTE VIA DUPLA NOS TRECHOS EM SUPERFÍCIE

7

8

9 SEÇÃO TÍPICA DO PAVIMENTO FLEXÍVEL AO LONGO DO TRECHO EM SUPERFÍCIE FRESAGEM E RECAPEAMENTO RECONSTITUIÇÃO DO PAVIMENTO FLEXÍVEL DEMOLIDO PARA A EXECUÇÃO DAS PLATAFORMAS DA VIA PERMANENTE (50 cm) ENCUNHAMENTO DOS RECAPES JUNTO ÀS SARJETAS EXITENTES

10

11

12 SEÇÃO TÍPICA DAS CALÇADAS LATERAIS ÀS ESTAÇÕES NOS TRECHOS EM SUPERFÍCIE

13

14 CANTEIRO CENTRAL CORRENTE NOS TRECHOS EM SUPERFÍCIE

15

16

17 SEÇÃO TÍPICA NAS TRAVESSIAS VEICULARES DOS TRECHOS EM SUPERFÍCIE

18

19

20 SEÇOES TÍPICAS DAS PLATAFORMAS NAS ESTAÇÕES DO TRECHO EM SUPERFÍCIE PLATAFORMAS 5,00 m ACESSOS EM AMBOS OS LADOS

21 SEÇÃO TÍPICA DA VIA PERMANENTE VIA DUPLA NOS TRECHO EM TRANSIÇÃO E ENTERRADOS

22

23

24 CUSTOS GLOBAIS CUSTO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LINHA DE VLT EM SUPERFÍCIE NO MEIO URBANO DENSAMENTE EDIFICADO, COM BDI, DATA BASE NOV 07 VIA PERMANENTE COM TRILHO ENVOLVIDO-TRECHO CORRENTE, INCLUINDO TODAS AS INTERVENÇÕES PREVISTAS NAS FAIXAS DO TRÁFEGO GERAL E NO CANTEIRO CENTRAL R$ 8,6 MILHÕES / KM ESTAÇÕES COM PLATAFORMAS PARA AMBOS OS SENTIDOS (1 A CADA 0,8 KM), INCLUINDO AS INTERVEÇÕES NAS CALÇADAS LATERAIS R$ 2,9 MILHÕES / KM

25 CUSTOS GLOBAIS VIA PERMANENTE COM TRILHO ENVOLVIDO-TRECHO COM TRAVESSÕES (1 TRECHO A CADA 4,0 KM), INCLUINDO TODAS AS INTERVENÇÕES PREVISTAS NAS FAIXAS DO TRÁFEGO GERAL E NO CANTEIRO CENTRAL R$ 2,3 MILHÕES / KM PÁTIO DE MANUTENÇÃO, LAVAGEM E ESTACIONAMENTO (PARA UMA LINHA DE 25 KM, COMPLETO) R$ 10,0 MILHÕES ~ 0,40 MILHÕES / KM PORTANTO, CUSTO GLOBAL CIVIL DA IMPLANTAÇÃO DO VLT, INCLUINDO ESTAÇÕES E TRECHOS COM TRAVESSÕES (CONSIDERADA AINDA A VERBA DE CANTEIRO E EVENTUAIS) R$ 16,4 MILHÕES / KM (sem desapropriações e obras de arte)

26 SINALIZAÇÃO E CONTROLE (INCLUINDO CTA E CCO) R$ 2,6 MILHÕES / KM TRAÇÃO ELÉTRICA (INCLUINDO PRIMÁRIA,SUBESTAÇÕES RETIFICADORAS, REDE AÉREA E POSTEAÇÃO) R$ 2,4 MILHÕES / KM MATERIAL RODANTE TEM CUSTO MUITO VARIÁVEL, MAS APENAS PARA DAR UMA ORDEM DE GRANDEZA DO CUSTO GLOBAL, VAMOS ADMITIR UMA E MEIA UNIDADE DE 2,65 M DE LARGURA E 35,0 M DE COMPRIMENTO, LOW FLOOR, COM CAPACIDADE DE 404 PASSAGEIROS, TERÍAMOS R$ 6,5 MILHÕES / KM PORTANTO CUSTO DE SISTEMAS E MATERIAL RODANTE R$ 11,5 MILHÕES / KM DEMAIS CUSTOS GLOBAIS

27 ESTRATÉGIAS PARA O EMPREENDIMENTO EVIDENTEMENTE, NA REALIDADE BRASILEIRA UMA PPP PURA – COM ÔNUS TOTAL PARA A INICIATIVA PRIVADA É INSUSTENTÁVEL ECONOMICAMENTE UMA PPP PATROCINADA, COM VALIDADE DE 30 ANOS(TIPO LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO), EM QUE O PODER PÚBLICO SE RESPONSABILIZA PELAS OBRAS CIVIS E INSTALAÇÕES E A INICIATIVA PRIVADA PELA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS E MATERIAL RODANTE, E PELA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA LINHA, COM UMA TIR DE 13% E MAIS UMA VERBA DE COMPENSAÇÃO, A PARTIR DO INÍCIO DA OPERAÇÃO, PERMITE A IMPLANTAÇÃO DE UMA LINHA EM VLT

28 INSERÇÃO VLP DA BAIXADA SANTISTA EXISTENTE

29 INSERÇÃO VLP DA BAIXADA SANTISTA PROJETADO

30 INSERÇÃO VLT EM GOIÂNIA

31

32

33 INSERÇÃO VLT EM VITÓRIA

34

35


Carregar ppt "SEMGE – AM SEMINÁRIO CRESCE BRASIL + ENGENHARIA + DESENVOLVIMENTO 6 A 8 DE DEZEMBRO DE 2007 MANAUS TRANSPORTES COLETIVOS URBANOS 2. VLT – VEÍCULO LEVE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google