A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A PROBLEMÁTICA AMAZÔNICA Gen Ex MAYNARD MARQUES DE SANTA ROSA

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A PROBLEMÁTICA AMAZÔNICA Gen Ex MAYNARD MARQUES DE SANTA ROSA"— Transcrição da apresentação:

1 A PROBLEMÁTICA AMAZÔNICA Gen Ex MAYNARD MARQUES DE SANTA ROSA
Secretário de Política, Estratégia e Assuntos Internacionais do Ministério da Defesa

2 A PROBLEMÁTICA AMAZÔNICA
Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional (CAINDR)

3 A PROBLEMÁTICA AMAZÔNICA
OBJETIVO Comentar aspectos da agenda Amazônica, sob o enfoque da Defesa Nacional.

4 A PROBLEMÁTICA AMAZÔNICA (Sepé Tiaraju – Chefe Guaraní, 1750)
“CO YVY OGUERECO YARA.” “ESTA TERRA TEM DONO.” (Sepé Tiaraju – Chefe Guaraní, 1750) “Co yvy oguereco yara.” “ESTA TERRA TEM DONO.” Brado do índio Guarani Sepé Tiaraju durante a resistência contra espanhóis e portugueses, fruto do Tratado de Madri de 1750.

5 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO a. O Aquecimento Global
Mais de 90% do dióxido de carbono (CO2), gás causador do efeito estufa, é lançado na atmosfera pelos países desenvolvidos e China. - BRASIL: 6% (metade oriundo das queimadas) PAÍS % ESTADOS UNIDOS 36,1 RÚSSIA 17,4 CHINA 15,5 JAPÃO 8,5 ALEMANHA 7,4 REINO UNIDO 4,3 FRANÇA 2,7 TOTAL 91,9 1. O Problema Ecológico a. O Aquecimento Global - “Os gases lançados na atmosfera provocam o efeito estufa. Esse efeito é formado por uma camada de gases que não permite que a radiação solar refletida pela Terra e pela atmosfera se perca no espaço”. - Mais de 90% do dióxido de carbono (CO2), gás causador do efeito estufa, é lançado na atmosfera pelos países desenvolvidos. Tabela - BRASIL: 6% (metade oriundo das queimadas). - "Visando a reduzir a emissão de gases tóxicos na atmosfera, foi firmado o Protocolo de Kyoto, por 84 países. O protocolo entrou em vigor recentemente, após a adesão da Rússia, instituindo o chamado MDL - Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e os Créditos de Carbono”. - Protocolo de Kyoto, (ratificado por 84 países), instituiu o MDL - Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e os Créditos de Carbono.

6 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO a. O Aquecimento Global
FUNÇÃO ECOLÓGICA DA HILÉIA: A “Hiléia” já foi savana há anos (pesquisador Flávio Luizão ). A vegetação evita a desertificação do solo sedimentar (quaternário). - Não é fonte emissora de gás carbônico. - Funciona como sumidouro de parte do excesso de CO2 atmosférico, absorvendo 25% do dióxido de carbono existente na atmosfera (proporção entre 1 e 6 toneladas de carbono por hectare/ano- biólogo alemão Harald Sioli). 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO a. O Aquecimento Global Função Ecológica da HILÉIA - "A tese de que a floresta amazônica é uma grande emissora de gás carbônico já está ultrapassada ... A densa vegetação tropical da Região já foi savana há anos" (Pesquisador Flávio Luizão )”. - A vegetação evita a desertificação do solo sedimentar (quaternário). - “O biólogo alemão Harald Sioli, do Instituto Max Planck, afirmou que a floresta fixa 25% de dióxido de carbono (CO2) existente na atmosfera” (Relatório da CPI da Amazônia, pág 17, ed. do Senado Federal, 1989). - “As medidas de fluxo de carbono apontam uma absorção de 1 a 6 toneladas de carbono por hectare / ano ... Isso indica que a floresta está absorvendo altas taxas de carbono, auxiliando a remoção atmosférica desse gás de efeito estufa; ... A Amazônia está, atualmente, funcionando como sumidouro de parte do excesso de CO2 atmosférico" (Relatório da 1ª conferência sobre o LBA - ECOLOGIA, Belém, 26 a 30 de julho de 2000). - CF Art 225, §4: a floresta amazônica é patrimônio nacional e sua utilização deve obedecer a diretrizes de manejo ambiental. - CF Art 225, §4: a floresta amazônica é patrimônio nacional e sua utilização deve obedecer a diretrizes de manejo ambiental.

7 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO b. Outras Agressões Ambientais
- Desmatamento, degradação do solo, devastação das nascentes, assoreamento dos rios e contaminação da água. - Já existe legislação reguladora. 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO b. Outras Agressões Ambientais: - Desmatamento, degradação do solo, devastação das nascentes, assoreamento dos rios e contaminação da água. - Já existe legislação reguladora.

8 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO b. Outras Agressões Ambientais
- Pressão Migratória 1. PROBLEMA ECOLÓGICO b. Outras Agressões Ambientais - Pressão Migratória: - Slide com a distribuição da população ao longo dos rios e das rodovias existentes (Distribuição Filiforme). - Setas indicam as pressões de movimentos migratórios recentes em direção ao sul do Pará e Rondônia, que agravam os problemas dessas regiões.

9 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO 1) Para a Política de Ordenamento Territorial:
c. Sugestões 1) Para a Política de Ordenamento Territorial: - substituir o conceito de preservação pelo de equilíbrio ecológico; - preservar as florestas de solo quaternário. 2) Órgãos Governamentais Federais: - interiorizar IBAMA, INCRA, FUNAI, FUNASA; - prioridade: presença na fronteira demográfica; e - ação integrada, mediante GABINETES DE GESTÃO. 6. CONCLUSÃO Sugestões: 1) Para a Política de Ordenamento Territorial: - preservar a floresta de solo Quaternário. 2) Órgãos Governamentais Federais: - interiorizar IBAMA, INCRA, FUNAI, FUNASA, PF; - prioridade: presença na fronteira demográfica; e - ação integrada, mediante GABINETES DE GESTÃO.

10 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO c. Ideologia
“As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras”. (Nietzsche) Intrusão de ONG´s (conforme Relatório da CPI das ONG): no Brasil ( c/ recursos governamentais); . 320 cadastradas na Amazônia (estimativa atual: ). - Motivações ocultas. - Acesso à mídia. 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO c. Ideologia - O conflito ideológico nas questões amazônicas “As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras”.(Nietzsche) - Intrusão de ONG´s (conforme Relatório da CPI das ONG): no Brasil ( c/ recursos governamentais); - 320 cadastradas na Amazônia (estimativa atual: ). - Motivações ocultas. - Acesso à mídia.

11 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO d. O Dilema: DESENVOLVIMENTO X PRESERVAÇÃO
EXPLORAÇÃO DOS REC. NATURAIS RESPEITO AO MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO ZERO IDEOLOGIA DO INTERESSE DA HUMANIDADE PRESERVAÇÃO IN NATURA

12 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO d. O Dilema: DESENVOLVIMENTO X PRESERVAÇÃO
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: - O Projeto Urucu (Petrobras) é referência internacional. 1. O PROBLEMA ECOLÓGICO d. O Dilema: DESENVOLVIMENTO X PRESERVAÇÃO Desenvolvimento Sustentável: - O Projeto Urucu (Petrobras) é referência internacional. Unidade de Processamento de gás natural Orquidário de Urucu (AM)

13 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA
a. Demarcação de Terras - Art 231 da CF: “São reconhecidos aos índios ... os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-los ...”. - Área das 294 Terras Indígenas na Região Norte: ha (83,72% do total nacional). - CF Art 91, §1, inciso III - Atribuições do Conselho de Defesa Nacional – CDN: propor critérios e condições de utilização de áreas indispensáveis à segurança do território nacional e opinar sobre seu efetivo uso, especialmente a Faixa de Fronteira e nas relacionadas com a preservação e a exploração de recursos naturais de qualquer tipo. 2) PROBLEMÁTICA INDÍGENA a. Demarcação de Terras - Art 91, parágrafo 1º da CF, inciso III – Atribuições do Conselho de Defesa Nacional - CDN: “ Propor os critérios e condições de utilização de áreas indispensáveis à segurança do território nacional e opinar sobre seu efetivo uso, especialmente na Faixa de Fronteira e nas relacionadas com a preservação e a exploração dos recursos naturais de qualquer tipo”. - O Decreto 1775/96 (Demarcação de Terras Indígenas), omite a necessidade de parecer do CDN, mesmo na Faixa de Fronteira. - Decreto 1775/96 (Demarcação de Terras Indígenas): omite a necessidade de parecer do CDN, mesmo na Faixa de Fronteira. - Os índios têm direito ao usufruto e não à posse da terra.

14 RIO NEGRO/ APAPÓRIS/TÉA
a. Demarcação de Terras - Reservas Indígenas na Faixa de Fronteira. YANOMANI AI RAPOSA-SERRA DO SOL WAIMIRI-ATROARI TI ALTO / MÉDIO RIO NEGRO/ APAPÓRIS/TÉA PQ INDÍGENA TUMUCUMAQUE VALE DO JAVARÍ KAIAPÓ URU-EU-WAU-WAU MUNDURUKUS ARIPUANÃ DEMARCADAS EM DEMARCAÇÃO A DEMARCAR

15 ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL
a. Demarcação de Terras - Sobreposição com áreas de interesse estratégico (reservas minerais e Faixa de Fronteira). TERRAS INDÍGENAS PARIMA CORREDORES ECOLÓGICOS MAÚ SEIS LAGOS JARI TROMBETAS RIQUEZAS DO SUBSOLO URUCU Mn Fe Au Cu Ni CARAJÁS ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL

16 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA
b. Integração X Segregação - A população amazônica é o resultado de miscigenação e movimentos migratórios, sobretudo de nordestinos. COMPOSIÇÃO ÉTNICA ESTADO PORCENTAGEM MESTIÇOS BRANCOS NEGROS ÍNDIOS ACRE 75 20 4 1 AMAPÁ 73 21 3 AMAZONAS 61 31 PARÁ 74 RONDÔNIA 59 35 2 RORAIMA 67 23 6 TOCANTINS 71 24 MÉDIA 68,5 24,9 3,9 2,7 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA b. Integração X Segregação A população Amazônica é o resultado de miscigenação e movimentos migratórios, sobretudo de nordestinos. Fonte: Wikipédia

17 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA
b. Integração X Segregação - A composição populacional da sociedade amazônica (quase 70% de mestiços) indica a tendência de assimilação da população branca pelos nativos. - A CF omite o preceito de integração do índio à comunidade nacional. - O Estatuto do Índio (lei 6001/93) prevê a “integração progressiva e harmoniosa dos índios e das comunidades indígenas à comunhão nacional”. 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA b. Integração X Segregação - A composição populacional da sociedade amazônica (quase 70% de mestiços) indica a tendência de assimilação da população branca pelos nativos. - A CF omite o preceito de integração do índio à comunidade nacional. - A Estatuto do Índio (lei 6001/93) prevê a “integração progressiva e harmoniosa dos índios e das comunidades indígenas à comunhão nacional”.

18 NO BRASIL, HÁ UMA ÚNICA NAÇÃO E UM ÚNICO POVO.
2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA CONSTITUIÇÃO FEDERAL (preceitos): Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, ... A preservação “in natura” é discriminatória, contrária ao princípio de que todo ser humano tem direito ao progresso e ao livre arbítrio das comunidades indígenas. 2. A PROBLEMÁTICA INDÍGENA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: - Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. - Art. 5ºTodos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, ... - A preservação indígena “in natura” é discriminatória e contraria o princípio de que todo ser humano tem direito ao progresso. NO BRASIL HÁ UMA ÚNICA NAÇÃO E UM ÚNICO POVO. NO BRASIL, HÁ UMA ÚNICA NAÇÃO E UM ÚNICO POVO.

19 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA
c. A contradição Yanomami - Demarcação da Reserva: em 1991, após pressões internacionais de boicote à ECO 92. 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA c. A CONTRADIÇÃO YANOMAMI - “No caso da demarcação da reserva yanomami, em 1991, o governo brasileiro cedeu à ameaça britânica de boicotar a ECO – 92, se a proposta da ONG inglesa Survival International não fosse atendida. Essa ONG vinha patrocinando a tese da área contínua, desde o final dos anos 60. O governo anulou a demarcação anterior, que previa 19 áreas descontínuas, e demarcou a área contínua. A Survival International é conhecida como Casa de Windsor, devido a estreita ligação com a coroa inglesa”.

20 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA
c. A contradição Yanomami - Área demarcada: Km de fronteira; 9,6 milhões de ha, para índios (1.432 ha/índio). PAÍS ÁREA (milhões de ha) POPUL. (milhões) Hungria 9,3 10,1 Portugal 9,2 10,6 Áustria 8,3 8,2 Holanda 4,1 16,3 Bélgica 3,5 10,4 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA c. A CONTRADIÇÃO YANOMAMI - Área demarcada: Km de fronteira; 9,6 milhões de ha, para índios (1.432 ha/índio). - Tabela comparativa com países europeus. Obs: 1 Área Yanomami de dendê = 1,3 Arábia Saudita de bioenergia. Reserva Yanomami: RR e AM Obs: 1 Área Yanomami de dendê = 1,3 Arábia Saudita de bioenergia.

21 1. PROBLEMÁTICA INDÍGENA
d. Distribuição da terra em RR Áreas Montanhosas Áreas do IBAMA (Floresta Nacional, Parques Nacionais e Estações Ecológicas) Áreas do Exército Áreas Alagadas ONG Associação Amazônia Áreas Indígenas Áreas Livres

22 2. PROBLEMÁTICA INDÍGENA
d. Distribuição da terra em RR Sobreposição com Reservas Minerais Venezuela Áreas Montanhosas Áreas do IBAMA (Floresta Nacional, Parques Nacionais e Estações Ecológicas) Áreas do Exército Áreas Alagadas ONG Associação Amazônia Áreas Indígenas Áreas Livres Venezuela Boa Vista Guiana AGATA AMETISTA BARITA COBRE CASSITERITA CALCÁRIO DIAMANTE DIATOMITO FERRO MOLIBIDÊNIO CAULIM OURO TÓRIO TOPÁZIO TURFA TITÂNIO ZINCO NIÓBIO/TÂNTALO Amazonas Amazonas

23 Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente
3. O INTERESSE ESTRANGEIRO a. O Parecer do PNUMA - O Secretário do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) fez pronunciamentos agressivos ao Brasil defendendo que a biodiversidade da floresta amazônica é patrimônio comum da humanidade. (2004) Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente 3. O INTERESSE ESTRANGEIRO a. O Parecer do PNUMA sobre a Biodiversidade Amazônica - O Secretário do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) fez pronunciamentos agressivos ao Brasil defendendo ostensivamente que a biodiversidade da floresta amazônica é patrimônio comum da humanidade. Klaus Toepfer

24 3. O INTERESSE ESTRANGEIRO
b. A Cúpula de Haia (março de 1989) Convocada pelo primeiro-ministro da França, Michel Rocard, a fim de discutir a proteção da atmosfera. Participaram 24 países. O Brasil foi representado pelo embaixador Paulo Tarso Flexa de Lima. Objetivos ocultos: criação de uma entidade supranacional para administrar a questão ambiental amazônica e a proposta de sanções contra os países que apresentassem má conduta em matéria de proteção ambiental. Texto final prevê a criação, no âmbito das Nações Unidas, de uma entidade supranacional, voltada para todo o Trópico Úmido, cujas decisões terão caráter cogente, através do Tribunal Penal Internacional. Os EUA não são signatários. 3. O INTERESSE ESTRANGEIRO b. A Cúpula de Haia - A Cúpula de Haia (10 e 11 de março de 1989) foi convocada por iniciativa do primeiro-ministro da França, Michel Rocard, a fim de discutir a proteção da atmosfera. Participaram 24 países. O Brasil foi representado pelo embaixador Paulo Tarso Flexa de Lima. - Os objetivos ocultos da Conferência surgiram na proposta de Declaração de Haia. O texto propunha, ostensivamente, que fosse criada uma entidade supranacional para administrar a questão ambiental amazônica e que fossem adotadas sanções contra os países que apresentassem ‘má conduta’ em matéria de proteção ambiental. - No dia 3 de abril, os jornais franceses publicaram a íntegra da Declaração. Apesar de o Brasil ter evitado a aprovação da proposta inicial, o texto final manteve o embrião da criação, no âmbito das Nações Unidas, de uma entidade supranacional, para promover a gestão ambiental, porém voltada para todo o Trópico Úmido. Na alínea c, fica explícito que as decisões da ‘Nova Autoridade Institucional’ terão um caráter cogente, através do Tribunal Penal Internacional. - Os Estados Unidos não são signatários da Declaração de Haia. - O Congresso Nacional reagiu com uma Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado, a CPI da Amazônia, em cujas conclusões consta: “A floresta amazônica como pulmão do mundo é uma falácia, originada de um erro de jornalista, e mantida graças à ignorância generalizada de botânica e de geofisiologia. Ao contrário das florestas, são os oceanos, por suas algas e fitoplanctons, os grandes responsáveis pela produção e acúmulo de oxigênio na atmosfera terrestre”. Relatório da CPI da Amazônia: “A floresta amazônica como pulmão do mundo é uma falácia, originada de um erro de jornalista, e mantida graças à ignorância generalizada de botânica e de geofisiologia. Ao contrário das florestas, são os oceanos, por suas algas e fitoplanctons, os grandes responsáveis pela produção e acúmulo de oxigênio na atmosfera terrestre”.

25 3. O INTERESSE ESTRANGEIRO
c. A Tese Ecológica de Kofi Annan O ex-Secretário Geral da ONU tem postulado que a Região Amazônica, enquanto patrimônio da humanidade, seja submetida ao sistema internacional de tutela, baseado na Carta das Nações Unidas. Sugere que os países amazônicos, voluntariamente, coloquem o território sob a jurisdição do Conselho de Tutela. 3. O INTERESSE ESTRANGEIRO c. A Tese Ecológica de Kofi Annan - O ex-Secretário Geral da ONU, Sr. Kofi Annan, tem postulado a tese de que a Região Amazônica, enquanto patrimônio da humanidade, seja submetida ao sistema internacional de tutela, referido nos artigos 75 e seguintes da Carta das Nações Unidas. Para isso, sugere que os países amazônicos, voluntariamente, coloquem o território sob a jurisdição do Conselho de Tutela.

26 4. A INTEGRAÇÃO SULAMERICANA
- Centros de Poder, Pólos e Corredores de Integração. 4. A INTEGRAÇÃO SULAMERICANA - Centros de Poder, Pólos e Corredores de Integração. - Slide com o Mapa Político da América do Sul, esquemático, com o Brasil em destaque, contendo os centros e pólos de poder amazônicos e seus eixos de articulação com os países circunvizinhos.

27 4. A Integração Sulamericana
Caracas Georgetown Paramaribo BOGOTÁ Caiena 4. A Integração Sulamericana BOA VISTA MACAPÁ QUITO LETÍCIA TABATINGA ÓBIDOS BELÉM MANAUS RIO BRANCO PORTO VELHO LIMA SANTARÉM CUIABÁ LA PAZ BRASÍLIA S. C. DE LA SIERRA Centros de Poder Pólos Regionais Corredores de Integração SÃO PAULO Santiago Montevidéu 10. A INTEGRAÇÃO SULAMERICANA - Centros de Poder, Pólos e Corredores de Integração. - Slide com o Mapa Político da América do Sul, esquemático, com o Brasil em destaque, contendo os centros e pólos de poder amazônicos e seus eixos de articulação com os países circunvizinhos. Buenos Aires

28 4. A Integração Sulamericana
Caracas Georgetown Paramaribo BOGOTÁ CARACAS Caiena 4. A Integração Sulamericana BOA VISTA MACAPÁ QUITO LETÍCIA TABATINGA ÓBIDOS BELÉM MANAUS RIO BRANCO PORTO VELHO LIMA SANTARÉM CUIABÁ LA PAZ BRASÍLIA S. C. DE LA SIERRA Centros De Poder Pólos Regionais Corredores de Integração Áreas Protegidas/Reservas SÃO PAULO - Slide com as mesmas informações anteriores sobrepostas às áreas de reservas e de proteção ambiental. Centros de Poder Pólos Regionais Corredores de Integração

29 R$ 835 milhões - ORÇAMENTO BASE 1995 (100%)*
5. POLÍTICA DE DEFESA a. Evolução comparativa dos Orçamentos e do Efetivo Militar R$ 835 milhões - ORÇAMENTO BASE 1995 (100%)* EFETIVO X 1000 27,0 23,8 67% 21,0 21,3 53% 49% 48% 34% 6,0 95 97 01 03 05 07 86 01 03 05 07 ANO * Considerando-se a variação do IGP-DI/FGV 13

30 5. POLÍTICA DE DEFESA b. Programa Calha Norte (PCN):
 Estados (6): Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima  Área: Km2 32% do Território Nacional  Municípios (194): Acre: 22 (todos) Amapá: 16 (todos) Amazonas: 62 (todos) Pará: 27 (inclusive a I. de Marajó) Rondônia: 52 (todos) Roraima: 15 (todos) 13

31 Total de recursos aplicados no período de 1986 a 2006:
5. POLÍTICA DE DEFESA b. Programa Calha Norte (PCN): Total de recursos aplicados no período de 1986 a 2006: US$ ,00 13

32 Resumo Geral das Vertentes Militar e Civil
5. POLÍTICA DE DEFESA b. Programa Calha Norte (PCN): Resumo Geral das Vertentes Militar e Civil Estimativa R$ ,00 rrrrrrrr R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 11 R$ ,00 R$ ,00 R$ - 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 militar civil 13

33 6. CONCLUSÃO Qual é o futuro que o Brasil deseja para a sociedade amazônica, os índios e os recursos naturais da Região? “Se as nossas autoridades não se preocuparem com a Amazônia, mais cedo ou mais tarde, ela se destacará do Brasil, natural ou irresistivelmente, como se desprega uma nebulosa de seu núcleo, pela expansão centrífuga de seu próprio movimento”. (Euclydes da Cunha -1908) 11. CONCLUSÃO - O momento atual porta o desafio de decidir o futuro da sociedade amazônica, dos índios e dos recursos naturais da Região. - Qual é o futuro que o Brasil deseja para a sociedade amazônica, os índios e os recursos naturais da Região? - “Se as nossas autoridades não se preocuparem com a Amazônia, mais cedo ou mais tarde, ela se destacará do Brasil, natural ou irresistivelmente, como se desprega uma nebulosa de seu núcleo, pela expansão centrífuga de seu próprio movimento”. Euclydes da Cunha (1908).

34 6. CONCLUSÃO “A tribo dos brasileiros não aprendeu com os índios do passado que uma vastidão abandonada desperta a cobiça de invasores aventureiros”. (Jornal do Brasil, 28/01/2007) - “A tribo dos brasileiros não aprendeu com os índios do passado que uma vastidão abandonada desperta a cobiça de invasores aventureiros”. (Jornal do Brasil, 28/01/2007)

35 6. CONCLUSÃO “Árdua é a missão de desenvolver e defender a Amazônia. Muito mais difícil, porém, foi a de nossos antepassados, em conquistá-la e mantê-la”. (Gen Rodrigo Octávio, 1969)

36 A PROBLEMÁTICA AMAZÔNICA


Carregar ppt "A PROBLEMÁTICA AMAZÔNICA Gen Ex MAYNARD MARQUES DE SANTA ROSA"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google